sexta-feira, 27 de julho de 2012

Ben Ari, deputado israelense rasga Novo Testamento e o atira ao lixo

Diante das câmeras, o deputado israelense, Michael Ben Ari, rasgou um Novo Testamento e atirou-o no lixo.
A atitude de Ben Ari veio depois que o diretor de uma editora que produz livros religiosos cristãos em Israel enviou uma cópia a cada um dos 120 parlamentares do Knesset (parlamento unicameral israelense).
Ele se disse "ofendido" pois, como declarou, "o Novo Testamento é um livro abominável" que teria "promovido o assassinato de milhões de judeus durante a inquisição".
A intolerância de Ben Ari, ligando um livro que serve de base a dezenas de milhões de religiosos no mundo inteiro, a um período superado e a um fato ocorrido em uma região específica (Península Ibérica), é uma afronta a todos às dezenas de milhares de pessoas que professam a religião cristã em Israel a todos os que o fazem no mundo inteiro.
Uma intolerância gravíssima, pois apesar de minoritários em todos os países que residem (à exceção de Israel onde obtiveram uma maioria à força e pela expulsão de habitantes autóctones) os judeus podem hoje professar sua fé no mundo inteiro sem sofrerem perseguições religiosas.
Apesar disso, a reação dos demais membros do Knesset (que se levantariam em uníssono contra qualquer deputado, em qualquer lugar do mundo, que ousasse queimar os rolos da Torah - livro sagrado dos judeus) foi nenhuma ou muito suave.
O porta-voz do governo Mark Regev disse: "Lamentamos este comportamento e condenamos sem rodeios. Essa ação está em desacordo com os nossos valores e nossas tradições".
Regev aproveitou a lamentável agressão para mentir: "Israel é uma sociedade tolerante, mas temos tolerância zero para este tipo de ato desprezível e odioso". Mentira. Os cristãos, que em Israel e na Cisjordânia, fazem parte do povo palestino, são discriminados, têm o acesso a locais sagrados como as igrejas e a Via Sacra de Jerusalém, a igreja de Belém proibidos ou extremamente dificultados. O governo de Israel não só não tem tolerância zero para esse tipo de ato, como pratica agressões e discriminação contra os religiosos não judeus.
Muito ridícula foi a reação do presidente da Anti-Difamation League (ADL) que sugeriu que o deputado em vez de agir daquela forma deveria "chamar as autoridades competentes para investigar". Investigar o quê? O crime de distribuir material de uma crença não judaica aos parlamentares judeus?
Tzipi Hovotely, membro do partido governista do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, enviou um pedido ao presidente do Knesset, exigindo que seja proibida a distribuição de materiais missionários no país.
Que beleza... De fato, a única democracia do Oriente Médio... ( HORA DO POVO )





N.B.

Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe