domingo, 31 de agosto de 2014

Currais eleitorais tucanos de classe-média são os que menos economizam água em Sampa!


A própria SABESP tucana contradiz a idiotice dita acima por uma candidata do PSDB a um cargo eletivo este ano.
Região dos Jardins é a que menos economiza água em SP, diz Sabesp

Dados são referentes ao consumo no primeiro semestre de 2014.

Bairros do Jaçanã, na Zona Norte, foram os que tiveram a maior redução.

Bairros considerados de alto padrão têm a pior média de economia de água na cidade de São Paulo, de acordo com a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). A região dos Jardins, na Zona Oeste da capital, foi a que menos economizou água na cidade no primeiro semestre de 2014. [ Nota deste blog, que fez o serviço para que ninguém pudesse alegar falta de tempo ou coisa parecida: CLIQUE AQUI E VEJA OS ÚLTIMOS RESULTADOS NESTES BAIRROS NAS ELEIÇÕES DE 2008 - para prefeito - E 2010 - para presidente ]

A Sabesp aponta que imóveis residenciais e comerciais dos Jardins Paulista, Europa, América, além da Lapa, Alto de Pinheiros, Boaçava, Sumaré e Perdizes tiveram redução de 7,36% entre janeiro e junho.

Desde fevereiro, a Sabesp oferece bônus para os consumidores abastecidos pelo Sistema Cantareira que atingirem a meta de 20% de redução ou mais. Para esses consumidores, há desconto de 30% na conta.

Os bairros da região do Jaçanã, na Zona Norte, foram os que mais conseguiram reduzir a conta de água, com economia de 20,43% no primeiro semestre.

Consumo em junho

Se considerado somente o mês de junho, o bairro com menor consumo médio por domicílio na cidade foi o Grajaú, na Zona Sul, com 9,71 metros cúbicos (m³). Já nos Jardins, o consumo médio foi o dobro (18,11 m³). Um metro cúbico equivale a 1 mil litros.

A explicação da Sabesp é que a região dos Jardins concentra pessoas com alto poder aquisitivo, onde a economia na conta não faz diferença no orçamento. A bancária Camila Silva denuncia o desperdício. “Eu vejo menos consumo [na cidade], mas aqui é uma região que gasta bastante. Lavam calçada, tem muita piscina.”

A região também possui muitos comércios, restaurantes, salões de beleza e escritórios, com movimento dia e noite e que atraem pessoas de toda capital, segundo o presidente da Associação dos Moradores dos Jardins, Fernando José da Costa. "Nós temos uma região estritamente comercial que utiliza muito água, por exemplo hospital, restaurante, hotel. Os hóspedes que permanecem mais de um dia já tem a consciência de não pedir pra lavar a toalha", afirmou.

Uma padaria 24 horas tem consumo acima da média da região, mas conseguiu fazer mudanças simples que já reduziram o valor da conta de água. “Conscientizando os nossos funcionários pra não abrir a torneira, fechar logo em seguida. No banho ser rápido, porque nós temos o vestiário”, afirmou o gerente geral do comércio, Renato Rinaldi.

Evolução da economia

Em janeiro, o consumo médio por pessoa na capital paulista foi de 165,2 litros por dia. Em junho, o volume caiu para 140,29, redução de 16,23%. A Organização das Nações Unidas (ONU) recomenda que cada pessoa use 110 litros de água/dia. A região do Jaçanã, que engloba seis bairros da Zona Norte, foi a que mais diminuiu o consumo na capital no primeiro semestre deste ano. A economia foi de 20,43%, de acordo com a Sabesp.

Em um salão de cabelereiro no Tucuruvi, a proprietária conseguiu diminuir o consumo sem perder a clientela. A solução foi não desperdiçar a água fria dos lavatórios. Antes as funcionárias deixavam a torneira aberta até a água esquentar. Agora, elas abrem a mangueira e já começam a molhar as pontas do cabelo. Quando a lavagem chega na raiz, água já está aquecida.

Em um posto de combustíveis do bairro, a medida foi mais radical, mas resultou em economia de 1 mil litros de água por dia. A primeira mudança foi diminuir o número de torneiras de quatro para uma. “Na ducha, nós também suspendemos alguns dias na semana e reduzimos o horário”, revelou o proprietário Marcos Gomes. ( G1 )

.


Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe