sábado, 29 de setembro de 2012

Teste de DNA liberta condenado à morte nos EUA

Damon Thibodeaux, condenado à morte no estado norte-americano do Luisiana, foi declarado inocente, 15 anos depois de ter sido preso, após exames de ADN terem provado que não participou na violação e homicídio de uma adolescente em 1996.
Thibodeaux, de 38 anos, colocado em liberdade na sexta-feira, tinha declarado ser inocente, depois de ter afirmado que foi forçado a confessar o crime durante um interrogatório de mais de nove horas e pelo seu estado de esgotamento.
"Naquele momento, estava cansado, com fome. Tudo o que queria era dormir e estava disposto a contar-lhes o que quisessem desde que me tirassem da sala de interrogatório", explicou Thibodeaux, num comunicado divulgado pelos seus advogados.
Mais tarde, depois de descansar, Thibodeaux decidiu retratar-se e defendeu a sua inocência. No entanto, foi condenado, em 1997, à pena capital.
Esta sexta-feira, depois de ter sido libertado, afirmou desejar voltar a ser "um homem livre de novo". "Nutro uma grande compaixão pela família [da adolescente assassinada] Crystal Champagne. Espero sinceramente que a pessoa que a matou seja encontrada e levada a julgamento", declarou.
O grupo ativista "Innocence Project", que coordenou a defesa, assinalou que Thibodeaux é o 18.º réu que se encontra no corredor da morte nos Estados Unidos e que é libertado na sequência de testes de ADN.
Crystal Champagne, 14 anos, foi encontrada estrangulada debaixo de uma ponte nos arredores de Nova Orleães e Thibodeaux foi um dos primeiros suspeitos interrogados.
A única prova contra Thibodeaux foi a sua própria confissão e o relato de testemunhas que afirmaram, numa fase inicial, terem-no visto a rondar o lugar onde foi encontrado o cadáver da jovem, os quais viriam a ser retificados depois.
Em 1999, Thibodeaux requereu a revogação da sua condenação por falta de provas, contudo, o pedido foi-lhe negado.
O processo esteve praticamente parado até que o procurador do distrito, Paul Connick, decidiu reabrir a investigação a pedido da defesa do condenado que alegou existirem provas da sua inocência, o que levou então à realização de testes de ADN e a nova audição das testemunhas. ( JN )

EUA: Dispara no vizinho após "violação telepática" da mulher

Um norte-americano de 54 anos, acusado de tentativa de homicídio e posse de arma ilegal, terá disparado um tiro no vizinho por acreditar que ele tinha "violado telepaticamente" a sua mulher.
Foi, pelo menos, essa a justificação que Michael Selleneit deu em tribunal, num depoimento no qual não se esqueceu de mencionar que o guitarrista Eddie Van Halen costuma "visitá-lo na mente".
O crime ocorrido num quintal de Centerville, no estado do Utah, em Outubro de 2011, foi explicado pelo autor como um acto de legítima defesa, visto que o vizinho teria "violado telepaticamente" a sua mulher em várias ocasiões. E, não satisfeito com isso, fez-lhe "ameaças telepáticas".
A advogada de defesa de Selleneit alegou que o cliente sofreu uma lesão cerebral durante a adolescência, o que contribui para que, desde o final dos anos 90, tenha alucinações recorrentes nas quais é ameaçado e a sua mulher violada.
Os médicos que examinaram o réu concluíram que ele sofre de uma doença mental que o acompanhará até ao final dos seus dias.
Por seu lado, a mulher, três anos mais velha, é acusada de ter comprado a arma e de impelir o marido a abater o vizinho, encontrando-se hospitalizada. ( CM )

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Obama repete com Irã o discurso fraudulento de Bush com o Iraque

Usou ONU de palco para ensaiar outra guerra
Obama repete com Irã o discurso fraudulento de Bush com o Iraque
Cabe ao acusado provar que é inocente, advogou o justiceiro de Chicago
Em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, na terça-feira, o presidente Obama repetiu a encenação praticada em 2003 por W. Bush, que exigia do governo Sadam “provas” de que não tinha armas de destruição em massa, que não existiam, e usou isso de pretexto para invadir o Iraque. Agora, Obama disse que “o Irã não aproveitou a oportunidade de demonstrar que seu programa é pacífico” e acrescentou que “o tempo” para uma solução diplomática “não é ilimitado”. Bush dizia que “se não se achava nada, era porque o Iraque escondia”.
Obama requenta na ONU contra Irã mentiras anti-Iraque de W. Bush
O Nobel da Paz fez novas ameaças ao Irã por não “provar que seu programa nuclear é pacífico” e insinuou que os EUA inundam o mundo com dólares frios só para dar um apoio aos emergentes
Em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, na terça-feira (24), o presidente Barack Obama repetiu a encenação praticada em 2003 por W. Bush, que exigia do governo Sadam “provas” de que não tinha armas de destruição em massa, que não existiam, e usou isso como pretexto para invadir o Iraque. Agora, Obama disse que “o Irã não aproveitou a oportunidade de demonstrar que seu programa é pacífico” e acrescentou que “o tempo” para uma solução diplomática “não é ilimitado”, ensaiando outra guerra.
Na época, todas as ações de inspetores da ONU que estavam no Iraque e que não encontravam nada - porque não existiam tais armas de destruição em massa - eram apresentadas de forma fraudulenta por W. Bush como o indício de que, se não se achava nada, era porque o governo iraquiano escondia. O mesmo se repete agora contra o Irã, que sempre afirmou que se trata de um programa de uso pacífico da energia nuclear, que não tem armas nucleares, e a cada afirmação Washington volta a insistir “onde estão as armas nucleares” e que o Irã “está escondendo seu programa nuclear militar”. Em seu discurso, o presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad denunciou que tem prevalecido “a intimidação através de armas nucleares ou de destruição em massa por parte dos poderes hegemônicos”, isto é, os EUA, e ainda, Israel, que é quem tem centenas de bombas atômicas no Oriente Médio.
Antes de ameaçar o Irã, Obama se ocupou com o incômodo cadáver do embaixador-agente da CIA, Chris Stevens, mandado para as profundezas por patriotas líbios, e a maré de manifestações contra embaixadas dos EUA que estendeu por mais de vinte países nos últimos dias. Foi um discurso recheado de demagogia, que incluiu até citações sobre “favelas do Rio e escolas de Mumbai” e “olhos que brilham com promessas”, mas que não tem uma só palavra sobre sua “democracia dos drones”, apesar de noutra passagem Obama ter asseverado que “não há palavras que desculpem a morte de inocentes”. Ele prometeu “justiça” contra os que deram cabo de Stevens – episódio que segundo a imprensa dos EUA desmontou a estrutura da CIA na Líbia (e tornou frágeis as expectativas de uma pilhagem fácil do petróleo líbio).
Também estava repleto de mentiras deslavadas, como a de que os EUA, “não têm buscado, e não buscarão, ditar o resultado das transições democráticas no exterior”, peculiar forma de chamar as intervenções que cometeu. É o que mostra a destruição trazida à Líbia pelos bombardeios da Otan que Washington capitaneou, o assassinato do presidente Muamar Kadafi, as tentativas de manter no poder o ditador Mubarak no Egito e outro capacho na Tunísia, a substituição de um fantoche por outro no Iêmen e, agora, o patrocínio aberto dos mercenários da CIA na Síria para derrubada do governo legítimo. o episódio do filme ofensivo à fé muçulmana e ao Profeta Maomé, Obama voltou a acoitar o insulto sob o pretexto de que se trata de “liberdade de expressão”, como se as guerras de Washington contra o Iraque e Afeganistão, os drones no Paquistão, Iêmen e Somália, e as intervenções na Líbia e na Síria nada tivessem a ver com o clima de histeria contra os islâmicos nos EUA, e fosse simplesmente “blasfêmia” como disse. Mal se comparando ao Profeta, se disse muitas vezes ofendido, sem revidar, nas suas lides de “presidente” e “comandante-em-chefe”. Asseverou, ainda, que “queimar uma bandeira americana não educará as crianças”.
INVERSÃO
O discurso também revelou tendência de Obama a se comportar como um invertido. Assim, são os palestinos – as vítimas – que impedem a paz por violarem o direito de “Israel existir”. Noutro trecho, condena o “tipo de política” que “insufla o Leste contra o Oeste” – quando foi ele que, recentemente, decidiu transferir para as costas da China o peso da frota naval norte-americana, operação “Pivô do Pacífico”. Ele, que diariamente mata mulheres e crianças na Ásia com seus drones, é que acusa o presidente sírio Assad de “disparar foguetes sobre blocos de apartamentos”.
Uma semana após os EUA decretarem a terceira fase da guerra cambial com superemissão de dólares, US$ 85 bilhões por mês, por prazo ilimitado, na Assembléia Geral Obama teve a cara dura de dizer que “estabelecemos parceria com os países emergentes para manter o mundo no caminho da recuperação”. Adiante ele falou em promover governos “que sejam abertos e transparentes – o que deve ser uma referência a entidade de fachada que, segundo o jornal “Guardian”, operava na Rússia com financiamento do Departamento de Estado.
O discurso terminou por onde começou: com o cadáver de Stevens no colo de Obama, na véspera da eleição.

No Irã, lógico, onde só tem fanático: autoridades sauditas detêm peregrinas doentes só porque elas viajavam sem seus maridos-amos-senhores

Arábia Saudita
908 peregrinas detidas por viajarem desacompanhadas
Quase mil peregrinas muçulmanas, de origem nigeriana, foram detidas no aeroporto rei Abdulaziz por viajarem sem o marido ou um parente, o que está a causar mal estar entre os dois países.
As autoridades sauditas detiveram 908 nigerianas, que se dirigiam à cidade sagrada de Meca, em peregrinação, que se encontravam em más condições de saúde, com algumas delas a precisarem de tratamento médico.
Segundo avança o Terra Brasil, um relatório apresentado por uma comissão nigeriana de advogados, esta quarta-feira, informa que as autoridades sauditas ameaçaram deportar as mulheres por falta de acompanhantes.
Segundo a Comissão Nacional Hajj, esta é a primeira vez que peregrinas correm o risco de ser deportadas, por falta de acompanhantes, ficando assim proibidas de voltar à Arábia Saudita durante cinco anos.
O presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, vai enviar uma delegação à Arábia Saudita para debater o problema com as autoridades sauditas, informou o governo nigeriano.
A peregrinação a Meca é obrigatória para os muçulmanos, que têm de a realizar pelo menos uma vez. ( DN )

Comunicação total entre pessoas queridas na Modernidade: mãe descobre que filha morreu através do Facebook

Uma mulher descobriu que a filha tinha morrido através do Facebook. A mãe, moradora no sul do País de Gales, percebeu que alguma coisa não estava bem quando viu mensagens de pesar na página da filha. Cheryl Jones, de 49 anos, suspeitou que a filha, Karla de 30 anos, tivesse morrido quando viu que os amigos da jovem deixavam mensagens de pesar na página de Facebook. "RIP Karla" foi algumas das coisas que a mulher pôde ler.
A mulher, natural de Tredegar, no sul do País de Gales, no Reino Unido, tinha falado com a filha há cerca de duas horas mas decidiu ligar para as autoridades para saber o que se passava.
Segundo o jornal "Dayli Mail", o agente da polícia que atendeu a chamada não lhe lhe confirmou o falecimento da filha. "Peço desculpa mas um agente irá a sua casa dentro de momentos", terá sido a resposta do polícia.
No entanto, ninguém terá aparecido e Cheryl esteve mais de três horas à espera que alguém confirmasse o que já suspeitava.
"A minha filha apareceu morta e eu só o soube através do Facebook. Eu era a mãe da Karla, a sua parente mais próxima, a polícia devia ter vindo avisar-me imediatamente", afirmou Cheryl.
A situação é ainda mais insólita quando se ficou a saber que Karla morreu numa rua apenas a dois quilómetros da casa da mãe.
As autoridades estão a investigar o que poderá ter acontecido mas, ao que tudo indica, Karla morreu devido a problemas de coração crónicos. ( JN )

Jogador alemão Klose faz gol com a mão, mostra que é um ser humano honesto e decente, e avisa juiz da irregularidade do lance. Se fosse no Brasil...

O Napoli bateu a Lazio nesta quarta-feira por 3 a 0, em Nápoles, com três gols de Cavani. Mas, com certeza, o lance mais curioso da partida foi proporcionado por Klose, atacante dos visitantes, quando o placar ainda não havia sido alterado. Depois de cobrança de escanteio de Hernanes, o jogador alemão completou com a mão para o gol e viu o juiz validar o lance. Em um gesto raro, o atacante avisou a irregularidade ao árbitro, que anulou seu gol.
A atitude de Klose teve boa repercussão entre os torcedores italianos, sendo que, em pesquisa promovida pela imprensa do país, 88% das pessoas aprovou a atitude do atleta.
Outro que gostou da honestidade do artilheiro foi o presidente da Fifa, Joseph Blatter, que se pronunciou via Twitter sobre o assunto.
“Bravo, Miroslav Klose, pelo seu gesto ontem à noite! Simplesmente você demonstrou que pode ser ao mesmo tempo um campeão e um jogador correto”, declarou Blatter.
Com a derrota, a Lazio caiu para a quinta colocação, com 9 pontos. O Napoli, por sua vez continua na perseguição à líder, Juventus, com 13 pontos, em segundo lugar. ( Gazeta Esportiva )

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Nobel de Química de 1986, YUAN TSEH LEE detona: "Em um país dito 'desenvolvido', as ruas pertencem aos carros?"



Eu não conhecia o personagem. Nobel de Química de 1986, Yuan Tseh Lee me foi apresentado pela revista CIÊNCIA HOJE, edição 295, dessa forma: "(...) Mas engana-se quem espera de Yuan Tseh Lee apenas conversas herméticas, abstratras ou técnicas. Na verdadde, esse taiwanês de humor jovial tem, nos últimos tempos, deixado de lado a frieza dos números e a impessoalidade dos laboratórios(...)"
Isso, pra mim, foi o suficiante. Apesar de tentar ler textos além da compreensão que tenho, insuficiente graças à educação formal também insuficiente, prefiro realmente esses tipos estudados que não recorrem às tais terminologias herméticas. Se me deparo, por exemplo, num texto, com a expressão "deontologia", já pulo de uma vez. Não é uma simples questão de dicionário. Lembro que não tinha a menor noção de certas coisas, hoje muito discutidas, até conhecer o excepcional Aloysio Biondi, que me abriu muitos horizontes sem recorrer aos esconderijos do conhecimento restritivo, ou seja: ele informava mesmo. Até um ignorante que dominasse os rudimentos da língua se sentiam inteligentes ao lê-lo. Hoje em dia, não aceito nada menos que algo parecido.
Bem, voltando a Lee, o texto da Ciência Hoje não tem disponível on-line. Assim, serei obrigado a digitar e editar os trechos que interessam. É pena, pois a entrevista inteira vale realmente a pena. Mas, sacomé. O título do post é sobre carros, e são os trechos relacionados que apresentarei aos senhores. Aproveitem. [ OBS: No entanto, as opiniões de Lee ( reforçando: ele é um cientista, não um "ecochato" ) sobre o chamado "desenvolvimento", e que dizem diretamente ao "estilo de vida" ( ou seja, o consumismo velho de guerra ) de CADA INDIVÍDUO, levantadas na entrevista são igualmente - se não mais - importantes, e tentarei reproduzí-las aqui oportunamente ]:

"(...) É um contrassenso continuarmos desperdiçando tanta energia na produção de bens de consumo individual (...) A cada seis meses é lançado um novo computador, um novo carro, um novo telefone, um novo tudo. Agora são os chamados tablets a nova 'necessidade' de consumo. Será que precisamos de tudo isso? Não. ( ... )"

"( ... ) Muitas pessoas acreditam nisso [ se a tecnologia salvaria o mundo de uma possível crise socioambiental generalizada ]. Eu não. Na Ásia existem pequenos vilarejos em que as pessoas podem ir caminhando para onde quer que precisem. Em Los Angeles, se você não tiver um carro está encrencado. "Como posso ir à aula sem automóvel?", certa vez me perguntou um estudante de lá. Pois é, precisa-se de um carro, de fato ( para cada veículo, serão 100kg de poluentes emitidos semanalmente ). Mas para os afazeres diários, o mais sensato é que se tenha um sistema eficiente de transporte público ( ... ) Isso não requer uma revolução tecnológica, mas sim uma mudança social ( ... ). "

"( ... ) Quando eu era jovem, em Taiwan, vivia de bicicleta para lá e para cá. Durante meu curso universitário, havia pouquíssimos carros na cidade. A rua pertencia às pessoas [ Nota deste blog: Em São Paulo, até as calçadas pertencem aos carros, mas as pessoas reclamam, por puro mau-caratismo, duma suposta e inexistente "Indústria da Multa"... ]. Quando me mudei para os Estados Unidos, em 1962, quase morri no primeiro dia - por pouco não fui atropelado. Eu caminhava na rua, e um veículo em alta velocidade passou bem perto de mim e buzinou, e alguém berrou algo como "ei, vá para a calçada"!". Então, meu irmão mais velho me disse: "Yuan, aqui as ruas pertencem aos carros, nós devemos andar na calçada". Fiquei muito desapontado. Em um país dito 'desenvolvido' as ruas pertenciam aos carros? Me recusei a acreditar que aquilo era desenvolvimento ( ... )." 

http://issuu.com/kugler/docs/henrique_kugler_-_interview_with_yuan_tseh_lee

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Democracia, Por Luis Fernando Veríssimo

A família estava dividida. Metade achava que o primo Osvaldo estava fazendo um papelão, concorrendo a vereador com aquele slogan, "Osvaldo baixa o pau", e aparecendo na televisão com cara de mau. Logo o Osvaldo da tia Margarida, um doce de pessoa.
- Vexame - era a opinião de alguns.
Já outros achavam que o Osvaldo tinha todo o direito de entrar na política e se apresentar daquele jeito. Cara de mau, braços cruzados, dizendo "Comigo corrupto vai se dar mal, Osvaldo baixa o pau". Atraía voto.
- É ridículo.
- Então democracia é ridícula?
- E isso é democracia?
- É.
Os que achavam que o Osvaldo estava envergonhando a família argumentavam que ele, inclusive, estava mentindo. Nunca fora de briga. Nunca baixara o pau em ninguém. Era um doce de pessoa.
- E vocês queriam que o slogan dele fosse esse, "Osvaldo, um doce de pessoa"?
(***)
Um dia o Marcelinho chegou da escola eufórico. Tinha se transformado num herói da turma, depois da descoberta de que era parente do Osvaldo. Ficara encarregado de pedir autógrafos do Osvaldo para todo o mundo. De preferência santinhos do Osvaldo de braços cruzados e cara de mau autografados.
Marcelinho se esforçava para promover a imagem do primo. Ele era mesmo de baixar o pau?
- Uma fera - confirmava o Marcelinho.
(***)
As discussões sobre o Osvaldo eram intermináveis.
- Esses candidatos folclóricos, sem nenhuma condição para serem políticos, desmoralizam a democracia, isto sim.
- Vocês é que são elitistas. Não querem democracia, querem ser governados por uma aristocracia. Têm horror do povão.
- E desde quando o Osvaldo é povão? Vive da pensão da tia Margarida. Nunca fez nada na vida.
- E quem garante que a vocação dele não é para a política? Pode ser uma revelação.
- Então vocês acreditam que ele vai baixar o pau como diz?
- Quem sabe? Quem sabe?
(***)
Faltava o velho Tobias dar a sua opinião. O patriarca raramente se manifestava, à mesa. Mas desta vez falou. Lembrou que o Osvaldo, mesmo que não combatesse os corruptos, poderia ajudar a família. Como vereador, depois - quem sabe? - como deputado, poderia dar uma mãozinha na questão daquele terreno contestado cujo processo se arrastava por tantos anos. Influenciando autoridades e, em vez de baixando o pau, mexendo os pauzinhos certos. De qualquer maneira, seria bom ter um político representando os interesses da família.
- Afinal - disse o velho Tobias -, democracia é isso.

Relatório revela crise financeira no futebol e times da Espanha

Faculdade de Barcelona revela que apenas Real Madrid e Barcelona crescem, o resto está em uma profunda crise: 'O futebol do país está morrendo'
Um novo relatório divulgado nesta quinta-feira, que é feito todos os anos, sobre a situação financeira dos clubes e times da Espanha, teve um resultado negativo provocado pela má gestão econômica. O estudo foi feito pelo professor José María Gay de Liébana, da Universidade de Barcelona.
"A liga espanhola não cresce, cresce só para dois clubes: Barcelona e Real Madrid. Os demais estão como há cinco anos. O futebol espanhol está morrendo, e os estádios estão me dando razão", disse o professor durante uma conferência.
A principal crítica de Gay de Liébana é quanto aos direitos de transmissão das televisões espanholas, onde Barcelona e Real Madrid levam 50% do montante enquanto os outros clube sofrem para conseguir dividir o restante. Segundo o especialista, o mesmo ocorre na Inglaterra e Alemanha.
O relatório não foca apenas no futebol espanhol, mas também da liga inglesa, alemã, italiana e francesa. E segundo o relatório, a Bundesliga foi eleita a mais saudável financeiramente e de maior sucesso de público nos estádios, deixando para trás o poder econômico da Premier League. "O modelo da Premier League, do ponto de vista financeiro, está em queda, mas há o modelo de dono do clube, como Roman Abramovich. As perdas do Chelsea são financiadas através da holding empresarial", explicou um economista.
Com os dados da temporada 2010/2011, os números mostraram que os clubes do Campeonato Espanhol tiveram uma receita de € 1,6 bilhões (R$ 4,1 bilhões), mas as despesas atingiram € 1,8 bilhões (R$ 4,7 bilhões). A causa disso seria o alto salário de alguns jogadores.
O estudo ainda mostra o abismo entre as receitas de grandes clubes como Barcelona e Real Madrid com € 450 milhões (R$ 1,1 bi) e € 479 milhões (R$ 1,2 bi), respectivamente. Os outros times grandes, com Valência, Atlético de Madrid e Sevilla, têm receita de R$ 313 milhões, R$ 261 milhões e R$ 217 milhões, respectivamente. ( FUTNET )

O capítulo final da novela ( Sexo! Traição! Drama! )

Depois de mais de 200 capítulos resistindo às investidas sexuais de Crisântema, sua filha adotiva, e agora sentindo-se abandonada pelo marido, Gerlésio Nogueira, a rica socialite Fátima finalmente sucumbe à luxúria e ambas passam a noite na cama.
Gerlésio, o rico marido de Fátima mantém, desde o primeiro capítulo da novela, um romance proibido com Crisântema, 40 anos mais jovem que ele. Ela está grávida de Gerlésio, mas não sabe ainda.
Crisântema descobre que é, na verdade, filha legítima de Fátima, fruto de um estupro cometido pelo próprio pai, Saulo.
Foi assim: em vez de abortar, Fátima abandonou a filha recém-nascida na porta da Igreja da Matriz. Saulo, o pai estuprador, fugiu da cidadezinha de Caixotal, para não ser linchado pela população revoltada.
Fátima descobre que seu marido, Gerlésio, rico empresário do ramo petrolífero-minerador é, na verdade, Saulo. Sim, AQUELE Saulo. O pai-estuprador de Fátima. Que, na verdade, não se chama Fátima, mas sim, Joleida. Joleida/Fátima mudara o nome quando saiu de Caixotal, para tentar apagar as trágicas lembranças de sua juventude.
Gerlésio/Saulo descobre que é pai biológico de sua concubina, Crisântema. Descobre, também, que será pai de sua neta, filha sua com Crisântema, sua filha e neta adotiva-biológica. Diante da possibilidade de ter uma filha-neta do sexo feminino, Gerlésio/Saulo se perde em fantasias pecamionosas e devaneios lúbricos.
A sociedade comercial de Gerlésio/Saulo vai de vento em popa. Fátima pede o divórcio de Gerlésio e fica com metade de sua fortuna. Depois disso, Fátima torna-se mecenas, e passa a patrocinar grupos de funk do morrão. Conhece Carvalho, chefão do tráfico, e vai morar no Morro da Agonia, Rio de Janeiro, com Carvalho. Carvalho abandona a vida loka e o casal vive feliz para sempre. O amor verdadeiro e sincero triunfa. Crisântema vai pro Canadá e nunca mais ninguém ouve falar dela. Leva consigo Augusta, sua filha com Gerlésio, e dá-lhe uma criação exemplar. Gerlésio burla o Fisco e foge do País. O avião onde viaja cai no mar e Gerlésio morre. A imprensa fala em "caos aéreo" e cobra uma posição das autoridades. As empresas de Gerlésio quebram e seus diretores vão para a Papuda.
O corte de cabelo de Crisântema e o vestido de Fátima caem no gosto popular e viram moda. Até o Jornal Nacional fala disso. O Fantástico chama as atrizes protagonistas dos papéis principais para uma conversa franca, um bate-papo informal.
FIM

sábado, 22 de setembro de 2012

Conto: O estranho desaparecimento da ex-estrela

Ela ficou muito famosa nos anos 90, por seu papel televisivo de uma gostosa muito gostosa. Saiu na Playboy, vendendo muito. Eu mesmo comprei a minha. Tá comigo até hoje.
Depois, saiu do programa de TV que a tornara famosa, foi contratada para protagonizar papel de destaque como gostosa em outra rede. Não foi bem, o programa fechou as portas.
Aos poucos, foi se tornando uma "was been". Diante da nova realidade, foi abandonando a TV e foi fazer faculdade. O convites para eventos e festas ainda pintavam, mas foram escasseando.
Num lapso de maturidade, decidiu fazer teatro. Papéis sérios, de preferência.
Já no ocaso da fama, mas ainda com muita lenha para queimar, certo dia a atriz estava visitando alguém que morava num prédio. Décimo-terceiro ou daí prá cima.
A vista pela janela era ampla e linda. Via-se longe.
De repente, a atriz viu planando pelos ares algo impossível de se ver, ou que julgava impossível: um OVNI. Uma nave estranha, planando, silenciosamente entre prédios, bem ao longe!
Por acaso, a atriz, ainda incrédula, trazia consigo uma câmera, e com ela começou a filmar o objeto misterioso. A filmagem durou poucos minutos. O objeto misterioso desapareceu também misteriosamente. Mas ela tinha filmado tudo.
Assistiu ao vídeo e mostrou-o pra amigos e familiares, e decidiu revelar à Imprensa. O mundo precisava saber daquilo.
Contatou um apresentador, amigo de tempos da fama nacional. Conseguiu aparecer no programa, ao vivo. Mostraria a filmagem no ar em rede nacional. Milhões de telespectadores.
Na tarde do programa, diante de personalidades da TV e um ufólogo convidado pela produção, mostrou sua gravação misteriosa. A platéia ficou embasbacada. Mas o ufólogo, cujos olhos analíticos, treinados em anos de análises de filmagens parecidas, explicou: não tinha nada de OVNI, UFO ou coisa de outro mundo. Tratava-se de um dirigível. Campanha publicitária de uma ultinacional de pneus, o dirigível sobrevoara a metrópole no mesmo horário em que a atriz fez a filmagem. Mistério resolvido.
"Mas como?",pensou a atriz, "Aquilo não tinha nada a ver com o objeto que vira e filmara naquela tarde..."
Estaria enganada? Que vergonha!! Vergonha em rede nacional...Mas...Em sua memória, o objeto visto no programa não tinha nada a ver com o objeto que ela se lembra de ter filmado...!
Depois daquele episódio, nunca mais foi encontrada. A família ou os amigos telefonavam, e a chamada caía na secretária eletrônica. A mensagem na secretária dizia que a atriz abandonara o país e fora morar no Canadá. Pedia que não deixassem recado e que a esquecessem.
Com o passar do tempo, as pessoas foram esquecendo dela. A própria família considerou-a passado.
Na verdade, o que aconteceu foi o seguinte: ela filmou MESMO um disco voador de outro planeta. Na iminência de serem desmascarados, governos ocidentais lançaram mão de uma campanha de descrédito, chegando até a trocar a filmagem verdadeira por uma de dirigível, que foi o que se viu no programa de TV.
Como parte do acordo com os emissários dos povos extraterrenos, os governos fizeram com que a atriz fosse abduzida e levada para outro planeta, onde permanece degregada até hoje.

Incêndios em favelas paulistanas: Fatalidade ou crime?

Na tarde da quarta-feira 19, a garçonete Rita Aparecida dos Santos, de 50 anos, ainda fazia os cálculos das perdas sofridas durante o incêndio que atingiu a favela do Moinho, no centro de São Paulo. Metade do barraco de madeira foi completamente consumida pelas chamas, mas os bombeiros conseguiram salvar o banheiro e um quartinho apertado, onde ela tratava de ajeitar os poucos pertences resgatados. Panelas e utensílios de cozinha, em sua maioria.
“Perdi fogão, geladeira, televisão e a maior parte das roupas. Na hora em que ouvi a gritaria, o fogo já tava no meu telhado. Só deu tempo de acordar meu marido e pegar alguns documentos”, conta, com o cachorro Alex a tiracolo, um pouco chamuscado nas patas traseiras. “Aqui eu não fico mais. É o segundo incêndio em menos de um ano. Não vou esperar o terceiro”, conclui, com o olhar perdido para os escombros.
A favela do Moinho fica debaixo do viaduto Orlando Murgel e às margens de uma linha de trens metropolitanos. Em dezembro do ano passado, um incêndio de grandes proporções destruiu um terço da comunidade e deixou ao menos 200 desabrigados. Duas pessoas morreram. Desta vez, as chamas mataram um homem, destruíram 80 barracos e abalaram a estrutura do viaduto, parcialmente interditado. Os bombeiros foram chamados às 7h08 da segunda-feira 17 e só conseguiram controlar o fogo cerca de uma hora e meia depois.
A tragédia é atribuída a uma briga de casal. A polícia prendeu o travesti Fidélis Melo de Jesus, de 37 anos, conhecido como Eliete, que teria ateado fogo no companheiro. Ambos eram usuários de crack.
A polícia trata o caso como uma fatalidade originada de um crime passional. Mas a versão não convence a todos. Segundo as primeiras informações passadas pelos bombeiros, havia três focos de incêndio na favela, distantes cerca de 50 metros um do outro. “Curioso notar que os moradores vitimados são os mesmos que há 15 dias tinham relatado a ocorrência de forte pressão psicológica por parte da municipalidade, que exigia que esses moradores deixassem o local até outubro”, afirma uma nota da Associação de Moradores do Moinho. “Outra dúvida que cerca esse novo episódio se refere aos três focos iniciais de incêndio, pondo em dúvida a versão apresentada de briga de viciados em drogas.”
Segundo Francisco Miranda, presidente da entidade, desde 2006 a prefeitura tenta remover a favela, onde vivem 532 famílias, que totalizam 1.656 moradores, segundo dados do IBGE. Enquanto a administração municipal tenta desapropriar a área e utilizá-la para outros fins, os habitantes buscam conquistar o direito de permanecer no local. “Estamos lutando para que o poder público ofereça opções de moradia aqui mesmo, na região. Mas a prefeitura insiste em oferecer bolsa aluguel, indenizações irrisórias ou a promessa de um apartamento, só que longe daqui.”
Funcionário de uma confecção no Bom Retiro, Antonio Bezerra da Silva, de 42 anos, teve parte da casa destruída com o recente incêndio e reforça as desconfianças. “Não posso dizer que alguém veio aqui e tocou fogo nos barracos para nos obrigar a sair. Mas uma coisa é verdade: a prefeitura se aproveita da situação para interditar a área e forçar o pessoal a sair”, diz. “Eu tive sorte, o fogo só atingiu o telhado. Mas e os meus vizinhos que perderam tudo, vão para onde?”
A situação preocupa o promotor de Habitação e Urbanismo da capital, José Carlos de Freitas, que pediu aos seus colegas do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) para investigar a onda de incêndios em favelas. “O número de casos é assustador. Além disso, chama a atenção que a maioria dos incêndios ocorre em comunidades que estão no caminho de alguma obra pública ou numa região em que o mercado imobiliário tem interesse de construir empreendimentos para a classe média ou a população de alta renda.” A Câmara dos Vereadores instalou uma CPI para investigar esses episódios, mas pouco foi apurado em pleno ano eleitoral.
De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, o recente incêndio na comunidade do Moinho foi o 69º do ano. Entre 2005 e 2011, o Corpo de Bombeiros registrou 849 ocorrências em favelas paulistanas. A fria análise dos dados oficiais permite supor que, ano a ano, o número de casos tem diminuído. Mas a urbanista Lucila Lacreta, diretora técnica do Movimento Defenda São Paulo, alerta que a simples contagem de episódios pode esconder a real dimensão do problema. “Uma ocorrência pode deixar centenas de casas destruídas e milhares de desabrigados. Outra pode dar conta de apenas dois barracos queimados. Certo é que eu nunca vi ser noticiado, num intervalo de tempo tão curto, incêndios tão devastadores como os de agora”, afirma a especialista. “Não há terrenos disponíveis no centro expandido e muitos têm interesse nas áreas ocupadas irregularmente.”
Em menos de um mês, foram cinco incêndios de grandes proporções na capital. Em 3 de setembro, 1,1 mil pessoas ficaram desabrigadas após a destruição de 290 barracos na favela Sônia Ribeiro, conhecida como Morro do Piolho, na zona sul de São Paulo. Na ocasião, o próprio prefeito, Gilberto Kassab, admitiu a possibilidade de o incêndio ter sido criminoso: “Existe a suspeita de que o fogo possa ter sido provocado, como, aliás, ocorreu em outros casos”.
Dois dias antes, um incêndio destruiu parte de uma comunidade na Vila Brasilândia, na zona norte da capital. Em 28 de agosto, ao menos 55 barracos de uma favela de São Miguel Paulista, na zona leste, foram destruídos pelas chamas. Menos de uma semana antes, outra favela na Vila Prudente, também na zona leste, pegou fogo. Cerca de 150 moradias foram destruídas.
João Finazzi, pesquisador do Programa de Educação Tutorial do curso de Relações Internacionais da PUC-SP, recentemente publicou um artigo que comprova o que boa parte dos urbanistas denuncia há tempos. Primeiro, ele verificou a distribuição das mais de 1,5 mil favelas existentes no território paulistano. Depois, mapeou as ocorrências de incêndio mais recentes (São Miguel, Alba, Buraco Quente, Piolho, Paraisópolis, Vila Prudente, Humaitá, Areão e Presidente Wilson). O episódio na favela do Moinho só ficou de fora porque o artigo foi escrito antes da tragédia. Conclusão: as chamas atingiram regiões que concentram apenas 7,28% das favelas da cidade. Em outras áreas, que concentram mais de 21% dos assentamentos irregulares da capital, como Capão Redondo, Jardim Ângela, Campo Limpo e Grajaú, nenhum incêndio foi registrado.
O estudo, coordenado pelo professor Paulo Pereira, identificou ainda que as áreas atingidas pelos incêndios sofreram grande valorização imobiliária entre 2009 e novembro de 2011, segundo a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). “Todas as nove favelas citadas estão em regiões de valorização imobiliária: Piolho (Campo Belo, 113%), Vila Prudente (ao lado do Sacomã, 149%) e Presidente Wilson (a única favela do Cambuci, 117%). Sem contar com Humaitá e Areião, situadas na valorizada Marginal Pinheiros, e a já conhecida Paraisópolis, vizinha incômoda do rico bairro do Morumbi”, afirma Finazzi. “Onde não houve incêndio, a valorização imobiliária foi bem menor nos últimos anos, em alguns casos até decrescente, como Grajaú (-25,7%) e Cidade Dutra (-9%)”.
Para o urbanista Kazuo Nakano, do Instituto Pólis, a casuística é realmente estranha. “Precisamos ampliar essa análise estatística, mas é muita coincidência só pegar fogo nas favelas mais bem localizadas”, afirma. “Há uma forte demanda por moradias na capital paulista, impulsionada pelo crédito imobiliário farto, e não restam muitos terrenos disponíveis. Também há o preconceito da classe média, que vê as favelas como algo que deprecia o bairro e diminui o valor dos seus imóveis. As autoridades precisam estar atentas.”
Responsável pela abertura do inquérito que investiga as circunstâncias do incêndio no Morro do Piolho, o promotor Freitas encaminhou ao Gaeco duas outras denúncias curiosas. Em um dos casos, um fiscal da prefeitura teria oferecido indenizações de 15 mil reais para moradores saírem de uma comunidade em Jurubatuba, sob a alegação de que passaria uma obra pública no local. Ocorre que a prefeitura não tinha qualquer projeto para aquela área. Em vez disso, uma grande construtora é que teria o interesse de remover as famílias para erguer um empreendimento. Em outro caso, moradores da Rocinha Paulistana, que deverá ser removida para a construção de um túnel, denunciaram a atuação de criminosos que incendiavam barracos desocupados para obter indenizações do município.
“Esses episódios só refletem a falta de habilidade do poder público em resolver o déficit habitacional. Primeiro, as autoridades são coniventes com as ocupações irregulares, por vezes em áreas de risco. Depois, tentam solucionar o problema com indenizações irrisórias ou moradias em bairros afastados”, diz Freitas. “Mas, se ficar comprovado que algum desses incêndios teve a intenção de forçar a remoção daquela população, os responsáveis serão denunciados e punidos.” ( CARTA CAPITAL )

LEITURA COMPLEMENTAR A TÍTULO DE EXEMPLO:

Moradia “interditada” pega fogo e famílias decidem voltar aos baixos do viaduto Pacheco e Chaves
Neste domingo, dia 23, completa um mês do grande incêndio que destruiu mais de 90 moradias na favela instalada nos baixos do viaduto Pacheco e Chaves, na Vila Prudente. Ao longo destes 30 dias a Prefeitura não definiu qual será o destino da área que originalmente estava destinada a abrigar uma praça pública. Também não esclareceu qual será o futuro de parte das famílias afetadas. Os resultados da falta de ação efetiva surgiram nesta semana: no final da tarde da segunda-feira, dia 17, houve princípio de novo incêndio em uma moradia, apesar dela oficialmente estar interditada; e no início da tarde da quarta-feira, dia 19, 28 famílias resolveram voltar por conta própria para seus lares.
O incêndio da segunda-feira começou por volta das 16h45 e três viaturas do Corpo de Bombeiros foram acionadas para conter o fogo que atingiu uma moradia. Não houve feridos, mas a ocorrência revoltou a comunidade. “Minha casa não foi afetada pelo outro incêndio, mesmo assim, a Prefeitura não me deixou retornar. Estou morando de favor com outras pessoas e, agora, a casa pega fogo. Perdi um monte de coisas! Estou impedida de viver aqui, mas, outros conseguem entrar?”, questionava Eliane Dias, que afirmou que está no local há 15 anos. “A Prefeitura interditou, mas a área é invadida, principalmente durante a madrugada. Não temos para onde levar nossos pertences e estamos sendo roubados”, denunciaram outros moradores.
Conforme a Folha constatou nos últimos dias, uma viatura da Guarda Civil Metropolitana (CGM) permanecia de prontidão, mas por conta do acesso de centenas de pedestres à estação de trem Ipiranga, ficava impossível isolar completamente a área da favela.
Na terça-feira, dia 18, as 28 famílias cujas casas não foram destruídas pelo incêndio de um mês atrás, se reuniram e decidiram voltar para as moradias no dia seguinte. “A situação destas pessoas ficou muito complicada. Elas não receberam auxílio da Prefeitura e estavam impedidas de retornar aos lares. As outras famílias que perderam suas moradias ou que foram parcialmente afetadas já estão sendo assistidas pela Secretaria Municipal de Habitação com o auxílio aluguel. Mas, para este grupo que decidiu voltar, nada foi ofertado. Mesmo depois da negativa da Secretaria, ainda tentamos negociar, também estivemos na Subprefeitura de Vila Prudente, mas, com o passar do tempo, a tensão foi aumentando. Já são 30 dias de indefinição”, explica André Lima, do Movimento de Defesa dos Favelados (MDF) – Região Episcopal Belém.
“A retomada da posse foi pacífica e vamos continuar batalhando para conseguir reacomodar estas pessoas. Um promotor de Habitação e Urbanismo já está acompanhando o caso e vai chamar o secretario de Habitação e o subprefeito da região para esclarecer a situação destas famílias”, completa Lima.
Na semana passada a Folha questionou a Secretaria Municipal de Habitação e a Subprefeitura de Vila Prudente/Sapopemba, mas nenhum dos órgãos se manifestou. Nesta semana, depois dos novos episódios, a Subprefeitura informou que “todos os esforços para atender da melhor maneira as famílias vêm sendo feitos desde o dia do incêndio”. Foi ressaltado que, após vistoria técnica, a Defesa Civil concluiu pela interdição das moradias remanescentes que, direta ou indiretamente atingidas pelas chamas, oferecem riscos e a total inviabilidade de serem novamente habitadas. Sobre os moradores que não foram atendidos pela Secretaria de Habitação, a Subprefeitura mencionou que eles “têm sido recebidos constantemente pelo próprio subprefeito, ou, na impossibilidade, pelo chefe de gabinete, para receberem orientações sobre toda a seqüência de ações que estão sendo efetivadas, buscando resolver definitivamente a situação de todos”.
Quanto ao incêndio desta semana, a Subprefeitura explicou que foi lavrado boletim de ocorrência e ressaltou que toda a área continua interditada. Nada foi citado sobre a decisão das famílias reocuparem as moradias. ( FOLHA DE VILA PRUDENTE )

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Transgênico da Monsanto causa morte precoce e três vezes mais câncer, diz estudo




Uma experiência realizada com 200 ratos durante dois anos chegou a um resultado alarmante: os ratos alimentados com milho transgênico da multinacional norte-americana Monsanto tiveram uma incidência três vezes maior de câncer e de morte precoce. O estudo foi publicado na revista francesa “Food and Chemical Toxicology”.
Transgênico da Monsanto causa três vezes mais câncer e morte precoce
Os ratos alimentados com milho transgênico da multinacional norte-americana Monsanto tiveram uma incidência três vezes maior de câncer e de mortes, segundo apontou estudo publicado pela revista francesa “Food and Chemical Toxicology”.
“Os resultados são alarmantes. Observamos, por exemplo, uma mortalidade duas ou três vezes maior entre as fêmeas tratadas com OGM. Há entre duas e três vezes mais tumores nos ratos tratados dos dois sexos”, afirmou Gilles-Eric Seralini, professor da Universidade de Caen, que coordenou o estudo.
Para realizar a pesquisa, 200 ratos foram alimentados durante um prazo máximo de dois anos de três maneiras distintas: apenas com milho OGM NK603 tratado com o herbicida da Monsanto, Roundup e com milho não alterado geneticamente, mas tratado com Roundup.
NK603
Os dois produtos ( o milho NK603 e o herbicida ) são propriedade do grupo americano Monsanto.
Durante o estudo, o milho fazia parte de uma dieta equilibrada, em proporções equivalentes ao regime alimentar da população dos EUA.
“Os resultados revelam uma mortalidade muito mais rápida e maior durante o consumo dos dois produtos”, afirmou Seralini.
“O primeiro rato macho alimentado com OGM morreu um ano antes do rato indicador (que não se alimenta com OGM), enquanto a primeira fêmea, oito meses antes. No 17º mês foram observados cinco vezes mais machos mortos alimentados com 11% de milho (OGM)”, explica o cientista.
Os tumores aparecem nos machos até 600 dias antes de surgirem nos ratos indicadores (na pele e nos rins). No caso das fêmeas (tumores nas glândulas mamárias), aparecem, em média, 94 dias antes naquelas alimentadas com transgênicos.
Os pesquisadores descobriram que 93% dos tumores das fêmeas são mamários, enquanto que a maioria dos machos morreu por problemas hepáticos ou renais.
O diretor do estudo relembrou que os transgênicos da Monsanto são modificados para resistir aos pesticidas ou para produzi-los e lembrou que 100% dos transgênicos cultivados em grande escala em 2011 foram plantas com pesticidas.
“Pela primeira vez no mundo, um OGM e um pesticida foram estudados por seu impacto na saúde a mais longo prazo do que haviam feito até agora as agências de saúde, os governos e as indústrias”, disse o coordenador do estudo.
Segundo Seralini, os efeitos do milho NK603 só foram analisados até agora em períodos de três meses. Alguns transgênicos já foram analisados durante três anos, mas nunca até agora com uma análise em tal profundidade, segundo o cientista.
Também é a primeira vez, segundo Seralini, que o pesticida Roundup foi analisado em longo prazo. Até agora, somente seu princípio ativo (sem seus coadjuvantes) havia sido analisado durante mais de seis meses.
“São os melhores testes que podem ser realizados antes dos testes em humanos”, explicou ainda. ( HORA DO POVO )

E MAIS:

PUBLICAÇÃO DA EDITORA ABRIL, QUE PUBLICA A REVISTA VEJA, AFIRMA QUE MONSANTO É UMA DAS MELHORES EMPRESAS PARA SE TRABALHAR ( CONTANTO QUE VOCÊ DEIXE SUA CONSCIÊNCIA EM CASA, ESCONDIDA NA PRIVADA... )!!!!!!!!!

Por dentro das MELHORES EMPRESAS

CIELO, DUPONT, PEPSICO, MAGAZINE LUIZA E MONSANTO ABREM AS PORTAS E MOSTRAM POR QUE SE DESTACARAM NO GUIA VOCÊ S/A - EXAME AS MELHORES EMPRESAS PARA VOCÊ TRABALHAR 2011






O que faz uma empresa ser a melhor para se trabalhar? A resposta para essa pergunta é o que a Editora Abril e profissionais de RH foram comprovar em uma série de visitas, realizadas entre os dias 14 e 16 de março, às cinco das 150 companhias eleitas pelo Guia VOCÊ S/A -EXAME As Melhores Empresas para Você Trabalhar.
A primeira a se apresentar foi a Cielo. Romulo de Mello Dias, presidente da empresa de pagamentos eletrônicos, mostrou pessoalmente a grande "metamorfose" pela qual passou a companhia nos últimos anos. Marcada pela abertura de capital e sua alteração de DNA, a Cielo conquistou talentos engajados e a liderança do segmento.
Segundo Roberto Dumant, vice-presidente executivo de desenvolvimento organizacional da empresa, a transformação começou no topo da pirâmide, com a renovação da diretoria, que passou a agir com mais austeridade junto aos acionistas e disciplina na gestão orçamentária.
Para reduzir custos e ampliar resultados, a empresa alterou sua estratégia de benefícios e adotou o critério de meritocracia para remunerar e premiar os melhores funcionários.
COMUNICAÇÃO E RH DE MÃOS DADAS
Saúde e segurança, ética, respeito pelas pessoas e proteção ao meio ambiente. Esta é a receita da química DuPont para figurar entre as melhores empresas para se trabalhar. Para a diretora de RH, Cláudia Pohlmann, os colaboradores firmam compromisso com a empresa quando há bons exemplos de liderança e ações de comunicação interna eficientes. Na DuPont, a inclusão dos funcionários é natural, com iniciativas como um canal de vídeos que apresenta atitudes e situações envolvendo os valores da companhia, além de seu programa de trainees. "As pessoas apoiam aquilo que elas ajudam a construir", define.
Os números provam que a aliança entre RH e comunicação interna está funcionando e muito bem. Vivian Bialski, diretora de comunicação e relações públicas da empresa, garante que 91% dos empregados estão bem informados sobre as diretrizes da companhia, o que é fundamental para a atração e retenção de talentos diante da competição.
MAIS QUE TRABALHO, UMA EXPERIÊNCIA DE VIDA
E isso o que a Pepsico busca oferecer a seus colaboradores. "Se é bom para o negócio, é bom para todo mundo. Se é bom para todo mundo, é bom para o negócio", explica João Senise, vice-presidente de recursos humanos da empresa. A companhia do setor de alimentos e bebidas mapeou as necessidades de sua equipe, avaliando cada funcionário de forma individual.
De acordo com Cristina Gomes, diretora de RH da empresa, 32% dos empregados querem mais oportunidades na carreira e 19% esperam reconhecimento e recompensa. Por meio desse levantamento, foi possível à Pepsico estreitar o relacionamento entre líderes e colaboradores.
No setor varejista, o Magazine Luiza teve um grande desafio para o departamento de recursos humanos: organizar a transferência de toda sua equipe de Franca, cidade do interior paulista, para a capital. Em meio ao acelerado crescimento dos negócios — na casa dos 28% ao ano —, a missão da companhia de preservar sua cultura está sendo cumprida.
Apenas nos últimos dois anos, o Magazine Luiza ampliou o time de 11.000 para 24.000 colaboradores. Para a assessora executiva da presidência da companhia, Gisele Morilla, o que nutre e retém seus profissionais é o sentimento de conquista de bons salários e benefícios.
Luiza Helena Trajano, presidente do grupo, comoveu os participantes relembrando sua história. Luiza também destacou as gestões femininas de sucesso, ressaltou a importância da inovação para a sustentabilidade e falou de suas pessoas, maior patrimônio que uma empresa pode ter.
Consolidadas políticas e práticas de RH garantem a formação de líderes e a valorização da equipe na hora de reconhecer talentos e de contratar. É assim que Telma Rodrigues, diretora de gestão de pessoas da companhia, costuma trabalhar.
UMA VELHA CONHECIDA
Há doze anos consagrada como uma das estrelas do Guia VOCÊ S/A - EXAME As Melhores Empresas para Você Trabalhar, a Monsanto é a empresa que mais investe em inovação no setor agrícola. É com um olho em sua gente e outro no futuro que a companhia pretende dobrar a produção agrária do planeta até 2030, dando suporte ao crescimento dos pequenos produtores.
André Dias, presidente da empresa, acredita que com uma comunicação eficiente é possível construir um vínculo emocional entre a organização e seus 2 500 funcionários espalhados por quarenta pontos do país.
Entre os itens de maior aprovação da Monsanto estão o desenvolvimento profissional e a liderança, além do reconhecimento de projetos e iniciativas individuais. "Mais de 87% dos funcionários sentem orgulho de trabalhar aqui", destaca André Franco, diretor de recursos humanos da empresa.
( Texto exibido orgulhosamente no site da Monsanto )

VEJA TAMBÉM:

Farmer to farmer
Monsanto undermines farmer independence & finances
A cautionary tale about the realities of GM farming
Michael Hart, a conventional livestock family farmer, has been farming in Cornwall, England, for nearly thirty years. He has actively campaigned on behalf of family farmers for over 15 years, travelling extensively in Europe, India, Canada and the USA.
In this short documentary he investigates the reality of farming genetically modified crops in the USA ten years after their introduction. He travels across the US interviewing farmers and other specialists about their experiences of growing GM.
In short, the film shows US farmers urging great caution to be exercised by UK and European farmers in adopting this technology.



LEITURA COMPLEMENTAR BASTANTE ILUSTRATIVA:
Enjalecados "transmitiram avaliações tranquilizadoras" às autoridades.

E TAMBÉM:

Até nunca mais, Monsanto!
Sílvia Ribeiro, Brasil de Fato, edição 146, 15.12.2005

Monsanto revela que milho transgênico pode fazer mal à saúde
Revista Ecológica, 28.04.2014

.


.



quinta-feira, 20 de setembro de 2012

A hora do lobo, Por Mumia Abu-Jamal

Um atirador solitário invade um espaço muito visitado por gente de cor. Segue uma matança. E horas depois, aprendemos que o matador dos Sikhs [adeptos de religião monoteísta, fundada há mais de 500 anos no Punjab, região de fronteira que compreende o Paquistão e a Índia] é um veterano, não só do Exército dos Estados Unidos, mas ainda de grupos racistas de extrema direita.
Uns dias depois do massacre, escutamos que Wade Michael Page se matou para não sofrer detenção o encarceramento.
Mas ficamos sabendo de mais detalhes. Este assassino orgulhosamente ostentava a bandeira nazista em sua base militar. Ao que parece, seus chefes estavam de acordo com os sentimentos que essa bandeira expressa, ou simplesmente faziam vista grossa.
Há mais.
Os primeiros boletins informaram que o nazi norte-americano tinha servido na divisão de “Operações Psicológicas” do Exército dos Estados Unidos.
Psi-ops?
Quem tenha um conhecimento embora seja modesto das agências de inteligência estadunidenses, sabe que “psi-ops” é uma forma breve de se referir aos truques sujos da espionagem que pretendem criar a ilusão de caos e instabilidade em países designados como alvos das agências do governo norte-americano.
É famoso (ou melhor dito, infame) seu uso na Guatemala nos anos ‘50 quando a CIA utilizou falsas transmissões radiofônicas para dar a impressão de que os militares tinham virado contra o presidente de esquerda Jacobo Arbenz, e assim derrubar o governo.
Táticas desse tipo também se utilizaram na Itália da pós-guerra, quando pareceu que o Partido Comunista ia prevalecer nas eleições. A CIA utilizou a Máfia e muito dinheiro para produzir o resultado desejado ––um governo direitista.
Isso significa que a matança no templo foi um psi-op? Não. Mas vale a pena considerá-lo, porque poderosas forças econômicas pretendem criar caos social nos Estados Unidos para consolidar ainda mais o poder direitista, impulsionando o uso da droga mais poderosa de todas: o medo.
O fato de que o nome desse homem não se encontrava em nenhuma lista e que ninguém o considerava suspeito, diz mais sobre o Exército do que diz sobre ele. Ao mesmo tempo em que prendem e revistam a quase um milhão de crianças e homens negros e latinos em Nova Iorque, Filadélfia e Chicago sob a presunção de que representam um perigo, um neo-nazi compra armas legalmente e causa estragos ao expressar o inferno que leva dentro.
O medo produz matança.
*jornalista, militante antirracista. Preso há 31 anos, é o mais antigo preso político dos EUA e do mundo

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Descoberto papiro que fala na suposta mulher de Jesus

Uma historiadora de uma universidade de Harvard, nos EUA, descobriu um papiro, datado do século IV, com escrituras em linguagem cóptica antiga que, mesmo quase inelegíveis, mostram uma sugestão inédita para a crença cristã: «E Jesus disse-lhes: ‘A minha mulher…’. O pequeno pedaço de papiro, rasgado, não mostra o resto da frase, mas poucos desconfiam da sua autenticidade.
Entre as frases legíveis do pequeno pedaço rectangular de papiro – com dimensões de 4x8cm -, consta igualmente uma outra, logo abaixo da principal, onde se lê: «Ela poderá ser a minha discípula».
No pedaço, que foi visivelmente rasgado do original, notam-se ainda outras frases soltas, como «A minha mãe deu-me vida» ou «Maria é merecedora», esta última em referência a Maria Madalena, figura que no Novo Testamento é retratada como uma das discípulas de Jesus Cristo.
As conclusões, apesar de escassas, avançaram já com algumas certezas.
O material de papiro datará do século IV. A escritura expande-se numa mistura entre o Cóptico normal, uma língua originária do Egipto e que utiliza caracteres gregos, com algumas palavras de um dialecto, também cóptico, mas originário do Sul do país.
«Este fragmento sugere que alguns antigos cristãos adoptaram a tradição de que Jesus seria casado», disse ao New York Times, uma das três publicações – os outros são o Boston Globe e a revista Harvard Magazine -, que foram autorizados a entrevistar a investigador e ver o manuscrito, que já se encontra protegido entre dois pedaços de vidro.
A responsável pela descoberta, Karen King, docente na Universidade de Teologia de Harvard, afastou a possibilidade do papiro ter sido falsificado, apesar da sua origem ser ainda um mistério. O mesmo foi defendido por outros especialistas, a quem King mostrou entretanto o manuscrito.
Anne Marie Luijendijk, professor de Teologia na Universidade de Princeton, foi uma delas. «Seria impossível de forjar», garantiu.
King explicou que o papiro é o primeiro manuscrito encontrado que fala sobre a hipótese de Jesus Cristo ter sido casado. «Já no século II, sabemos que houve uma controvérsia sobre este assunto, no meio do debate que então discutia se os cristãos podiam casar-se e ter relações sexuais», lembrou.
Papiro pertencia a um coleccionador
A historiadora revelou depois que o manuscrito estava na posse de um coleccionador.
King só tomou conhecimento da sua existência quando o próprio – que, a seu pedido, não identificou – lhe enviou um e-mail no qual pedia à investigadora, perita papirologia e línguas cópticas, que lhe traduzisse o pedaço de manuscrito. Examinou-o pela primeira vez em Dezembro de 2011.
Esse proprietário teria comprado o papiro em 1997, que antes pertencera a um cidadão alemão.
SOL

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Reino Unido: Executivo da Shell detido por pornografia infantil

Mandou imprimir imagens com crianças na sede da empresa
Um executivo da Shell foi apanhado a fazer download de imagens indecentes de crianças em casa, porque, sem querer, mandou imprimir algumas páginas na sede da empresa, em Waterloo (Reino Unido), divulgou o jornal ‘ Daily Mail ’ esta segunda-feira.
Anthony Sturman, de 59 anos, estava a visualizar imagens de pornografia infantil na sua residência, em Kent, quando clicou no botão para imprimir. O seu computador estava conectado à sede da empresa em Waterloo, local onde as fotografias foram impressas.
Uma colega, Ruth Elliot, descobriu as imagens, no dia 28 de Junho do ano passado, porque a impressora entupiu, tendo informado de imediato as autoridades.
Ao todo, foram impressas 42 imagens de crianças em seis folhas de papel.
Na investigação, chegou-se à conclusão que as impressões tinham vindo do computador de Anthony Sturman, que acabou por ser detido dois dias depois.
Yogain Chandarana, advogado de defesa, disse que o executivo procurou tratamento desde que foi detido há 18 meses e que não pretendia imprimir as imagens na impressora da empresa.
A juíza, Lindsay Burns, condenou Anthony Sturman a oito meses de prisão, suspensa por dois anos, e obrigou-o a integrar um programa de tratamento para indivíduos que praticam crimes sexuais.
A juíza considerou que o executivo não representava um risco significativo para a sociedade.
( CM )

domingo, 16 de setembro de 2012

É o que eu sempre digo: político não nasce em árvore! Vejam a origem de um

O texto a seguir foi extraído da coluna opinativa de um famoso jornal de bairro da Zona Leste paulistana. Os nomes do colunista, jornal e candidata, além do partido a que esta pertence e o bairro em que mora e disputa a eleição não importam:
 
"XXXXX( Nome da Candidata )XXXXXXXXXXXX
A candidata a vereadora XXXXX ( Nome da Candidata ) XXXXXXXXXXXX, aqui da região, que faz sua publicidade de campanha com o nome de XXXXX, esteve na redação falando das razões que a levaram a se candidatar e de seus projetos, caso seja eleita. Moradora de XXXXX ( Nome do Bairro ) XXXXXXXXXXXX desde 1963, XXXXX é casada e mãe de três filhos. Sempre fez política servindo entidades sociais ou ajudando candidatos do bairro. Nesta eleição, resolveu aceitar o convite do XXXXX ( Nome do Partido ) XXXXXXXXXXXX e, mesmo enfrentando as dificuldades da falta de recursos, crê que irá fazer boa votação. Entre suas propostas consta estimular o comércio local, melhorar a segurança e o trânsito e criar mais espaços de lazer e cultura para a terceira idade. No final, XXXXX lembra que desde XXXXX ( Nome de um Antigo Cacique Político do Bairro em Questão ) XXXXXXXXXXXX, o bairro não elege vereador local.
 
A candidata tem uma origem comum, certo? A pergunta que faço é: como se comportará quando, um dia, ela "chegar lá"? Sinceramente, eu não boto minha mão no fogo. A bem da verdade, eu sequer sei como meus vizinhos de classe-média ganham a vida, se é de forma minimamente honesta. De uns anos prá cá passei a ficar com o pé atrás quando pessoas "comuns" começam a vomitar platitudes anti-políticos e comecei a imaginar o que fariam com um pouquinho de dinheiro ou poder em mãos. Sério mesmo.
Eu tinha muito a escrever, e iniciei este post disposto e escrever de montão, mas quer saber? Não tenho saco.
Talvez outra hora eu retome isto aqui. Hoje, não mais.

Biólogo diz ter desvendado o mistério da combustão humana espontânea


Desvendado mistério da combustão espontânea de pessoas
Os primeiros casos de combustão espontânea de pessoas foram registrados no séc. XVI e o último verificou-se em 2010 na Irlanda. O biólogo Brian J. Ford avançou recentemente uma teoria capaz de explicar este fenômeno tão extraordinário quanto terrível.
A causa mais provável da ocorrência de combustão espontânea em seres humanos é, segundo o investigador, a acetona que, em determinadas situações, pode se acumular no organismo humano. A cetose (acumulação de acetona) pode resultar de alcoolismo, de má nutrição, assim como de diabetes. ( VR )

Japoneses praticavam canibalismo na Segunda Guerra, diz historiador

Atrocidades praticadas na Segunda Guerra Mundial, que foram mantidas em segredo pelos governos do Japão, Austrália e dos Estados Unidos, começam a ser reveladas por um historiador britânico.
Soldados japoneses praticavam o canibalismo com prisioneiros no fim da guerra, nos anos de 1944 e 1945. De acordo com Antony Beevor, o acontecimento não tinha sido divulgado em respeito as famílias das vítimas.
Testemunhas ouvidas pelo historiador indicam que os prisioneiros eram tratados como “gado”, mantidos vivos apenas para serem abatidos. “Não existem dados sobre o número de presos que sofreram esse destino, mas sabe-se que a maioria dos casos ocorreu em Nova Guiné e Bornéu”, diz Beevor. As vítimas eram soldados locais e papuenses, que se recusaram a lutar e prisioneiros australianos, norte-americanos e indianos.
Relatório de guerra do governo dos EUA indica que dos 132.134 presos do Japão, 35.756 foram mortos.
Beevor, que reuniu vários documentos para a publicação de um livro, descreve ainda que prisioneiros eram dissecados vivos pelos japoneses. ( Voz da Rússia )
 
MAIS HORRORES AQUI E AQUI

Tráfico de órgãos é o terceiro negócio ilegal mais lucrativo do mundo

Eles vendem órgãos para sobreviver
Habitantes de países subdesenvolvidos (*) vendem rins por 500 euros
O tráfico de órgãos humanos é uma prática cada vez mais comum nos países subdesenvolvidos. Promessas de dinheiro e emprego levam a que várias pessoas se sujeitem a cirurgias de extração de órgãos pouco seguras.
Maioritariamente é efetuada a venda de rins, mas também foram divulgados casos de comércio de olhos e de outros órgãos humanos. De acordo com, Arjun Prasad Sapkota, diretor de saúde do distrito de Kavre, no Nepal, cerca de 150 moradores de três aldeias do distrito partiram para a Índia para vender os rins.
Aproveitando-se da fragilidade dos habitantes locais, os traficantes, muitas das vezes, não efetuam o pagamento prometido, deixando essas pessoas numa situação ainda mais dramática.
Segundo a Reuters, o tráfico de órgãos ocorre também em países como o Paquistão, onde a prática não é proibida nem penalizada por lei.
No Bangladesh, ainda que seja mais frequente a venda de rins, já foi relatado o anúncio da venda de um olho. Os órgãos são vendidos por cerca de 500 euros.
De acordo com as Nações Unidas, o tráfico de órgãos é o terceiro negócio ilegal mais lucrativo do mundo. Embora sejam escassos os dados sobre a dimensão deste negócio, a ONU admite que cinco a dez por cento dos cerca de 68 mil transplantes anuais de rins que se realizam em todo o mundo venham non tráfico. ( TVI )
 
COMENTÁRIO DO BLOG: Exército de reserva, depauperado de seres humanos tornados literalmente mercadoria, inanimada, para o consumo antropofágico de quem puder pagar para adquirir uma sobrevida. Como se fossem peças de carros em prateleiras de lojas de autopeças.

Coitado: asteróide em vias de se chocar com a Terra ainda não foi batizado!

Asteróide em vias de colidir com a Terra precisa de um nome
Corpo celeste passará perto da Terra no ano de 2182 e as probabilidades de atingir o planeta são de 1 para 1000
A NASA procura um nome para o asteróide que no futuro pode colidir com o planeta azul. O objetivo é arranjar um termo mais simples para o designar e cativar os mais novos para a astronomia.
A escolha do nome será feita através de um concurso destinado aos estudantes de todo o mundo com menos de 18 anos. O nome pode ter até 16 caracteres e irá substituir a designação atual de (101955) 1999 RQ36. Todos os participantes deverão fazer acompanhar a candidatura com uma pequena razão para o nome sugerido.
«Os asteróides são porreiros e o 1999 RQ36 merece um nome porreiro» disse Bill Nye, chefe executivo da Sociedade Planetária, ao site «Mashable».
Devido ao perigo que representa para o futuro terrestre, a estação espacial norte-americana está a planear a ida de ma sonda não tripulada até ao asteróide em 2016. A operação com o nome Osiris-Rex terá um custo superior a 620 milhões de euros e pretende recolher amostras do corpo celeste para análise.
A recolha de material serve também para os investigadores conhecerem um pouco mais sobre as origens do universo. O (101955) 1999 RQ36 foi descoberto em 1999 e tem um comprimento estimado de 560 metros.
O concurso termina dia 2 de dezembro de 2012 e o nome vencedor será aprovado pela International Astronomical Union Committee for Small-Body Nomenclature.
( TVI )

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe