segunda-feira, 11 de abril de 2011

Aberta a temporada de caça a "solitários, tímidos e antissociais"

Como até os plutonianos já sabem, o comportamento que causa maiores suspeitas sobre possíveis ( futuros ) autores de massacres, como os que vemos com freqüência nos EUA e, recentemente no Rio de Janeiro, é aquele mostrado por pessoas tímidas, esquisitas, caladas, sem muitos amigos, meditabundos, sorumbáticos e solitários.

Sabemos que, no Brasil, é uma imposição social apresentarmos uma expansividade, um calor humano, uma tendência a falar pelos cotovelos o que vier em nossa cabeça, entre outros comportamentos socialmente "desejáveis", essa nossa cara e feliz brasilidade.

O tipo caladão, que, por sua vez, até o episódio de Realengo, era alvo de diz-que-dizes, especulações, censuras veladas ( ou abertas ) e condenações veementes se torna, agora, um suposto candidato a entrar em escolas e meter bala em todo mundo.

Foi essa a conclusão que tive, ao ver na cobertura da imprensa horrorosa que temos, as palavras da irmã adotiva do atirador de Realengo. Uma opinião pontual e passageira que podia, sim, ajudar a delinear a personalidade do matador tomou um destaque e virou daquelas manchetes menores mas não menos destacadas, tipo "Atirador era estranho, calado e solitário, diz irmã". Isso obviamente induz as pessoas a - com a predisposição já arraigada, repito - achar que, além de tudo de ruim que o estranho caladão sugere com seu "jeito dark", o camarada pode ser do tipo "Rambo de Columbine".

E eu, que sempre achei que, em nosso meio social, eram os expansivos, faladores e faroleiros, "sociáveis incorrigíveis" e sempre inconvenientes, excitados, que se expõem demasiadamente como se fossem o centro do Universo, entre outros tipos igualmente detestáveis, os mais propensos a fazer besteiras por causa de seu comportamento falsamente feliz e pseudo-autêntico, além de expansivamente competitivo e autopavoneador. Dispenso - e dela desconfio - vossa "alegria de viver" exibida como se estivessem na TV sendo visto por milhões. Lixo.


PS: Também sempre achei que exemplos de comportamento antissocial fossem aqueles provenientes de nossa Lei de Gerson, como estacionar o carro sobre as calçadas ou botando mesas e cadeiras de bares nas calçadas, ou seja, o tipo de atitude que prejudica a convivência social. Claro está que quem faz isso é que é considerado "brasileiro de verdade".

Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe