domingo, 28 de março de 2010

É quase o mundo real: inaugure você também estas maquetes de construções históricas! Seja governador por um dia e divirta-se a valer!








Você pode encontrar estas miniaturas sensacionais aqui: http://www.brincamundobrinquedos.com.br/loja/produtos.asp?PN=1&FctIntervalo=12&codigo_categoria=000&tipo_busca=palavra&produto=cubicfun

( Este blog não recebeu nem um centavo pelo "merchán" )








sábado, 27 de março de 2010

PULLITZER'S OUT: Professor que salvou PM ferida ( era mulher ) da sanha violenta de professores grevistas do PT é, na verdade, um POLICIAL INFILTRADO!

Quem havia divulgado a famosa foto foi - pelo que eu saiba - o excelente jornalista de Carta Capital Leandro Fortes, em seu blog "Brasília, eu vi!", no post "O mundo bizarro de José Serra" E eu segui a onda, assim como muita gente que reproduziu e indicou aquela que seria "A foto do ano".
Mas bastou o cair da noite para sermos - aí, sim - surpreendidos: a Polícia Militar de São Paulo publicou nota em seu site, dizendo que a PM ferida foi resgatada do perigo por um espião infiltr, OPS!, policial à paisana, que se encontrava casualmente ali na manifestação dos professores.
Pois bem, diante desta revelação, o Leandro Fortes refez seu post, desta vez com a informação corrigida: quem salvou a PM foi um policial à paisana, não um professor.

O mundo bizarro de José Serra 2, a Gestapo
Muito ainda se falará dessa foto de Clayton de Souza, da Agência Estado, por tudo que ela significa e dignifica, apesar do imenso paradoxo que encerra. A insolvência moral da política paulista gerou esse instantâneo estupendo, repleto de um simbolismo extremamente caro à natureza humana, cheio de amor e dor.
Este professor POLICIAL MILITAR BARBADO A PAISANA INFILTRADO ENTRE OS MANIFESTANTES que carrega o PM ferido a PM ferida é um quadro da arte absurda em que se transformou um governo sustentado artificialmente pela mídia e por coronéis do capital. É um mural multifacetado de significados, tudo resumido numa imagem inesquecível eternizada por um fotojornalista num momento solitário de glória. Ao desprezar o movimento grevista dos professores, ao debochar dos movimentos sociais e autorizar sua polícia a descer o cacete no corpo docente, José Serra conseguiu produzir, ao mesmo tempo, uma obra prima fotográfica, uma elegia à solidariedade humana e uma peça de campanha para Dilma Rousseff.
Inesquecível, Serra, inesquecível.
Em tempo: agora que a PM de São Paulo afirma que o homem da foto é um policial militar, é de se esperar que seu nome e função dentro da corporação sejam também revelados. Senão, a emenda terá saído muito, mas muito pior que o soneto.

sexta-feira, 26 de março de 2010

Imagem do Dia ( 2 ): Foto de professor carregando PM ferido é séria candidata ao Pullitzer! Veja uma foto que já conquistou o prêmio!

Se não ganha OSCAR, o Brasil tá na fita prá levar um Pullitzer...

Com esta imagem que viajou o mundo, o freelancer Charles Porter IV venceu o Pullitzer em 1996. Sua fotografia do bombeiro carregando uma criança resgatada dos escombros do edifício federal Alfred P. Murrah, em Oklahoma, explodido pelo miliciano Timothy McVeigh, em Abril de 1995. No imóvel que abrigava repartições federais ( como o FBI ) havia uma creche - McVeigh disse depois que não sabia da existência desta creche.

Imagem do Dia: Professor carrega PM ferido que foi enviado ali pelo governo Serra para reprimir professor!

Foto de Clayton de Souza, da Agência Estado


MAIS EM:
http://brasiliaeuvi.wordpress.com/2010/03/26/o-mundo-bizarro-de-jose-serra/

quarta-feira, 24 de março de 2010

Imagem do Dia: "Yes, nóis bate!" - PM de Serra aplica palmatória a professores grevistas, comunistas e serelepes!

Mensagem subliminar em capa de jornal? Ilustração de matéria sobre "Embrômus da Inducassão" traz professor trajado em "azul e amarelo"

Ilustração mostra professor todo sorridente, já que está nadando em dinheiro do "Embrômus da Inducassão" pago pelo governo tucano de SP. Como ganha bem, o mestre pode se dar ao luxo de verstir uma horrenda camisa amarela ( sendo que nem é dia de jogo da seleção ), igual a essas que nós vemos as pessoas usando o tempo todo ( tá na moda, saiu na novela, então tá todo mundo usando! Camisa amarelo-gema-de-ovo... ) e calça azul, formando um inocente conjunto que traz as cores do partido que está no governo estadual paulista. Destoando, um guarda-pó branco encobre o bom-gosto do modelito escolhido pelo profe. Ahh...Tsk! Tsk! Esses novos-ricos não têem classe mesmo.

Não quebrem esta corrente! Pode dar 4 anos - ou mais! - de azar!!!: "Velório do Serra"

Não quebrem esta corrente! Pode dar 4 anos - ou mais! - de azar!!!

FIM DA ERA PSDB:- P (Pior) S (Salário) D (do) B (Brasil):-
Pior:
- Segurança,
- Educação e, principalmente,
- Saúde ..........

Velório do Serra
Não serei a responsável por quebrar esta corrente!

Velório do Serra
Ao lado do caixão do Serra tem vários soldados.
Nisso aparece uma velhinha com uma sacola e começa a por dentro do caixão umas cenouras, tomates, alfaces enquanto os soldados olham para ela surpresos.

Enquanto a velha continua a colocar alimentos no caixão, um dos soldados pergunta para ela: - Senhora, por favor, o que está fazendo?
A velha, enquanto continua a colocar a comida, responde:
- O que você quer, meu filho, que os coitados dos vermes comam somente essa merda?


IMPORTANTE: TODO AQUELE QUE RECEBER ESTA PIADA, TEM A OBRIGAÇÃO MORAL DE,
EM DEFESA DA ÉTICA E DA DEMOCRACIA, RETRANSMITÍ-LA A PELO MENOS 10 PESSOAS.
CUIDADO!!!!!!!!!!!



SE VOCÊ ROMPER A CADEIA, O Serra PODE SE REELEGER...
ODEIO CORRENTES, MAS VAMOS COMBINAR.......
ESSA É POR UMA BOA CAUSA.

( Enviado pela leitora Luciene )


Aos leitores ( escassos, cada vez mais; não os condeno, a verdade é esta ) deste blog, aí foi o nosso raro momento "blog de direita", só que contra o PSDB/DEMo/PIG...

terça-feira, 23 de março de 2010

Sumiu, ninguém viu, não deixa saudades mas me deixou intrigado


PRÓLOGO
Nem sei se este blog possui leitores. O primeiro post do "Correio da Elite" foi em 18 de Julho de 2008. Antes do "Correio", eu tinha o "Cata-Milho". Este, cuja existência foi de 23/02/06 até 17/07/08.
O "Cata-Milho" ainda permanece no ar sem, contudo, receber atualizações, pois o "Correio" é seu sucessor, e segue a mesma linha. Eu é que não possuo a mesma disposição.
Às vezes, eu dou uma bisoiada no antigo blog, ver se tem algo que possa ser útil hoje. Tipo, um "arquivo".


AGORA, O ASSUNTODurante o tempo de vida do "Cata-Milho", um dos assuntos que registramos foi o daquele lance das verbas publicitárias da Nossa Caixa. Lembram? Eu também, mais ou menos. Deu-se que a Nossa Caixa fazia, então, o mesmo papel que a SABESP está fazendo atualmente em termos de verba publicitária. Aliás, o "mesmo papel" em termos, pois o que a estatal da água dispende em propaganda faz o "escândalo" da Nossa Caixa parecer salário de professor da rede estadual paulista: mixuruca. Se bem que, a Nossa Caixa dirigia verbas de publicidade para aliados do governador Alckmin e a Sabesp gasta tanto que nem dá prá saber prá onde vai a grana.
À época, o radialista Afanásio Jazadji denunciou um suposto esquema de verbas de publicidade do banco estatal (
ver aqui e aqui também)
No texto que linkei acima, há referência a uma matéria publicada pela Folha, que deve ter sido a que deu início a toda a bagunça. Creio que o texto-denúncia seja este: "Sabesp pagou R$ 1 milhão a editora de tucano"
Opa!! A Sabesp também tava nessa? Olha que eu nem lembrava?!!
Bom, deste texto da Folha, destaco o seguinte trecho, que servirá para reavivar um mouco nossas memórias:
" ( ... ) Jazadji confirmou que houve "várias promessas de verbas publicitárias para seus programas de rádio e de TV, desde que deixasse de criticar os secretários de Segurança Pública, da Administração Penitenciária e da Educação" do governo Alckmin. "Jamais vou me curvar à chantagem política", disse ( ... )."
Entre as personalidades que teriam recebido dinheiro de publicidade do governo Alckmin estariam o próprio Afanásio, os então deputados estaduais Edson Ferrarini, Bispo "Gê". Veículos de comunicação bastante favorecidos: a "Primeira Leitura", do famoso Tio Rei, atualmente na Veja e a obscura "Revista de Fato", do também deputado tucano ( antes de vestir as plumas, ele era malufista ) Wagner Salustiano.
Cheguei onde eu queria. Darei um belo pulo.
A "Primeira Leitura", coincidência ou não, encerrou expediente após as revelações terem vindo à tona. Provavelmente a torneira secou ( não vou pesquisar pra saber, não ). Tio Rei foi, então, fazer sucesso como articulista da Veja e blogueiro.
A "Revista de Fato", publicada pela WAS Editora, de propriedade de Wagner Salustiano, também sumiu. Aliás, acabo de descolar um resumo da capivara toda, procês refrescarem a vossa memória, e que me ajudará a não ficar escrevendo, apenas puxando da minha memória, tadinha:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/especial/2006/eleicoes/candidatos-deputado_estadual-sp-45055.shtml.Viram? A obscura, de fato, "Revista de Fato" recebia verba publicitária da CDHU, da Sabesp e da Nossa Caixa. E, pelo que lembro, era uma publicação gratuita, distribuida APENAS no bairro onde resido e adjacências, ou seja Vila Prudente, Moóca, Tatuapé, todos na Zona Leste paulistana. Que poder, hein?


A TRANSFORMAÇÃO
Pois bem. A revista de Salustiano fechou as portas, mas ressurgiu, lá por 2007, na forma de um...jornal de bairro, exatamente aqui em Vila Prudente. Batizado de "O PAULISTANO", no começo, reproduzia colunas de Lilian Wite Fibe, BÓRIS CASOY... e não devia ser de graça, penso. Os editoriais ficavam a cargo, justamente, do patrão, Wagner Salustiano.
Não tinha muita publicidade, pois já havia um jornal bastante forte na região, a Folha de Vila Prudente.
Entre os dois, passou a haver certa troca de farpas, sutis, nas entrelinhas. O colunista da Folha, Alceste Felinto vivia alfinetando o rival, aludindo a certa, digamos, "proximidade" entre o jornal e a Igreja Universal do bispo Macedo, da qual o evangélico Salustiano era membro, ou fiel, sei lá.

RECORRENDO AO "CATA-MILHO" ( R.I.P. )
Agora fica explicada a razão do "prólogo" acima. Recorro ao antigo blog para desenterrar o nosso registro ao surgimento do jornal "O PAULISTANO":
Se você fosse proprietário de um canal de TV, de porte nacional, anunciaria seu telejornal num desconhecido jornal de bairro?
Pois é. Mas que questão, né?
Eu não tenho maiores informações a respeito, mas registro aqui pro caso de eu esquecer.
Conhece "O Paulistano"?
Não?
É um jornal de bairro que não completou nem 100 edições publicadas, e é distribuído na região de Vila Prudente, Vila Alpina, Jardim Avelino ( Zona Sudeste de São Paulo ) ...
Também não conhece muito bem os bairros mencionados? Nunca foi office boy?
Na edição 90 do jornal mencionado, há o anúncio de um telejornal: o REDETVNEWS, que tem como atração o famoso jornalista Marcelo Rezende. Esse jornal é apresentado de 2a. à Sábado, às 21:10 hs, na REDE TV.
E O PAULISTANO é uma publicação da WAS Editora.
Conhece?
Lembra da extinta "Revista de Fato", de Wagner Salustiano, denunciada por suposto favorecimento, tendo recebido verbas publicitárias da Nossa Caixa? Era também da WAS.
( O CATA-MILHO, 19 de Julho de 2007 )


Assim foi registrado por nós, para a posteridade.
Algum tempo depois, nossos - do Cata-Milho e dO Paulistano - caminhos iriam se encontrar. Foi assim: um dia este escriba abre um exemplar do jornal e lê, para sua mais esquisita surpresa, que o Paulistano citava nosso blog. Esse momento também foi registrado no Cata-Milho:
O Cata-Milho chama a atenção de jornal de bairro de Wagner Salustiano
27 de Outubro de 2007

Redação •••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
Sucesso na net 1
Tem um blog na internet, que se chama “Cata-Milho” (pelo menos, é assim que se apresenta), comandado por Humberto Capellari e Vinicius Duarte
[ OBS: naqueles tempos, às vezes eu e o Vini compartilhavamos o blog, mas quem realmente mencionava O Paulistano era apenas eu ]
, que sempre se utiliza das matérias do PAULISTANO para repercutir ou opinar sobre os assuntos. Na última, eles abordaram o tema que foi capa de nossa edição nº 105, o qual aborda a instalação da base da polícia no Largo de Vila Zelina, que trouxe segurança e, além disso, está “canetando” várias infrações de trânsito.
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
Sucesso na net 2
Agradecemos a divulgação do nosso jornal e o destaque para as matérias de interesse e relevância para a região. Temos lido sempre, até imprimido
e guardado todos os comentários a nosso respeito.•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••Jornal O Paulistanoedição 107
Coluna Direto para você
pg. 4


Pois bem. Esse "guardamos tudo o que falam da gente" me soou meio ameaçador, já que eu gostava de, sempre que a situação permitisse, lembrar o distinto público que o jornal pertencia ao "Wagner Salustiano, aquele da verba da Nossa Caixa que o Afanásio falou". Portanto esse "a gente guarda" soou para mim como "vai falando, vai, que quando você vacilar a gente cai de pau, babaca leviano!"
Não sei se foi coincidência ou temor, o fato é que fui deixando de lado minha birra com o Salu, o tempo passou, novas coisas surgiram, governos foram mudados, outras estatais passaram a gastar mais verba publicitária, e assim a vida foi indo...
Justiça seja feita, às vezes eu recorri a textos do Paulistano ( e também da Folha de VP ), pois acho esse tipo de jornal inprescindível. Assuntos que cruzam o país são originados, antes de mais nada, como assuntos locais. Ora, quando teve aquele esquema de propina envolvendo fiscais da SUB Moóca, os jornais maiores não cobriam o assunto o tempo todo. Assim, a solução era caseira, ou seja, jornal de bairro. Os jornais grandes também chegam a empregar informações extraídas dos jornais de bairro.

DIAS ATUAIS
O que me motivou a escrever isto foi o seguinte: desde Dezembro de 2009, ou começo de 2010, o jornal semanal O PAULISTANO desapareceu das casas ( em certos locais eram distribuídos de porta-em-porta ) daqui de Vila Prudente. Achávamos que havia dado uma parada de fim-de-ano, ou que fosse retornar após o Carnaval. Mas não foi o que aconteceu: o jornal SIMPLESMENTE SUMIU, sem avisar. Pensei: "Bom, vai ver que eles se dedicarão exclusivamente à edição eletrônica, ou ao site."
Errado. O site também sumiu. Se você for fazer um busca na Internet, com certeza chegará, primeiramente, aos meus antigos escritos, ou textos de jornais tratando daquele esquema da Nossa Caixa. Não há rastros. Nem procurando por "Wagner Salustiano", ou "O PAULISTANO", ou "Revista de Fato". Há pouca coisa, e quase tudo que há de referência ao ( ex- ) jornal está no Cata-Milho e no Encalhe ( meu outro blog, prá quem não sabe ).
Oras, um jornal pode fechar, por falta de anunciantes, de má administração etc, assim como qualquer empreendimento. Mas...
...Cadê o ex-deputado? Alguém com essa biografia não some assim, sem mais nem menos.
Penso seriamente em escrever para o jornal concorrente, a Folha de VP, inquirindo-os sobre o atual paradeiro de seu antigo rival. É sério.

.

segunda-feira, 22 de março de 2010

Longe de simplificar mas, se as provas são cientifica, logica e cabalmente irrefutáveis, então condene-se o casal. Senão...

Uma das inúmeráveis coisas que tenho dificuldade em compreender é: se uma idéia é superior à alguma outra, quando ambas se propõem resolver alguma questão, mesmo assim existem idéias que divergem e continuam coabitando o planeta, certo? Por exemplo: se o Capitalismo é melhor, superior, mais bacana e comprovadamente o melhor que a Humanidade já experimentou, por quê existem contrários ao sistema? E, se o Socialismo é melhor, por quê resiste-se a aceitá-lo finalmente em escala global? E, para piorar, como é que nenhum dos dois consegue convencer a mim? Digo, não me perguntem sobre estas teorias, que não tenho condições de refutá-las ou aceitá-las incondicionalmente.
Em leituras, veio mais esta asseveração: "Nada é 100% certo. Aceita-se o que for o mais próximo do 'certo'."
A mim, isso equivale dizer que nada que você faça, pense, tente estará 100% certo e nem 0,00001% totalmente errado.
Não preciso dizer que este nó na minha cabeça jamais foi desatado. De modo que toda teoria, para mim parece correta ( até a do HAARP e dos Illuminatti ), já que encontra seus defensores e eu não tenho condições de comprovar ou refutar. E, mesmo que o fizesse, não teria 100% de certeza. Não é que eu desconfie baseado em evidências científicas ou lógicas: é que eu não sei tirar a prova.
Porém, é óbvio que uma hora ou outra eu tenho que me debater com alguma escolha pessoal, intransferível e irrecorrível; portanto, que somente eu posso/devo fazer.
Peguemos um exemplo no campo da"segurança pública": ninguém tem 100% de certeza que retornará ao lar, do trabalho, no fim do dia em segurança, mesmo que more na Suécia ou na Finlândia. Adianta eu dizer isso? Mesmo quem mora num morro espera retornar à casa, sabendo na pele que sua rotina é arriscada, podendo levar chumbo da polícia, ou de bandidos ou ser atopelado por algum playboy cheirado ( ou seja, um "nem polícia nem bandido", em tese ).
POR QUÊ DESSA ENROLAÇÃO?
Essa "enrolação" é a cautela, talvez demasiada. Ou, talvez não. Eu não tenho filhos. Não sei como é criar um. Nem sei se não cometeria os mesmos "erros" que meu pai cometeu conosco. Antes eu sabia, 100% de certeza, que era desagradável, prá dizer o mínimo.
Não sei se daria uns tapas, ou um chocolate. Não sei se conversaria ou mandaria não dar um pio. Qual é a melhor pedagogia? Por mais desumano que possa parecer ( eu acho que é ), conheço adultos que agradecem aos pais pelos tabefes educativos que lhes foram ministrados. Pois é. A teoria da força bruta encontra seus defensores até entre as próprias supostas vítimas. Ou seja, aqueles 100% de irrefutabilidade infalível não parecem existir. E cada lado pegará o seu "olha, esse 0,0001% prova que é possível, sim...".
CASO MIDIÁTICO
Pai e madrasta teriam condições de fazer o que fizeram, se é que fizeram? Sim.
A criança poderia ter feito o que disseram que ela fez? Sim.
Acusação e defesa podem defender seus pontos de vista e estarem 100%, sem sombra de dúvidas, corretos? Não e sim. Qualquer que seja o veredicto, isso significa que um lado "foi mais convincente" que o outro. E as provas? Bom, vejam o que é "a verdade": existe a possibilidade de que saiam livres, seja pela capacidade da defesa, pela inoperância da promotoria, ou pela iluminação do júri.
Mas, penso, só o fato de a acusação permitir que haja um fiapo de condição para que a dúvida seja instalada, isso sinaliza uma derrota. Não deve haver margem para quaisquer inseguranças, questiúnculas. O que entendo nesse caso é: não foi comprovado que o casal fez o que lhe imputam. A defesa permanece questionando a própria e suposta autoria, e não os motivos, ou o estado de espírito dos supostos autores, tentando diminui o rigor da pena mais que certa. Os supostos autores não confessaram, ao contrário do assassino do Glauco, por exemplo. Que poderá, depois, dizer que confessou por estar com medo, ou surtando, ou doidão, ou foi coagido. Isso implica que até uma confissão poderia ser questionada. Aí, onde entram as provas. Na TV, o CSI consegue pegar seus bandidos. Quando falham, científicamente falando, tentam retomar o caminho, com novas pistas, indícios e elementos. Justamente o que faltou. Lógico, é filme, mas estou usando como exemplo de procedimentos.
A verdade é que eu me enrolei todo, o que mostra minhas dúvidas. Eu evitei palpitar seriamente sobre aquele caso da Geisy, pois eu tinha muita pergunta que desejava ver respondida. Não aderi à defesa incondicional da vítima devido às dúvidas, mas me abstive em respeito à pessoas que o fizeram e que acompanharam o caso atentamente, coisa que não fiz. A excitação em torno do assunto assumiu cores apaixonadas. Digamos que o óbvio ( pois tratar-se-ia de reflexos de injustiça e violência milenares ) seria sensibilizar-se pela vítima, uma mulher. Concordo. Mas eu não acredito sequer naquelas cenas, aceitando-as como sendo o verdadeiro retrato e registro fiel do que possa talvez ter acontecido. Vozes "feministas" saíram em defesa da moça, perseguida por um "vestido escandaloso". Eu não consigo acreditar que fosse apenas isso, e ninguém perguntou, se não me engano. Depois deste caso, mobilizador, houve um monte de tipos de violências inenarráveis, indiscutíveis e indesculpáveis contra moças, mulheres e garotas, que não conseguiram o mesmo destaque, apesar de vários episódios terem sido de violência extrema. No final, aquilo me pareceu um destes flashmobs, virais ou essas mobilizações modernas e que dependem da tecnologia atual para existir. Um caso que praticamente impôs sua presença nas rodas de discussão, e desapareceu. A vítima procurou um tratamento estético completo ( o que vai contra a teoria da "inveja contra a mulher bonita" - que ela não era ), mas não - que eu saiba - procurou um serviço de acompanhamento psicológico ( não houve trauma, com aqueles riscos todos pelos quais ela passou, inclusive tendo ela dito que iriam "estuprá-la" [ mas não identificou à polícia quem seriam os autores da ameaça ] ? ); desfilou no carnaval e retomou sua vida, de anônima. Mas, reconheço, não é porque eu desconheça algum aspecto, que isso não possa ter sido dito ou levantado.
De modo que esse post parece aquele "pague R$ 3 e coma o que puder", em que o peão bota arroz, feijão, macarrão, batata, saladas, sopa, frango e bife ( além da sobremesa ) duma vez no prato. Só sei que, ou se faz uma comprovação que não permita questionamentos, ou corremos o risco de ver gente inocente atrás das grade, como resposta a uma suposta opinião pública. Ninguém quer assassinos impunes, nem também prisões e julgamentos arbitrários e falhos. Pelo nosso próprio bem.

domingo, 21 de março de 2010

Como eu ia dizendo: a "Indústria da Multa" não existe ( um pequeno apontamento/prova )

DIA: Sábado, 20 de Março de 2010
HORÁRIO: por volta das 13:00hs
LOCAL: Rua Thabor, bairro Ipiranga
OCORRÊNCIA: Veículo de empresa, tipo FIAT com baú ( eu não sei nada sobre automóveis ), todo cheio de letras e legendas da BRADESCO SEGUROS. Placa DTC 6248. Motorista falava falava ao celular enquanto a outra mão segurava o volante e um cigarro entre os dedos.
CONSEQÜÊNCIA: Nenhuma. Não havia autoridades presentes no local.
CONCLUSÃO DO CASO: A Indústria da Multa não existe.

terça-feira, 16 de março de 2010

Os novos trens do Metrô da linha 4 ( Verde ) são maquetes também?

"Do alto de nossos gabinetes, estes trens e pontes até parecem aquelas maquetes que inauguramos..."
Eu comecei uma solitária e fake campanha para reabilitar a imagem de um grande injustiçado da política deste país, o conhecido "doutor Paulo". Pois, grande entusiasta de obras caras mas entregues, doutor Paulo jamais causou desastres como o que temos visto nessa administração tucana que grassa há 15 anos no Estado bandeirante. Pensem e concordem: metrô do doutor Paulo não vira cratera, vira? Claro que não. Viaduto, durante administração do doutor Paulo, não inunda de jeito nenhum. Mas o Kassab, afilhado do Serra e então queridinho da imprensa, nos proporcionou este acontecimento insólito, quando o Minhocão ( obra de doutor Paulo ) alagou numa chuva qualquer. Doutor Paulo disse que professor/a eram mal amados ( ou mal casados ) mas teve o pudor de não dizer que professor é "marajá super-bem remunerado apesar de não saber e não gostar de dar aulas". Nunca que uma viga do Rouboanel, se fosse construído pelo doutor Paulo, iria cair na cabeça de alguém como vimos acontecer.


Tem mais ainda: a primeira linha do Metrô paulistano, a Norte-Sul, foi inaugurada em 1973, 74 por aí, correto? quem inaugurou-a? Sim: doutor Paulo!


Os que tiverem mais de 40 anos lembrarão que a estatura considerada "alta", neste período, era 1,80. Lembram? Dizia-se: "A meu, o cara tem um metro e oitenta, é bom porte."


Quando o doutor Paulo inaugurou a linha 1 do Metrô, a pessoa que tivesse 1,80m era considerada alta, pelos padrões da época. O país, bem ou mal, vinha seguindo, trôpego. E o tempo passava. E as gerações antigas iam deixando seu lugar para as novas que, devido a diversos motivos, se tornariam um pouco mais altas que as predecessoras. Ou seja: os filhos estariam ficando, na idade adulta, mais altos que os pais.


Você, amigo/a, já entrou num trem da linha 1? E da linha 2, a Vermelha, Leste-Oeste? Sim. Pois eu também. E agora, peço licença e entro na estória.


Tenho 1,96m. Mais ou menos desde 0s 21, 22, quando estabilizei-me nesta forma decadente, em definitivo. Para viajar nos ônibus e metrô, nunca tive dificuldades em ficar de pé. Sentado às vezes não dava, que a distância entre os bancos não deixava.


Tudo bem, às vezes para ( des ) embarcar tinha que me inclinar um pouco. Eu era visto como um ET, como se não houvesse ninguém mais alto no mundo. Porra, é só 1,96, caramba. Nem é tanto assim.


Aí, duns tempos prá cá, percebi que ( não sei se devido à água potável, a ministração de penicilina, ao saneamento básico ou da alimentação cheia de hormônios ) a molecada de hoje é bem alta. Tipo, eu ver moleque de 16 anos quase da minha altura. Das meninas eu não vou falar...


Um belo dia, tive que pegar o Metrô na linha Verde, aquela que passa sob a Paulista. E tive o privilégio de embarcar num deste modernérrimos trens que o Serra comprou, com ar-condicionado, interior mais largo, menos bandos, novinhos em folha.


Estes trens vieram numerados. Um adesivo trazia a informação: "Este é o trem novo número 3 ( ou 4, ou 5... )". Só prá provar à população que o governo tinha comprado mais de um trem. Tsss! Se eu não tivesse visto, eu mesmo, mais de um único comboio, eu pensaria que eles tinham comprado era um monte de adesivo. O trem chegava no páteo de manobras e o peão chegava e substituía o adesivo. Saía o "Este é o número 2" e entrava o "E este é o 3"... A imprensa celebrou, em tons triunfantes, essa compra de trens novos.




Aí eu embarquei. Entrei pela porta e fui direto pro corredor e aí: PIMBA! PUTAQUEOSPARIU, BATI O COCO NO TETO!


Porra Metrô! Não sei que catzo, mas viajei meio curvado e com o vento do ar condicionado bem na minha cara. E as pessoas que precisavam segurar nos ferros altos ficava batendo a mão na minha cabeça. Era só "pedala, Robinho" que eu tomava na orelha.


Agora acompanhem: acho que é comum que a geração que nos substituirá será um pouco mais alta que a nossa, se tiverem uma vida razoavelmente confortável, com acesso à água, esgoto, alimentação decentes, certo? É possível que os que nos antecederam também imaginassem ou soubessem disso, ou seja, que nós, seus sucessores, seríamos mais altos do que eles. Por isso, é provável que tenham projetado trens e metros bem altos, suficiente para os que usariam naquele tempo, mas que também fosse o suficiente para que os adultos do futuro, mais altos, não tivessem que passar aperreios. Ora, ônibus você troca o tempo todo, mas vagão é muio mais difícil e caro. Logo, terão que ser projetados e instalados com a previsão de serem utilizados por décadas, antes de serem aposentados.


Isso quer dizer que, os projetistas do Maluf sabiam bem que seus netos seriam mais altos que eles, e não economizaram. Ficou alto para eles, mas não pros filhos e netos.


Mas, quanto aos dias atuais: lamentável, moleque. Compraram trens mais baixo do que os que havia. ESTES NOVOS TRENS SÃO BAIXOS ATÉ PROS PADRÕES DE ESTATURA DOS ANOS 70 E 80, CARAMBA. Isso quer dizer que a molecada de hoje não poderá crescer muito ( mas é o que vai acontecer de verdade ) senão não conseguirá entrar nestes trens do Serra, pelos próximos 40 anos. E, pior de tudo, a falta de planejamento é mais do que evidente: se o crescimento da estatura da população depender de condições materiais, a coisa é pior ainda, já que estes trens circulam numa região de pessoas bem de grana, cujos filhos são alimentados com carne de primeira e leite desde tenra idade. Logo, poderão ser muito mais altos do que a média da população. Burrada dupla!


Imagine vocês, fazendo bolos para vender: cada unidade deverá pesar 1000g. Aí vocês, espertos, entregam com 950g. Com cada 50g extraído, vocês terão um novo bolo a cada 20 bolos vendidos. Fazendo 20 bolos, vocês terão 1 sobrando, que será vendido por fora e a grana embolsada por vocês. Acho que foi isso que a famosa Alstom fez: diminuiu o espaço interno do trem, economizou no aço e, a cada trem completo que o Serra comprou, sobrava um vagão. Depois de 20 trens produzidos e vendidos prá nós, um trem inteiro, com 20 vagões ficava de lucro. ( Nem sei se as contas são essas, mas é cinco da manhã e eu tô derretendo de sono. )


É uma tese, uma especulação mas, eu tenho esse direito, já que nem viajar ereto dentro desses novos e celebrados trens eu posso, merda!!

Texto bastante antigo: quem ganha realmente com o tráfico internacional de drogas?







( Esse artigo saiu na edição 16 da revista GENERAL, em 1994 ou 95 )

















segunda-feira, 15 de março de 2010

A Industria da Multa não existe, mas teóricos da conspiração insistem neste delírio!

Num post anterior ( Detratores da "Indústria da Multa" completamente desmoralizados: até a Vejinha descobriu que isso não existe!!, de 25 de Fevereiro ) mostrei que até a revista-encarte da Veja, distribuida em São Paulo, teve que se render às evidências e concluir: não tem como defender uma lenda urbana, quando existem toneladas de provas mostrando exatamente o contrário ( Sinal Vermelho na CET , edição 2153 ) . Como se não bastasse todos aqueles números apresentados pela reportagem que podem ou não ser contestados ou reinterpretados, basta tirar a prova empírica. Eu faço isso o tempo todo, sou quase um "pesquisador de campo" ( hahahaha ).
É muito simples: enquanto você está no ponto de ônibus, naquelas esperas comuns de 40 minutos em dia de semana, em vez de ficar bufando e resmungando, passe a observar o comportamento dos motoristas dos carros que passam. É o que eu faço. E flagro, com uma facilidade inacreditável, vários deles falando ao celular enquanto guiam. Eu anotei a chapa de um, local e tudo o mais, a título de exemplo. Como não conheço as marcas e modelos de automóveis, o cara que cometeu a infração poderá ficar certo de que não terá sua identidade revelada ou delatada aqui. Mas é só por causa de meu desconhecimento. Senão eu dedurava mesmo. Foda-se.
O proprietário do veículo de placa "CNA 7963" ( acho que era um modelo FOX da Volks, cor azul, verde ou cinza, não deu para lembrar ) guiava seu carro por uma rua do Ipiranga ( Zona Sudeste ) tendo numa das mãos um celular no qual falava e, na outra, um cigarro aceso. O cara era um octopus. O cara foi trocar um dos objetos de mão e o carro deu uma "sambada". Eu estava no ponto do busão e quando o carro passou pelo meu campo de visão foi que eu vi os malabares que o cara equilibrava enquanto dirigia. Um imbecil que deve ter um santo protetor com os mesmo poderes daquele que protege os bêbados. Não tinha um amarelinho por perto.
Quando vou pro trampo, todo dia eu passo diante de um local onde é proibido estacionar. A chegar no destino, eu ligo para a CET, informando-os das frutas prontas para serem colhidas no pé. O detalhe é que, a 10 metros deste local, há um posto móvel da PM. Quando este posto foi instalado, os moradores começarar a chiar, porque os policiais passaram a cumprir sua obrigação: multar os delinqüentes. Ocorre que, nos dizeres de um morador, em carta enviada ao jornal do bairro, "a gente sempre fez isso". Penso que, de tanto reclamarem, os moradores devem ter conseguido convencer os PMs a fazer vista grossa. De modo que sobrou para mim fazer o serviço sujo. Acontece que, nem sempre a CET está em condições de fazer o flagrante. Eu ligo, pego o número de serviço e volto a ligar, mais tarde, para saber do desfecho do caso. É freqüente ouvir que a viatura compareceu mas não pegou ninguém. Sabe por quê? Bom, às vezes demoram 2, 3 ou 4 horas para surgir no local. Nos bons tempos de Rua Cristiano Viana ( até lá por 2004, 2005 ), nós conseguíamos que viessem até duas viaturas ou motos em 15, 20 minutos.
Eu tive a certeza de que a CET está precisando de vitamina quando, um dia ( sempre ) dentro do busão, descíamos a Lins de Vasconcelos ( V.Mariana, Z. Sul ) na direção do Cambuci. Do meu lado esquerdo estaria, então, uma garagem da CET. Na mesma calçada desta garagem, há não mais do que 50 metros, um carro estava por inteiro, estacionado SOBRE A CALÇADA! Bastaria que um fiscal de trânsito esticasse o pescoço, que notaria o carro ilegalmente estacionado. Pergunto: o dono deste veículo não temia ser apanhado e guinchado? É como se o Jerry ficasse provocando o Tom, passeando bem na frente do nariz do gato. Parece que o motorista meliante tinha a certeza de que nada aconteceria. E deve fazer coisas assim até hoje.
Agora, pelo que se noticiou, veículos em alta velocidade tem sido multados com mais e maior frequencia. Graças aos radares. Só que estes aparelhos não apanham quem bota o carro sobre as calçadas ou locais proibidos e, por isso, esse tipo de comportamento é amplamente praticado.
Que ver outra? Calçada em frente à Estação Ana Rosa do Metrô, sentido Paraíso. Há um estacionamento Multipark, um terreno acho que vazio e murado e um agência do banco Itaú, contíguos. Todas as noites ( repito: todas ) carros ocupam aquele trecho do passeio, enquanto desembarcam passageiros, ou então ficam ali aguardando, provavelmente, por gente que chega de ônibus ( há um ponto na frente da entrada da estação e um terminal do outro lado da via ) ou do próprio Metrô. É recorrente você descer do ônibus, e ficar quase prensado entre este e um automóvel que está na calçada. Ou, ter que andar sinuosamente entre os veículos que tomaram a calçada. Desafio os "detratores" da "Indústria da Multa" a comparecerem neste local e, depois, seguirem insistindo nessa conversa mole de "excesso de multas". Coloquem seu caráter à prova, babacas mentirosos.
Daí você abre a edição seguinte da Vejinha, desejando saber a
opinião dos leitores sobre a matéria, e se depara com mensagens como esta:
"A reportagem veio a calhar. Esse é um tema muito importante para a cidade. Ultimamente tenho observado que em situações críticas, com as chuvas e os congestionamentos monstruosos, não é possível localizar agentes da CET que orientem o trânsito. Só os vejo postados em esquinas no horário de pico prontos para multar os motoristas no rodízio. Isso se não estiver chovendo, é claro.
M.C.L."

Ou seja, a anta insiste em "responsabilizar" os amarelinhos por uma suposta "tendência única e exclusiva a multar o motorista". Oras, sua besta, o cara tem obrigação de multar quem comete infrações, e a tal "orientação" que você deseja significaria, exatamente, o quê, afinal? Fechar os olhos? Servir de "vallet" para o motorista? Acho que é isso o que se deseja: que a CET se torne um serviço de valett e que se encarregue de arrumar espaço pros carros, quando não há mais nenhum. Dona M.C.L. devo interpretar sua mensagem como uma confissão? Pois inventar multas os amarelinhos não fazem. Você deseja tolerância, é isso? Já existe muita, sua imbecil. De mais a mais, por quê você acha ruim que os fiscais punam quem fura o rodízio? Se estes veículos respeitassem esta "quarentena", não estariam nas ruas disputando espaço físico com você. Ou é você quem burla o rodízio, recebe algumas escassas e raras autuações, e fica toda revoltadinha? Um coisa: como é que você sabe que os fiscais que só você vê, estão justamente procurando quem fura o rodízio? É uma confissão mesmo, né?, já que há vários outros tipos de besteiras que motoristas podem cometer, entre elas falar ao celular ou enviar torpedos enquanto se guia.
De forma igualmente vaga, outro leitor também reivindica que os amarelinhos "orientem" o trânsito, em vez de "gastar o talonário" com multas que, deve pensar este leitor, ou são imotivadas ou são inventadas, mas nunca justas e merecidas:
"Considerando que 86% dos radares estão ativos e apenas 15% dos semáforos inteligentes funcionam normalmente, quem pode negar que a prioridade dos agentes é esgotar o talonário de multas em vez de orientar o trânsito?
G.L"
Considerando que, talvez se vocês prestassem alguma atenção na quantidade de gente que se safa, e atentassem para as tolices que muita gente pratica ( ocupar as exíguas calçadas destinadas a pedestre merece que se corte as mãos do pusilânime ) de forma extremamente despreocupada, sem se preocupar em esconder, bem na cara mesmo, então vocês deixariam de insistir nessa mitomania e nesta lenda urbana de "Indústria da Multa", idiotas.

domingo, 14 de março de 2010

Se gostaram de nossas maqu...ops! propostas para a estrutura viária e para a Segurança, então nossos planos para a Educação os deixarão extasiados!!

Bonita e bem-sucedida: este é o tipo de professor que queremos atrair para a nossa estrutura educacional, e não um bando de militantes fracassados marxistas que não sabem ensinar e não se contentam com os salários nababescos que lhes oferecemos. Com uma professora destas a molecada ( sobretudo os meninos ) não vai faltar um dia sequer do ano letivo. E até os pais ( aqui, no caso, é "pai", mesmo, no masculino ) comparecerão a todas as reuniões convocadas, mesmo que ocorram em dia de jogo.

Infra-estrutura de Primeiro Mundo já em funcionamento. E vem mais por aí!

Mestres especialistas em Matemática ( e desideologizados ) serão contratados a peso de ouro, garantindo a nossos alunos mais qualidade de educação.


Revelado o esquema que levará a candidatura demotucana à vitória!!! Rumo a Brasília, "with a little help from my friends...!"

Não abre não, que não é vírus.

Recebo um email: "De: Planeta Sustentavel ( Whoo?? ) - Assunto: "Melhorando as praias de São Paulo ( Whaaat? )". Considerei a apresentação meio obscura, impessoal. Não identifiquei o remetente ( "Planeta Sustentável" ) e minha conta de email idem, mandando-o para os "Spams". Mas, vá-la, decido abrir, já que pode ser alguma informação ecológica relevante. Não era exatamente bem isso:


Quero dizer, a menos que você considere relevante/revelador saber que a SABESP fica usando o sistema de mala-direta da EDITORA ABRIL, para enviar PROPAGANDA ( a que cu$$to? ) à população, então não se tem mais nada interessante aqui. Sem contar que não se consegue descobrir quem, DE FATO, é o remetente: a Editora Abril, o governo do Estado de São Pauloi ou a SABESP.


Ou se, sob o disfarce de "mensagem ecológica", o governo estadual e a SABESP estariam fazendo seu proselitismo ( campanha eleitoral dissimulada? ) se utilizando da mala-direta generosamente concedida ( com custos ou sem ) a eles pela Editora Abril ( que também aproveita para "vender seu peixe" - ver acima - revelando existir o interesse comercial ) o que mostra certo vínculo entre governo e a editora da revista vEJA.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Se você gostou da inauguração de maquetes celebrada pelo governo paulista, então vai adorar os planos que temos para a área da Segurança!

Uma Força Pública bem aparelhada, equipada, treinada, remunerada e motivada. A garantir a segurança e integridade e a qualidade de vida do cidadão paulista e de sua família. Uma tropa de qualidade, a serviço de todos nós.


Veículos novinhos ( ainda na caixa ) estão sendo adquiridos, sem olhar os custos, pois a Segurança é uma área sensível da administração, e não serão olvidados esforços e investimentos para melhorar cada vez mais a qualidade da frota policial

Já fora da caixa, e pronta para a ação, a novíssima viatura da Força Pública paulista.

"Para servir e proteger", a bem equipada Força Pública paulista estará apta a dissuadir os maus elementos e proteger o cidadão pagador de impostos. Segurança de qualidade.

Equipe fazendo treinamento tático com especialistas israelenses.


A SURPRESA DEIXAMOS PARA O FINAL!!!!!

O Governo estadual pensou em tudo. Também adquiriu, a preço de ouro, vários destes bimotores anfíbios, que é para a Força Pública combater o crime decidida e resolutamente, até mesmo enfrentando as enchentes que se alastram em vários lugares do Estado mas, sobretudo, na pujante Capital paulistana. Tremei, punguistas!

quinta-feira, 11 de março de 2010

Um comercial qualquer, estrelando um ator de novelas e um pedaço de papel, e ambientado num ônibus paulistano

Ônibus circulando por São Paulo. Ator de TV senta ao lado da passageira, que o reconhece:
"Ai! Justino Figueroa, você por aqui?"
Ele responde:
- Eu mêss. Tô nas bocas...
Ela lhe estende um caderno, pedindo:
- Ai, Justino, me dá um autógrafo?
O ator, que anda num ostracismo brabo, não titubeia. Apanha o caderno ( antes que ela mude de idéia ), pede uma caneta, dá um jamegão bem no centro da folha pautada novinha, e devolve o caderno à moça. Que o apanha e olha bem o autógrafo.
Daí, arranca a página, faz uma bola com o papel e a atira pela janela, sem a menor cerimônia. Sem sequer esboçar a menor olhadela pro boquiaberto rapaz.
MORAL DA HISTÓRIA: Não tem e nem é prá ter. Tratou-se apenas uma situação um tanto sem pé nem cabeça, cuja inspiração veio de uma campanha pró-cidadania, que passa na TV.

Atenção, humanidade: Tati está deixando Israel. Relevância nível 10!!!

Sabiam disso, pessoal? Não?!?! IHHH, mas que gente mais desinformada...!!!
Mas eu também não sabia disso. Foi a própria Tati quem me contou.
Não sabem quem é a Tati?! Como ousam?!!
Bom, justiça seja feita, somente hoje é que eu tive o honroso privilégio de conhecê-la. Como pude viver tanto tempo, desconhecendo a existência de tão rara pedra preciosa? Finalmente, deixei o mundo de trevas em que habitava para trás. Foi assim:
Eu estava, como de praxe, no busão, voltando para casa, hoje à noite.
Em certo ponto ( sem trocadilhos ) da viagem, o Universo e o Destino conspiraram para que, em meio a tantos ônibus rodando por São Paulo, àquela hora, Tati escolhesse embarcar justamente naquele em que eu estava.
Ambos, Universo e Destino, reforçados pela Divina Providência, deixaram um assento desocupado, bem atrás do meu, e é ali que nossa queridona Tati foi escolher sentar, apesar de haver mais assentos vagos - alguns melhor localizados e confortáveis mas a influência daqueles três "elementos" fez com que escolhesse ficar atrás de mim, de modo que...
... de modo que eu ouvisse toda a conversa que ela passou a ter com outras pessoas, pelo celular.
Foi assim que eu fiquei sabendo que Israel, excepcionalmente, não a acompanhou desta vez, ao contrário de todas as outras ocasiões. Que parece que as coisas não vão bem entre o casal. Que Tati queria sair do emprego, mas não vai dar porque o horário de outra coisa que ela arrumou não é legal e, assim, Tati continuará neste emprego "até arrumar coisa melhor".
Também fiquei sabendo que, no lugar onde trabalha Tati, "registro é meio embaçado".
Mas, o principal de tudo é: Israel disse a ela que, se Tati "quisesse ir na frente, que tudo bem, ele iria depois". Eu sei disso porque Tati ligou para, pelo menos, duas pessoas, durante o tempo em que tive o desprazer de viajar com ela. Ela contou a mesma história para suas interlocutoras, timtim por timtim. Muita polêmica. Assunto de vida ou morte. Sorte no amor.
Às vezes eu penso que tem gente que gosta de ficar cultivando decepções e casos perdidos, só para ter o que conversar. Para preencher a vida. Um novelão. Coisa muito seriíssima, sabem?
Foram mais de 30 minutos falando...falando...falando. E eu, escutando...escutando...escutando.
Até que, finalmente, eu desembarquei. São ( mais ou menos ) e salvo.
Depois, pensando sobre este acontecimento e nas coisas que estavam em jogo concluí que, se naquele instante eu encontrasse o tal garoto Israel ( pobre garoto Israel ), lhe diria sem pensar duas vezes:
- Israel, camarada, sai fora dessa barca furada, que essa mina é muito chata. Puta boca-mole, e fala prá caralho. Parte pra outra, meu irmão.

Imagens do Dia: Serra inaugura maquete. Godzilla aprova entusiasticamente.



Tem umas coisas que eu gostaria de perguntar a quem puder responder:
- Antes de tudo: levando em conta o tempo que está sendo empregado para a construção do Rodoanel, e daquela obra no Tietê que se iniciou ainda no governo do Fleury, quando será que começaram a construir esta maquete? Na época do Covas?;
- Gostaria de saber se, durante a construção da maquete alguma viga caiu na cabeça de alguém?
- Que tipo de nova e estranha ( pros padrões tucanos ) engenharia foi empregada, permitindo que, desta vez, uma obra não tenha virado craterão?
- Essa já é velha: quantas praças de pedágio serão instaladas ( e também inauguradas ) nesta ponte?
- Essa maquete também será entregue à administração da iniciativa privada, por 30 anos?



terça-feira, 9 de março de 2010

"As novas tecnologias de comunicação estão afastando as pessoas?"

Plínio conversa animadamente, pelo celular, com a esposa. Nesse meio-tempo, guia seu carro pelas ruas da cidade ( a cidade é, obviamente, São Paulo ):
- Aí eu falei pra ele: nem fudendo meu! Essa venda é minha! Esse cliente de Taubaté, eu já tava trabalhando ele há uns 5 meses, e aí cê vem querer me dar uma rasteira?
"Zzzzz, zzzzz... Bzzzzzz, zzzzz!!?" ( É a voz da mulher, no celular )
-É bem isso, Dora... O cara que fica com essa marra toda que ele vai ver só.
"Bzbzbzzzzzz? Bzz, Bzzzzzz...!?Bzzzbzbzbbbzz!!!"
- É, Dorá. Aqui é 7 anos de empresa, meu. Quem pode mais, chora menos.
"Bzzz..."
- Tem prá ninguém, não!
"BBZZZ!!"
- É, sim. O bônus vai ser gordo. Três paus.
"Bizizizizi? Zizizi..."
- É, tá certo. Melhor mudar de assunto, que é pra não chamar olho-gordo. Cê tá certa, Dorá!
"Bzzzz! Bz-bz-bzzz!"
- Ninguém merece. Tinha que ser o Dourado, que o cara é dez...
"BzbzbzzzzzBBBzzz! BBBzzz!BBBzzzzzzz!zzzz!"
-O cara é foda.
"Bizí!"
E a conversa seguiu nessa toada por uns 20 ininterruptos minutos. Conversa e direção. Até que:
TU-TU-TU-TU-TU!
Plínio exclamou:
- Xi. Caiu a linha!
E, virando pro banco do passageiro, perguntou a Dora:
"Cabou o crédito, é?"
A esposa respondeu:
-É. Só vou poder colocar amanhã.
Plínio: -E agora, como a gente vai conversar?
Dora propôs: -Que tal à moda antiga?
Ele pensou um pouco e concordou:
-Tá bom. Depois você me manda um email e eu respondo.
E a viagem prosseguiu. A mulher, em completo silêncio. E Plínio, mandando torpedos pros amigos e o pessoal da firma:
"Tô dirigindo aqui."
"É, tô na rua."
"É, tá eu e a Dora."
"Não. Ela tá sem crédito no celular..."

segunda-feira, 8 de março de 2010

E por quê não caça à raposa e polo?

A essa altura do campeonato, já deve ser de amplo conhecimento público que as escolas estaduais paulistas somarão, às super-mega-necessárias aulas de Educação Física, cinco novas atividades, ou melhor, os alunos terão aulas de esportes que gozam de bastante popularidade aqui no Brasil: rúgbi, beisebol, frisbee, badminton ( ah! esse eu quero ver como falarão o nome ) e...tchoukball ( mas que porra é essa!?! ). Isso deverá reforçar, ao menos, o aprendizado dos alunos na língua inglesa.
Eu ia dizer que o beisebol faria parte da implantação sorrateira do comunismo, já que o esporte é muito apreciado e praticado na Venezuela e em Cuba, mas lembrei dos americanos e japoneses. Estaremos, paulistas, no grupo dos "não-alinhados".
Um desses luminares que tanto orgulham a Pátria, e que infelizmente surgem apenas a cada 100 anos para abrilhantar o planeta em que vivemos, o deputado Ilderlei Cordeiro (PPS-AC, partido da Soninha, Roberto Freire e Raul Jungmann e representante do estado onde os problemas se resolvem à moda antiga e ocidental: à bala ) foi autor duma proposta que previa "incluir a disciplina Artes Marciais e Defesa Pessoal na grade complementar do currículo dos ensinos fundamental e médio das escolas públicas", segundo este artigo: "Artes marciais podem ser incluídas na grade curricular". A sandice, graças a Deus ( e vocês aí, reclamando dos políticos, heim? ), não passou: "Átila Lira rejeita artes marciais em currículos de escolas públicas ". Pelo menos, não havia passado; sei lá como está atualmente.
A justificativa do cidadão que deseja ver sua idéia aceita e implantada é o de menos, já que eu não entendo porra nenhuma de artes marciais, e a discussão ficaria mais ou menos nesse pé: você dizendo, por exemplo, que o transporte público é a saída para o caos no trânsito, enquanto um entendido/especialista em automóveis ia responder com uma aprofundada e apaixonada digressão a respeito das calotas especiais do Hyundai modelo blablabla. Entenderam? Ou seja: se eu não entendo as minúcias técnicas das tais calotas e o caralho a quatro ( e, portanto, não posso concordar com a avaliação que o miserável dará a essas merdas ) , então eu não estou qualificado para defender o transporte público. Macro vs. micro.
Aqui no Paraíso Bandeirante, também temos desses iluminados abrilhantando a Alesp: Conselho de Educação Física apoia projeto de artes marciais . O autor da proposta é ( era ) Chico Sardelli, do Partido Verde velho de guerra.
Quando buscava textos no Gugol Encyclopaedia para redigir este post, encontrava textos específicos, da área de Educação Física. E achei também a homenagem que o Senado fez ao Helio Gracie, cuja utilidade na Terra foi ser bom, por seu próprio interesse, num esporte que era de seu próprio interesse. Ou seja, foi emocionadamente homenageado por ter sido glorioso para si mesmo. Mais ou menos como o Ayrton Senna.
Quem mais se debulhou em lamentações com a morte do brucutu homofóbico e machista foi o indefectível Arthur Virgílio, campeão de jiu-jitsu, o que diz muito a respeito de seu carater. Disse Virgílio que Gracie ( ou a arte marcial, não lembro ) é responsável pelo que ele é hoje. Pano muito rápido.
ONDE EU QUERO CHEGAR?
Bom, dizem que a Educação Física é coisa de ditadura fascista. Acho que é verdade. Também é um ambiente fértil para o estímulo a competições e até mesmo à pratica do famigerado bullying. Pelo menos era assim, quando eu era moleque. Havia muita humilhação e disputa. E nada de "saúde".
Um destes defensores de artes marciais nas escolas chegou a dizer que a adoção destas praticas poderia ajudar até mesmo os alunos a se defenderem. Bem pensado. O garoto bundão vai aprender alguma técnica marcial de defesa, enquanto um garoto brutamontes vai dar ênfase ao treinamento de ataque; ou, então, conhecerá todas as manobras defensivas do bundão. Com tanto treino, sobresairemos nas competições. Eu vejo um futuro brilhante.
Não adianta, bicho. Por mais que venham com essa conversa de "a luta é esporte" e que alguns "deturpam" o troço. Se você pensar direito, o mesmo se dá com a Química ( Anthrax ), a Física ( Bombas Nucleares ) e até mesmo a Religião ( preciso falar? ), mas ninguém acha que o ensino destas matérias tem que disputar relevância na grade curricular com o karatê ou o judô.
Sobre as artes marciais, mesmo sem entrar nas filigranas específicas de cada uma, o que seria desviar da questão principal ( A saber: devemos continuar tendo Educação Física nas escolas? ), é o tipo do assunto que já vem carregado com a aura de testosterona e violência.
E, vejam bem, não sou eu quem estampa "defesa", "ataque", "força" ( logo, "briga", "violência", "covardia" ) nestas práticas: são os próprios apologistas que o fazem.
Mas não dentro das escolas onde, sequer, as crianças conseguem aprender Matemática. E esta é a finalidade das escolas. E é para isso que pagamos impostos. Não para formarmos mais trogloditas. Paulo Freire e Darcy Ribeiro sucumbirão ao "mata-leão" das mentes privilegiadas desta sociedade?
"BEDIMINTOM"
Sem mais comentários. Tinha que ser em São Paulo, terra do Halloween eterno. Em breve, teremos Thanksgivings Day, Valentine's Day, e até mesmo comemoraremos o 4 de Julho, louvaremos a Rainha, tomaremos chá às 5 e invadiremos os países mais fracos da América do Sul.
CALMO COMO A PÉTALA ESVOAÇANTE PELO VENTO PRIMAVERIL...
O imbecil aqui sempre alimentou uma esperança secreta de ver as escolas paulistas substituirem o futebol de salão e os exercícios físicos pela yoga ou tai-chi-chuan que, se não estou enganado, também são artes marciais, né? Mas seu lobby parece pacífico demais.

Aldous Huxley, sobre a propaganda: "Encontra-se um anseio universal e o relaciona com o produto que se deseja vender"

" ( ... ) Uma propaganda eficiente e racional só se torna possível quando há uma compreensão clara, por parte de todos a quem é dirigida, da natureza dos símbolos e das suas relações com as coisas e com os fatos representados. A eficiência da propaganda irracional depende de uma derrocada geral na compreensão da natureza dos símbolos. Os simples de espírito têm a propensão a igualar o símbolo com o que ele representa, a atribuir às coisas e aos fatos algumas das qualidades manifestadas por palavras que o propagandista escolheu para dissertar sobre eles, em função dos seus próprios fins. Consideremos um simples exemplo. Muitos cosméticos são feitos de lanolina, que é uma fusão de gordura extraída da lã de carneiro e de água, fusão agitada em emulsão. Esta emulsão apresenta muitas propriedades salutares: penetra a pele, não rança, é ligeiramente antisséptica, etc. Mas os propagandistas comerciais nada dizem a respeito das genuínas virtudes da emulsão. Dão-lhe um nome pitorescamente deleitoso, falam arrebatada e incorretamente da beleza feminina, e exibem figuras de louras sensuais cuidando dos seus tecidos cutâneos com um trófico da pele. 'Os produtores de cosméticos', escreveu um deles, 'não estão vendendo lanolina, estão vendendo esperança'. Por esta esperança, por esta fraudeulenta promessa tácita de serem transfiguradas [ GRIFO DO BLOG ], as mulheres pagarão dez ou vinte vezes o valor da emulsão que os propagandistas expuseram tão habilmente, por meio de sinais enganadores, a uma ambição feminina profundamente enraizada e quase universal - a ambição de ser mais atraente aos indivíduos do sexo oposto. Os princípios atinentes a esta espécie de propaganda são extremamente simples. Encontrar uma ambição generalizada, um receio ou uma ansiedade inconsciente bastante geral; encontrar um meio de relacionar este desejo ou medo com o produto que se tem para vender; construir, depois, uma ponte de símbolos verbais ou visuais sobre o qual o cliente possa passar da realidade a um sonho compensatório, e do sonho à ilusão de que o seu produto, quando procurado, fará que o sonho se torne realidade. ' Já não compramos laranjas, compramos vitalidade, já não compramos um automóvel, compramos prestígio.' E assim sucessivamente. Com um dentifrício, por exemplo, adquirimos, não um mero antiséptico ou um produto de higiene , mas sim a libertação do medo de sermos sexualmente repulsivos. ( ... )"
ALDOUX HUXLEY, em "Regresso ao Admirável Mundo Novo", 1958, páginas 87 e 88
Fiz uma pequena e rápida busca no Gugol Encyclopaedia, em busca de um resuminho do livro, já que, penso eu, para que este trecho do livro seja melhor compreendido, seria interessante a leitura dos trechos que o precedem ou, de preferência, do capítulo todo. Assim, busquei, ao menos, um resumo do capítulo, para quem não desejar lê-lo ( o capítulo ) inteiro. Mas não o encontrei.
Bom, o sentido que se depreende do trecho transcrito acima é exatamente o sentido que se conseguirá com a leitura de todo o capítulo, só que sem o "passo-a-passo" argumentativo do autor.
Outra coisa, e muito chata: os resumos e ensaios que encontrei são - acho - mais complicados de se ler do que a própria obra, que prima pela clareza quase pedagógica.

domingo, 7 de março de 2010

Fim do "CTRL C + CTRL V" neste blog

Caros, diletos e exíguos visitantes. Caso não tenham percebido, este blog está passando por uma reformulação simples: não mais ( salvo em casos muito especiais ) copiaremos e colaremos textos, artigos, reportagens alheias etc. O "Correio" apresentará, doravante, um perfil mais, digamos, pessoal, opinativo e palpiteiro.
As matérias ( NOTÍCIAS, ARTIGOS, CRÔNICAS, REPORTAGENS ETC ) que nos interessarem serão postadas, exclusivamente, no ENCALHE (
http://humbertocapellari.wordpress.com/ ), o qual continuará sendo atualizado diariamente.
Fé em Deus e pé na tábua!

sábado, 6 de março de 2010

Imagem do dia: "Yes, nóis pedala!" ( Uma homenagem ao Robinho )

Sabotadores arrasam parque linear da minha rua e acabam com meus planos de Páscoa!!

Na segunda-feira, 1 de março eu postei: "Minha rua tem 'parque linear' só mê-eu e a sua não têe-eem! Tomaram, desprivilegiados?". E no sábado, 6 de março, demos seqüência ao assunto: "Às vezes reconhecemos uma potencial notícia ( 2 ): Parques lineares invadem bairros paulistanos!".
Uma gozação minha, na qual eu dizia que comemoraria o dia da Páscoa fazendo, no matagal do "parque linear da minha rua", a tradicional brincadeira de esconder ovos pintados para a criançada procurar. Um exagero, claro. A intenção era informar o leitor de que a Prefeitura da Kassab continuava pisando na bola, deixando a cidade "ao Deus dará", com mato ocupando até mesmo bueiros e bocas-de-lobo.
Eu não mencionei qual rua se dava o fenômeno, nem ao menos insinuei. Pois bem: eu voltava à noite pra casa, no próprio sábado e vi que algo estava "errado". E estava mesmo: alguém ( que seja um morador, ou a Prefeitura, dane-se ) derrubou nosso parque linear, depois de meses de planejamento e prática. Já estáva programando a inauguração, até pensava na presença do prefeito e governador, descerramento de placa, corte de faixa inaugural, confetes, TV, papagaio-de-pirata...
Sabe-se-lá como souberam ou descobriram o local, só sei que tosaram a área.
Maldito seja o infeliz que estragou minha brincadeira!

Às vezes reconhecemos uma potencial notícia ( 2 ): Parques lineares invadem bairros paulistanos!

Num post anterior [ VER: "Às vezes, reconhecemos uma potencial notícia " ]
, chamei a atenção para a existência, nos escombros da fábrica da Ford, em Ipiranga/Vila Prudente, de "piscinas naturais", buracos cheios de água das chuvas que fizeram a alegria da garotada proletária nos dias de calorão. Pouco depois, o jornal do bairro alertou para o mesmo.
Pois bem. Há uns dias, relatei aqui a implantação de um parque linear, na esquina de minha rua. O mato cresceu e escondeu duas bocas de lobo; e assim continuaria, se alguém não tivesse arrancado o mato de uma delas, mas isso já está sendo revertido pela Natureza. Assim, no dia de Páscoa, esconderei dezenas de ovos naquela área verde, para as crianças procurarem. Uma velha tradição. Tomara que elas não se percam em meio àquela mata fechada.

Coincidência ou não, o mesmo jornal falou sobre a mesma coisa em sua edição desta semana, ou seja, que o verde invade a Paulicéia, a começar das calçadas, sarjetas e bocas de lobo. A diferença é que eles falam a sério e promovem a cidadania, enquanto eu faço isso para zombar da apatia de meus concidadãos. Ninguém aqui da rua perdeu o feriadão de Carnaval por causa deste parque linear. Enfim, "Quem? Eu, me preocupar?"


sexta-feira, 5 de março de 2010

Como pedir, elegantemente, a alguém, que fique quieto

- "Em horas como essa, economizar nas palavras é fundamental." - Pode ser mudado para "Em certas horas, economizar nas palavras faz a diferença."; a primeira forma poderia, também, servir como slogan para o Twitter, mas eu não vendo a idéia e nem os direitos autorais.
- Essa é mais trabalhosa e alude a famosa frase: "Não concordo com uma palavra sequer do que dizes mas, defendo até o fim, contra tudo e contra todos; custe o que custar; sem deter-me diante dos perigos e adversidades; sem medir esforços nem conseqüências; de peito aberto e espada em punho, com bravura, determinação, coragem e destemor, até a morte se preciso for, seu direito absoluto e inalienável de eu não estar presente da próxima vez que for proferi-lo."

quinta-feira, 4 de março de 2010

Ex-prefeito de Mauá pelo PV é multado pelo TCE por contratos sem licitação com famoso IDORT

Damo é multado novamente por falta de licitação
Ex-prefeito de Mauá terá de pagar cerca de R$ 5 mil por conta de contrato na educação
(
ABCDMaior, 04.03.2010 )
O ex-prefeito de Mauá Leonel Damo (ex-PV, 2006-08) foi multado novamente pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado) por contratar empresas sem licitação, nesta quinta-feira (4/03). Desta vez, a multa aplicada é referente ao contrato firmado com o Instituto de Organização Racional do Trabalho – IDORT- em 28/11/2006 no valor de R$ 2,24 milhões, para apoio na gestão educacional de setores da cidade. Damo terá de pagar 300 UFESPs (Unidades Ficais de São Paulo), que equivalem a cerca de R$ 5 mil.
De acordo com o parecer do TCE, as justificativas de Damo de que a situação não possibilitava a realização de uma licitação não foram aceitas. O tribunal destacou duas irregularidades consideradas como fundamentais pela determinação da irregularidade.
Na questão da dispensa da licitação, o TCE entende que a administração fez cotação de dois preços diferentes e conclui que o serviço não era único. Sobre a contratação e a finalidade, o tribunal afirmou que o objetivo do contrato é divergente dos serviços prestados pelo IDORT. O instituto realiza consultorias para garantir a eficiência dos trabalhos na área da educação. O objetivo do contrato foi garantir a gestão educacional.
O ex-prefeito Leonel Damo tem 60 dias para reapresentar a defesa ou quitar o débito. Grande parte dos problemas de Damo com o TCE estão ligados diretamente a falta de licitação pública nos contratos.
Saúde – O polêmico contrato da gestão Damo com o Instituto Sorrindo para a Vida, que tinha sede em sex shop na região central de São Paulo, ainda passa por análise do TCE. O contrato, que teve valor inicial de R$ 76.336 milhões, será analisado pela SDG (Secretaria-Geral do TCE), conforme publicação feita no Diário Oficial do Estado desta quinta-feira (4/03).

O QUE SE FALOU DO IDORF:
Instituto Idort, hoje denunciado pela revista Época como fachada para o PT, tem contratos milionários com a Prefeitura de São Paulo na gestão DEM-PSDB ( Blog do Favre, 01.03.2008 )

segunda-feira, 1 de março de 2010

Minha rua tem "parque linear" só mê-eu e a sua não têe-eem! Tomaram, desprivilegiados?

Eu não misturo as coisas. Não é porque você encontra, em diversas esquinas paulistanas, toneladas de entulho, lixo e móveis velhos ocupando a calçada, que se deva tomar isso como uma insurreição popular revoltosa contra a Prefeitura e o Estado ( que culpam a população paulistana pelas enchentes espetaculares que temos sofrido ).
Longe disso. O ato de depositar, sorrateiramente, o seu entulho em via pública, esperando que aquilo desapareça pela ação do Espírito Santo ou do Vodu ( cuidado com isso; veja o que aconteceu ao Haiti ) equivale a botar o carro sobre a calçada ou escutar música alto dentro ônibus. Em suma: porquice, estupidez e egoísmo em estado bruto.
Tais ações não têm um espírito "Boston Tea Party", de confronto com o Leviatã horroroso. Ou você considera que seu carro, atravessado numa calçada, atrapalhando o pedestre e obrigando-o a andar no meio da rua é um ato nobre de resistência à tirania autocrática da CET - que nem está ali para a peleja pretendida por você? Você sabe que não. Isso é que é o mais irritante. Esse cabotinismo mau-caráter.
Mas não é sobre isso que eu quero falar, e já ia desviando completamente. Mas o dito acima é uma espécie de exemplo que cai bem, aqui.

A rua onde resido ( ou melhor: a rua onde está a minha casa ) tem próximo a um cruzamento, duas bocas-de-lobo ou uma boca-de-lobo dupla, como essas da foto acima ( foto meramente ilustrativa ).
Há UNS MESES o mato começou a crescer no vértice, uns dois passos além das bocas de lobo. E este mato veio vindo, na direção das mesmas. Conforme o mato ia evoluindo, eu ia dizendo, ironizando:
"Aí, ó o parque linear do Serra tomando forma lá na esquina. Já tampou uma boca-de lobo."
E depois:
"Aí, ó, o parque linear tá prosperando e já tá encobrindo as duas bocas de lobo. Em breve, vai estar completo."
Veio vindo...
Veio vindo...
Veni, vidi, vici. Cobriu as bocas de lobo. Esse processo todo, desde nascimento, aos primeiros passos, seguindo então a invasão e tomada completa do território perdurou uns 3 ou 4 meses. Planejamento, sabem? Fiz uma ilustração meio tôsca ( perdoem a qualidade da "montagem", é que eu não sei mexer em programas de edição de fotos ), para dar-lhes uma idéia de como ficou a situação dos bueiros:

Isso, devo acrescentar, tem se dado, inclusive, durante todo esse período de chuvas que virou notícia. Quando chovia, a água não descia e tomava aquele trecho da rua todo, exceto as calçadas. Criava uma "lâmina de água" no meio da rua que, por sinal, é o único lugar por onde o pedestre pode andar aqui.
E, todo dia, eu dizia aqui em casa, que me emprestassem uma máquina, que eu ia fotografar aquilo e postar. Mas não que a situação me incomodasse. Eu desejava registrar e ver até onde aquilo duraria. Pois eu não conheço e nem converso com os vizinhos e não ligo para eles. Só sei que em 99% das casas nesta rua, há pelo menos um automóvel em cada uma delas. A minha é uma das exceções.
Passou o tempo, até que a Prefeitura divulgou que passaria à contra-ofensiva, e os bueiros da Capital seriam cuidados, esvaziados e limpos. E eu ficava naquela: fotografo ou não? Pois não queria que algum morador fosse ver o que eu estava fazendo, quando eu fosse fotografar o cenário. Vai que quer se meter, puxar conversa, dar palpites, e eu não queria dar satisfações. Talvez o sujeito até pensasse que EU ia fazer alguma coisa, reclamar na Prefeitura, na Sub, ou dencunciar em algum jornal e espalhar a "notícia".
Um dia, uma das bocas-de-lobo, apareceu sem sua cobertura verde, o que nos fez pensar que a limpeza pública e a conservação de logradouros fez o serviço:

Tal impressão não durou um minuto: o mato, arrancado de apenas uma das bocas-de-lobo ( o que serviu para revelar seu interior forrado de resíduos e lôdo ), foi jogado ali mesmo, no meio fio. Provavelmente foi algum morador inconformado que arregaçou as mangas, arrancou o mato e, satisfeito por ter "feito sua parte", não deu prosseguimento; afinal pagamos os impostos para que a Prefeitura cuide destes assuntos. É justo. Não estou ironizando. O cara não tem essa obrigação. Sem contar que neste bairro o Serra e o Kassab costumam receber de 70 a 75% dos votos. Classe média, sabem?
E assim está, até hoje. Se você passar por ali, verá um bueiro apenas. O outro foi completamente escondido pelo mato, ops!, nosso parque linear exclusivo.
Ontem choveu não muito. Os bueiros não recebem a água, que fica formando um laguinho.
Aí, caro e dileto leitor deste blog, alguém poderá ter o seguinte pensamento: "Esse babaca só reclamou, mas não faz nada para mudar a situação. É sempre assim. Só reclamam e não fazem nada. Até quaaaaando?! Acorda, Brasil!"
Simples, meu caro: se for telefonar à Prefeitura, comunicando o problema e exigindo que venham i-m-e-d-i-a-t-a-m-e-n-t-e resolvê-lo, eu não ficarei APENAS NISSO. Eu aproveito o ensejo e denuncio que 90% das calçadas ( de ambos os lados ) da rua transversal são ILEGAIS, cheias de declives, aclives e acidentes, e isso impede a circulação dos pedestres de forma decente, obrigando-nos a andar pelo meio da rua ( que, por sinal, é estreita e possui mão-dupla ) pois, além de serem acidentadas, esses calçamentos ainda servem DE ESTACIONAMENTO dos carros dos moradores.
Além disso, falarei da guarita que sabe-se-lá quem mandou colocar, atravancando a calçada, bem ali na esquina onde estão os famigerados bueiros que formam o parque linear da minha rua.
E, de mais a mais, se em todo esse tempo a Prefeitura não descobriu o problema do "parque linear", isso é prova documental de que está mentindo à cidade sobre a limpeza que diz estar fazendo e é prova de que os próprios moradores daqui estão se lixando ( pois no Carnaval, não se via uma alma ) e não tomam atitudes pois estas poderão comprometê-los depois. Tipo, ser multado e ter que refazer uma calçada. Por isso, nada de chamar a atenção do Poder Público. Uma outra hipótese é: a Páscoa está chegando e o parque linear abrigará a brincadeira de esconder e procurar ovos de Páscoa. É isso aí: parque é lazer.


LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe