sábado, 28 de julho de 2012

Apontamentos: como será a abertura olímpica paulistana

São apenas umas ideinhas que anotarei aqui para não esquecer, inspirado pelo momento olímpico. Vai que sejam úteis um dia. Não formam um plano totalmente fechado, mas apenas elementos que poderão fazer parte do todo.
Abertura das Olimpíadas quando elas acontecerem em São Paulo
Ocorrerão no Pacaembú ou no Morumbi, obviamente, por estarem localizados em regiões nobres da cidade.
Haverá uma favela cenográfica (pra agradar os gringos), que pegará fogo sem motivo aparente; ergue-se sobre as cinzas do terreno um vistoso prédio de luxo, mostrando nossa pujança
Como é de praxe nestes eventos, haverá uma performance-monstro de dançarinos - centenas deles - que estarão vestidos de mendigos. Dançarão por minutos, até que de repente, a música diminuirá a velocidade e o ritmo, mudança que será acompanhada pelos dançarinos. As luzes também vão sendo apagadas, numa simulação de chegada da noite. Os dançarinos, aos poucos, cairão ao chão, como se estivessem caindo no sono. Haverá um silêncio por uns 2 minutos, e depois disso se iniciará aquela musiquinha de "dormir" das caixinhas de música.
Surpresa! Silenciosamente, dezenas de figurantes surgirão portando garrafas com líquido inflamável, que despejarão sobre os dançarinos-mendigos, e acenderão o fogo. Os dançarinos, se levantarão, em chamas e tornarão a dançar, como num vídeo do Michael Jackson. Ninguém virá apagar as chamas.
A tocha, à semelhança de Londres, virá de lancha, pelo Tietê. Quem estiver segurando a dita cuja deverá tomar o máximo de cuidado para que ela não caia, em hipótese alguma, nas águas poluídas do rio, pois em contato com a química imperante, poderá haver um incêndio de proporções inimagináveis.
As delegações, conforme entrem na arena para desfilar receberão instruções: as mais pobres, deverão se dirigir a uma área distante do centro, quase um canto escuro, enquanto aquelas de primeiro mundo se dirigirão ao centro, onde receberão todo o destaque. Não se deve esquecer que tais Olimpíadas ocorrerão em São Paulo, e a cerimônia representará nosso espírito e cultura, costumes e filosofias de vida. Mas poderá ser alterada essa parte, e as delegações pobres sequer dividirão o mesmo palco com as ricas, devendo se apresentar no Itaquerão que, apesar de moderno, fica longe pra burro da Zona Central/Sul/Oeste. Novidades, vocês hão de reconhecer.
Uma inovação: em vez das delegações marcharem, coletivamente, diante do público, cada membro de cada delegação entrará dirigindo um carro. Para ficar claro: um atleta/ dirigente/ técnico equivalerá a um automóvel. Nesse caso, as delegações ricas e pobres poderão se apresentar num único local, que é pro caos automotivo atingir proporções equivalentes àquelas que nossa população está acostumada. Acostumada, mas não faz nada para mudar, claro. O caos imperará. Nem precisa dizer que a cerimônia não terá hora para acabar, né?
Aproveito e roubo aquela idéia do ciclista alado voador. Na nossa cerimônia à paulistana faremos igualzinho. Só que, quando atingir a altura mais alta, o ciclsta será colhido por um carro voador. Que surgirá à toda velocidade, não se sabe de onde, e depois fugirá do local.
Depois disso, começarão os Jogos.

Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe