Monitor5_728x90

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Cerco a Lula e cumplicidade escancarada com tucanos como Aécio e Serra é um emblema daquilo que imprensa brasileira se tornou


O governo de usurpação nacional vai mal, Temer não engana ninguém, a farsa do impeachment está mais do que desmontada, Lula lidera pesquisas para as eleições presidenciais de 2018. O que fazer

Fácil: voltar ao sítio.

Folha e Estadão apresentam hoje manchetes quase iguais ("Lula orientou empreiteira em reforma de sítio, diz PF"; "PF diz que Lula e Marisa orientaram obra em sítio"). Manchetes sustentadas em informações que apenas reprisam outras, já antigas. Mas é claro que a manchete não obedece a critério jornalístico.

O critério é político. Está na hora de pegar a baleia branca. O cerco a Lula volta a crescer e, novamente, coloca-se no horizonte a sua prisão. Imprensa, PF e Poder Judiciário retomam suas jogadas ensaiadas. O golpe, convém não esquecer, é parlamentar, mas também midiático, judicial, policial e empresarial.

O que os casos do sítio e do apartamento até agora provam, sem margem de dúvida, é que Lula mantinha um compadrio com grandes empresas que é indigno de um líder político popular. Isso nem é surpresa. Mas, sobretudo, não constitui crime. Lula tem apresentado explicações e documentos sobre os dois casos. Se são suficientemente convincentes, cabe analisar, mas ele os está apresentando - ao contrário de Aécio, de Temer, de Alckmin, de Serra e de tantos outros, que a cada novo escândalo retiram da gaveta a mesma declaração de que "nada é verdade" e isso parece bastar para os jornalistas, policiais e juízes.

O cerco a Lula é um emblema daquilo que a imprensa brasileira se tornou. Ela não é simplesmente enviesada, partidária ou mesmo manipuladora. Ela age de forma criminosa contra a democracia e contra os direitos fundamentais.

LUIS FELIPE MIGUEL, no Facebook

.

...


Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe