domingo, 29 de novembro de 2015

O que o Datafolha mostra e a Folha esconde




Ter acesso direto à pesquisa dos institutos é melhor que se basear exclusivamente na interpretação dos jornais. Por exemplo, na página do Datafolha, é possível conhecer detalhes que a própria Folha de S. Paulo não se interessa em mostrar.

Primeiro, é importante dizer que o instituto não trabalha com as qualificações "péssimo", "ruim", "regular", "bom" ou "ótimo", mas com notas: de um a dez. As notas 5 e 6, por exemplo, compõem o que os jornais chamam de "regular".

Assim, na avaliação dos brasileiros, em agosto, o governo Dilma era regular para 20%. E bom (notas 7 e 8) ou ótimo (9 ou 10) para 14%. O que mostra que 34% dos ouvidos não concordam que o governo seja ruim ou péssimo.

O que é surpreendente, diante da crise econômica, política, e artilharia pesada da imprensa. O resultado, então, destoa daqueles "apenas 8%" de aprovação tão propagados.

Se olharmos as regiões, a situação é bem diversa entre elas. Enquanto no Sudeste, 31% dos pesquisados atribuíam nota cinco ou maior para Dilma, no Nordeste, esse percentual saltava para 44%.

Ainda em agosto, Dilma tinha 41% no Norte, 31% no Sul, e 28%, no Centro-Oeste, a menor avaliação.

É importante levar em consideração o peso de São Paulo, no Sudeste. Não será surpresa, se o percentual dos que não reprovam Dilma nos outros estados da região seja maior.

=========== X X X ============

NOTA DESTE BLOGSe os números apresentados pelo Datafolha forem confiáveis e representativos, por mais que se fale o tempo todo em "crise,crise,crise", soa muito curioso que apenas 10% dos entrevistados achem que o desemprego é o maior dos problemas do Brasil na atualidade.

.


Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe