quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Astrônomos encontram planeta no qual as chances da existência de vida é de 100%

Astrônomos acham planeta habitável "perto" da Terra
Com solo rígido, clima ideal e atmosfera como a terrestre, há boa chance de que exista vida lá, diz cientista
Astrônomos americanos anunciaram ontem a descoberta de um planeta quase do tamanho da Terra que, segundo eles, teria grandes chances de ser habitável. A descoberta fica a 20 anos-luz daqui. Ou seja: em termos espaciais, ele é nosso vizinho.
O planeta recém-descoberto fica na chamada "zona habitável" - local que reúne condições para que haja água em estado líquido- de uma estrela anã conhecida como Gliese 581.
Embora os cientistas ainda não tenham encontrado indícios de que realmente exista água por lá, eles já demonstram entusiasmo.
"As chances de que exista vida neste planeta é de 100%", afirma Steven Vogt, um dos autores do trabalho, publicado na revista científica "Astrophysical Journal".
Os astrônomos determinaram que o planeta, batizado de Gliese 581g, tem uma massa de três a quatro vezes a da Terra e um período orbital de pouco menos de 37 dias.
Sua massa indica que provavelmente é um planeta rochoso e com gravidade suficiente para ter uma atmosfera, segundo Steven Vogt.
A gravidade superficial seria quase a mesma ou um pouco maior que a terrestre. Portanto, uma pessoa poderia facilmente caminhar em posição ereta pelo planeta, dizem os cientistas.
O Gliese 581g foi descoberto por cientistas que trabalhavam no Lick-Carnegie Exoplanet Survey, após 11 anos de pesquisa. Para vasculhar o espaço, eles usaram telescópios baseados aqui mesmo na Terra.
"O fato de termos conseguido detectar este planeta tão rapidamente e tão próximo nos mostra que planetas como este devem realmente ser comuns", disse Vogt.
O planeta tem uma de suas faces sempre voltada para a sua estrela e sob influência de uma luz diária perpétua, enquanto a outra fica na escuridão eterna, porque está voltada para o lado oposto.
Consequentemente, as temperaturas decrescem do lado oposto à estrela e se elevam do lado iluminado. A área mais habitável do novo planeta seria a parte intermediária entre luz e escuridão. (Associated Press)
( Folha de SP, 30.09.2010 )

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Folksinger Woody Guthrie, um do 50 maiores progressistas americanos do século 20, segundo The Nation

Woody Guthrie (1912–67)
Guthrie, the legendary songwriter and folk singer, is best known for “This Land Is Your Land,” considered America’s alternative national anthem. He traveled from his native Oklahoma across the nation, writing songs about migrant workers, union struggles, government public works projects and the country’s natural beauty, including “I Ain’t Got No Home,” “Tom Joad,” “So Long It’s Been Good to Know Yuh,” “Roll on Columbia,” “Pastures of Plenty,” “Grand Coulee Dam” and “Deportee.” As a member of the Almanac Singers, Guthrie wrote and performed protest songs on behalf of unions and radical organizations. Many of his songs are still recorded by other artists and have influenced generations of performers, including Bob Dylan, Joan Baez and Bruce Springsteen.

Further Reading:
This Land Is Your Land by Woody Guthrie.
Ramblin' Man: The Life and Times of Woody Guthrie by Ed Cray.
Woody Guthrie: A Life by Joe Klein.

(
THE NATION , Slide Show: The Fifty Most Influential Progressives of the Twentieth Century, Part 2 )

UN denies naming 'point of contact' for aliens

The United Nations Office for Outer Space Affairs on Tuesday dismissed as "nonsense" a newspaper report which said it had appointed a new ambassador as a point of contact for extra-terrestrials.
"The article in the Sunday Times is nonsense," UNOOSA said in a statement, referring to a report this weekend which said the UN was to appoint Malaysian astrophysicist, Mazlan Othman, to be the first contact for any aliens.
Othman heads UNOOSA, a little-known department of the UN based in Vienna with a staff of 27.
Under a mandate defined by the UN General Assembly, UNOOSA's task is to promote international cooperation in the peaceful uses of outer space and strengthen the use of space science and technology applications.
"There are no plans to change the current mandate," the statement said.
According to the Sunday Times article, Othman was set to describe her potential new role as chief alien ambassador next week at a scientific conference at the Royal Society's Kavli conference centre in Buckinghamshire, England.
But UNOOSA also rejected this.
Othman would use the conference to "raise awareness" about topics such as space debris, asteroids, "as well as the annual World Space Week celebrations from October 4-10."
In an interview with AFP a year ago, Othman had joked that the UN Secretary General would be the one to "represent mankind ... if we do make contact with aliens."
(
SPACE DAILY - EXO LIFE / AFP, 28.09.2010 )

FBI invade casas de ativistas americanos contra guerra do Iraque e do Afeganistão

Ativistas que se opõem à política de guerra de agressão dos EUA tiveram suas casas invadidas pelo FBI na sexta-feira (24), pelo simples motivo de serem contra o belicismo e defenderem o fim das guerras no Afeganistão e no Iraque.
Em uma conferência de imprensa no sábado (25) em Chicago, dois ativistas, Joe Iosbaker e Stephanie Weiner, que foram vítimas das violações do FBI deram detalhes das invasões. Mais de 20 agentes do FBI invadiram suas casas, reviraram mais de 30 caixas contendo documentos, correspondências e objetos pessoais que datavam de mais de quatro décadas. Eles contaram que em várias residências invadidas pelos agentes do FBI foram apreendidos também celulares e computadores de uso pessoal.
Um porta-voz do FBI afirmou que os ataques foram dirigidos às pessoas, “prevendo, a tentativa e conspiração para fornecer apoio material” a organizações terroristas, incluindo o Hezbollah no Líbano, a Frente Popular para a Libertação da Palestina, e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC). Mas não há nenhuma evidência de qualquer ligação dos ativistas com terrorismo.
O FBI está usando um precedente recentemente aprovado pela Suprema Corte dos EUA, o Projeto Holder, medida que prevê informações como pesquisas, informes, panfletos, publicações na internet contra a guerra como “apoio material” aos grupos terroristas.
Se o precedente estivesse em vigor durante a década de 1980, ativistas anti-apartheid nos Estados Unidos poderiam ter sido presos e processado por “apoio material”, porque a administração Reagan havia designado o Congresso Nacional Africano e Nelson Mandela como “terroristas”.
Os ataques do FBI às residências de ativistas vieram quatro dias depois da publicação de um relatório interno do Departamento de Justiça, admitindo que o FBI abriu indevidamente contra grupos de paz e justiça social, investigações de participação com o “terrorismo”, entre as entidades que foram investigadas estão, quakers, Catholic Worker, a Thomas Merton Center e Greenpeace.
(
HORA DO POVO, 29.09.2010 )

MAIS GUERRA:

Pentágono compra 10 mil livros de oficial e queima em operação abafa
O Pentágono comprou e destruiu quase 10.000 exemplares da primeira edição das memórias escritas por um oficial reformado que conta suas lembranças quando era responsável por operações secretas realizadas no Afeganistão, durante a presidência de George W. Bush.
A rede de televisão CNN, que divulgou a notícia no sábado (25), disse ter obtido confirmação do Departamento de Defesa dos EUA de que os exemplares do livro “Operation dark Heart”, escrito pelo tenente-coronel Anthony Shaffer, tinham sido destruídos.
“O Departamento de Defesa decidiu comprar as cópias da primeira edição porque continham informação que teria colocado em perigo a segurança nacional”, disse à CNN a porta-voz do Pentágono, April Cunningham.
O texto divulga atividades secretas desenvolvidas pela CIA, pela Agência de Segurança Nacional e pelo Comando Estadunidense de Operações Especiais.
O estardalhaço provocado pelo Pentágono converteu em raridade as sobras da primeira edição do livro, que podem se encontrar ao preço de mais de 2000 dólares em sebos de Nova Iorque.
A editora St. Martin’s Press está preparando já a segunda edição das memórias que deve incorporar algumas mudanças solicitadas pelo governo.
“Isso parece vingança. É ridículo que, em plena era digital, alguém se lance a comprar 10.000 livros para silenciar uma história”, afirmou Shaffer, assinalando que “as informações que eles pretendiam ocultar, agora é que foram amplificadas”.
( Idem )

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Pela criação de memórias falsas, Por Elizabeth Loftus

Pela criação de lembranças falsas
Alterando nossa memória, médicos poderiam ajudar pacientes a lidar com doenças e distúrbios
Durante a campanha para a Presidência dos EUA, em 2008, Hillary Clinton contou em um discurso que havia feito uma viagem assustadora à Bósnia 12 anos antes. "O helicóptero pousou em meio a tiros... Tivemos de correr com a cabeça abaixada para os veículos que nos esperavam." Algo errado surgiu quando a imprensa procurou imagens daquele dia. Elas mostravam um pouso pacífico, e Hillary e sua filha sendo recepcionadas por estudantes. Nada do que a candidata falou havia acontecido. Hillary teria mentido descaradamente?
Talvez não. Ela pode simplesmente ter caído em um truque da memória. Não é difícil fazer pessoas se lembrar de coisas que nunca aconteceram. Memórias falsas podem surgir quando alguém nos conta uma versão incorreta do passado. Ou quando somos questionados de forma direcionada. Claro, isso é ruim porque distorce o passado. Mas acredito que podemos usar as memórias falsas para nos fazer bem - ajudando a superar doenças e distúrbios.
É uma linha que tenho estudado com alguns colegas. Em uma pesquisa, nosso objetivo foi tentar convencer voluntários de que eles haviam se perdido em um shopping center quando crianças. Para isso, usamos informações coletadas com os pais dos participantes, criando um cenário baseado em histórias reais. Um quarto dos participantes disse ter se lembrado do momento em que teriam se perdido. Estudos de outros cientistas tiveram resultado semelhante. Voluntários se lembraram de ter se afogado ou ter sido atacados por um animal quando criança, o que nunca tinha acontecido.
Isso nos fez ver que é possível usar lembranças falsas para influenciar o comportamento de alguém. Em outro estudo, fizemos voluntários se lembrar que tinham ficado doentes quando criança depois de comer ovos cozidos. Era uma lembrança falsa. Mas, mais tarde, os participantes disseram ter menos vontade de comer ovos por causa da "recordação". Repetimos o estudo com alimentos calóricos, como sorvete de morango. O resultado foi igual.
Criar memórias como essas poderia ser uma forma de tratar obesidade e diabetes, por exemplo. Os pacientes ficariam sugestionados a comer menos alimentos prejudiciais a sua saúde. Ainda há um problema ético: um médico não poderia avisar ao paciente que iria implantar uma lembrança em sua memória, porque o dado falso não teria efeito. Seria preciso mentir. Ou encontrar uma forma de levar a informação nova à memória sem esconder nada do paciente. Ainda temos de encontrar a maneira de médicos usarem essa abordagem, mas não há nada que impeça que pais tentem isso com seus filhos. Já recebi críticas por sugerir que pais mintam para seus filhos, mas eles têm feito isso há muito tempo - basta lembrar do Papai Noel.
De qualquer maneira, ainda é preciso pesquisar mais. Se permitirmos que as pessoas sejam enganadas para que consigam uma vida saudável, o que virá depois? Temos o desafio de definir quem terá o comando sobre essa engenharia mental, para evitar que ela escape do controle.

* Elizabeth Loftus é professora de psicologia da Universidade da Califórnia, campus de Irvine.
(
SUPERINTERESSANTE )

Design dos anos 1950 em museu

Exposição
Até 07/11_R$ 4
A Caminho do Contemporâneo
Um Olhar sobre os Anos 1950
Terça a domingo – 10h às 18h
Museu da Casa Brasileira
Av. Faria Lima, 2705
Jardim Paulistano
11_3032 3727


Design dos anos 1950 em museu
Os pés-palitos dos móveis dos anos 1950 ganham destaque na exposição A Caminho do Contemporâneo: Um Olhar Sobre os Anos 1950, que abre hoje, no Museu da Casa Brasileira. Com curadoria de João Grinspum Ferraz, a mostra, que vai até o dia 7 de novembro, reúne 60 peças, entre escrivaninhas, cadeiras e mesas, que refletem o período conhecido pela influência do design de móveis escandinavos, o Suprematismo Russo, e a estética da escola de Bauhaus, que ditavam a criação cultural no Brasil. Joaquim Tenreiro, Volpi, Geraldo de Barros e Lina Bo Bardi são alguns dos artistas que assinam os desenhos do mobiliário ou as obras decorativas vistos na exposição do MCB. Coleção As peças fazem parte da coleção de Jayme Vargas, que abriu seu acervo e selecionou móveis que enfatizassem a produção cultural do período entre os anos 1947 e 1967. Além do mobiliário, obras de artes de artistas como Helio Oiticica e Lygia Clark completam os ambientes, que procuram relembrar uma época de efervescência cultural brasileira.

Obra Meta Esquema, de Helio Oiticica

( DESTAK, 28.09.2010 )

ONU tem embaixadora para comunicar com extraterrestres

A astrofísica, Mazlan Othman, vai ser designada em breve, embaixadora das Nações Unidas para o Universo e estará encarregue de coordenar a resposta da espécie humana no caso de existir uma tentativa de contacto de extraterrestres.
Este novo cargo surge depois de terem sido descobertos um grande número de planetas que orbitam estrelas, o que volta a abrir a hipótese de que os humanos possam a vir a ser contactados por vida extraterrestre inteligente.
O plano de converter a Delegação das Nações Unidas para o espaço Exterior (UNOOSA) num organismo de coordenação para encontros com extraterrestres será previamente debatido pelas várias comissões das Nações Unidas antes de ser enviada para a Assembleia Geral. “Quando (os extraterrestres) nos disserem ‘levem-me ao vosso lider’, Othman será o mais próximo que teremos,” disse o perito em direito espacial Richard Crowther.
Othman ocupa actualmente o cargo de directora da Delegação das Nações Unidas para o espaço Exterior e as responsabilidades do seu novo cargo vão ser reveladas numa conferência, em Inglaterra na próxima semana.
( Fonte: IONLINE, 27.09.2010 )

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Governo dos EUA propõe lei a favor de espionagem online

O governo norte-americano prevê projeto de lei que facilite a investigação por forças policiais e do serviço de inteligência dos Estados Unidos de sites e mensagens veiculadas em meios eletrônicos, como redes sociais e smartphones, informa a AP, segundo reportagem do jornal The New York Times, publicada nesta segunda-feira (27).
A lei seria apresentada pela Casa Branca em 2011, com exigência sobre os provedores de internet, de instalação de sistema que permita cumprir ordens judiciais para espionagem do governo.
A justificativa das autoridades de segurança nacional é o risco oferecido ao país de comunicações entre terroristas e criminosos cada vez mais comuns na internet.
"Estamos falando de interceptar com autorização da lei. É uma forma de preservar nossa capacidade para executar a autoridade existente, com finalidade de proteger a segurança pública e a segurança nacional", disse a advogada do FBI, Valerie Caproni, em referência a críticas sobre invasão de privacidade.
(
Redação Portal IMPRENSA )

Redes sociais têm acesso em 32% dos domicílios nas cidades do Rio e São Paulo

Cerca de 32% dos domicílios nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo têm acesso a redes sociais, com 11% dos usuários declarando-se viciados nos sites e outros 21% sendo usuários frequentes das redes, informa a Folha.com baseada em estudo divulgado nesta segunda-feira (27) pela Kantar Worldpanel, empresa de pesquisa de consumo domiciliar.
O uso mais significativo das redes sociais consiste em manter contato com pessoas, segundo 30% dos internautas, nas capitais carioca e paulista. Postar fotos é a atividade principal para 23% dos usuários, enquanto que 10% afirmaram tentar conhecer pessoas no exterior e 9% para fazerem novos amigos.
Entre as plataformas mais populares nas duas regiões metropolitanas, o Orkut lidera com ampla vantagem, 98%. Twitter e Facebook têm o acesso de 14% e 13% dos pesquisados, respectivamente. Os dados da pesquisa foram baseados em consulta a três mil domicílios nas duas cidades.
Em outros países da América Latina, o Facebook apresenta maior preferência (53%), seguido pelo Orkut (46%) e Twitter (12%).
(
Redação Portal IMPRENSA )

Promotor pede teste para ver se Tiririca é analfabeto

O promotor Maurício Antonio Ribeiro Lopes, da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, pediu no sábado autorização da Justiça Eleitoral para que o candidato a deputado federal Francisco Everardo Oliveira Silva, o palhaço Tiririca (PR), seja submetido a teste para saber se ele é analfabeto.
O pedido foi feito após reportagem da revista Época revelar indícios de que Tiririca não sabe ler nem escrever. Segundo a revista, o humorista demonstrou "enorme dificuldade de leitura". Lopes quer que o teste seja realizado hoje. "Existe uma suspeita séria de que esse homem é analfabeto. É preciso saber se ele tem condição de ser candidato", afirmou. Se a Justiça determinar, o candidato terá de escrever um ditado e ler um texto.
A lei eleitoral permite o voto dos analfabetos, mas proíbe a candidatura deles. Segundo o Datafolha, Tiririca deve ser o candidato a deputado federal mais votado do país, com cerca de 900 mil votos. O candidato já criou polêmica pela propaganda que diz: "Pior do que 'tá' não fica" e foi acusado de fraude por declarar que não tem bens em seu nome.
(
DESTAK, 27.09.2010 )

Irã: Alvo de hackers?

Irã reconhece ter sido alvo de ataque eletrônico
O Irã reconheceu que os sistemas eletrônicos de dezenas de indústrias foram atacados por um vírus chamado de Stuxnet, que, segundo alguns especialistas ocidentais, poderia ter sido projetado para tentar frear o controvertido programa nuclear iraniano.
O ministro das Telecomunicações, Reza Taghipour, admitiu que sistemas menos protegidos foram infectados pelo vírus. Ao que parece, o Stuxnet foi desenhado para atacar sistemas de administração industriais.
O administrador de projetos da usina nuclear de Bushehr, Mahmoud Jafari, afirmou que o vírus não provocou qualquer dano aos principais sistemas da usina, mas apenas a computadores pessoais de funcionários do complexo nuclear.
De acordo com Jafari, pelo menos cinco versões do Stuxnet já foram detectadas nas redes das principais indústrias que atuam no Irã.
(
DESTAK, 27.09.2010 )
MAIS:
Irã confirma ter sido alvo de ataque cibernético
O vírus de comutador Stuxnet causou prejuízos notáveis no Irã. Segundo fontes ministeriais, o ataque eletrônico afetou cerca de 30 mil computadores no setor industrial.
Após dias de especulação internacional sobre o ataque cibernético contra indústrias iranianas, Teerã confirmou os danos causados pelo vírus de computador Stuxnet. Um especialista em tecnologia de informação do Ministério da Indústria em Teerã declarou à agência de notícias Mehr que 30 mil computadores industriais foram infectados no país. Ainda não se sabe quem possa estar por trás dessa investida.
Essas recentes declarações confirmam relatos divulgados no início de setembro pelo jornal reformista iraniano Shargh. Na época, o diário comunicou que uma autoridade ministerial tinha se referido a 30 mil computadores infectados.
Segundo ambas as fontes, o alvo do ataque cibernético são sistemas industriais de TI da Siemens que trabalham com o software Scada. Até o que se sabe no momento, o Stuxnet se infiltra em tais sistemas e deixa vazar os dados para fora do país. Nos últimos dias, diversos relatos de mídia especularam sobre a possibilidade de o vírus ter sido direcionado contra o programa nuclear iraniano, a fim de causar danos mesmo.
Segundo as informações divulgadas, o reator de enriquecimento de urânio em Natanz estaria funcionando com menos centrífugas que há seis meses, embora desde então tenham sido instaladas mais centrífugas na usina. Este detalhe não foi confirmado por fontes oficiais.
A agência de notícias Isna comunicou que as autoridades iranianas de energia atômica se reuniram para buscar formas de combater o vírus. O governo em Teerã chegou até a criar uma comissão para investigar as consequências do Stuxnet e tentar evitar riscos maiores, noticiou a agência.
Há alguns meses, a empresa de segurança eletrônica Symantc havia divulgado duas estatísticas sobre instalações industriais infectadas pelo Stuxnet. A estimativa era de que, em meados de julho, 40% desses sistemas estivessem contaminados na Índia, 32% na Indonésia e mais de 20% no Irã. No final de julho, a Symantec divulgou que 60% dos computadores infectados estariam no Irã, o que deixou claro que o país deve ter sido o verdadeiro alvo do ataque.
Nas últimas semanas, diversos especialistas cogitaram um ataque direcionado especificamente contra as instalações nucleares iranianas. Como os custos de um ataque cibernético dessa dimensão são incalculáveis, muitos especulam sobre a possibilidade de ele ter sido cometido por serviços secretos de outros Estados.
(
DW, 27.09.2010 )

Notícia ruim: Celular no trânsito já matou 16 mil pessoas nos EUA. Ruim porque é nos EUA, não em São Paulo, infelizmente.

A distração causada pelo uso de celulares no trânsito e, especialmente pelas mensagens de texto, matou nos Estados Unidos cerca de 16 mil pessoas entre 2001 e 2007, disseram pesquisadores.
A estimativa, uma das primeiras tentativas científicas de quantificar os acidentes causados por telefonemas e mensagens de texto, também sugere que um crescente número desses motoristas imprudentes tem menos de 30 anos.
"Nossos resultados sugerem que recentes e rápidos aumentos nos volumes das mensagens de texto resultaram em milhares de vítimas adicionais no trânsito nos Estados Unidos", escreveram Fernando Wilson e Jim Stimpson, do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Norte do Texas, em artigo na revista American Journal of Public Health.
O estudo foi feito com base em dados da Comissão Federal de Comunicações e da Administração Nacional de Segurança do Tráfego Rodoviário.
O simples fato de falar ao celular já distrai o motorista, conforme vários estudos demonstraram. Mas Wilson disse que a popularização das mensagens de texto e dos smartphones com acesso a emails e outros aplicativos leva o problema a um novo patamar.
Em 2002, segundo ele, a cada mês eram enviadas nos Estados Unidos 1 milhão de mensagens de texto; em 2008, o número subiu para 110 milhões.
O número de mortes no trânsito vem diminuindo no país. Foram 33.963 mil casos fatais no ano passado, menor nível desde meados da década de 1950, segundo dados oficiais.
AUMENTO DE ACIDENTE POR DISTRAÇÃO
Mas Wilson e Stimpson estimaram que, para cada 1 milhão de novos usuários de celular, há um aumento de 19 por cento nas mortes causadas pela distração ao volante.
"As mortes por distração como parcela de todas as vítimas das estradas subiram de 10,9 por cento em 1999 para 15,8 por cento em 2008, e grande parte do aumento ocorreu após 2005", escreveram eles. "Em 2008, aproximadamente 1 em cada 6 colisões fatais resultava de um motorista estar distraído enquanto dirigia", disse o estudo.
Wilson disse que 30 Estados proíbem o uso de mensagens de texto ao volante, e alguns Estados e municípios norte-americanos exigem equipamentos de viva-voz para motoristas que usem celulares.
Os órgãos federais vão estimular as empresas a conscientizarem seus empregados dos riscos de digitarem mensagens de texto enquanto dirigem para o trabalho. Wilson disse que é preciso melhorar a fiscalização, mas que isso não será fácil.
"Acho que uma solução perfeita seria instalar bloqueadores de celular em cada carro, mas isso não vai acontecer", disse o especialista, que atendeu um telefonema para ser entrevistado enquanto estava dirigindo, mas parou para falar.
Ao contrário de dirigir alcoolizado, onde você tem mecanismos eficazes de fiscalização, isso não existe para as mensagens de texto, O guarda simplesmente tem de dar a sorte de ver você digitando uma mensagem enquanto dirige.
Estadão - 23 de setembro de 2010
Vídeo:

sábado, 25 de setembro de 2010

Vídeo: Geraldo Alckmin pede votos para seu candidato do PCC. Que chato...

Com certeza Geraldo tem uma estratégia: manter o sujeito na política para que este não acabe participando de semelhantes deprimentes espetáculos que fecharam São Paulo para balanço naquele fatídico dia. Com tal estratégia, claramente Geraldo projeta angariar a maior e mais maciça votação, recebendo quase a totalidade dos sufrágios da "família policial" ( como diz Major Olímpio ). Geraldo se mostra um verdadeiro estrategista das política brasileira.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Suposta Indústria da Multa: CPTrans ainda não mostrou a que veio

Em vez de “orientação”, os motoristas meliantes de São Paulo precisam mesmo é de um bom corretivo pedagógico. Curiosamente extinta sob argumento de que os policiais seriam necessários para “combater a criminalidade”, noto que a reativação da CPTrans obedeceu à mesma argumentação. Só que, no lugar de apenas zelar pela obediência à Lei Seca, bem que podiam zelar pela livre passagem dos pedestres nas calçadas da cidade. Por exemplo, em Vila Zelina, teriam bastante atividade pedagógica se baixassem em locais como Rua Pinheiro Guimarães ( cuja calçada no lado par é um verdadeiro estacionamento ilegal ) e Avenida Zelina, onde as calçadas a partir do número 1200 ( mais ou menos ) também têm servido a esse propósito ( inclusive pode-se flagrar viaturas da PM passando no local tranquilamente, mas não fazendo nada, talvez para evitar a fadiga e não se indispor com os sensíveis moradores do bairro ).
Ops! Fui escrevendo, escrevendo, e não percebi que dei a maior dica para a CET e para a CPTran.
SAIBA MAIS:

A primeira tirinha do Charlie Brown! :)

Se você ainda não conhece a primeira tirinha de Charlie Brown, aqui está ela
Por L&PM Editores
Era uma vez um garoto tímido e pouco confiante, castigado pela acne, magro demais para jogar futebol americano e sem altura para o basquete. Filho único, se dava mal nas matérias, não sabia como falar com as garotas e era atormentado por professores e outras figuras opressoras. Mas que conseguiu sobreviver à adolescência e, em 02 de outubro de 1950, publicou a primeira tira que o deixaria famoso para todo o sempre. Esse cara é Charles Schulz e aqui está a tira de estreia de Peanuts que abre o livro em capa dura Peanuts completo volume 1, da L&PM.

Vídeo: criança bonitinha ajudando a mãe nas tarefas de casa


video

Ahmadinejad sugere que EUA orquestraram 11/9

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, voltou a questionar a autoria dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 durante discurso da 65ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).
Segundo ele, uma das teorias sobre a responsabilidade dos ataques é de que eles teriam sido orquestrados pelo governo dos Estados Unidos para reverter uma economia em declínio e salvar o regime sionista no Oriente Médio. "A maioria do povo americano, bem como outras nações e políticas, concordam com esta visão", disse o líder iraniano, diante de um auditório com muitas cadeiras vazias.
As outras teorias, segundo ele, seriam a de que os atos de 11 de setembro foram cometidos por um poderoso e complexo grupo terrorista, que seria a visão que o governo dos EUA propaga, segundo ele, e por último, a de que os ataques foram cometidos por um grupo terrorista, mas que o governo norte-americano tirou proveito da situação.
Ahmadinejad também enviou condolências às famílias das vítimas das enchentes no Paquistão e disse que "o sistema capitalista e a ordem mundial existente provaram serem incapazes de fornecer soluções apropriadas aos problemas da sociedade".
VOCÊ ACHA QUE A AFIRMAÇÃO DO CARA É MEIO LUNÁTICA?
É POR QUE VOCÊ TALVEZ NÃO CONHEÇA "THE 9/11 TRUTH MOVEMENT"

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Cine Gemini fecha as portas após 34 anos

Este é o último fim de semana em que paulistanos poderão frequentar um dos mais tradicionais cinemas da cidade. O Gemini, na avenida Paulista, fecha as portas neste domingo. O anúncio foi feito ontem pela assessoria de imprensa da casa. Conhecidas por exibirem filmes já fora do circuito comercial e algumas apostas mais cults, as salas Gemini 1 e 2 foram inauguradas em 1976 e resistiram à modernização: a decoração do local é a mesma desde a fundação, com carpetes com motivos geométricos e poltronas em couro vermelho, típicas dos anos 1970. Outro tradicional cinema da região da avenida Paulista que corre risco de fechar é o Belas Artes, que, após perder patrocínio, enfrenta uma grave crise financeira. Procurada pelo jornal Destak para falar sobre as razões do encerramento do cinema, a assessoria de imprensa do Gemini não retornou as ligações até o fechamento desta edição.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Documentos da Aeronáutica revelam óvnis "gelatinosos" e do tamanho de "transatlânticos"

Relatos, que antes eram confidenciais, agora estão no Arquivo Nacional
Do tamanho de “transatlântico” ou de um “boeing”, com aspecto “gelatinoso” e movimento de “limpador para-brisa”. Esses são alguns dos termos usados por observadores para descrever óvnis (objetos voadores não identificados) vistos no Brasil. As informações são de documentos oficiais da Aeronáutica, que eram mantidos em sigilo, mas que agora vieram a público e estão à disposição do Arquivo Nacional do Distrito Federal.
Esses relatos, catalogados pela Aeronáutica nesta década, foram feitos por pessoas que viram esses objetos no céu enquanto estavam no chão e também por pilotos de avião, que avistaram os óvnis durante suas viagens. Antes, já haviam sido abertos os arquivos referentes a essas ocorrências até os anos 90. Com os novos documentos, o que os ufólogos (pessoas que estudam o assunto) querem é conhecer melhor esses casos.
Em julho de 2007, por exemplo, um guia de turismo de Manaus entrou em contato com as autoridades para informar que havia visto dois flashes “claros e luminosos”, na cor branca, abaixo do nível das nuvens, com “lento deslocamento lateral”. Os objetos vistos por eles eram “meio gelatinosos”, segundo o relato, classificado até agora como “confidencial”.
Outros testemunhos são mais misteriosos. Em janeiro de 2000, um homem de Foz do Iguaçu diz ter recebido de alguns extraterrestres a mensagem de que eles “iam dominar a Terra”.
– No avistamento de ontem, apareceram uma nave mãe em forma de balão e milhares de outros objetos quadrados e brilhantes. Estes [objetos] seguiram uma aeronave da Varig até que esta desaparecesse nas nuvens. Os objetos retornaram e formaram um Cruzeiro do Sul [constelação do Hemisfério Sul].
Apesar disso, o oficial da Aeronáutica que coletou o relato diz ter ligado para o aeroporto local e os operadores informaram que não houve qualquer sinal suspeito no radar.
Também em 2000, o piloto de um avião que voava próximo a Petrolina, em Pernambuco, diz ter visto uma luz branca, como se fosse a de um farol. De acordo com ele, o óvni trafegava como uma aeronave com faróis acesos, mas sem qualquer outra luz de navegação. Após cerca de um minuto, a luminosidade acabou sem motivo aparente.
Outros relatos indicam que os óvnis podem ter o formato de animais. Um morador de Caiobá, no Paraná, diz ter visto um objeto esquisito, de cor vermelha, tamanho de transatlântico e forma de caranguejo. O oficial que coletou o relato fez questão de ressaltar que o homem estava “lúcido” enquanto contava sua experiência.
– O observador não aparentava ter feito uso de drogas ou bebida alcoólica. O seu depoimento foi lúcido e lógico, demonstrando apenas ter medo do que viu.
O pesquisador britânico Andy Thomas, considerado um dos mais conceituados pesquisadores de objetos voadores não identificados, disse ao Jornal da Record que é importante abrir esses arquivos. Entretanto, segundo ele, o governo ainda deve manter em sigilo os casos mais importantes.
– De qualquer maneira, a comunidade científica vai instantaneamente atrás da informação nova para entender e conseguir ter um cenário completo do que vem acontecendo.
Uma portaria publicada no Diário Oficial da União no mês passado regulamenta como a Aeronáutica deve lidar com assuntos ligados a óvnis no espaço aéreo nacional. Segundo o documento, o Comando da Aeronáutica (Comaer) deve se encarregar apenas do registro de ocorrências e do seu encaminhamento para o Arquivo Nacional.

Veja a reportagem do Jornal da Record sobre o assunto:

http://noticias.r7.com/videos/arquivos-de-avistamento-de-ovnis-vem-a-publico/idmedia/e3fe5b82236e296aba7938be1bec2587.html

Publicado no R7

Guerra contra EUA 'não teria limites', diz Ahmadinejad

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse em Nova York que, se os Estados Unidos iniciarem um conflito com o Irã, haverá uma guerra "sem limites". "Os Estados Unidos nunca entraram numa guerra séria e nunca foram vitoriosos", afirmou Ahmadinejad durante uma reunião com proprietários de meios de comunicação e editores norte-americanos. "Os Estados Unidos não entendem a aparência de uma guerra. Quando uma guerra começa, ela não conhece limites", disse o presidente, segundo participantes do encontro.
O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) impôs quatro rodadas de sanções contra o Irã por causa de seu programa nuclear. Além disso, os Estados Unidos pediram a aplicação das medidas de forma severa.
Publicado em
REPORTER DIÁRIO

EM SANTO ANDRÉ ( SP ): DHARMA SAMU NO TUPINIKIM

NESTA PRÓXIMA QUINTA, DIA 23 DE SETEMBRO, O DHARMA SAMU IRÁ SE APRESENTAR NO TUPINIKIM BAR, AGRADÁVEL ESPAÇO SITUADO NA CIDADE DE SANTO ANDRÉ. O SHOW COMEÇA ÀS 22:00 EM PONTO E A ENTRADA É DE 6 REAIS. MAIS INFORMAÇÕES NO FLYER ACIMA.

MAIS INFORMAÇÕES / CONHEÇA O SOM:
www.myspace.com/dharmasamu
www.oinovosom.com.br/dharmasamu
http://meninomuquito.blogspot.com/


Imagem da blusa que foi capaz de paralisar toda a rede de Metrô de São Paulo!


terça-feira, 21 de setembro de 2010

John Ford ganha retrospectiva no CCBB de São Paulo

John Ford

Decorridos 37 anos de sua morte - em 1973, aos 78 anos -, John Ford permanece como um dos grandes diretores de Hollywood. A partir de amanhã, Ford ganha uma homenagem do Centro Cultural Banco do Brasil, em São Paulo, que promove uma retrospectiva - com 36 longas e um curta, quase todos projetados em 35 mm. A exceção é justamente o único filme que não é de Ford, mas sobre ele - o documentário "Directed by John Ford", de Peter Bogdanovich, em DVD. Completam o evento, um curso sobre o artista e um livro/catálogo sobre sua vida e obra.
Quatro vezes vencedor do Oscar de direção, um recorde - por "O Delator", "Como Era Verde Meu Vale", "Vinhas da Ira" e "Depois do Vendaval", em 1935, 40, 41 e 52 -, Ford nunca foi premiado por seus westerns, mas certa vez, ele próprio, querendo se definir perante seus colegas cineastas, disse que fazia faroestes. Ao longo de mais de 40 anos, desde o período silencioso e até "Sete Mulheres", seu último longa, de 1966, ele fez do seu cinema uma síntese da 'América', refletindo sobre os mitos fundadores de seu país.
Abraham Lincoln foi sempre uma inspiração, mas Ford foi, principalmente, o diretor dos desenraizados, contando epopeias de grupos - colonos, índios, religiosos, etc. Isso lhe valeu a alcunha de Homero de Hollywood, mas o curioso é que o autor que tanto se interessou pelo 'coletivo' fez da saga de um solitário - o Ethan Edwards de "Rastros de Ódio" (The Searchers), de 1956 - o mais belo de seus filmes, sua obra-prima. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Não Deixe de Ver
"Nas Águas do Rio" (Steamboat Round the Bend). Feito no mesmo ano de "O Delator", o longa com Will Rogers é um dos filmes que melhor expressam o amor de Ford por seu país - o médico charlatão e seu barco são inesquecíveis.
"No Tempo das Diligências" ( Stagecoach ). Transposição de Bola de Sebo, de Maupassant, para o Oeste, foi o primeiro Ford em Monument Valley. O mundo cabe numa diligência e até Welles dizia que saíram daqui as pesquisas de cenário de Cidadão Kane.
"A Mocidade de Lincoln". A transformação do jovem Lincoln no ícone da democracia norte-americana ou de como um jovem advogado descobre sua vocação política num tribunal. A parceria com Henry Fonda produziu belíssimos filmes.
"O Homem Que Matou o Facínora". A morte de Wayne é o ponto de partida para essa sombria desmistificação das lendas do western, que termina com um velho chorando.
Mostra John Ford - CCBB (Rua Álvares Penteado, 112). Tel. (011) 3113-3651. R$ 4. Até 17/10. Programação completa no site
www.bb.com.br/cultura.

- Notícia publicada no site Jornal Cruzeiro do Sul

Novos trens do Metrô paulista à prova de blusas terroristas, com tecnologia de Primeiro Mundo, são apresentados à população. Qualidade faz a diferença


Dica do ESQUERDOPATA , publicado no RICHARD WIDMARK

Universitários acreditam que ET fez pirâmides


Disco voador: estariam os ETs com saudades dos monumentos que ele erigiram, há muito, muito tempo?

Após ouvir cerca de 10 mil alunos de graduação nos EUA, pesquisadores descobriram que só 35% discordavam da ideia de que ETs teriam visitado civilizações antigas da Terra e ajudado a construir monumentos como as pirâmides do Egito.

Poucos se manifestaram contra outras teses sem base, como o suposto status de ciência da astrologia ( não confundir com a astronomia ) e a ideia de que existem números da sorte -22% e 40%, respectivamente.
Além disso, mais de 40% disseram que antibióticos matam tanto vírus quanto bactérias --na verdade, só as bactérias são vulneráveis a esse tipo de medicamento.
Para o autor do estudo americano, o astrônomo Chris Impey, os números refletem um problema do país: os alunos de ensino médio não precisam fazer cursos de ciência. A maioria estuda biologia, mas menos de metade tem aulas de química e só um quarto estuda física.
"O ensino médio americano é forte em história, conhecimentos gerais, esportes, computação, mas bastante fraco mesmo em ciências", diz Renato Sabbatini, biomédico e educador da Unicamp.
"Mas as perguntas que fizeram são hiperelementares, um adolescente minimamente informado que assista televisão saberia responder."
Preocupante, diz Impey, é que o pior desempenho foi justamente o dos alunos de cursos na área da educação.
Não há números parecidos que indiquem qual a realidade brasileira. Embora aulas de ciência sejam obrigatórias no ensino médio por aqui, a baixa qualidade do ensino não garante muita coisa.
Conspirando contra a compreensão científica no país, diz Sabbatini, há o fato de que cerca de 70% dos brasileiros só conseguem ler textos curtos e tirar informações esparsas deles. "Têm letramento insuficiente. É impossível serem bem informados sobre a ciência moderna."Tal analfabetismo, diz Impey, não deixa de ser um problema político: "Esses conhecimentos são importantes para avaliar posições políticas sobre mudança climática ou células-tronco."

Palestra: Aziz Saber comentará as possíveis interferências que a construção do Terrão Stadium 100 Nada em Itaquera causará à Zona Leste!

PALESTRA: "Interferências da Construção de um Grande Estádio na Zona Leste"

PALESTRANTE: AZIZ NACIB AB' SABER

DIA 29 DE SETEMBRO - 19h30min

LOCAL: UNICASTELO

* Ginásio Poliesportivo (junto ao prédio da Reitoria) - Rua Carolina Fonseca, 235 - Itaquera - SP

Aziz Nacib Ab'Saber ( São Luís do Paraitinga, 24 de outubro de 1924 ) é GEÓGRAFO, professor universitário brasileiro, considerado referência em assuntos relacionados ao meio ambiente e impactos ambientais decorrentes das atividades humanas. Cientista polivalente, laureado com as mais altas honrarias da ciência em arqueologia, geologia e ecologia - Membro Honorário da Sociedade de Arqueologia Brasileira, Grão Cruz em Ciências da Terra pela Ordem Nacional do Mérito Científico, Prêmio Internacional de Ecologia de 1998 e Prêmio Unesco para Ciência e Meio Ambiente - é Professor Emérito da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, professor honorário do Instituto de Estudos Avançados da mesma universidade e ex-presidente e atual Presidente de Honra da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Embora tenha se aposentado compulsoriamente no final do século XX, ainda se mantém em atividade.

Publicado no site da GEOGRAFIA UNICASTELO

Memória urgente: em 2007, Professor Hariovaldo desmascarou atentado cometido pelo PT que causou o famoso "Craterão do Metrô"! Soninha está certíssima!

O antigo site do Mestre Hariovaldo Almeida Prado ( Hariovaldo News ) botou abaixo, em 2007, toda a sórdida trama de intrigas petralhas que acabou causando aquela desgraça na Linha 4. À época, divulgou-se que o atentado de uma célula petista seria contra a Editora que melhor traduz os anseios democrátiocos da população, a Editora Abril. Os terroristas lullozedirceuzistas tentaram cometer um crime contra a liberdade de imprensa e o pensamento único que imperava então. Conhecedor de todas as sujas artimanhas do "Partido do Polvo", Professor Hariovaldo não se calou e desvelou a canalhice. Seu site não existe mais, mas dei uma pesquisada e consegui encontrar umas reproduções ainda em bom estado. Com a séria e astuta denúncia da Soninha, creio que é hora de cortar suas asinhas, senão ela vai acabar pensando que é mais inteligente que o Professor Hariovaldo, o que seria um ultraje à legião de seguidores do maior dos pensadores da Pátria. Ele, que só fuma ( va ) Gaoloise e Gitanes. Ao novatos, deliciem-se com uma das epístolas que Hariovaldo valentemente, como sói, publicou em seu antigo sítio informativo e noticioso-filosófico-cristão. Alvíssaras!

Atentado do PT contra Editora Abril fracassa e causa problemas ao trânsito da Capital. Sáb, 2007-01-13 09:23
É isso mesmo !!!
Uma célula petista a serviço da repressão à livre circulação de idéias e à liberdade de expressão tenta dinamitar a editora ( situada às margens plácidas da Marginal Pinheiros ) que publica, entre outros sucessos de público, a gloriosa revista Veja - pensando bem, a Daslu também se encontra às margens plácidas de algum rio fétido.
Não conseguindo seu intento sinistro, passaram rapidamente ao Plano B, que consta de todos os manuais de desinformação esquerdista: a injúria e a calúnia.
Por meio de seus cerca de 800 jornalistas - que constam da folha de pagamento da CUT- começaram a divulgar ardilosamente, a idéia de que a cratera aberta na ação subversiva, deveu-se ao planejamento deficiente e à incompetência do governo estadual - controlador do Metrô, cuja linha 4 [ Luz - Vila Sônia ] está em fase adiantada de sua construção, conforme o prometido pela antiga administração .
O irônico - aliás, quem conhece a raça sabe que, nem por um segundo, se deve pensar em ironia, mas sim, em algo cuidadosamente planejado - é que esta linha será a primeira de uma série de contratos de PPP's entre o governo estadual e a iniciativa privada, no âmbito do Metropolitano de São Paulo.
A despeito do "insucesso" do ataque, os guerrilheiros não se fizeram de rogados. Ao contrário.
Lançaram mão do velho subterfúgio stalinista de confundir a opinião pública, e semear a dúvida, a desinformação e o engano proposital. Passaram ao ataque às reputações dos dirigentes ideologicamente opostos, mediante a ironia, o baixo nível e a ridicularização. Já se ouve falar que a cratera resultante do atentado ganhou o nome de "Buraco da Dona Lú" ( aludindo ao trágico Túnel Rebouças, que a sabedoria popular alcunhou de "Buraco da Marta", ex-prefeita de São Paulo, dos quadros do PT )
Tudo perfeitamente executado, conforme o aprendido nos manuais da KGB.
Aliás, a própria perfeição na execução ( do Plano B ) revela sua origem incontestável, ou seja, na melhor ( pior ?) tradição da famigerada escola soviética de propaganda subversiva e desinformação sub-repetícia.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

A fome e a vontade de comer: sacos de lixo feitos de jornal! Tornando útil o desagradável! Sensacional! Uma lição de vida que faz a diferença!

Todo mundo já sabe que as ecobags vieram para ficar e, cada dia mais, as pessoas trocam os sacos plásticos por sacolas reaproveitáveis. O problema é que muita gente reaproveita o saco do supermercado nas lixeiras de casa. Aí surge o dilema: o que pode ser usado para substituir as sacolinhas, já que os sacos de lixo vendidos no mercado também são feitos de plástico?
Se você é uma dessas pessoas, seus problemas acabaram! Nesse passo a passo você irá aprender a fazer um saquinho de jornal, feito a partir de uma dobradura de origami.
Segundo Martha Maria Lopes Pontes, dona da ideia, o processo é rápido e fácil, pode ser feito em apenas 20 segundos e utiliza apenas jornal velho. O copinho pode ser feito com apena uma folha de jornal ou outro tipo de papel, mas a artesã aconselha usar mais de uma para deixá-lo mais resistente.

Confira o passo a passo:


O modelo usado na ilustração acima emprega folhas do Estadão, mas dependendo do caso a Folha tem melhor acabamento, ficando mais de acordo com o lixo. Leiam e comprovem o que estamos dizendo.

1. Faça uma dobra para marcar, no sentido vertical, a metade da página da direita e dobre a beirada dessa página para dentro até a marca, e assim terá um quadrado;
2. Dobre a ponta inferior direita sobre a ponta superior esquerda, formando um triângulo;
3. Dobre a ponta inferior direita do triângulo até a lateral esquerda;
4. Vire a dobradura e, novamente, dobre a ponta da direita até a lateral esquerda;
5. Para fazer a boca do saquinho, pegue uma parte da ponta de cima do jornal e enfie para dentro da aba que você dobrou por último, fazendo-a desaparecer lá dentro;
6. Sobrará a ponta de cima que deve ser enfiada dentro da aba do outro lado, então vire a dobradura para o outro lado e repita a operação;
7. Abra a parte de cima e você verá o saquinho pronto!
8. Agora é só encaixar dentro do seu cesto de lixo e abandonar de vez o saco plástico
*Via EcoD.

Imagem: A última entrevista do Serra

Vídeo: A estréia do Mesa Oval na Band

01 Mesa Oval Band 04.09.2010 from Mesa Oval 2 on Vimeo.

Mensagens subliminares em desenhos e animações da Disney

Adoro essas coisas...

País islâmico aliado dos EUA ( ao contrário do Irã ) decapitará condenado por estupro. Mídia brasileira silencia.

Arábia Saudita condena homem a decapitação por estupro
20/09/2010 - 08h57
DA FRANCE PRESSE, EM RIAD
Um tribunal da Arábia Saudita condenou Abadallah Al Mohamadi à pena de morte por agressão e estupro de uma mulher. A sentença, segundo informou o Ministério do Interior saudita, foi executada nesta segunda-feira na região de Medina (oeste da Arábia Saudita).
Mohamadi foi decapitado com uma espada após ser condenado por ter agredido e estuprado uma mulher depois de invadir a casa da vítima quando estava embriagado, segundo um comunicado da agência oficial SAPA.
Com esta decapitação sobe para 18 o número de execuções em 2010 na Arábia Saudita. Em 2009, as autoridades sauditas anunciaram 67 execuções, contra 102 em 2008.
Estupro, assassinato, apostasia, assalto a mão armada e tráfico de drogas estão entre os crimes que podem resultar na condenação à pena capital nesta monarquia ultraconservadora do golfo, que aplica com rigidez a sharia ( lei islâmica ).
Que tal outra sobre a Arábia Saudita?
Mais uma, vai:
Assim...

Condenado por estupro, passou 23 anos na prisão e morreu ali mesmo. Só que era inocente...

DNA inocenta homem que morreu após 23 anos na prisão por estupro
Um exame de DNA inocentou um americano condenado pelo assassinato e estupro de uma mulher 30 anos atrás nos Estados Unidos, oito anos depois de ele ter morrido na prisão.
Larry Ruffin tinha sido condenado, juntamente com outros dois acusados, à prisão perpétua pelo estupro e morte de Eva Gail Patterson em 1979, em Forrest County, Mississipi.
Ele afirmava ser inocente e disse ter confessado o crime sob coerção física e psicológica. Na ocasião, os outros dois suspeitos se declararam culpados, para evitar a pena de morte.
Em julho deste ano, uma organização que luta pelo direito de prisioneiros detidos erroneamente – Innoncence Project New Orleans - obteve uma mostra do DNA do sêmen do assassino, retirado do corpo da vítima.
Descobriu-se que este era incompatível com o DNA dos condenados. Uma comparação com um banco de dados do FBI constatou que o DNA batia com o de outro suspeito, um homem que tinha sido detido pelo estupro e assassinato de outra mulher, na mesma região, dois anos depois da morte de Eva Gail Patterson.
A inocência, no entanto, veio tarde para Larry Ruffin que, em 2002, morreu de ataque cardíaco na prisão.
Bivens e Ray Dixon foram soltos. Bivens foi inocentado por um juiz, na quinta-feira e solto em seguida.
Ray Dixon foi solto três semanas atrás, depois de ter desenvolvido um câncer de pulmão que se espalhou para o cérebro.
Os três foram condenados com base apenas em seus depoimentos. De acordo com o Innocence Project, os depoimentos tinham falhas e eram contraditórios em vários pontos.
A única testemunha do crime, o filho da vítima, na época com 4 anos, Luke, disse consistentemente à polícia que a mãe dele havia sido morta por um “único homem”.
A Justiça ainda não inocentou Ruffin formalmente, o que deve ocorrer nas próximas semanas.
Já houve outros casos de prisioneiros inocentados por exames de DNA anos depois de anos na prisão, mas a exoneração de três condenados ao mesmo tempo ainda é rara.
Publicado na BBC Brasil

sábado, 18 de setembro de 2010

Como pensa um legítimo eleitor paulista, paulistano, de classe-média e leitor da vEJA. ( Post de preferência a ser lido pelo pessoal do NE )

A CAMISETA
Antes de qualquer coisa, deixa eu contar uma história de certa vez, quando eu pertencia a uma "bandinha" de rock. Em 92, vivia tendo "festivais" em escolas, com bandinhas de bairro, essas coisas. Numa delas, um cidadão, candidato a vereador pelo PMDB estaria "patrocinando" o evento. Na data da festa, os colegas do grupo [ todos votaríamos no PT, acho que a eleição era para a Prefeitura ( paulistana ) e, se lembro bem, o candidato petista era o Plínio de Arruda Sampaio ] concordaram em subir ao palco usando camisetas do PT. Mas não para fazer proselitismo político, e sim, sacanear o camarada. Foi algo como a camisa do Vasco exibindo o logotipo do SBT num jogo transmitido pela Globo. Pegaram o espírito da coisa?
Bom, eu também votaria no Plínio, mas não quis usar o uniforme. Não era por nada, já que estávamos todos no barco e seríamos desclassificados mesmo. Já sabíamos disso. Aliás, o importante mesmo era tocar nalgum local. De modo que fomos desclassificados, eu votei no PT, mas não enverguei a camiseta, pois queria manter-me meio à parte do troço. Eu detesto uniformes, camisetas com logotipo da empresa, etc. Eu não sou daqueles que vestem a camisa.
LOCAIS A SE EVITAR
Década e pouco depois disso, me encontrava trabalhando em banca de jornal, na região asquerosa da Av.Rebouças, em plena época em que a Marta era a prefeita.
Como qualquer comerciante sabe, discutir no estabelecimento, com as belezas de "clientes que têm sempre razão" é suicídio comercial e profissional. Pior, creio eu, é defender um lado de uma questão trabalhando justamente no local onde as pessoas vão para "comprar cultura e informação". Tudo, tudo, tudo que a mídia escreve vira assunto, e nem sempre dá para sair pela tangente. Às vezes - difícil e raro - você encontra alguém que não abusa do papel de "cliente exigente".
Mas, no geral, por "X" motivos, isso não é a regra. Lembrem: eu vendia as bostas tipo vEJA e Folha em plena avenida Rebouças. Classe-média, bairro onde Kassabes, Malufes e Serras dão banho eleitoral.
ALIENAÇÃO TOTAL
Mas, até meados de 2000 eu ligava mais pro rock e pra gibi do que prá política. Então eu me contentava com uma mezzo-alienação. Era só não votar naqueles que a classe-média gosta. É disso que eu falo. Se a classe-média gosta, eu odeio. A classe-média estraga o rock, cria "conservatórios de música rock" só pra não parecer um pobretão do blues - que dizem gostar. Gastam os tubos em guitarras carésimas e estimulam discussões yuppies do tipo competitivo, como "Quem toca guitarra melhor".
Quando, meio de saco cheio de tudo, principalmente do "mergulho no rock" que tantas atitudes viciadas me trouxe, eu passei a prestar um pouco mais de atenção às coisas. Eu leio a Carta Capital desde quando ainda era mensal, depois passou a quinzenal e posteriormente, semanal. Tenho centenas. Um livro que me é caro, daqueles que se pudesse presentearia todo mundo, foi o Brasil Privatizado, que dispensa quaisquer qualificativos de minha parte. Eu lia o Biondi no Diário Popular, depois na Bundas, Pasquim21 e Caros Amigos.
BREVES REMINICÊNCIAS
Mas eu perdi muito de minha vida. Tentei recuperar o tempo que perdi no bar, escolaridade mediana. Fui acometido de síndrome de pânico, parei de beber, afastei-me de quase tudo e todos. Contrário à tecnologia, acabei descobrindo os blogs e fiz um, acho que em 2006. Mas nunca - até hoje - sinto-me preparado para coisa alguma. Por isso não defendo bandeiras, pois não tenho como as defender. Nunca estudei o suficiente. Não li o que devia ter lido. Não sou esquerdista, não li Marx.
Uma vez, num amigo-secreto da escola primária, os valores dos presentes seriam baixos, mas uma professora de matemática, compungida, me tirou e me deu um par de tênis, pois as pessoas sabiam das minhas condições. Juro que não vou esquecer disto nunca na vida. Esse presente me modelou um pouco.
Se tenho senso de humor, não sei donde surgiu. É cerebral, não emocional. Eu sei escrever e falar coisas que outros acham engraçadas, mas eu não sou divertido, não sou uma boa companhia, nem sequer sou uma boa pessoa.
Não tenho carro, celular, computador nem filhos. Nunca terei. Não preciso me preocupar com o "trânsito na Capital", nem com a privataria da telefonia e nem com o "Apagão Educacional Continuado Tucano" propiciado a SEUS filhos. Seus, não meus.
MOTIVO DESTE POST, FINALMENTE.
Eu descobri que uma revistaria é melhor lugar para se filar um gibi, do que uma banca de rua. Na revistaria, dentro de mercados, as pessoas não incomodam perguntando endereços. Não ficam pedindo informações ou favores. Isso irrita e atrapalha a leitura. Você tá ali, concentrado num Tio Patinhas e o camarada vem, com um guia de ruas na mão, te cortar o barato. Perdido com um guia na mão, VTNC!
Hoje eu me encontrava numa revistaria, tentando prestar atenção na coluna da Xênia na Anamaria.
De repente, irrompe uma senhora baixinh, de óculos, meio gordinha, de uns 50 anos, cabelo médio liso, quase Chanel eu diria, se entendesse dessas coisas. Irrompe, e decreta:
- Isso é que é leitura boa...
Como eu detesto gente muito expansiva, já fiquei de bronca e perdi a concentração. Quem perguntou, porra? Ela estava, na verdade, começando a alugar o dono da revistaria. Pelas regras não-escritas do comércio, se você compra uma bala de amendoim, terá o direito divinamente concedido de emprestar os ouvidos do comerciante e despejar todo o tipo de besteira. Quem lhe conferiu tal direito? Ele, o próprio comerciante, que não quer polemizar e acabar perdendo o freguês sensível.
A madama continuou:
- Boa e barata, à disposição. Mas não, o povo quer saber de nada.
"Revista boa e barata"?, pensei.
Ela falava da vEJA.
Como se sabe, o cara que compra a vEJAsempre tem uma opinião a dar, principalmente quando você não pede. Nem Testemunha de Jeová consegue ser tão chato e intrusivo ( Marx usaria esse termo? "Chato"? ).
Bom, não era comigo mesmo, então o proprietário do estabelecimento que bajulasse a mulher e tanto faz.
A mulher passou à doutrinação forte, sem amarras. Uma chata, mesmo.
- Povo não quer saber, se eles [ os políticos ] estão lá [ em Brasília, supus ] e a gente pagando. Mas o povo...
Juro que, se as palavras não foram essas, o tom foi exatamente esse. Frise-se "o povo", ou seja, "eles", os ignorantes, não´"nós", os que sabemos das coisas. Afinal, lemos a vEJA, não?
- Porisso o povo tá aí, vota errado e nós é que pagamos.
"Nós", calculo, ela referia-se aos "paulistas, brancos, de classe-média, inteligentes, cultos, bonitos, bem-sucedidos pelo próprio esforço, consumidores exigentes, pagadores de impostos." Em suma, a fina-flor do lixão. Autoindulgente, teu nome é "paulista, etc."
Ela devia estar curtindo de montão aquele seu momento de brilho. Pois seu monólogo estridente não cessou. A pausa, ou era para respirar, ou para dar tempo da audiência processar a informação recebida. E para os apupos. Mas não só: ela queria a concordância dos presentes, principalmente dele, o dono da revistaria, que se limitava ao papel semi-correto de balançar a cabeça afirmativamente e proferir uns monossílabos.
Aquilo estava me irritando.
Só que eu conheço razoavelmente o jornaleiro, a ponto de saber que ele estava, sim, concordando com o conteúdo da conversa, mas não queria comprometer sua imagem junto a outros clientes.
Sem ninguém para confrontá-la, a patética figura leitora de vEJA não pestanejou e prossegiu com seu tratado político:
"Cadê a ética? É isso. Tão aí, os dois ( PT e PSDB ), que vá lá podem até ser meio iguais ( na roubalheira ), mas e a ética? É isso que eles ( o PT ) não têm. Vê a campanha milionária do PT. O que era governador ( o Serra ), pobrinho, podia ter usado a máquina ( para fazer campanha ) mas não...!"
Dela partiu essa beleza:
"Lá ( no Nordeste, amigos, onde mais? ) tem o Bolsa_Família ( tava demorando... ). Meu primo ( ou cunhado, amante, não lembro ) esteve no Sergipe, e você vê lá, aquele monte de casinhas, tudo com bandeira do PT..."
( Se fosse do Serra, então, podia? Isso prova o quê? Que vão votar no PT, oras. Ai-ai-ai-ai-ai... E esse povo nunca menciona as contrapartidas que o BF exige às famílias cadastradas. )
Concordando ( isentamente, do ponto de vista do "Manual do Comerciante" ) com tudo, de repente o jornaleiro parou de apenas assentir, e deu munição para a mulher:
- Sabe que lá ( no Nordeste, onde mais? ) os patrões estão tudo do lado do PT...
UAUUUU! Como é isso?
Ele prossegiu:
- ... que é o seguinte: com o Bolsa-Família, o patrão dá o emprego mas NÃO REGISTRA. Por quê? Oras, porque o cara, se for registrado, perde o direito ao Bolsa-Família. Então ninguém registra, o patrão não recolhe e todo mundo fica feliz.
A velha concordou, mas acho que nem se preocupou em tentar entender o que o cara disse. Apenas pareceu algo contra o PT, por isso ela concordou. Mas eu gostaria de saber melhor disso.
Para responder essa, eu precisava iniciar um tratado, e não farei isso. Apenas pergunto aos botões: desde quando um patrão, em qualquer lugar do mundo, gosta de recolher o que quer que seja? Segundo: desde que finalmente caiu o reinado de FHC, o emprego com registro em carteira explodiu, enquanto, paralelamente o Bolsa-Família foi sendo espalhado pelo país. Simples. Terceiro: desde quando um eleitor do PSDB se preocupa com a saúde dos mecanismos de recolhimento e administração das contribuições trabalhistas dos brasileiros? A destruição da herança verguista, lembram? Se dependesse do Serra, de acordo com a cantilena e contabilidade tucanas, a Previdência tem "rombo". Investimentos sociais ( para o povo, portanto ), são computados como "gastos" e "despesas". Aposentadoria? Um desperdício nababesco.
Mas foi justamente neste ponto da conversa que eu fiquei meio "cego", fervendo, queria responder, explodir. Oras, se o comerciante deseja ser "isento", que seja. Se quiser evitar discussões, que evite. Eu queria ver se eu entrasse ali xingando o Serra e defendendo o PT. Tenho certeza que o cara ia, sim, tomar partido, o dele.
Aí entra uma questão, talvez a maior: quando era funcionário, eu era instruído a fugir de "discussões" com os clientes. Mas muitos queriam conhecer minha opinião. Só que não era a mesma dos mesmos e nem dos patrões. A pressão era enorme: se concordasse, as pessoas saberiam que eu estava concordando contra a vonntade, por mero interesse comercial. Se eu discordasse, estava entrando em "polêmicas", principalmente quando ( ahahaha ) EU GANHAVA.
Aí, amigo, e as ameaças de que o "cliente" ia comprar em outro lugar, por minha causa?
Cadê a ética?
Sim, porque ali era o momento adequado de testar aquela víbora. É ética que você quer, senhora Leitora da Veja? Então eu, comerciante, te desafio a continuar comprando aqui em meu estabelecimento a partir de agora, quando lhe informo que acho o Serra o maior ladrão e incompetente, o FHC um psicopata e a classe-média paulistana uma corja de ignorantes. E aí, vai continuar comprando aqui, agora que dei mnha opinião que pode não ser a mais correta, mas é autêntica, e eu não tenho medo de sua posição duvidosamente favorável de "consumidora". Quer comprar aqui, ótimo, se não, um abraço. Mas não pense que você, a senhora, virá aqui falar o que quiser só porque eu preciso do seu imundo dinheiro. Ou você só compra, eticamente, com quem concorda com você?
Obviamente não precisa ser essa agressividade toda, basta alguma assertividade.
Mas não aconteceu nada disso, e a velha continuou vomitando suas injúrias contra "aquele povo ignorante que recebe o Bolsa-Família por não ter ética nenhuma". Nordestino bom é aquele que vota no sinhozinho ACM.
De repente, ele me percebeu, e continuou sua catilinária, mas olhando-me daquele jeito "não é verdade, senhor branco, alto, de olhos-azuis e com cara de europeu, logo uma pessoa de bem, e não um petralha nordestino?".
Saquei seu olhar e respondi, lenta e mastigadamente:
- Eu...vou...votar...no...PT... ( tipo: "Não estou contigo, babaca." )
Não se incomodou muito, mas parou de declamar suas babaquices: "Aí, cada um tem sua ideologia ( eu detestaria usar essa palavra, mas não ela, audaz Leitora de vEJA ) né? Cada um que vote em quem blablabla Etc..."
Continuou meio baixinho: "Mas esse mensalão ( tava demorando, e provavelmente ela quis me chamar de ladrão acumpliciado... ), etc, etc...".
Eu, que não sou comerciante e nem um imbecil, retruquei, enquanto ela me dava as costas, talvez para não polemizar, não sei porquê:
- Dinheiro de pinga, se comparado com a LISTA DE FURNAS.
Eu, que até já votei no Covas.


P.S: Se lembrar de mais alguma coisa, eu volto ao assunto. Cheguei em casa com o texto fervendo na cabeça, mas na hora fui perdendo certas passagens ocorridas e coisas que iam surgindo na cabeça enquanto tentava guardar o máximo de impressões e pensamentos. Mas foi passando a raiva e esqueci um monte. É pena.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

terça-feira, 14 de setembro de 2010

O que eu tenho aprendido com as propagandas que vejo na TV

Quando era moleque, acreditava que, se usasse o Kichute, eu correria rápido e pularia super-alto, que nem o Cyborg, o Homem de 6 milhões de dólares. A propaganda me fazia acreditar nisto. Bons tempos.
A propaganda tem dois papéis em nossa vida moderna: nos dizer o que comprar, e ensinar-nos as verdades da vida. Tudo o que devemos saber. Esqueçam a "moral da História" que acompanhava as fábulas ( Esopo, Irmãos Grimm, coisas assim ) que devorávamos em nossa tenra e crédula juventude. Esqueça também o saber contido no heróico e prático Manual do Escoteiro-Mirim. Já era. Por favor, não esqueça de depositar na cesta de lixo mais próxima sua coleção de Almanaque Sadol, Capivarol e etc. Caíram em desuso. Mais ou menos como quando os sábios diziam que o Sol girava em torno da Terra. Até então considerados os depositários da sabedoria infalível, estes luminares terminaram em vergonhoso ocaso.
As propagandas, repito, nos guiam por toda nossa jornada, e nos trazem ensinamentos preciosos, práticas para a vida toda. Melhor que a tábua dos Dez Mandamentos. Que Sócrates, o filósofo. Nem Confúcio, em sua imensa sabedoria, revelou tantas líções úteis à sociedade.
Mas, advirto: somente - quem tem olhos que veja - uma pessoa atenta captará tanta coisa útil que nos é legada pelos gênios da Humanidade que escrevem as propagandas de tevê.
Abra bem os ouvidos, que dar-lhes-ei um exemplo: sabia que, se você não comer um sanduba duma lanchonete cheia de frescura, chamada Subway, a tua mina vai DAR PARA O PAULÃO? Quer dizer, ela "vai dar mole para o Paulão", o que dá na mesma.
Entendeu? Captou? Então lá vai outra preciosidade, também aprendida num comercial da mesma lanchonete: se você não aceitar um teco do lanche dessa gente, você NUNCA VAI CATAR MULHER. Sabia disso: Ééééé verdade! Uma prova de que você não é lá muito bem conceituado entre as fêmeas: você não consome SUBWAY. Tá lá no balãozinho que representa o pensamento de um personagem da peça publicitária: "É por isso que você (ele) nunca pega mulher...". Ou seja: se existisse essa bagaça há mais tempo, a Terra seria muito mais populosa, pois todo mundo se arranjaria facilmente com a mulérada e tchumba! - É só alegria! E tem nêgo que ainda acredita em simpatia de amarração para o amor! É só pedir um superlanche na Subway, comprar um bom estoque de camisinhas e vamo que vamo!
AUTOMÓVEIS
Como estou puxando pela maltratada memória, só tenho uma que posso mencionar no momento, sem lembrar de qual marca, modelo e fábrica é a propaganda. Mas a mensagem é taxativa: se você não possui um carro da marca "X", você, COM CERTEZA A ABSOLUTA será um invejoso, ao contrário da família da casa ao lado, feliz possuidora deste potente e mágico veículo.
Agora, no caso de você, embasbacado, embarcar num dos modernos carros da marca "Y", terá que usar um babador. Enquanto isso, todos os outros passageiros ( motorista, a esposa, e até o bebê que viaja no banco de trás ) decretarão: "Que manézão!". Ora, diga a verdade: VOCÊ NÃO QUER SER UM MANÉZÃO, QUER, SEU LOOSER? Sabia que os perdedores são malvistos pela sociedade e não comem ninguém?
X-X-X-X-X
Fico por aqui. Sei que estas doses de sabedorias ancestrais e mágicas estão dando nós em seus cerebelos, por isso vão com calma, absorvendo aos poucos toda ests saber maravilhoso. Antigamente eu escutava muito dizerem que quem pensa demais acaba ficando louco. Eu não quero que vocês fiquem loucos, por isso, repito, vão com calma. Depois eu trago mais dessas inigualáveis lições de vida. Ademã.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Iraquianos assumem responsabilidade pelo vírus "Here you have"

Iraquiano reclama autoria do vírus do "porno grátis"
Jornal de Notícias, 2010-09-13
Um vídeo colocado no YouTube, apresentado por um jovem de 26 anos a viver em Espanha, revela que um grupo de resistência iraquiano é o responsável pelo vírus "Here you have", anunciou hoje, segunda-feira, a empresa Panda Security.
De acordo com o vídeo colocado no YouTube, o ataque cibernético através deste vírus visou comemorar os atentados terroristas de 11 de Setembro de 2001 nos EUA e condenar as ações contra o Islão, nomeadamente a ameaça do pastor norte-americano Terry Jones, que admitiu queimar o Alcorão na semana passada.
Este vírus, que já atingiu muitas multinacionais e organizações, incluindo Proctor&Gamble, Disney, Wells Fargo e NASA, foi reivindicado por um grupo de resistência no Iraque, Tariq ibn Ziyad, que pode ter a sua base em Espanha, segundo as investigações do PandaLabs, o laboratório da Panda Security.
No vídeo, criado no YouTube pela "Resistência do Iraque - líder do grupo Tarek Bin Ziad", e publicado no domingo passado por Iqziad (jovem de 26 anos, residente em Espanha), ouve-se uma voz feminina dissimulada que explica as razões pelas quais este grupo, supostamente com a sua base em Espanha, criou e distribui o "Here you have" (classificado pela Panda Security como W32/Visal.A.worm).
A comemoração do 11 de Setembro e a luta contra os inimigos do Islão são as razões apontadas para justificar esta acção.
O vídeo mostra também uma imagem estática de um mapa da Andaluzia, em Espanha, juntamente com uma foto e um emblema, que, presumivelmente, pertence ao grupo terrorista.
"Nós [Panda Security] passámos o que sabemos sobre esta matéria para a investigação da divisão de crime digital da Guarda Civil Espanhola. Os sinais parecem mostrar que o grupo responsável por este vírus pode residir em Espanha, não só por causa das informações apresentadas através do YouTube, mas também devido a determinados aspectos do código do próprio vírus", esclareceu o director técnico do Panda Labs, Luis Corrons.
Além disso, "existe também a ligação entre o nome do grupo e o general berbere que liderou a conquista do Al-Andalus", salientou.
"Tariq ibn Ziyad, falecido em 720, era um comandante berbere que liderou a invasão muçulmana da Península Ibérica no século VIII, tendo conquistado a Hispania visigoda, de acordo com a história geralmente aceite com base nas crónicas árabes dos séculos X e XI", concluiu.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Trapalhada: goleiro "defende" pênalti e comemora proeza. Faltou combinar com a bola.

Guarda-redes festeja antes de tempo
Khalid Askri [ veja sua ficha AQUI ] ainda deve estar a punir-se por tamanho erro. O guarda-redes do FAR Rabat pensou que tinha defendido uma grande penalidade, mas festejou antes do tempo.



Quando o adversário atira a bola, Khalid Askri consegue defendê-la, mas começa a festejar antes que o esférico pare. Enquanto vira as costas, para celebrar com os adeptos, a bola vai rolando até passar a linha de baliza.
Com este erro clamoroso, o FAR Rabat acabou por perder o acesso aos quartos-de-final da Taça de Marrocos. Após o empate a uma bola no final do tempo regulamentar, o Magrebh Fes acabou por vencer nas grandes penalidades por 7-6.
Fonte:
CORREIO DA MANHÃ

UE cobra da Basf explicações sobre plantio de batata transgênica não autorizada

Numa lavoura da batata geneticamente modificada Amflora na Suécia foram encontrados exemplares de outra variedade transgênica, a Amadea, cujo plantio não é autorizado pela União Europeia. Basf diz que foi um engano.
O conglomerado químico alemão Basf afirmou que o plantio na Suécia de uma batata transgênica ainda não autorizada foi causado provavelmente por um engano.
Nesta quinta-feira (9/09), executivos da empresa foram a Bruxelas prestar esclarecimentos sobre o incidente à Comissão Europeia. As explicações teriam sido insuficientes, anunciaram fontes do braço executivo da União Europeia (UE).
Na próxima semana, peritos da Comissão visitarão a Plant Science, subsidiária da Basf, para buscar mais esclarecimentos. A União Europeia pretende averiguar se houve casos semelhantes em outros países.
Numa lavoura da batata transgênica Amflora, cujo plantio está autorizado para pesquisas na Alemanha, Suécia e República Tcheca, foram encontrados exemplares da batata Amadea, que não recebeu licença no bloco. A informação foi divulgada pela Plant Science nesta segunda-feira.
Funcionários da empresa alemã detectaram o problema de imediato, já que as flores da Amadea são brancas e as da variedade Amflora, violetas. Segundo a Basf, a contaminação foi inferior a 0,01% de uma lavoura de 100 hectares.
Batata é plantada ainda em campos alemães e tchecos
A Amflora é cultivada para fins industriais, como a produção de papel e cola. Devido ao incidente, o estado de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, único local onde a Amflora é plantada na Alemanha, numa área de 15 hectares, suspendeu neste terça-feira a comercialização do produto.
Uma porta-voz da Basf disse à agência de notícias AFP que a empresa está "certa" de que a batata não licenciada Amadea foi plantada apenas na Suécia. Segundo uma porta-voz da empresa, as lavouras alemãs e tchecas foram inspecionadas e não teriam sido encontrados exemplares da batata não licenciada.
Pedido de licenciamento em agosto
Marco Contiero, especialista em transgênicos do Greenpeace, disse ser "preocupante" que isso aconteça já no primeiro ano de plantio da Amflora.
O pedido de licenciamento da Amadea, que também será utilizada para fins industriais, foi apresentado no final de agosto. Ainda não está claro se, após seu licenciamento, a Amadea poderá ser usada como alimento.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Males de nosso tempo: excessos na vida virtual. Solução: desconectar-se?

Jejum virtual: em busca da tranquilidade longe da internet
Livro publicado na Alemanha descreve as vantagens de ficar totalmente desconectado e mostra que algumas pessoas apresentam sintomas de abstinência quando ficam sem internet e celular.
Sempre conectado, sempre acessível – isso já era! A tendência agora é outra: simplesmente ficar desconectado. Ao menos é o que cientistas americanos têm defendido nos últimos meses: uma espécie de jejum virtual voluntário, fenômeno que já pode ser observado em algumas comunidades tecnológicas.
De acordo com uma pesquisa publicada no final de agosto pelo The New York Times, cientistas da Universidade da Califórnia, em São Francisco, constataram que quando ratos acabam de adquirir uma nova experiência – como explorar um labirinto, por exemplo – necessitam de algum tempo para se recuperar e poder assimilar o que aprenderam.
Da mesma forma, argumentaram os pesquisadores, pessoas virtualmente sobrecarregadas, que se ocupam constantemente com e-mails, jogos eletrônicos e contas no Twitter, podem não estar aprendendo o tanto que poderiam caso estivessem desconectadas.
A preocupação não é infundada: na Alemanha, por exemplo, estudos têm demonstrado que mais da metade da população verifica seus e-mails de trabalho durante as férias ou horários de descanso. E muitas pessoas conferem seus e-mails toda hora, até mesmo antes de ir dormir.
No Brasil, uma pesquisa realizada pela SaferNet (organização de defesa dos direitos humanos na internet) com 875 jovens de todo país mostrou que mais da metade deles acredita usar a rede em excesso, por tempo demais. O número de usuários habituados a se conectar por mais de quatro horas diárias chega a 47% e pouco mais de um quinto dos jovens declarou que se sentiria perdido caso fosse obrigado a viver sem a internet.
A tarefa de ficar offline, portanto, pode ser vista como um verdadeiro desafio para algumas pessoas e é capaz de causar até mesmo alguns sintomas físicos e psicológicos. Naa Alemanha, diversos livros têm sido publicados sobre a experiência de se manter desconectado por longos períodos de tempo.
O experimento
Um deles, lançado por um jornalista da GQ Magazine e do jornal berlinense Der Tagesspiegel, é chamado Ich bin dann mal offline ("Então vou me desconectar", em tradução livre). Na obra, o autor Christoph Koch descreve a sua experiência de permanecer um mês inteiro sem internet nem celular.
"Não sou um crítico ou um cético da internet", ressalva ele. "Já usei todo tipo de tecnologia de forma intensa. Tenho o meu próprio blog, estou no Twitter e no Facebook. E gosto de enviar e receber e-mails de outras pessoas", garante.
A preocupação com uma possível dependência do mundo virtual, todavia, teve início quando sua conexão com a internet deixou de funcionar e ele logo pôde observar sintomas de abstinência.
"Nos primeiros dois dias eu tive dores de cabeça e fiquei realmente nervoso", relembra o alemão de 36 anos. "Ao mesmo tempo, estava entediado. Uma grande parte do meu dia, que antes consistia em mandar emails, pesquisar no Google e manter-me online, simplesmente havia desaparecido."
Koch decidiu provar a si mesmo que podia ficar offline por várias horas ou mesmo dias – o que muitos terapeutas já veem como um claro sinal de vício.
Ao final de um mês, o jornalista encontrou paz interior e melhorou a sua concentração, além de encontrar tempo para a contemplação. "Foi um sentimento interessante, mais do que simplesmente estar sozinho, porque eu estava desligado das outras pessoas", conta.
"No princípio, foi um sentimento de solidão, mas depois isso mudou. Dependia de mim o que eu iria fazer com o meu tempo. Dependia de mim marcar encontros para ver pessoas em vez de ficar reclamando que ninguém me mandava e-mails ou mensagens."
Descoberta para vender livros
Mas nem todo mundo está convencido de que o jejum virtual seja uma verdadeira tendência na Alemanha ou no mundo. "Não acho que haja qualquer tendência desse tipo" afirma o publicitário Stefan Mohr, superintendente da Jung von Matt/next, uma agência de marketing digital de Hamburgo.
"Eu acredito que essa 'desaceleração' foi criada apenas para que livros pudessem ser escritos e vendidos", especula o publicitário de 39 anos.
Ele acrescenta ainda que computadores e telefones celulares não estão fazendo nada substancialmente diferente do que as televisões e aparelhos de som faziam para as famílias há décadas: eles fornecem distração.
Sábados offline
Agora que o período de jejum terminou, Koch ainda permanece completamente desconectado da internet e do celular todos os sábados. Por outro lado, passar um domingo inteiro longe da tecnologia é algo que nem mesmo passa pela sua cabeça. "Esse é um dia da semana tão entediante que aí, sim, eu gosto de me distrair com a internet", explica.
Após seu retorno ao universo online, o jornalista passou a refletir criticamente também quanto às mídias mais antigas e defende que a questão está na forma como as pessoas utilizam o seu tempo conectadas. Uma tarde gasta contribuindo com a Wikipédia, por exemplo, pode ser bem mais produtiva do que simplesmente assistir à televisão durante todo o fim de semana.
Já Mohr não vê nenhuma necessidade de se "desplugar". O publicitário está convencido de que a prática vai nos ensinar a utilizar as novas mídias de forma correta: "Acredito que uma espécie de evolução irá acontecer. Quanto mais nós lidarmos com as novas mídias, melhor iremos conhecê-las e saber o que é bom para nós", conclui.

Autor: Dirk Schneider (mdm)
Publicado em
DEUTSCHE WELLE

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe