sábado, 28 de setembro de 2013

"A Indústria da Multa não Existe" em: "Remoção" e "Reforço". A CET faz de tudo para não te multar



( Baseado em fatos reais. Alguns fatos, no entanto, foram omitidos, por serem absurdos demais )

- CET, boa tarde!
- Boa tarde! Aqui é Fulano e gostaria de solicitar fiscalização por motivo de veículo estacionado sobre calçada.
- Um momento, por favor... Ah, agora sim! Qual o endereço?
E Fulano passa o serviço ( "Rua Pires Gumercindo, veículos estacionados na calçada em toda a extensão da rua, lado par; número de referência é o 532..." ). O atendente da CET, gentil e atencioso como sempre, agiliza os trâmites, dá um número de protocolo e diz pro munícipe que a "viatura já foi acionada" etc.
- Oquei, responde Fulano.
- Boa tarde!
- Igualmente, obrigado!

No dia seguinte, munido do protocolo do dia anterior, nosso herói ( Fulano ) liga para a CET, querendo saber o que foi feito de sua solicitação. O atendente faz a busca e explica:
- A viatura não compareceu. O senhor fez "reforço"?
- O quê? "Reforço"? Como assim? Que que é isso?
- O senhor ontem ligou eram umas 15:30hs, correto?
- Sim, e daí?
- Quando for assim, e o senhor perceber que o pedido não foi atendido, volte a ligar ( uma hora depois, mais ou menos ), para "reforçar" a solicitação e...
- UAI! Mas eu telefono pra CET faz mais de 10 anos ( desde 99 mais ou menos ), já consegui até guinchar carros - Que saudade, aliás! - e nunca me falaram disso aí de "reforço"!!
- É...pois é...
- Tá, tudo bem então. Então anota aí: carros sobre calçada, rua Pires Gumercindo...

Sim. Mesmo endereço do dia anterior. O local em questão é uma espécie de calçada-estacionamento e "ponto viciado", onde todos os dias da semana e ao longo do dia inteiro as calçadas são ocupadas por carros, sem dó nem piedade. Comerciantes, moradores, todos se locupletando do espaço do pedestre. 
Como Fulano tem passado por ali quase diariamente nos últimos três anos, e vivenciado in loco o problema, não admira sua revolta ao ver que suas "súplicas", feitas em ritmo febil nesse tempo todo junto ao órgão de trânsito, não surtiram nenhum tipo de efeito. E tendo que escutar vagabundos reclamando duma tal "Indústria da Multa" que existiria em São Paulo. Mas fácil existir o Monstro de Loch Ness.

Pois bem. Novamente Fulano passa o endereço onde o crime acontece sem tréguas. 
Uma hora depois, volta a ligar. O tal do "reforço".

No dia seguinte, o mesmo script. Liga pra CET, passa o número de protocolo para consultar:
- E aí?
- O agente compareceu ao lugar e fez duas "remoções".
Fulano sabe o que é essa tal "remoção". Ele ironiza:
- É quando, depois de deixar as pessoas estacionarem em locais proibidos o dia inteiro, a fiscalização simplesmente pede que o dono do carro, por favor, retire o veículo do local., certo?
- Sim, senhor.
- É um prêmio, na verdade...
- Como, senhor?
- Nada, nada... Bom, pelo menos hoje alguém foi lá. Muito obrigado.
- A CET agradece a sua ligação.

No outro dia, tudo se repete. Não sei por que Fulano insiste nisso. A época em que a CET atuava decentemente já passou. O efetivo é cerca de três vezes menor que o necessário. Se um Prefeito ousar aumentar o número de agentes, a população joga piche e penas nele. O povo é mimado.
Pois bem, nosso herói vai com fé:
- Boa tarde, meu nome é Fulano, tem carro sobre a calçada em toda a Rua Pires Gumercindo etc etc etc
- Pois não, senhor. Numero de protocolo etc etc etc

Uma hora depois, nova ligação e o "reforço"...

No dia seguinte:
- Consultar número de protocolo etc etc etc
- Pois não, senhor. Só um momento.
- Tá bom...
- Olha, o agente foi no local e disse que a denúncia "não procede"...
- COMÉQUIÉ?
- "Não procede."
- Mas, olha, amigo... Eu telefonei praticamente a semana toda, por causa desse local aí. Eu ainda estou de posse dos números onde ontem tinha carro estacionado na calçada. Ontem eu contei 14, hoje tinha bem mais. Ontem eles estavam - anota aí! - no 138, 142, 156, 178, 304, 428, 448, 458, 522, 532, 774, 928. Hoje estavam nos mesmos lugares, eu re-anotei tudo. Hoje só não tinha no 304, mas no 308 e 356 tinha.
- Então, senhor, eu estou olhando no GugolSatelite, e estou vendo que a calçada ali é bastante larga...
- Oras, que seja. A da Avenida Paulista também é e, até onde sei, não é permitido estacionar naquelas calçadas. Lá e em lugar nenhum. O pedestre tem que ser punido pelo fato de ser "favorecido" por calçadas largas?
- Não, mas é que... Olha, eu estou vendo que tem vários "recuos" e...
- Olha só... Eu não dirijo, não sei muito bem como são as leis de trânsito. Eu SEI que ali existem recuos, mas o que tem mais é que o comerciante pinta umas faixa amarelas em plena calçada e toma a vaga pra ele. Isso não é recuo, até eu sei disso. Eu sei dos recuos existentes ali e sei quais são e quais não são.
- Sim, senhor...
- E tem outra coisa!
- O que?
- Ontem eu tinha ligado pra vocês, como relatei alguns minutos atrás...
- Sim...
- Os locais que indiquei foram praticamente os mesmos de hoje, e dei o mesmo número de referência...
- Correto...
- Ontem eu telefonei lá pelas 16:00hs. O sujeito só apareceu depois das 19:30hs. Quase todo mundo já tinha se evadido. Ainda assim ele efetuou duas "remoções", três horas depois do primeiro chamado. 
Então, se existe lá esse monte de "recuos" e "não procedes", dentro de um cenário idêntico ao de hoje, como é que o agente procedeu essas duas "remoções"? Ele verificou que REALMENTE os carros estavam nos locais e ainda deu uma "mãozinha" pros motoristas, certo?
- Certo... 
- Mas aí, hoje é diferente, hoje tem "recuo"? Todos os mais de uma dezena de carros que eu flagrei estavam estacionados em "recuo"? Como é que pode?
- Olha, senhor, eu não sei. Por quê o senhor não entra no site da CET e cadastra o local para uma inspeção regular?
- Eu já fiz isso, e ainda assim continuo telefonando quase diariamente para vocês. Parece até que é proibido multar essa gente, que troço estranho!
- Bom senhor, se o senhor tiver mais alguma solicitação, alguma dúvida...
- Tsk! Não, não, tudo bem, deixa quieto por hoje. Tenha um bom trabalho e obrigado pela atenção.
- A CET agradece a sua ligação.


.

2 comentários :

Fernando disse...

Bom dia!!!!!!!

Realmente concordo em gênero, número e grau e compartilho da sua indignação. A CET além de se ruma indústria de multas, não fiscaliza as ruas, cruzamentos e similares como deveria. Hoje ao levar minha esposa para o trabalho à pé, quase fui atropelado por uma van tresloucada que fez uma conversão irregular, mudando de uma mão para outra em uma avenida super movimentada e, detalhe, tinha um canteiro central e uma placa enorme de proibido fazer o retorno. Além de fiscalização séria e decente, falta consciência e respeito por parte de muitos motoristas com as leis e principalmente os pedestres.

Servílio Gentil Lavapés disse...

Desculpe discordar: você NÃO CONCORDA COMIGO, na medida em que diz "A CET além de se ruma indústria de multas". Eu escrevi justamente o oposto: não existe indústria de multas. Quanto à parte da fiscalização, bem, eles não dispõem de efetivo sufuciente. Li, há algum tempo, a informação de que mais de 70% das multas de trânsito provém dos radares. Os amarelinhos completam o resto. E, mesmo assim, daria para arrecadar mais, se a Prefeitura não fosse tão frouxa.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe