Monitor5_728x90

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Tudo gira em torno de saber contar uma boa história e cativar a platéia

Eu sempre insisto nisso. Quem conseguiu contar a história de que o Brasil estava "quebrado" e a Petrobrás idem levou o prêmio. Azar de quem não conseguiu contar uma história que desmentisse essa.

Tem gente que fica puto ou estressado por causa de gente tentando vender alguma coisa na rua, no busão, ou mesmo pedir esmola. Ou, pior, aqueles que sempre procuram uma desculpinha esfarrapada pra não dar esmola.Em vez de dizer "não dou e pronto, porra", preferem contar da reportagem que saiu sei lá onde, falando na Indústria da Esmola, ou merdas do tipo. Aí vem aquele papo de "trabalhar que é bom...".

Eu discordo. Uma vez que escritores, roteiristas e outros ganham a vida contando histórias para quem quiser pagar por elas, acho que o mesmo vale pra marreteiro ou quem pede esmolas. Eles estão também vendendo uma história, que pode ser boa ou não, bem contada ou não. São comerciantes e negociantes também, e podem ou não ser remunerados pela atividade. Assim, se o cara te pede uma grana pelo motivo "x", você pode ser convencido a ceder, bastando que a história seja verossímil, tenha um enredo bacana, todos os quesitos que fazem uma história ser apreciada e aprovada pela platéia. Os maus contadores de histórias, ao contrário, são rejeitados pelo público.

Até os de coração endurecido podem ser levados a comprar um chocolate ou dar umas moedas a alguém. Basta, repito, que a história contada seja boa o suficiente para convencer o freguês.

Assim, os roteiristas responsáveis pela reação ao golpe precisam melhorar, porque já tem defunto concordando que precisa trabalhar muito mais e abandonar essa história de "aposentadoria".

.

.

Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe