quinta-feira, 27 de junho de 2013

Japão: idoso processa televisão por excesso de americanismos


Ancião processa televisão por usar estrangeirismos
Um pensionista japonês quer ser indemnizado pela televisão pública NHK em 1,41 milhões de ienes (10.100 euros), alegando que o uso excessivo de estrangeirismos tornou muitos dos seus programas ininteligíveis.
"A base da sua queixa é que o Japão está a ser demasiado americanizado", disse hoje o advogado de Hoji Rakashi, de 71 anos.
O indivíduo alegou que o uso excessivo de palavras estrangeiras nos programas da NHK lhe causa "angústia emocional", impedindo-o de entender os conteúdos.
"Há um sentimento de crise de que este país está a tornar-se uma província da América", continuou o advogado Mutsuo Miyata.
A língua japonesa tem um vocabulário rico, mas tem uma tradição de importar palavras de outros idiomas, por vezes de forma bastante inventiva e, em algumas ocasiões, alterando o significado no processo, escreve a AFP.
A maioria dos falantes de japonês não pensaria duas vezes em incluir as palavras "trouble", "risk", "drive" ou "parking", entre muitas outras.
Embora o inglês forneça a maioria dos estrangeirismos na língua japonesa - em consequência da ocupação norte-americana do pós II Guerra Mundial e subsequente fascínio da cultura norte-americana - as palavras importadas de outras línguas também estão em uso.
Assim, a palavra para trabalho a tempo parcial é uma versão adaptada para japonês do termo alemã "arbeit", enquanto "concierge" deriva do francês e o termo espanhol "pan" é comummente entendido como pão.
Contudo, com a estrutura fonética japonesa, a palavra inglesa "trouble" torna-se "toraburu", por exemplo, enquanto o francês "concierge" é pronunciado "konsheruju".
"Ele decidiu avançar com um processo porque a estação de televisão não lhe respondeu", disse o advogado e antigo colega de escola do queixoso.
Para Miyata, "esta é uma questão da cultura japonesa, do próprio país, incluindo a sua política e economia".
A NHK disse que se escusa a comentar o caso enquanto não receber qualquer notificação do tribunal.
Tradicionalistas em França e na parte francesa do Canadá também estão preocupados com a erosão da língua nativa à medida que aumenta a influência de Hollywood.
Em 1994, os deputados franceses passaram a "Lei Toubon", que estipula que a a língua e educação em França devem ser franceses, salvo algumas exceções.
O Quebec tem uma agência de governo que impõe normas, segundo as quais um certo número de materiais deve estar escrito em francês. ( DN )

Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe