sábado, 22 de fevereiro de 2014

O plano imperialista de treze anos para Síria




por Slobodan Eric



Só a pouco e pouco se vão pondo no seu lugar as peças do quebra-cabeças. Em entrevista concedida à publicação sérvia Geopolitika, Thierry Meyssan explica o que hoje se pode ver do plano imperialista traçado por Washington para o Médio Oriente, em 2001. Observa que a resistência dos povos fez fracassar esse plano, e sublinha que todos teremos de pagar as consequências, tanto os povos oprimidos como os acreditaram poder dominá-los.

Geopolitika: Estimado senhor Meyssan, pode explicar, brevemente, aos leitores de Geopolitika o que está sucedendo na Síria neste momento? É que quando se segue a informação dos grandes canais de televisão, e os relatórios do Observatório de Direitos Humanos [OSDH], não conseguimos entender qual é a real situação nesse país em guerra. Parece-nos que sopra um vento positivo para o presidente Assad, para o exército sírio e para todas as forças patrióticas que defendem a Síria, depois da iniciativa russa sobre a eliminação das armas químicas que destruiu o plano de intervenção dos Estados Unidos e da OTAN.

Thierry Meyssan: Segundo os países membros da OTAN e do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG), os sírios levantaram-se contra o seu governo há 3 anos, mimetizando os norte africanos. Isso foi o que se designou como a «primavera árabe». O governo, ou melhor «o regime» –como o chamam depreciativamente– respondeu recorrendo à força e à brutalidade. Esta versão é sustentada através do Observatório Sírio de Direitos Humanos [OSDH], que divulga uma contabilidade sobre a quantidade de vítimas.

A realidade é muito diferente. No momento dos atentados do 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos decidiu destruir um certo número de países, entre os quais a Líbia e a Síria. Essa decisão foi revelada pelo ex-comandante supremo da OTAN, o general Wesley Clark, que se manifestou contra. Tratava-se de criar uma unidade política, indo de Marrocos até à Turquia, à volta da Irmandade Muçulmana, de Israel e da globalização económica. Em 2003, depois da queda do Iraque, o Congresso norte-americano(estadounidense- Br) adoptou o Syria Accountability Act (em inglês,Lei de Avaliação da Síria-ndT) que autorizou o presidente dos Estados Unidos a entrar em guerra contra Síria, sem necessidade de consultar o Congresso. Em 2005, os Estados Unidos utilizaram o assassinato de Rafik Hariri para acusar o presidente Bachar el-Assad de ter ordenado o crime, e criaram o Tribunal Especial para o Líbano para condená-lo, e entrar em guerra contra o seu país. Aquela acusação desmoronou-se com o escândalo das falsas testemunhas. Em 2006, Washington subcontratou a Israel uma guerra contra o Hezbolá, com a esperança de implicar a Síria. Em 2007, os Estados Unidos organizaram, e financiaram, grupos da oposição, na órbita da Irmandade Muçulmana, no exílio,. Em 2010, decidiram subcontratar esta guerra e a guerra contra Líbia à França e ao Reino Unido, que concluíram com esse fim o Tratado de Lancaster House. Em 2011, a OTAN enviou secretamente comandos para a Síria para semear o pânico e a destruição. Depois da queda da Líbia, transladaram o posto de comando dos seus exércitos terrestres para Izmirna [na Turquia], e os combatentes líbios da al- Qaida foram enviados para o norte da Síria. Esta guerra de agressão custou a vida a 130.000 sírios e a um grande número de combatentes estrangeiros.

Desde agosto e setembro de 2013 e a crise das armas químicas, os Estados Unidos admitiram que não conseguiriam derrubar o Estado sírio. Interromperam os seus envios de armas e, assim, os jihadistas estrangeiros só podiam contar com Israel, França e a Arábia Saudita. O exército lealista recuperou terreno, em todas as frentes e as grupos armados estão sendo derrotados, menos no norte do país. Mas, Washington continua a bloquear a paz na Síria enquanto não conseguir impor o seu arranjo da questão palestina.

Geopolitika: Que consequências tem a derrota do Exército Sírio Livre, apoiado pelo Ocidente? Qual é a situação em Alepo e nas demais frentes de batalha? Quem financia e apoia a Frente al-Nusra, a al-Qaida e os demais grupos islamistas extremistas? Serão os islamistas radicais, apesar de não serem populares, soldados auxiliares que estão a atacar a Síria por conta do Ocidente?

Thierry Meyssan: No princípio a OTAN decidiu lançar uma guerra de 4a geração. O objetivo era afogar a população síria com uma onda de falsas informações tendentes a fazer-lhe crer que o país se tinha sublevado, e que a revolução tinha triunfado, para que as gentes aceitassem a mudança de regime como uma fatalidade. O papel dos grupos armados consistia em realizar ações simbólicas contra o Estado –por exemplo, contra as estátuas de Hafez al-Assad, o fundador da Síria moderna– e actos de terrorismo para intimidar o povo e convencê-lo que não se opusesse.

Cada um desses grupos armados recebia ordens dos oficiais da OTAN mas não tinha um comando central, porque se queria dar a impressão de que existia uma insurreição generalizada, e não uma guerra de frente contra frente. Todos esses grupos, sem contacto entre, si levavam uma só etiqueta, a do Exército Sírio Livre (ESL). Identificavam-se com uma mesma bandeira –verde, branca e negra– que é historicamente a bandeira do mandato francês, do período intermédio entre as duas guerras mundiais, ou seja a bandeira da ocupação colonial.

Quando os ocidentais decidiram mudar de estratégia, em julho de 2012, trataram de unir esses grupos sob um só comando. Mas nunca o conseguiram, devido à rivalidade entre seus diferentes padrinhos: Turquia, Catar e Arábia Saudita.

Desde o começo que as únicas forças militares eficazes no terreno são as dos jihadistas, que proclamam a sua vinculação à al-Qaida. Eram eles a ponta de lança do ESL durante a primeira fase da guerra. Depois dissociaram-se[do ESL] quando Estados Unidos os qualificaram de «terroristas». E, hoje, dividem-se principalmente entre a Frente Islâmica –financiada pela Arábia Saudita–, a Frente al-Nusra – financiada pelo Catar– e o Emirado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL ou Daesh, em árabe), financiado pela OTAN, através de Turquia, mas que recebe ordens da Arábia Saudita. A rivalidade é tanta que esses 3 grupos vão matando-se mais entre si, do que lutam contra o Estado sírio.

Geopolitika: Ante a informação maliciosa, e seletiva, dos media globais, poderia dizer-nos quem atacou inocentes cidadãos, e crianças, com gás sarín? Aqui, na Sérvia, onde tivemos a experiência do massacre de Raçak, e o massacre de habitantes de Sarajevo no mercado de Markale, e se lançou a culpa aos sérvios sem prova alguma, tudo isso nos parece o guião de um filme, que já vimos, de «exploração do massacre». Estão a perder efeito essas sangrentas montagens, que serviram para manipular a opinião pública, e desencadear as intervenções militares contra a ex- Jugoslávia, e em outros lugares críticos do mundo, ou –dito de outra maneira– será que se está a tornar mais difícil enganar as gentes?

Thierry Meyssan: O ataque com gás sarín na Ghouta de Damasco, ou seja na cintura agrícola da capital, não foi o primeiro ataque com gás. Anteriormente houve outros em que a Síria recorreu inútilmente ao Conselho de Segurança da ONU. Segundo a oposição no exílio, o governo bombardeou essa zona da Ghouta, durante vários dias, para acabar de matar a população com gases. O presidente Obama, estimando que aquele ataque ultrapassava a «linha vermelha», ameaçou, então, destruir Damasco. O presidente francês Hollande seguiu-o na escalada. Mas, em definitivo, a Síria – aceitando a proposição da Rússia– assinou a Convenção contra as armas químicas, e entregou as suas reservas dessas armas à OPAQ (Organização para a Proibição das Armas Químicas). E não houve bombardeio contra Damasco. Faz uns dias, o Massachussets Institute of Technology (MIT)(inglês para, Instituto de Tecnologia de Massachussets-ndT) publicou um relatório que demonstra que os mísseis químicos recolhidos na Ghouta têm um alcance inferior a 2 quilómetros. Mas, segundo os mapas divulgados pela Casa Branca alegava-se um alcance de 9 quilómetros(quilômetros-Br) para que as forças leais fossem responsabilizadas pelo atingir da «zona rebelde». Por outras palavras, é impossível que esses foguetes viessem das forças governamentais.

Esse estudo confirma os relatórios dos satélites russos, que reportaram que os Contras tinham disparado 2 foguetes contra sua própria zona. Também valida as confissões, divulgadas pela televisão síria, 3 dias depois dos factos, de um indivíduo que confessou ter transportado esses mísseis, carregados até Damasco, desde uma base do exército turco. Valida, ademais, as acusações de famílias alauítas de Latakia, que reconheceram entre as vítimas as suas crianças, sequestradas no mês anterior pelos Contras. E, finalmente, valida a investigação de Seymour Hersh, que revela que – contrariamente ao que disse Barack Obama– as observações do Pentágono não assinalaram nenhuma atividade das forças [governamentais] de armas químicas, durante os dias anteriores aos factos. A vocês, [na Sérvia], não surpreenderá este caso, porque vocês viveram esse mesmo tipo de agressão, por parte das mesmas potências. E isso, funciona hoje com a mesma eficácia que antes. Mas as mentiras têm perna curta. E isto funcionou, mas não deu resultado. O público ocidental acreditou, mas não houve bombardeio contra Damasco, porque Rússia o impediu alinhando a sua frota ao longo da costa da Síria. Assim, para destruir a cidade, o Pentágono tinha que disparar desde o Mar Vermelho – por cima da Jordânia e da Arábia Saudita– o que teria provocado uma grande guerra regional. E só agora conhecemos a verdade com certeza, ou seja 6 meses depois.

Geopolitika: Queremos questioná-lo também sobre a situação dos cristãos na Síria. Houve notícias de que os islamistas da al-Nusra ocuparam e saquearam a localidade de Maalula, que é um antigo santuário cristão. As freiras teriam sido, igualmente, sequestradas?

Thierry Meyssan: Para sangrar a Síria, a OTAN recorreu simultaneamente a colaboradores sírios e a combatentes estrangeiros. Durante a segunda parte da guerra, ou seja desde a primeira conferência de Genebra –em junho de 2012–, assiste-se a um fluxo sem precedentes de Contras. Trata-se de uma guerra como a que se orquestrou contra a Nicarágua sandinista [em meados dos anos 1980], mas com uma proporção de mercenários estrangeiros que nunca se tinha atingido anteriormente. Há, atualmente, 120 000 combatentes estrangeiros, provenientes de 83 países, lutando na Síria contra o Estado. Todos são partidários do wahabismo, seita fundamentalista no poder na Arábia Saudita, no Catar e no emirado de Sharjah. A maioria dizem ser takfiristas, ou seja «puros» e condenam à morte os «apóstatas» e os «infiéis».

Assim é que nas manifestações gritam «Os alauitas para o túmulo!, Os cristãos para o Líbano!» Durante 3 anos massacraram dezenas de milhar de alauítas (uma igreja xiita que considera que a fé é uma questão interna, que não se expressa através de ritos) e cristãos. Sobretudo obrigaram centenas de milhar de cristãos a fugir, abandonando os seus bens. Hoje em dia obrigam-nos a pagar um imposto especial, por ser infiéis.Como estamos a chegar a um final da guerra, os grupos armados tratam de vingar-se da sua derrota através de operações espetaculares. Assim atacaram Maalula, uma cidade cristã onde ainda se fala a língua de Cristo, o aramaico. Ali, cometeram atrocidades que deixaram toda a gente em choque. Houve cristãos que foram torturados em público e que morreram como mártires, negando-se a abjurar da sua fé.

Geopolitika: Segue com muita atenção, e precisão, a situação no Médio Oriente. Como qualificaria a situação no Egipto? Pensa você que a situação nesse país se consolidou após as ação determinada do comando militar? É a primeira derrota séria dos que planificam as revoluções árabes? Como explica o respaldo dos Estados Unidos a um grupo islamista radical como a Irmandade Muçulmana?

Thierry Meyssan: A expressão «primavera árabe» é um subterfúgio dos jornalistas, para dizer que acontecimentos que eles não entendem, estão ocorrendo, simultaneamente, em países muito diferentes onde se fala o mesmo idioma: o árabe. É, também, uma forma de propaganda que disfarça de revoluções várias guerras de agressão. O Departamento de Estado inquieto quanto à sucessão de Hosni Mubarak tinha decidido derrubá-lo, para poder escolher ao mesmo tempo o seguinte governo. Assim organizou a fome, em 2008, especulando com os produtos alimentícios. Para garantir a mudança formou uma equipe ao redor da Irmandade Muçulmana. E esperou que o caldeirão começasse a ferver.

Quando começou a revolta, o Departamento de Estado enviou o embaixador Frank Wisner –o mesmo que organizou o reconhecimento internacional da independência de Kosovo– para ordenar a Hosni Mubarak que se demitisse. E isso fez Mubarak. Depois, o Departamento de Estado ajudou a organizar eleições, que permitiram à Irmandade Muçulmana pôr na presidência Mohamed Morsi, quem tem a dupla cidadania egípcio-americana, com menos de 20% dos votos. Já no poder Morsi abriu a economia às multinacionais americanas, anunciou a privatização do Canal de Suez, impôs uma constituição islamista, etc. Então, o povo sublevou-se de novo. Mas já não foram só uns quantos bairros do Cairo, como da primeira vez. Em resumo, o exército retomou o poder e encarcerou aos dirigentes da Irmandade Muçulmana. Agora sabe- se que esta última estava a negociar o o traslado da população palestina de Gaza para o Egipto. No Egipto, tal como no conjunto do mundo árabe, Hillary Clinton contava com a Irmandade Muçulmana. Esta organização secreta, que foi criada no Egito para lutar contra o colonialismo britânico, na realidade foi manipulada pelo M.I: 6 e hoje tem a sua sede internacional em Londres.

Desde o ano 2001 que Washington tinha planificado a ascensão da Irmandade Muçulmana, facilitando a eleição –na Turquia– de um responsável político que tinha estado no cárcere como membro da Irmandade Muçulmana, mas que dizia tê-la abandonado: Recep Tayyip Erdogan. Depois de 80 anos tentando numerosos golpes de Estado em vários países, a Irmandade Muçulmana chegou ao poder na Líbia, trazida na bagagem pela OTAN e, através das urnas, na Tunísia e no Egipto. Participa nos governos em Marrocos e na Palestina. Na Síria confere uma imagem política aos Contras. Revelou-se na Turquia. Dispõe de conselheiros de relações públicas turcos, em todo o lado, e do financiamento do Catar, ou seja da Exxon-Mobil e –portanto– dos Rockefeller. Tem os seus próprios canais de televisão, e o seu principal pregador, ao-Qadarawi, é o «conselheiro espiritual» (sic) do canal catari Al-Jazeera. A Irmandade Muçulmana impõe um Islão(Islã-Br) sectário, que oprime as mulheres e assassina os homossexuais. Em troca, sustenta que o inimigo dos árabes não é Israel mas sim o Irão e abre os mercados às multinacionais americanas(estadounidenses- Br).

Durante 2 anos e meio chegou-se a crer que a Irmandade Muçulmana chegaria a governar todo mundo árabe, mas hoje os ocidentais abandonaram-na porque em nenhum lado conseguiram atingir um apoio popular maciço. Nunca tiveram da sua parte mais de 20% da população.

Geopolitika: A partir da sua «torre de vigia» no Médio Oriente, poderia explicar-nos a surpreendente amizade entre o governo da Sérvia e os Emirados Árabes Unidos? O príncipe Mohamed Ben Zayed Al Nahtan veio várias vezes à Sérvia, onde anunciou vários investimentos dos Emirados na agricultura sérvia e no turismo. A companhia aérea Etihad comprou –práticamente a absorveu– a companhia sérvia JAT Airways. Podem esses contactos políticos e económicos entre o Abu Dabi e Belgrado concretizarem-se sem consentimento de Washington? Que razão teria a Casa Branca para estimular a cooperação entre os Emirados e a Sérvia?

Thierry Meyssan: Os Emirados Árabes Unidos estão numa situação muito difícil. Primeiramente é uma federação de 7 Estados bastante diferentes, entre os quais se acha o emirado wahabita de Sharjah. Depois, são demasiado pequenos para poder enfrentar o seu poderoso vizinho – a Arábia Saudita– e o seu cliente –Estados Unidos. Assim trataram de diversificar a sua lista de protetores oferecendo uma base militar à França, mas esse país regressou ao comando integrado da OTAN. Em 2010 abandonaram a ideia de desempenhar um papel diplomático na cena internacional, depois que a CIA assassinou, em Marrocos, o príncipe Ahmed, por estar financiando em segredo a resistência palestina. O levantamento das sanções dos Estados Unidos contra o Irão afetará os portos [dos Emirados], que se tinham convertido em trampolim do tráfico que burlava o embargo [contra o Irão]. Agora estão à procura de novos sócios económicos do seu tamanho. Ao negociar com a Sérvia estão balançando além do mais a influência wahabita do Catar, que criou Al-Jazeera na Bósnia.

Geopolitika: Que pensa você do panorama atual das relações internacionais?A presença militar russa no Mediterrâneo, e suas ações diplomáticas que tornaram impossível a intervenção contra a Síria, o seu estímulo para que a Ucrânia não assine um acordo com a União Europeia, a firme posição da China sobre as ilhas em disputa no Pacífico, é tudo isso mostra do fortalecimento de um mundo multipolar? Que resposta pode esperar-se dos Estados Unidos, e da elite governamental global, ante as derrotas que sofreram depois de certas revoluções coloridas, e árabes, e ante a evidente tendência atual do enfraquecimento do poder ocidental?

Thierry Meyssan: O enfraquecimento dos Estados Unidos é um facto. Esse país tinha previsto realizar uma demonstração de força atacando, simultaneamente, a Líbia e a Síria. E em definitivo não pôde fazê-lo. Hoje em dia os seus exércitos são pouco eficazes e não consegue reorganizá-los. Mas os Estados Unidos ainda continuam a ser, a muita distância, a primeira potência militar do mundo, e isso permite-lhes impôr o dólar, apesar da sua dívida exterior não ter equivalente histórico. Nos últimos anos a China e a Rússia progrediram consideravelmente, e conseguiram, ao mesmo tempo, evitar um confronto direto. Pequim converteu-se na primeira potência económica do mundo, enquanto Moscovo (Moscou-Br) é de novo a segunda potência militar. Esse processo vai continuar já que os dirigentes chineses e russos demonstraram a sua capacidade, enquanto os dirigentes americanos mostraram a sua própria incapacidade para adaptar-se. Sou, pelo contrário, céptico quanto ao desenvolvimento da África do Sul, Brasil e Índia, países que – no momento – se desenvolvem economicamente, mas nos quais não vejo ambições políticas. As elites globais estão divididas. Há os que pensam que o dinheiro não tem pátria, e que depois de Washington virá outra potência, e os que estimam que a sua própria força provem do ameaçador poderio militar do Pentágono.

Geopolitika: Dada a informação que você tem e a credibilidade das suas análises, gostaríamos de conhecer a sua opinião sobre a política do governo da Sérvia, que conduz persistentemente o país para a União Europeia, apesar da ausência total de entusiasmo por parte do seu povo, e que para conseguir esse objetivo, aceitou participar com Bruxelas e Washington na destruição da resistência sérvia diante da secessão albanesa do Kosovo e Metojia.

Thierry Meyssan: O atual governo sérvio não entende a nossa época. Ele reage sempre como se Rússia estivesse nas mãos de Boris Yeltsin e não pudesse ajudá-lo. E, ao fechar, ele mesmo, as portas do Kremlin, não lhe resta outra possibilidade que voltar-se para a União Europeia, e pagar as consequências dessa opção. Agora carrega com o peso da vergonha de ter abandonado a resistência sérvia. A verdade é que não é o único Estado dos Balcãs nessa situação. A Grécia e o Montenegro também teriam que se voltar para Rússia, e não o fazem. Pode-se dizer, sem lugar a dúvidas, que a maior vitória do imperialismo é ter conseguido dividir, e isolar, os povos, ao extremo de fazer-lhes crer que já não podem escolher a sua própria política.

Geopolitika: Na sua anterior entrevista à nossa publicação o senhor disse que os membros do UCK [Exército de Libertação de Kosovo] tinham treinado elementos que combatiam na Síria para a realizar de actos de terrorismo. Mantêm-se o UCK e os kosovares activos na luta contra o presidente Assad, e contra os legítimos órgãos de governo da Síria? Tem informação sobre a presença, entre os islamistas, de muçulmanos provenientes da Bósnia, Kosovo e Metojia e da região de Sérvia onde vive uma maioria muçulmana (cidade de Novi Pazar)?

Thierry Meyssan: Os jihadistas que lutam na Síria proclamam através dos seus sítios na internet que receberam treino(treinamento-Br) do UCK e, inclusive, difundem por essa via fotos das suas relações. Tudo isso foi organizado, evidentemente, pelos serviços secretos turcos –o MIT– cujo atual chefe, Hakan Fidan, actuava como agente de ligação entre o exército turco e o Estado Maior da OTAN, durante a guerra do Kosovo.

Sabemos também que numerosos jihadistas que hoje estão na Síria vêm dos Balcãs. Mas, parece que a Turquia já não está alimentando esse fenómeno (fenômeno-Br). Actualmente, a polícia e a justiça turcas estão realizando uma operação contra o governo de Erdogan. Inclusive têm conseguido sacar à luz do dia as relações pessoais do primeiro-ministro (premiê-Br) com o banqueiro da al-Qaeda, que recebia secretamente em Istambul, apesar deste individuo figurar na lista de pessoas procuradas pela ONU. Por essa via, aTurquia financiava as ações de al-Qaida na Síria. O senhor Erdogan diz ser vítima de um complô de seu ex-sócio, o pregador muçulmano Fethullah Gullen. É provável que na realidade este último se tenha aliado ao exército kemalista contra Erdogan, que –apesar do que afirme– continua sendo membro da Irmandade Muçulmana. Ao princípio, vários Estados membros da OTAN ou a esta vinculados incitaram os muçulmanos a juntar-se à jihade na Síria. Mas, agora, temem que esses elementos regressem aos seus países de origem, já que essas pessoas, que violaram, torturam e cortaram gente aos pedaços, para exibi-los, não podem regressar coletivamente a uma vida civil normal.

Quando a CIA criou o movimento jihadista contra a União Soviética, no Afeganistão, o mundo ainda não estava globalizado. Tinha muito menos viagens, e portanto estavam mais vigiados. Não tinha internet. A CIA podia manipular muçulmanos no Afeganistão, sem temor de vê-los aparecer onde não os queria. Hoje em dia, o que a OTAN iniciou na Síria continuou desenvolvendo-se por si só. Já não há necessidade de organizar vias para que os jovens se unam aos Contras na Síria, porque podem fazê-lo por si mesmos. Tanto repetiram que a Síria era uma ditadura que agora todo mundo crê isso. E é romântico ir-se lutar contra uma ditadura. Numerosos governos estão pedindo atualmente à Síria que os ajude a identificar os seus nacionais de seus entre os jihadistas. Mas, como o faria Síria, e por que teria que prestar essa ajuda aos que trataram de destruí-la? A guerra irá apagando-se, paulatinamente, na Síria, os jihadistas regressarão aos seus países, incluindo toda a Europa, onde prosseguirão a guerra para a qual os treinaram os próprios europeus.

E não haverá solução pacífica para essa situação, porque, se a OTAN chegasse a ganhar na Síria e a derrubar a administração Assad, seria inclusive pior. Este seria um sinal que levaria a que todos os aprendizes jihadistas do Ocidente tratassem de fazer nos seus países o mesmo que deu resultado no Médio Oriente. O Ocidente e os países do Conselho de Cooperação do Golfo pariram monstros, com cujos crimes teremos que viver.


Tradução 


.Al-Qaeda’s Real Origins Exposed

.Al-Qaeda Rebels To Meet US Officials: Sources

.

Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe