Monitor5_728x90

domingo, 10 de janeiro de 2016

Citado 3 vezes por delatores na Lava Jato, se Aécio Neves fosse petista já estaria na Papuda



Expoentes do PT como João Vaccari Neto ou José Dirceu, etc, estão presos porque foram alvos de delações premiadas. Quando empreiteiros, banqueiros, doleiros ou laranjas acusam petistas, a mídia produz manchetes tonitruantes, os telejornais se esbaldam e a oposição, Aécio Neves à frente, exigem prisão, tortura, decapitações etc. contra os acusados.

Eis que, em 30 de dezembro, Aécio Neves apareceu pela segunda vez na Operação Lava Jato; na primeira, foi citado pelo doleiro Alberto Youssef como responsável pela montagem de um ‘mensalão’ em Furnas. Neste domingo, 10 de janeiro, surge uma terceira menção.

Em negociação para firmar um acordo de delação premiada, o ex-presidente do PP (Partido Progressista) Pedro Corrêa alega ter informações capazes de comprometer aproximadamente cem políticos, entre eles dois ministros do atual governo: Jaques Wagner, da Casa Civil, e Aldo Rebelo, da Defesa. A relação apresentada por Corrêa durante as tratativas, porém, inclui Aécio.

As três menções ao ex-candidato tucano a presidente e linchador-mor de petistas citados na Lava Jato pouco ou nada diferem das que levaram petistas à cadeia, recentemente. É tudo questão de a Justiça decidir que acusações sem provas vai levar a sério e para quais irá requerer “provas” que não são pedidas para acusados filiados ao partido contra o qual a Lava Jato foi pensada.

São três – uma, duas, três – menções a Aécio no âmbito da Lava Jato e tais menções não tem sido suficientes para que ele ao menos tenha a decência de calar a boca e parar de acusar outros por problemas com a Justiça que também tem.

Tomemos, por exemplo, o caso de Jaques Wagner, ministro-chefe da Casa Civil. Delatores ligados a uma empreitiera dão como “prova” de que ele se corrompeu doação eleitoral de 50 mil reais dessa empresa ao ministro quando se candidatou ao governo da Bahía. Esse valor corresponde a cerca de 1% dos gastos dele de campanha e foi devidamente registrado na Justiça Eleitoral.

Contudo, a celeuma que se formou em torno disso em nada lembra o tratamento da grande mídia que vem sendo dado a Aécio, contra quem, apesar de ser o líder da oposição, praticamente não se vê uma mísera manchete com destaque, isso sem falar que muitos veículos nem sequer se dão ao trabalho de registrar que o tucano foi acusado.

O vazamento contra Jaques Wagner é escandaloso porque foi feito exatamente no momento em que ele começava a falar de política em nome do governo de forma a reagir aos ataques da oposição. O que soa essa acusação ridícula envolvendo um valor ridículo é que se trata de um recado: pare de falar, do contrário vai virar alvo da mídia.

Voltando a Aécio, se puxarmos o caso da Lista de Furnas, por exemplo – uma denúncia antiga contra tucanos de Minas que ganhou força ao voltar à cena via delatores da Lava Jato -, o envolvimento de Aécio se mostra grave.

Só para refrescar algumas memórias: dois dos principais delatores da operação Lava Jato, o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, mencionaram, em agosto do ano passado, que políticos do PSDB receberam recursos desviados de empresas estatais como a Petrobras e Furnas. Entre os beneficiados foram citados o ex-presidente nacional partido Sérgio Guerra e o senador Aécio Neves.

O que Yousseff e Paulo Roberto Costa dizem contra petistas tem um peso, o que dizem contra tucanos, outro.

O caso da Lista de Furnas, que até hoje ninguém conseguiu provar que é falsa, contem acusações contra Aécio que, se para elas fosse usado o mesmo critério usado para acusações contra petistas, já teriam levado o tucano para a Papuda.

A essa denúncia somam-se as outras supracitadas, mas o silêncio da mídia é sepulcral. E com a mídia em silêncio a Justiça não anda, os “torquemadas” da Lava Jato não se indignam, não produzem aqueles showzinhos que são suas entrevistas coletivas.

A Operação Lava Jato poderia ser uma benção para o país. Porém, não passa de uma farsa.

Desde que todos nos conhecemos por gente sabemos que empreiteiras corrompem agentes do poder público para ganharem os contratos que as tornaram mega empresas transnacionais. As mesmas empreiteiras que têm contratos com o governo federal, com a Petrobrás, têm contratos com Estados e municípios, muitos dos quais governados por tucanos e outros oposicionistas.

E mídia e Justiça tentam nos fazer crer que no escândalo dos trens em São Paulo as mesmas empreiteiras que corromperam funcionários da Petrobrás e que constroem estações ferroviárias e metroviárias para o governo tucano, só corrompem agentes do poder público se forem de governos petistas. É o samba do descendente de europeu doido.


.

Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe