Monitor5_728x90

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Prefeitura de São Paulo repudia reportagem do Estadão: "Jornal esconde que alta no índice de roubos ocorreu EM TODA A CIDADE, e não apenas na 'cracolândia' "


Nota de Esclarecimento sobre má-fé jornalística do Estadão

Com má fé jornalística e irresponsabilidade, “O Estado de S. Paulo” forçou uma reportagem para tentar associar uma suposta alta localizada de criminalidade à Prefeitura de São Paulo

Com má fé jornalística e irresponsabilidade, “O Estado de S. Paulo” forçou uma reportagem para tentar associar uma suposta alta localizada de criminalidade à Prefeitura de São Paulo. No texto “Após 2 anos de ação municipal, roubos avançam 25,4% nos DPs da cracolândia” (A14; 16/01/2016), o jornal relaciona o aniversário de dois anos do programa De Braços Abertos à alta de roubos em três bairros nos períodos de janeiro a novembro de 2013 a 2015, induzindo o leitor a imaginar uma relação causal direta ou estimulando o pensamento equivocado de que a Prefeitura é responsável pela segurança pública, uma atribuição constitucional do Governo do Estado, que faz o policiamento e o combate ao tráfico de drogas.

Aos fatos:

A comparação feita pelo Estadão com dados das delegacias de polícia de três bairros (Bom Retiro, Campos Elíseos e Santa Ifigênia), com dados de janeiro a novembro de 2013 a 2015, mostra que os roubos aumentaram 25%. Porém, o jornal omite que essa alta ficou na média da cidade inteira: o aumento de roubos na capital foi de 24%, considerando o mesmo período, de acordo com os dados disponíveis no site da SSP-SP, a mesma base de dados consultada pelo Estadão.

No quadrilátero formado pelas Alameda Nothmann à Avenida Duque de Caxias e Rua Conselheiro Nébias à Alameda Cleveland, região conhecida como “cracolândia”, os índices de roubo registraram queda de 32% de 2013 a 2015 ( na comparação dos períodos de janeiro a outubro, com base no Infocrim ). Os outros crimes ( furtos, roubo de veículo e lesão corporal dolosa ) tiveram quedas ainda mais expressivas.

O jornal ainda afirma ter ouvido “especialistas” que associam o programa DBA ao suposto aumento nos roubos, mas na realidade fez uma repercussão enganosa. Um dos entrevistados é Fábio Fortes, presidente do Conseg de Santa Cecília, que não é considerado fonte isenta por ser opositor ideológico e político-partidário do DBA e da Prefeitura [ GRIFO DESTE BLOG ].

O DBA é um programa de trabalho, moradia, assistência social e tratamento médico, de participação voluntária, com centenas de cadastrados. O texto não explica a grave insinuação de que seriam os cadastrados do DBA os responsáveis por roubos em bairros próximos. Caso o Estadão acredite mesmo que dois anos de ação municipal de recuperação de pessoas em situação de grave fragilidade social seja a causa dos roubos em três bairros vizinhos, caberia questionar por que não faz a mesma associação maliciosa com as ações sociais complementares feitas por igrejas, ONGs ou até mesmo o Governo do Estado no mesmo território.

Prefeitura de São Paulo

.

.

Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe