Monitor5_728x90

sexta-feira, 10 de julho de 2015

"Principal obra de Alckmin" contra apagão de água tucano entra na mira do Ministério Público



MP investiga obras na represa Billings

A principal obra do governo do Estado para combater a crise hídrica entrou na mira do Ministério Público. Orçada em R$ 130 milhões, a ligação entre a Billings e o sistema Alto Tietê é apontada pelos promotores como uma intervenção de alto risco, que pode aumentar a poluição nos mananciais que atendem a região metropolitana.

Os 22 km de adutoras que estão em construção vão levar água da represa para moradores hoje atendidos pelos sistemas Alto Tietê e Cantareira, os dois reservatórios que estão em situação mais crítica. O que levou o MP a abrir inquérito sobre o caso foi o temor de que a interligação espalhe poluição para rios e lagos considerados mais limpos.

A Billings hoje sofre com poluição pesada que é causada, entre outros motivos, pelo despejo da água do Rio Pinheiros na represa. É essa água contaminada que o Ministério Público que evitar que seja "espalhada" por cursos de água da grande São Paulo. A previsão do governo do Estado é terminar a obra em setembro.

Crise

Desde que começou a crise hídrica, a Billings virou peça central na estratégia do governo do Estado no combate ao desabastecimento. O Rio Grande, braço mais limpa da represa que atende o ABC e bairros da Zona Sul de São Paulo, está em situação tranquila, com 93% da capacidade. O Cantareira segue no volume morto, com 19,6%.

Desde abril a represa, que antes abastecia somente São Bernardo, Diadema e parte da Santo André, passou também a atender cerca de 250 mil moradores de bairros como Pedreira, Cidade Júlia e Jardim Rubilene, na Capital.


.




.

Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe