terça-feira, 26 de agosto de 2014

Vídeo de jornalista americano sendo degolado no Iraque seria uma farsa?


Execução do jornalista norte-americano: Uma encenação hollywoodiana

Via Octopus

Um vídeo divulgado na terça-feira, dia 19, na internet, onde se vê um jornalista freelancer norte-americano a ser decapitado, está chocando a América e o mundo. A execução foi reivindicada pelo Estado Islâmico ( ex-Estado Islâmico do Iraque e do Levante ) e registada em vídeo.

Na gravação, James Foley faz uma curta declaração, na qual condena as ações dos Estados Unidos no Iraque e acusa o governo de Washington de ser o responsável por sua morte.

O vídeo, com elevada qualidade de imagem e som, apresenta um jihadista todo vestido de preto e James Foley vestido cor de laranja vivo (curiosamente as cores dos detidos em Guantânamo) com o deserto ao fundo. Mais parece um filme ao estilo de “Lawrence da Arábia”, e de facto poderá sê-lo.

Vários pormenores não batem certo:

– Pelos planos apresentados, existem duas câmaras filmando a cena, o que não deixa de ser curioso.

– As imagens são bem enquadradas, filmadas em HD, com cores e luzes perfeitas.

– O som é perfeito e claro, de alta-fidelidade.

– O jornalista tem, inesperadamente, colocado um microfone de lapela.

– O jornalista que sabe que irá ser executado fala com uma voz calma e clara (como se recitasse um texto decorado) de cabeça levantada, o que não é habitual neste tipo de situação.

– O executante exibe um punhal que para decapitação não passa de uma faca de cozinha. Para decapitar alguém necessita-se de um sabre ou catana, dado a dificuldade em quebrar as vértebras cervicais.

– Esse punhal possui um cordão, que pode ser colocado em volta do punho, que no momento da execução não existe.

– As execuções habitualmente são feitas no local de detenção e não no meio do deserto.

– O executante tem curiosamente um sotaque britânico.

– Habitualmente, os executantes são mais do que um.

– Habitualmente, o executado (neste contexto) é colocado no chão, dado que com este pequeno punhal é muito difícil decapitar alguém de pé ou ajoelhado.

– Ao se cortar o pescoço de uma pessoa pela frente, imediatamente começa a jorrar sangue pelas lesões das carótidas.

– Os vários vídeos de decapitações praticados pelos jihadistas são apresentados sem cortes. Neste, quando começa a decapitação, existem alguns segundos de interrupção ( fundo negro, sem imagens ). Se o objetivo dos jihadistas era de chocar, por que interromper as imagens? Não querem ferir a susceptibilidade das pessoas mais sensíveis?

– Depois da decapitação, existe uma pequena poça de sangue junto do pescoço ( demasiada pequena ). No entanto, a cabeça está ensanguentada e não existe qualquer rasto de sangue na túnica do executado.


.

.

.

Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe