Monitor5_728x90

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Temer usa o filho para se tornar popular. Por Jasson de Oliveira Andrade



Os pais levarem o filho na escola é normal. No entanto, o presidente interino, Michel Temer, fazer isso APENAS UMA VEZ só para aparecer na mídia escrita e falada é, no mínimo, ridículo. O jornal VALOR assim noticiou o inusitado fato: “Temer convoca a imprensa para vê-lo buscar o filho na escola”. O Estadão (27/7/2016) assim noticiou, com título irônico (LUZ, CÂMERA E AULA PARA MICHELZINHO – Casal Temer busca filho; imprensa acompanha): “O presidente em exercício, Michel Temer, abriu espaço em sua agenda ontem [26/7] para buscar o filho Michelzinho, de 7 anos, na Escola das Nações, em Brasília, acompanhado de sua mulher, Marcela Temer. (...) Os jornalistas foram avisados pela assessoria do Planalto de que Temer iria à escola e que poderiam ser feitas imagens (sic). Essa foi a primeira vez que os três apareceram em público, desde que Marcela e o filho se mudaram para Brasília. (...) A movimentação na porta da escola provocou irritação (sic) em outros pais. “Por que vocês (imprensa) não vão atrás dos corruptos, ele (Michelzinho) é só uma criança”, disse uma mãe que não quis se identificar. Outra mãe afirmou que a presença do filho do presidente em exercício e o assédio à escola causam mal-estar na comunidade.” 

O jornalista Janio de Freitas escreveu na Folha (28/7): “Michel Temer disse, certa vez, que “a governabilidade não depende só de base parlamentar, sem apoio popular não existe”. A notícia recente de que um em cada três brasileiros não sabem quem ele é, ou nem sabem que existe, provocou-lhe a ideia obsessiva de ser popular. Já está em execução a planejada série de aparições suas em TV, internet e em eventos, ainda que nada tenha com os motivos deles (como a inauguração de nova linha do metrô carioca). Mas apelar (sic) para o uso do próprio filho, CONVOCANDO A IMPRENSA PARA VÊ-LO BUSCAR O FILHO NA ESCOLA (destaque meu), por uma vez, ultrapassa muito a falta de compostura (sic)”.

Já Bernardo Mello Franco, em artigo à Folha sob o título “Michelzinho é um fenômeno”, comentou: “Michelzinho é um fenômeno. Aos 7 anos, o caçula do presidente interino já produziu três manchetes desde que o pai assumiu o poder. A primeira revelou sua vocação para as artes gráficas. Com dedinho em riste, o menino escolheu a nova logomarca do governo federal. (...) Duas semanas depois, Michelzinho demonstrou seu talento precoce para os investimentos. O jornal “O Estado de S. Paulo” noticiou que ele é proprietário de dois imóveis comerciais no Itaim Bibi. Somando, o valor dos conjuntos ultrapassa a cifra de R$ 2 milhões. (...) Temer informou que doou as posses ao herdeiro. Em 2014, ele declarou ter um patrimônio de R$ 7,5 milhões. Os números reais devem ser bem maiores, entre outros motivos, por que a lei eleitoral não obriga os políticos a atualizarem o valor de imóveis. (...) Nesta terça (26/7) Michelzinho voltou ao noticiário na condição de FILHO DECORATIVO (destaque meu). Acompanhado da mulher, que é 43 anos mais nova, Temer foi busca-lo numa escola particular de Brasília. Não foi uma mera atividade familiar. A assessoria do Palácio do Planalto montou uma cena e convocou a imprensa para registrá-la. Um cinegrafista da Presidência chegou a entrar no colégio. Pais de outros alunos reclamaram da presença dos repórteres. (...) Segundo auxiliares, a ideia era suavizar a imagem do interino. Pesquisas indicam que o estilo dele, excessivamente formal e quase sempre soturno (sic), não atrai a simpatia dos eleitores, Temer tem manifestado o desejo de se tornar mais popular. Apesar de seus talentos, é possível que nem o fenômeno Michelzinho consiga operar este milagre”.

Como se viu, a exploração do próprio filho de apenas 7 anos foi um tiro no pé. O feitiço virou contra o feiticeiro: ao invés de torná-lo mais popular, a medida, ao contrário, trouxe prejuízos. A sua imagem ficou arranhada!

JASSON DE OLIVEIRA ANDRADE é jornalista em Mogi Guaçu


,,,


...

Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe