Monitor5_728x90

sábado, 30 de julho de 2016

Hillary Clinton, candidata da guerra



Na convenção nacional do Partido Democrático norte-americano foi nomeada como candidata à presidência Hillary Clinton, esposa do ex-presidente Bill Clinton e Secretária de Estado durante o governo de Barack Obama.

A nomeação de Clinton mostra uma tendência à direita do imperialismo norte-americano. Ela recebeu da grande burguesia norte-americana mais de 300 milhões para derrotar a ala esquerda de seu partido nas eleições primárias. Clinton é conhecida por ser uma representante da ala direita do partido, neoliberal e pró guerra. Enquanto ela era Secretária de Estado, responsável pela política externa dos EUA, Clinton apoiou o golpe militar em Honduras dizendo que este era “constitucional”, foi ela uma das responsáveis pela invasão da Líbia que levou ao esfacelamento do País, durante seu mandato de senadora ela votou pela invasão imperialista do Iraque que resultou na efetiva destruição do Estado nacional iraquiano e na morte de milhões e se coloca abertamente em defesa do Estado de Israel no conflito e massacre do povo palestino.

A vitória de Clinton na nomeação mostra que se Clinton vencer, a política dos EUA fará uma acentuada curva à direita, ela é sem dúvida a candidata mais reacionária a concorrer pelo partido nas últimas décadas. Isso é uma amostra de que a burguesia imperialista acuada pela crise econômica e social que tomou todos os países imperialistas só vê como saída a criação de governos de choque contra as suas classes trabalhadoras e contra todos os países atrasados.

Uma presidência de Clinton vai buscar uma ataque militar contra países como Irã, Russia, China, e iria fortalecer a tendência golpista internacional que existe hoje. O Partido Democrático quer apresenta-la como grande defensora das mulheres, dos negros, dos LGBT, trabalhadores etc. O histórico e a política que ela defende mostra que ela é de fato a candidata dos bancos, dos bilionários de Wall Street, ela é a candidata que vai mandar milhões de trabalhadores americanos matar e mutilar dezenas de milhões em países como Irã, é a candidata que vai fazer de tudo para garantir o lucro das corporações parasitárias dos EUA.



Uma pesquisa de opinião divulgada essa semana, encomendada pela NBC News e pelo Wall Street Journal mostra que Hillary Clinton tem a maior rejeição entre eleitores democratas de toda a história durante a Convenção Nacional do partido. Quase tão impopular quanto ela, o único que chegou perto de ter tanta rejeição foi seu marido, Bill Clinton, que acabou revertendo o quadro e elegendo-se presidente, em 1992. A rejeição de Bill Clinton logo antes da Convenção que o nomeou candidato do Partido Democrata à presidência era de 19% dos eleitores democratas. O mais perto que chegaram da rejeição de Hillary, que é de 20%.

Hillary chegou à Convenção para ser nomeada como candidata de um partido profundamente dividido e em crise. Pouco antes da Convenção, o sítio Wikileaks revelou emails entre burocratas do partido mostrando que o aparelho dos democratas tinha trabalhado para beneficiar sua candidatura contra o pré-candidato Bernie Sanders. Durante sua fala na Convenção, Hillary foi vaiada, e Sanders foi chamado de traidor por apoiá-la.

Sanders tinha uma candidatura à esquerda de Hillary, propondo fortalecer sindicatos, aumentar o salário mínimo, saúde pública e ensino superior de graça. Enquanto Hillary é uma das candidatas mais direitistas que os democratas já lançaram, candidata do mercado, de Wall Street, e de uma política externa extremamente intervencionista. Com candidaturas tão diferentes, o partido chegou rachado à Convenção. E diante do fato de que Hillary levou a nomeação com ajuda de um golpe da direção do partido, ela chega com a maior rejeição entre os eleitores democratas da história.

...

Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe