Monitor5_728x90

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

ECONOMIA EM PANDARECOS Imprensalão golpista tenta culpar Trump por desastre Temer



MÍDIA FAZ DE TRUMP O BODE EXPIATÓRIO DE TEMER

Arruinada pelo golpe parlamentar de 2016, a economia brasileira encontrou agora um bode expiatório para sua incapacidade de reagir: Donald Trump; pelo menos é essa a versão dos meios de comunicação que se associaram a esse processo; na manchete do Estado de S. Paulo desta terça-feira, "informa-se" que, em razão do "efeito Trump", o crescimento será ainda menor em 2017 – em vez de 1,20%, apenas 1,13%; ou seja: uma diferença de gigantescos!!! 0,07 pontos; há mais de seis meses no poder, a dupla Temer-Meirelles piorou quase todos os indicadores econômicos e ainda não indiciou um caminho para a retomada do crescimento

Sempre dispostos a dar uma forcinha ao governo Temer, os meios de comunicação que se associaram ao golpe parlamentar de 2016 – e a à consequente falência da economia brasileira – encontraram agora um bode expiatório para justificar o fracasso da política econômica de Henrique Meirelles: Donald Trump, o presidente eleito dos Estados Unidos.

Segundo a manchete desta terça-feira do jornal Estado de S. Paulo, a vitória de Trump retardará o processo de queda dos juros e da retomada do crescimento, como se a recessão brasileira, a maior de todos os tempos, viesse de fora para dentro, em vez de ter sido construída internamente.

Na reportagem do Estado, fica claro que o efeito Trump será mínimo. Em vez de crescer 1,20% em 2017, o Brasil avançará 1,13% – ou seja, uma diferença de míseros 0,07 pontos. Numa situação ou na outra, isso significará andar de lado, depois de uma queda de 5% em 2015 e de 3,5% em 2016.

A quebra da economia brasileira, no entanto, foi construída em várias etapas, a partir da vitória da presidente Dilma Rousseff, em 2014, quando a economia estava praticamente em pleno emprego.

Em 2015, o primeiro movimento foi a estratégia do "quanto pior, melhor", que envolveu uma combinação de obstrução total no Congresso, liderada pelo PSDB de Aécio Neves, que se somava aos efeitos negativos da Lava Jato sobre os setores de construção, indústria naval e petróleo.

Depois da posse temporária de Temer, em 13 de maio de 2016, veio então a farra fiscal para criar as condições para o impeachment definitivo, em 31 de agosto. Nesse período, o rombo fiscal foi ampliado de R$ 70 bilhões para mais de R$ 170 bilhões e diversos aumentos foram concedidos ao funcionalismo.

Agora, a recessão Temer-Meirelles já se encontra em sua terceira etapa, em que, com o desemprego recorde, consumidores travam seus gastos, colocando a economia num ciclo perverso de menos consumo, menos produção, menos investimento e menos arrecadação.

Definitivamente, a culpa não é de Donald Trump.


LEITURA COMPLEMENTAR

A maior farsa discursiva do globalismo financeiro, e portanto, da infecta mídia mundial, é apontar a direita nacionalista como "extrema-direita". É claro que isso é falso. Economicamente, discursos como os de Trump, Marine LePen ou Erdogan, apesar de direitistas, reservam ao estado ainda o papel de regulador das barreiras alfandegárias e indutor do desenvolvimento através de investimento em infraestrutura. Em alguns casos, como os de Trump e LePen, essa versão é reforçada com ênfase excessiva na mensagem muitas vezes xenófoba de seus discursos. Mais uma vez aspectos comportamentais e culturais cegam a esquerda para o que a caracteriza: a posição quanto ao tamanho do papel do estado na economia e no papel de redistribuidor de riqueza. Acordem, pelo amor de Deus. Extrema-direita é o que está aí. Nós estamos em plenos governos de extrema-direita, que destruíram os estados-nacionais, os instrumentos de intervenção do estado na economia e concentraram renda a partir de Reagan-Thatcher como nunca antes na história do mundo. O neo-liberalismo é a extrema-direita. Ou nós o destruímos ou a própria direita terá que fazer o serviço.


...

Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe