sábado, 28 de fevereiro de 2009

Respostas do Murdoch / Respostas dos escroques

"Como presidente do New York Post, sou o principal responsável pelo que publicamos. Na semana passada cometemos um erro com uma charge que ofendeu muitos. Hoje quero pedir desculpas pessoalmente a todos os leitores que se sentiram incomodados e até mesmo insultados ( ... )".
Rupert Murdoch, magnata de Comunicações, desculpando-se por uma charge criticada como racista que aludiria a Obama, publicada no jornal New York Post, pertencente a seu conglomerado.
"A Folha respeita a opinião de leitores que discordamda qualificação aplicada em editorial ao regime militar brasileiro e publica algumas dessas manifestações acima. Quanto aos professores Comparato e Benevides, figuras públicas que até hoje não expressaram repúdio a ditaduras de esquerda, como aquela ainda vigente em Cuba, sua "indignação" é obviamente cínica e mentirosa."
Nota da "Redação da Folha de São Paulo" ( ou seja: sabe-se-lá-quem é o responsável por isso ) às críticas sofridas pelo jornal feitas pelos professores FÁBIO KONDER COMPARATO e MARIA VICTORIA DE MESQUITA BENEVIDES, que repudiaram o neologismo "ditabranda" cunhado pela Folha. O termo aparece em editorial do jornal em que critica-se a possibilidade infindável de reeleições sucessivas para Hugo Chávez o que, em tese, significaria o caminho pavimentado para estabelecimento de um ditadura. "Ditabranda", o tal neologismo, viria substituir "ditadura" que, no entendimento surpreendente do jornal, não houve no Brasil a partir de 1964. A nota acima causou comoção e gerou até a criação de uma petição eletrônica em apoio aos dois professores ofendidos:
Ante a viva lembrança da dura e permanente violencia desencadeada pelo regime militar de 1964, os abaixo-assinados manifestam seu mais firme e veemente repudio a arbitraria e inveridica revisao historica contida no editorial da Folha de S. Paulo do dia 17 de fevereiro de 2009. Ao denominar ditabranda o regime politico vigente no Brasil de 1964 a 1985, a direcao editorial do jornal insulta e avilta a memoria dos muitos brasileiros e brasileiras que lutaram pela redemocratizacao do pais. Perseguicoes, prisoes iniquas, torturas, assassinatos, suicidios forjados e execucoes sumarias foram crimes corriqueiramente praticados pela ditadura militar no periodo mais longo e sombrio da historia polí­tica brasileira. O estelionato semantico manifesto pelo neologismo ditabranda e, a rigor, uma fraudulenta revisao historica forjada por uma minoria que se beneficiou da suspensao das liberdades e direitos democraticos no pos-1964. Repudiamos, de forma igualmente firme e contundente, a Nota de redacao, publicada pelo jornal em 20 de fevereiro (p. 3) em resposta as cartas enviadas a Painel do Leitor pelos professores Maria Victoria de Mesquita Benevides e Fabio Konder Comparato. Sem razoes ou argumentos, a Folha de S. Paulo perpetrou ataques ignominiosos, arbitrarios e irresponsaveis a atuacao desses dois combativos academicos e intelectuais brasileiros. Assim, vimos manifestar-lhes nosso irrestrito apoio e solidariedade ante as insolitas criticas pessoais e politicas contidas na infamante nota da direcao editorial do jornal. Pela luta pertinaz e consequente em defesa dos direitos humanos, Maria Victoria Benevides e Fabio Konder Comparato merecem o reconhecimento e o respeito de todo o povo brasileiro.
.
'Ditabranda' para quem?
Maria Victoria de Mesquita Benevides
Quase ninguém lê editorial de jornais, mas quase todos leem a seção de cartas. E foi assim que tudo começou. Os fatos: a Folha de S.Paulo, em editorial de 17/2, aplica a expressão “ditabranda” ao regime militar que prendeu, torturou, estuprou e assassinou. O primeiro leitor que escreve protestando recebe uma resposta pífia; a partir daí, multiplicam-se as cartas: as dos indignados e as dos que ainda defendem a ditadura. Normal. Mas eis que chegam a carta do professor Fábio Konder Comparato e a minha: “Mas o que é isso? Que infâmia é essa de chamar os anos terríveis da repressão de ‘ditabranda’? Quando se trata de violação de direitos humanos, a medida é uma só: a dignidade de cada um e de todos, sem comparar ‘importâncias’ e estatísticas. Pelo mesmo critério do editorial da Folha, poderíamos dizer que a escravidão no Brasil foi ‘doce’ se comparada com a de outros países, porque aqui a casa-grande estabelecia laços íntimos com a senzala – que horror!” (esta escriba). “O leitor Sérgio Pinheiro Lopes tem carradas de razão. O autor do vergonhoso editorial de 17/2, bem como o diretor que o aprovou, deveria ser condenado a ficar de joelhos em praça pública e pedir perdão ao povo brasileiro, cuja dignidade foi descaradamente enxovalhada. Podemos brincar com tudo, menos com o respeito devido à pessoa humana” ( Prof. Fábio ).
As cartas são publicadas acompanhadas da seguinte Nota da Redação – “A Folha respeita a opinião de leitores que discordam da qualificação aplicada em editorial ao regime militar brasileiro e publica algumas dessas manifestações. Quanto aos professores Comparato e Benevides, figuras públicas que até hoje não expressaram repúdio a ditaduras de esquerda, como aquela ainda vigente em Cuba, sua ‘indignação’ é obviamente ‘cínica e mentirosa’.” Pronto. Como disseram vários comentaristas, a Folha mostrou a sua cara e acabou dando um tiro no pé. Choveram cartas para o ombudsman do jornal – que se limitou a escrever, quase clandestino, que a resposta pecara por falta de “cordialidade”. Um manifesto de repúdio ao jornal e de solidariedade, organizado pelo professor Caio Navarro de Toledo, da Unicamp – com a primeira adesão de Antonio Candido, Margarida Genevois e Goffredo da Silva Telles – passa imediatamente a circular na internet e, apesar do carnaval, conta com mais de 3 mil assinaturas. Neste, depoimentos veementes de acadêmicos, jornalistas ( inclusive nota do sindicato paulista ), artistas, estudantes, professores do ensino fundamental e médio, além de blogs. Vítimas da repressão escrevem relatos de suas experiências e até enviam fotos terríveis. A maioria lembra, também, o papel da empresa Folha da Manhã na colaboração com a famigerada Oban. O que explica essa inacreditável estupidez da Folha?
A meu ver, três pontos devem ser levantados:
1. A combativa atuação do advogado Comparato para impedir que os torturadores permaneçam “anistiados” (atenção: o caso será julgado em breve no STF!).
2. O insidioso revisionismo histórico, com certos acadêmicos, políticos e jornalistas, a quem não interessa a campanha pelo “Direito à Memória e à Verdade”.
3. A possível derrota eleitoral do esquema PSDB-DEM, em 2010. ( Um quarto ponto fica para “divã de analista”: os termos da nota – não assinada – revelam raiva e rancor, extrapolando a mais elementar ética jornalística.) Dessa experiência, para mim inédita, ficou uma reflexão dolorosa, provocada pela jornalista Elaine Tavares, do blog cearense Bodega Cultural, que reclama: “Sempre me causou espécie ver a intelectualidade de esquerda render-se ao feitiço da Folha, que insistia em dizer que era o ‘mais democrático’ ou que ‘pelo menos abria um espaço para a diferença’. Ora, o jornal dos Frias pode ser comparado à velha historinha do lobo que estudou na França e voltou querendo ser amigo das ovelhas. Tanto insistiu que elas foram visitá-lo. Então, já dentro da casa do lobo ele as comeu. Uma delas, moribunda, lamentou: ‘Mas você disse que tinha mudado’... E ele, sincero: ‘Eu mudei, mas não há como mudar os hábitos alimentares’. E assim é com a Folha (...). São os hábitos alimentares”.
O que fazer? Muito. Há a imprensa independente, como esta CartaCapital. Há a internet. Há todo um movimento pela democratização da informação e da comunicação. Há a luta – que sabemos constante – pela justiça, pela verdade, pela república, pela democracia. Onde quer que estejamos.
Maria Victoria Benevides é socióloga com especialização em Ciências Políticas e professora titular da Faculdade de Educação da USP
Publicado em Carta Capital, 27.02.09

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Templo da Renascer e Parque da Aclimação: tão próximos um do outro

Disse uma vez o Vinícius que eu sou meio adepto de teorias conspirativas ( ou será que foi alguém em casa que disse isso? Ou será que um monte de gente disse isso? O que estarão tramando contra mim?! Tenho que ficar atento... ).
Nem tanto, só que - Pôxa! - puta coincidência esses dois locais estarem tão próximos ( cerca de 5 quadras ) e tragédias que lhes ocorreram em tão pouco espaço de tempo. Tipo, sabe aqueles desenhos do Pica-Pau ( eu sempre acho exemplos nesse desenho ), que racha o gelo e o rachado vai perseguindo sei-lá-quem ( parece ter vontade própria ) e racha ao meio tudo o que estiver no caminho? Então? Vai que, sei lá, algumas construções de prédios afetando o solo da região causaram essas coisas. Sei lá, é só uma idéia que me ocorreu.
Dê uma olhada na localização dos dois locais no GOOGLE MAPS:
O templo da Renascer fica no número 1108 da Av. Lins de Vasconcelos. No mapa, não há indicação de sua localização, mas procure um ponto de ônibus próximo à rua Amarante. E faça a medição.

Antológica e sensacional capa da MAD: "Neste Carnaval aprenda com o Ronaldão a não se enganar com travecão"!!!

Detalhe inspirado: o rosto do Alfred E. Newman no distintivo do Corinthians. Como curiosidade, "MAD" significa "louco", que é como aparece no canto de guerra de certa torcida.

Em dois anos, PMDB desbanca DEMOs e toma o primeiro lugar no Campeonato Mundial da Corrupção. Talvez o Jarbas esteja certo, afinal...

Vai a seguir um post que data de Outubro de 2007.
O DEM (ex-PFL) é o partido campeão de cassações por corrupção nos últimos sete anos, segundo estudo feito pelo Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), que conta com o apoio de entidades de representação da sociedade civil e organizações sociais e religiosas.O estudo foi divulgado nesta quinta-feira (4) e contabiliza 623 cassações de mandatos políticos do ano 2000 até 9 de setembro de 2007, englobando quatro eleições, sendo todos os casos relativos a acusações de corrupção.
Nesse número, não estão incluídos políticos que perderam cargos em virtude de condenações criminais. Do total de 623 cassações registradas, quatro são de governadores e vice-governadores, seis são senadores e suplentes, oito deputados federais, 13 deputados, estaduais, 508 prefeitos e vice-prefeitos, além de 84 vereadores.
O ranking é liderado pelo Democratas, com 69 casos, ou 20,4% do total. Em segundo lugar aparece o PMDB, com 66 casos, ou 19,5%, enquanto o PSDB aparece em terceiro lugar, com 58 ocorrências, ou 17,1% dos casos. O PP aparece em quarto lugar, com 26 casos, ou 7,7% do total, seguido pelo PTB (24 casos, ou 7,1%) e PDT (23 ocorrências, ou 6,8%). O PT aparece em décimo lugar, com 10 casos, ou 2,9%.
Ao todo, 21 partidos compõem o ranking. Segundo dados da Justiça Eleitoral, citados pelo MCCE, outros 1,1 mil processos relativos às eleições de 2006 ainda estão em tramitação. Deste modo, informa o Movimento, todos eles podem eventualmente levar à abertura de processos de cassação. “Isso significa que os números dos atingidos nas últimas eleições ainda deverão aumentar consideravelmente”, avalia em documento divulgado à imprensa.
Reforma política
O juiz eleitoral Márlon Reis, presidente da Associação Brasileira de Magistrados, Procuradores e Promotores Eleitorais (Abramppe), e realizador da pesquisa, avaliou que a reforma política é uma oportunidade para conter a corrupção eleitoral. “O sistema eleitoral atual aumenta a corrupção. Se utiliza de estratégias oportunistas”, disse ele. Em sua avaliação, a fidelidade partidária é importante para coibir “práticas fisiologistas” (sem juízos de valor ou julgamentos morais).
Para o presidente da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Pedro Luiz Stringhini, a reforma política é indispensável.“Democracia se faz com instrumentos que possam eliminar vícios de uma política arcaica e clientelista. A fidelidade partidária é importante. O político não deve mudar de partido. As mudanças não têm sido feitas para o bem do partido ou da Nação”, disse ele. A CNBB é um dos principais atores do MCCE.
Metodologia da pesquisa
A pesquisa englobou casos de prática de captação ilícita de sufrágio, condutas vedadas aos agentes públicos e abuso de poder apurados por meio de representações, investigações judiciais eleitorais, recursos contra a diplomação e ações de impugnação de mandato eletivo.
Todas as hipóteses, segundo o MCCE, referem-se à utilização de bens ou vantagens de origem pública ou privada para “alterar a vontade dos eleitores ou fortalecer campanhas de forma ilícita”.
Na contagem foram incluídos automaticamente os vices de prefeitos e governadores e os suplentes dos senadores cassados. Segundo o MCCE, a cassação dos titulares desses mandatos alcança automaticamente os seus companheiros de chapa.
A pesquisa foi feita a partir dos dados processuais de cada caso, com base nas informações disponíveis nos sites dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Algumas informações, informou o MCCE, foram obtidas mediante consulta direta aos tribunais e zonas eleitorais ou notícias veiculadas na imprensa. Nestes casos, a informação foi checada com dados da Justiça Eleitoral.
Com informações do G1
O DEM (ex-PFL) é o partido campeão de cassações por corrupção nos últimos sete anos, segundo estudo feito pelo Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), que conta com o apoio de entidades de representação da sociedade civil e organizações sociais e religiosas.
A VEJA publicou… mas não disse nada!!!!
Não mostrou a LIDERANÇA ABSOLUTA DOS DEMAGOGOS…e do TERCEIRO LUGAR DOS TUCANOS!!!
E se fosse O PT em PRIMEIRO????
É por isso que os LEITORES DA VEJA (por incrivel que pareça, eles EXISTEM) vivem no ORKUT, NO NOBLAT, NO ESTADÃO e nos BLOGS SEM NOÇÃO vomitando que o PT é o partido MAIS CORRUPTO… Não LÊEM O QUE PRESTA!!!!
O estudo foi divulgado nesta quinta-feira (4) e contabiliza 623 cassações de mandatos políticos do ano 2000 até 9 de setembro de 2007, englobando quatro eleições, sendo todos os casos relativos a acusações de corrupção. Nesse número, não estão incluídos políticos que perderam cargos em virtude de condenações criminais.
Do total de 623 cassações registradas, quatro são de governadores e vice-governadores, seis são senadores e suplentes, oito deputados federais, 13 deputados, estaduais, 508 prefeitos e vice-prefeitos, além de 84 vereadores.
O ranking é liderado pelo Democratas, com 69 casos, ou 20,4% do total. Em segundo lugar aparece o PMDB, com 66 casos, ou 19,5%, enquanto o PSDB aparece em terceiro lugar, com 58 ocorrências, ou 17,1% dos casos. O PP aparece em quarto lugar, com 26 casos, ou 7,7% do total, seguido pelo PTB (24 casos, ou 7,1%) e PDT (23 ocorrências, ou 6,8%). O PT aparece em décimo lugar, com 10 casos, ou 2,9%.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

O incrível lago que sumiu

*** Dizem as más línguas que a água do lago do parque da Aclimação sumiu, devido a uma "gambiarra" ( e a Sabesp que não faz nada para impedir esses "gatos" ), pois as águas teriam reaparecido do outro lado [ pobre ] da cidade, na Avenida Aricanduva. Só que o feitiço virou contra os feiticeiros, e a água não pode ser controlada, causando aquelas enchentes que vimos na TV. Ou seja, não se pode culpar a Prefeitura no caso da Aricanduva. No mínimo se pode fazer como a própria Prefeitura faz: culpe a chuva. Essa desculpa é altamente válida e inquestionável. Contanto que você seja o Serra, o Kassab ou o Alckmin.
*** Quem acompanha o mundo do insólito não se surpreende com esse "desaparecimento" do lago da Aclimação: em abril do ano passado, um lago desapareceu no Chile ( " Lago desaparece e alerta cientistas no Chile ", Terra, 11.04.08 ).
*** Dizem ainda as más linguas que os administradores do parque não deram a devida atenção, quando a água começou a baixar. Testemunhas ouviram o seguinte diálogo:
- Seu ( ... )! Olha, o "gato" tá "engolindo" os peixes!
- Deixa, Orozimbo, tem bastante peixe lá...
- Mas seu ( ... ), não é melhor...
- Deixa, Orozimbo, a natureza é assim mesmo. É a chamada "cadeia alimentar".
- Tá bom, senhor.
E os administradores só se deram conta de que algo estava mesmo errado quando o Orozimbo retornou com a informação de que o "gato" estava, agora, engolindo as tartarugas do lago.
*** Será que quem administra o parque da Aclimação é o Consórcio Via Amarela?
*** Só para constar: no segundo turno da eleição para prefeito, vencido por Kassab, ele teve:
- 70% dos votos válidos em Vila Matilde;
- 60% dos votos " em Sapopemba;
- 68% dos votos " na Ponte Rasa;
- 56% dos votos " em Itaquera;
- 77% dos votos " na Penha;
- 76% dos votos " na Vila Formosa;
- 77% dos votos " no Tatuapé, todas essas zonas eleitorais localizadas na Zona Leste e, além disso, teve:
- 80% dos votos válidos em Pinheiros ( Z. O. );
- 77% " " em Perdizes ( Z. O. );
- 84% " " " no Jardim Paulista ( Z. S. - deve ser isso que chamam de "feudos eleitorais" );
- 82% " " na Saúde e Vila Mariana ( Z. S. ) ;
- 83% " " em Indianópolis ( Z. S. ) e , portanto, devem nadar, nadar e ficar quietos.
*** Subprefeituras e as verbas tesouradas:
Sub da Sé tem 44% da verba congelada ( assim apresenta o JT a informação que, aliás, no Estadão mereceu um quadrículo. Ocorre que, num gráfico - que não aparece aqui, e eu não tenho - algumas das mencionadas Subs da zona sul atingidos pela "serra" são bem pobres )
Maior parte do recurso é do Ação Centro, segundo governo. Zona sul lidera nos maiores ‘bloqueios’
Subprefeituras da zona sul estão entre as que mais tiveram verbas congeladas pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM). Das cinco com a maior contenção no orçamento de atividades (manutenção) e projetos (pequenas obras), três estão na região. O “bloqueio”, segundo a Prefeitura motivado pela crise mundial, atingiu, em média, 20% do orçamento das 31 subprefeituras, que totaliza R$ 1,1 bi. A Sé, apresentada como “cartão postal” da cidade nas campanhas de José Serra (PSDB), em 2005, e Kassab, é campeã do congelamento: 44%. A Prefeitura informa que as verbas devem ser liberadas até o final do ano.O secretário de Coordenação das Subprefeituras, Andrea Matarazzo, alega que o congelamento na zona sul atinge emendas de vereadores e, na Sé, o programa Ação Centro, parceria da administração com o Banco Interamericano de Desenvolvimento. Segundo a secretaria, o total congelado, em média de 15% dos recursos para atividades e 50% de projetos, representa pequena parcela (4,2%) do Orçamento da Prefeitura. E não inclui construção e reforma de Centros Educacionais Unificados (CEUs), Assistências Médico Ambulatoriais (AMAs) e corredores de ônibus, por exemplo. Os serviços de zeladoria da cidade, diz Matarazzo, não serão afetados.De acordo com a secretaria, tiveram 100% de congelamento emendas feitas por vereadores - R$ 2 milhões de cada um dos 55 que aprovaram o Orçamento de 2009, em dezembro do ano passado, mais R$ 2 milhões dos 16 parlamentares eleitos em outubro e que assumiram em 1º de janeiro. “Na zona sul, há muitas emendas de parlamentares, por isso o resultado”, afirmou Matarazzo. “Não há conotação eleitoral no fato, tanto que grandes investimentos, como urbanização de favelas, foram mantidos na região, além de projetos estratégicos, como intervenções em áreas de risco.”Também houve congelamento integral no orçamento de convênios com o governo, União e outras fontes externas. “Na Sé, o grosso do congelamento está no convênio com o BID do Ação Centro”, diz Matarazzo. Segundo ele, quando licitações de obras forem concluídas, a verba será descongelada. Na eleição, Kassab foi alvo de crítica pelo baixo investimento da verba do BID no Ação Centro. Em sabatina no Grupo Estado, em setembro, ele admitiu atrasos, mas culpou a gestão anterior, alegando que teve de “refazer projetos”. Vereadores ouvidos pelo JT alegaram não ter sido consultados sobre o congelamento. “Pode ser problema para o prefeito. Mas os vereadores devem esperar até abril ou maio antes de cobrar descongelamento de suas emendas”, afirmou aliado. Outro vereador afirma que, se o dinheiro demora a ser liberado, resta pouco tempo para fazer licitação de obra, o que faz com que o serviço seja “empurrado” para o ano seguinte.
NO GELO
R$ 5,5 biforam congelados por Kassab no Orçamento previsto para 2009. A verba representa 20% do total de R$ 27,5 bilhões previstos para o ano.Antes, a Câmara Municipal já havia cortado R$ 1,9 bilhão da previsão de receitas para 2009 (R$ 29,4 bilhões). “Não há conotação eleitoral, tanto que grandes investimentos como urbanização de favelas foram mantidos na região (zona sul).”Andrea Matarazzo Secretário de Subprefeituras

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

COISAS PARA SE FAZER EM "SWIMMING-PAUL" QUANDO VOCÊ ESTÁ ILHADO


Para evitar explicações e pormenores desnecessários, as sugestões abaixo são dadas, preferencialmente, a motoristas de automóveis. Claro, qualquer um pode fazer uso delas, mas o foco é no motorista.

OUÇA MÚSICA:
Um "charts" que preparei. Primeiro, já que estou sem tempo, apenas enumerar as músicas que foram selecionadas. Futuramente,vou dar um jeito botar uns links para algum arquivo, site ou sei-lá-o-quê, para que vocês possam ouvir as músicas.

Internacionais:
1 - Raindrops keep falling on my head
B. J. Thomas
2 - Rain
Beatles
3 - Aqualung
Jethro Tull
4 - It's raining again
Supertramp
5 - Smoke on the water
Deep Purple
6 - Aquarius
Hair
7 - Have you even seen the rain?
Creedence Clearwater Revival
8- Dirty Water
The Standells
9- Yellow Submarine
Beatles
10- Purple Rain
Prince
11 - Who' ll stop the rain?
Creedence Clearwater Revival


Nacionais:
1 - Chove Chuva
Jorge Ben
2 - Planeta Água
Guilherme Arantes
3 - Chuva de Prata
Gal Costa
4 - Asa Branca
Luís Gonzaga
5 - Medo da Chuva
Raul Seixas
6 - Alagados
Paralamas do Sucesso
7 - Deixa Chover
Guilherme Arantes
8 - Águas de Março
Tom Jobim

RESOLVER CHARADAS:

1 - "O que é o que é: cai em pé e corre deitado?"

2 - "O que é o que é : entra na água e não se molha?"

LER UM BOM LIVRO:

1 - 20.000 Léguas Submarinas
Júlio Verne

2 - Moby Dick
Herman Melville

BRINCADEIRINHAS E PASSATEMPOS:

1 - Batalha Naval

ASSISTA A DESENHOS ANIMADOS:
Se você for um daqueles fanáticos por traquitanas eletrônicas, dessas que baixam vídeos, músicas, conectam a Internet etc ( que servem para tudo, exceto para te acudir numa hora dessas ), então baixe uns desenhos. Se você estiver com crianças no carro, redobramos a sugestão:

1 - Popeye

2 - Procurando Nemo

3 - Bob Esponja

4 - Os Impossíveis ( aquele, que tem o "Homem-Fluido" )

LEIA A BÍBLIA:
A leitura deste livro sagrado pode te dar um alívio nessas horas. Recomendamos as seguintes passagens:

1 - A construção da Arca de Noé

2 - Moisés abre o Mar Vermelho

3 - Jesus caminha sobre as águas

LER GIBI:
Namor, o Príncipe Submarino


Aquaman

Se nada disso der certo, e você estiver completamente cansado, exaurido e desesperado, então é hora de partir pro radical: pegue, no porta-luvas, aquele boneco do Kassabinho que você guarda desde as eleições. Se você tem algum contigo, é sinal de que você votou nele. Pegue o boneco e dê um forte e pesado...ABRAÇO!!! Oras, não é porque você está sendo pego quase que diariamente em enchentes e congestionamentos que você iria se arrepender de ter votado nele. Eleitores como você, de idéias fortes e coerentes, não as mudam por qualquer coisinha. Reafirme suas crenças, pois mudar é fácil, o problema é sustentar o que se faz e ir até o fim.
E lembre-se: NA ÉPOCA DA "MARTAXA" ERA PIOR, NÃO ERA?!?

.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Financiamento da CAIXA para a compra de imóveis no Estado de São Paulo cresceu 220% em 1 ano!!

CAIXA COMEMORA RECORDE DE CONTRATAÇÕES EM JANEIRO
Em São Paulo, a quantidade de unidades financiadas cresceu 220%
A Caixa Econômica Federal bateu novo recorde em financiamento habitacional. Até 31 de janeiro foram asssinados 45.975 contratos no valor de R$ 1,91 bilhão, que representa um crescimento de 155% em relação ao mesmo período de 2008.
Até o fim do ano, a Caixa estima aplicar em torno de R$ 27 bilhões. Historicamente, este é o melhor janeiro da instituição em volume de contratação do crédito imobiliário.
No estado de São Paulo foram financiados 12.979 imóveis - 28,23% do total nacional - no valor de R$ 569,70 milhões. Esse número representa um crescimento de 220% na quantidade de unidades e de 185,56% no valor contratado em relação a janeiro de 2008, quando a Caixa financiou 4.046 imóveis no estado no montante de R$ 199,5 milhões.
A média diária de contratação nacional está em 2.189 contratos, o que corresponde a cerca de R$ 90 milhões. Em igual período de 2008 a média diária foi de 738 contratos e R$ 34 milhões e, portanto, registra um crescimento de cerca de 196% no número de contratos e de 165% nos valores contratados.
Na linha de financiamento que utiliza recursos do FGTS, a Caixa aplicou até agora R$ 790 milhões, representando um crescimento de 121% em relação ao mesmo período de 2008. Em São Paulo, foram aplicados R$ 259,4 milhões dessa linha para a aquisição/construção de 4.863 imóveis. Em janeiro de 2008, foram financiadas 2.473 moradias no valor de R$ 117,4 milhões no Estado.
Auxílio para financiar
Apesar de não ser oficial, o Banco do Brasil deverá entrar no mercado de financiamento habitacional para a baixa renda com o objetivo de contribuir com a meta do presidente Lula de financiar um milhão de casas até 2010 e auxiliar a Caixa na viabilização do projeto.
( Diário de São Paulo, A5, 22.02.09 )
SE QUISER LER MAIS:

Banco Central dos EUA não descarta recuperação econômica ainda neste ano

FED não descarta recuperação da economia em 2009
O cenário não é dos mais favoráveis, mas o presidente do Federal Reserve ( banco central americano ), Ben Bernanke, não descarta a recuperação da maior economia do planeta ainda em 2009. Para tanto, segundo Bernanke, governo e Congresso dos Estados Unidos devem conseguir restaurar a estabilidade do sistema financeiro daquele país.
“Somente neste caso, na minha opinião, seria razoável prever o fim da atual recessão em 2009, e 2010 seria um ano de recuperação”, afirmou Bernanke, ao fazer uma explanação ao Senado norte-americano sobre a política econômica do país. Contudo, ele admitiu que a tendência para o primeiro quadrimestre de 2009 é de aguda retração na atividade econômica.
O presidente do FED também ressaltou que a total recuperação da economia do planeta só deve ocorrer em dois ou três anos. O próximo ano, segundo Bernanke, será um pouco melhor do que 2009, com “tendência de crescimento real do PIB entre 2,5% e 3,3%”.
Ben Bernanke explicou que o panorama global ainda é incerto e defendeu estímulos fiscais e “uma forte ação do governo para estabilizar as instituições financeiras e os mercados financeiros”.
CONGRESSO EM FOCO, 24.02.09

Brasil seguirá realizando concursos públicos com regularidade.

O que você lerá, são alguns editoriais publicados no jornal exclusivamente voltado aos concursos públicos, a FOLHA DIRIGIDA, além de pequenos artigos diversos, ainda relativos ao tema. São, na maioria, textos de opinião, que poderiam circular através das páginas de qualquer jornal ou revista mas que, no depender da ojeriza que o imprensalão alimenta pelo funcionalismo público, só seriam lidos pelas pessoas que adquirem o jornal que as publica, semanalmente. Seria uma pena, já que trazem informações úteis, que não são de interesse apenas dos concursandos. Um exemplo é a convocação, promovida pela PF, de candidatos já aprovados, para cursos de formação, o que somará ao efetivo daquela polícia mais de 300 delegados e peritos. Agora, pense na Policia Federal dispondo desse reforço e lembre das operações que ela promoveu nos ultimos anos. É isso que eu quero dizer, é tornar prático para a gente o significado destes eventos, mesmo que nos pareçam alheios e distantes [ aliás, por isso mesmo ].
POLÍTICA INABALÁVEL
POUCOS DIAS depois de o presidente Lula garantir à Folha Dirigida a manutenção da política de concursos regulares [ OBS: Ver "Caneta responsável" ] , "com responsabilidade", os fatos se encarregaram de demonstrar que não se tratava de mera retórica. Não só foram anunciadas inscrições para a Infraero, Ministério do Meio Ambiente, Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes [ Dnit ] e IBGE-Rio Claro ( SP ), como saíram autorizações para 2 mil vagas no Ministério da Fazenda, 145 no Ministério do Planejamento e na Fundação Escola Nacional de Administração Pública ( Enap ) e 20 no Banco Central.
Além disso, classificados em concursos continuam sendo nomeados e convocados para o curso de formação profissional. Ou seja, a disposição do governo federal de profissionalizar o serviço público, de preencher claros gerados ao longo de anos de descaso e de ampliar quadros de pessoal conforme as novas necessidades não foi contaminada pela crise internacional. A tsunami financeira, aliás, torna a administração pública ainda mais atraente, devido à estabilidade, à boa remuneração e à perspectiva de crescimento na carreira, na maioria dos casos.
Essa firmeza governamental voltou a ser reiterada pelo ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, e dá garantia aos milhares de brasileiros em preparação para conquistar o seu espaço democraticamente de que o esforço não será em vão. E a sociedade só tem a ganhar com esse interesse e com essa política, pois terá um serviço público mais eficiente.
Novos concursos federais, inclusive de grande porte, estão prestes a serem convocados, com responsabilidade, como diz o chefe da Nação. Até porque, em alguns casos trata-se substituição de terceirizados, portanto, sem aumento de custo.
EDITORIAL, edição 1192, 23.02 a 01.03.09
EXCESSO DE TEMPORÁRIOS
MAIS UMA justificativa de peso para a regularidade dos concursos, apesar da crise global: desde 2003, quando tomou posse o presidente Lula, o governo federal contratou mais de 82 mil temporários. Só no ano passado, até outubro, foram admitidos 17.530 desses trabalhadores, segundo o Ministério do Planejamento.
A Constituição permite esses contratos somente em situações emergenciais, o que nem sempre é respeitado, como no caso dos professores substitutos, área em que a necessidade das universidades é permanente. A "vantagem" para a União é que esses docentes ganham muito menos que os efetivos, concursados.
Agora mesmo, o Dnit promove concurso para 200 temporários. Há urgência, devido às obras do PAC, mas , seria isso uma emergência?
Os terceirizados em atividades-fim vem sendo substituídos gradativamente por concursados mas, e os temporários?
ÓTIMO PROJETO
O PRESIDENTE Lula inaugurou dia 17 o campus de Planaltina do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília, o primeiro dos 100 a serem entregues este ano, em todo o país, rendendo concursos pára muitas vagas. Só professores, a nova unidade já emprega 30, número que deve dobrar até 2010. E ainda há o pessoal de apoio. Com esse projeto, cresce também a empregabilidade dos alunos.
BENITO ALEMPARTE, Coluna Ponto de Encontro, edição 1192
CANETA RESPONSÁVEL
NEM ERA NECESSÁRIO, pois os fatos recentes são suficientes para demonstrar a política do governo a respeito, mas o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, consultado pela Folha Dirigida disse, com a franqueza que lhe é tradicional, que "com responsabilidade, os concursos continuarão sendo realizados", apesar da crise financeira tradicional.
Essa posição, reafirmada pela maior autoridade do país, o dono da caneta, é muito boa para a sociedade, pois significa que, sem comprometer as finanças, o serviço público continuará sendo profissionalizado, com pessoas altamente quallificadas, e ganhará maior eficiência. Além disso, a notícia é particularmente importante para os milahres de brasileiros que tiveram seus postos de trabalho ceifados pela crise globalizada.
O mito de que o Brasil tem excesso de funcionários públicos foi recentemente desmontado por três pesquisadores do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada ( Ipea ). Eles apontam, por exemplo que, segundo dados do IBGE e do Ministério do Trabalho, apenas 12% das pessoas ocupadas estão no setro público, enquanto na Europa Ocidental o índice é de pelo menos 25%. Mesmo na América Latina, há países proporcionalmente com mais servidores que no Brasil.
Um país que pretende oferecer e precisa universalizar serviços públicos essenciais com qualidade, principalmente na saúde, educação, Justiça e segurança, não pode prescindir de efetivo de pessoal compatível, crescendo na mesma proporção da população.
Quase 65 mil vagas estão previstas para este ano, somente no âmbito federal, com priorade para os setores essenciais e o Programa de Aceleração do Crescimento. Até a administração indireta prosseguirá com os concursos, por serem inevitáveis. É o caso da Petrobrás, que reafirmou a promessa de seleções periódicas, da Cobra e da Infraero, entre muitas outras.
REFORÇO FAZENDÁRIO
QUEM JÁ precisou recorrer aos serviços do Ministério da Fazenda, principalmente os relacionados ao Imposto de Renda, a cargo da Receita Federal, conhece muito bem os problemas gerados pela carência de pessoal na pasta. Por essa razão é auspiciosa a notícia de que, finalmente, haverá concurso para 2 mil assistentes técnicos administrativos.
A autorização, já dada informalmente, deve transformar-se em portaria do Ministério do Planejamento em março, para publicação do edital ainda neste semestre, como relatou a este jornal o subsecretário de Gestão Corporativa da Receita, Odilon Neves Júnior.
Trata-se de concurso há muito tempo esperado pelos dirigentes e pelo sobrecarregado quadro de pessoal do Ministério da Fazenda, assim como pelo enorme contingente de candidatos de nível médio em busca de estabilidade, vencimentos iniciais razoáveis, de R$ 2.590, e possibilidade de crescimento profissional, via plano de cargos e carreiras.
Esse concurso não surge da noite para o dia: ele vem sendo reivindicado e amadurecido há muito tempo. Em julho de 2007, a Receita já reconhecia o caos no atendimento ao contribuinte, e agora está na situação limite. É concurso ou concurso.
Outra seleção da Fazenda aguarda informação, para a área fiscal, onde os desfalques vão se avolumar, dada a perspectiva de grande número de aposentadorias. É igualmente inevitável, a curto ou médio prazo, com crise ou sem crise. Aliás, em situações de crise, como a atual, é indispensável reforçar a área tributária.
EDITORIAL, edição 1191, 16 a 22.02.09
ENTRE AMIGOS
O SENADO, que evita fazer concursos ( ano passado promoveu o único em uma década ), tem um déficit reconhecido de 1.100 servidores de carreira, vagas que são preenchidas por requisitados, comissionados não-concursados e terceirizados - uma autêntica caixa-preta.
Dos 6.800 trabalhadores da Casa, apenas 2.600 são do quadro efetivo, selecionados pelo mérito.
A MIL POR HORA
PARABÉNS à Polícia Federal pela agilidade: apenas um dia depois da autorização do Ministério do Planejamento, já convocou para o curso de formação profissional 385 candidatos a delegado e perito, 28 deles sub judice, aprovados nos concursos de 2001 e 2004.
Valeu a pena investir no sonho e esperar com fé. No caso da PF, é uma demonstração de que segurança pública é prioridade, como salientam o presidente Lula e o ministro da Justiça Tarso Genro.
MAIS DIFÍCIL
ORGANIZADORES de concursos atestam: a disputa pelos empregos públicos cresceu 20% em média [ OBS: em qual período? No último ano? Semestre ? Tsk.] , em conseqüência da crise econômica mundial. Mais uma razão para intensificar os estudos.
BENITO ALEMPARTE, Coluna Ponto de Encontro, edição 1191

Hamas: Fatah Spied for Israel ( em inglês )

Palestinian officials obstruct dialogue - Zahar
By Yusri Mohamed
February 24, 2009
ISMAILIA, Egypt (Reuters) - Leading Hamas member Mahmoud Zahar said on Tuesday some Palestinian officials, backed by the United States, were obstructing the dialogue due to open between Palestinian groups in Cairo on Wednesday.
"There are people who want this dialogue not to take place because they will lose their positions and their privileges," he told Reuters in an interview in the Egyptian town of Ismailia, where he was visiting his wife's Egyptian relatives.
Zahar repeated Hamas complaints that the Fatah movement, which dominates the Palestinian Authority, has detained dozens of Hamas members in the West Bank in the past week. "These matters ( the arrests) do not serve dialogue," he added.
The arrests have added to the tension between the two largest Palestinian groups during preparations for the dialogue.
Zahar, who was Palestinian foreign minister in the government Hamas formed after winning elections in 2006, said U.S. intervention was behind the tension. "There are U.S. (intelligence) agencies working in the West Bank," he added.
He also rejected Fatah complaints about arrests by Hamas in Gaza, where the Islamist movement is in control.
"We have published pictures of what they call political detainees in Gaza. These are people who have confessed that they provided the enemy (Israel) with information about where fighters were stationed and the tunnels (to Egypt) and the type of weaponry," he said.
Zahar said Hamas had asked the Egyptian government to let it import 1,000 containers into Gaza for use as temporary housing for Palestinians displaced during Israel's three-week assault on the coastal strip, which ended in mid-January.
A group of Hamas engineers arrived in Cairo on Monday to study the purchase of the 1,000 containers.
Hamas has also asked Egypt to press Israel to let wood, glass, aluminium, steel and electrical supplies into Gaza to rebuild what was destroyed in the offensive, he said.
Israel has restricted supplies of building materials to Gaza, saying some of them might help Hamas rearm and earn the movement credit with Palestinians living in Gaza.
Zahar declined to give any commitment that Hamas would cooperate with U.S. and Israeli attempts to stop the movement receiving money and weapons from abroad.
"It's our right to bring in everything -- money and arms. We will not give anyone any commitment on this subject," he said.

O que será que os anunciantes da Folha pensam, a respeito na adoção, pelo jornal, do Manual de Redação Jornalística em Novilíngua?

Ficaria bem continuar vinculando a marca de sua empresa a um jornal que se decidiu por um "revisionismo" esquisito? E que condiciona a admissão de ter havido, realmente, uma ditadura no Brasil ( com as consequencias naturais da adoção desse termo ) a uma admissão, por quem quer que seja, de que o governo que comanda Cuba, desde 1959, também é ditatorial?
Veja bem, meu amigo: imagine que esse quiproquó não lhe interesse e que, devido ao retorno publicitário que o jornal lhe garante, você e sua empresa continuarão anunciando neste jornal.
E se, de repente, alguns leitores que não gostaram do neologismo cunhado pelo jornal ( e, principalmente, da [ grosseira ] nota da redação em resposta à queixa de dois proeminentes cidadãos, revoltados pela nova abordagem que o jornal exibe em relação aos "Anos de Chumbo" ) decidam boicotar os produtos das empresas que anunciam no jornal ?
Não seria nada bom, né? Lembra quando aquele presidente da Phillips afirmou que o Piauí não fazia falta? Constrangedor, não? Muitas vozes se alevantaram contra a pilhéria.
A sua assessoria de imprensa deveria chamar a direção da empresa jornalística às falas, não acha? Seus negócios podem vir a se arruinar por causa de uns celerados jornalistas, e você não quer ser mais um número a alimentar as estatísticas da "crise", não é?

"Liquidez" vem do deserto: Árabes querem comprar máquinas do Brasil; e bancos oferecem financiamento aos exportadores brasileiros!

Grupo dos Emirados busca maquinário do Brasil
Câmara de Comércio Brasil-Árabe, 24.02.09
A Al Ghurair Foods, do grupo Al Ghurair Investments, quer dobrar sua capacidade de produção de ovos e vai enviar representantes ao Brasil em abril para comprar máquinas.
Dubai – A empresa do setor alimentício Al Ghurair Foods, do grupo de Dubai Al Ghurair Investments, está de olho nos maquinários do Brasil. Para conseguir ampliar sua capacidade de produção de ovos, de 500 mil para 1,5 milhão por dia, o gerente de negócios da companhia, Firas Rabah, irá visitar a feira brasileira AveSui, de soluções e informações para a indústria de aves e suínos, que será realizada em abril, em São Paulo.
“Já importamos milho, soja e trigo do Brasil. Agora queremos conhecer os maquinários e equipamentos”, afirmou Rabah, que está com um estande na Gulfood no hall 4, mesmo local onde estão os pavilhões brasileiros na feira de Dubai. De acordo com o gerente, seu principal interesse é nas gaiolas para guardar as aves e nas máquinas para separar e embalar os ovos.
Atualmente, o maquinário das sete fábricas de alimentos da Ghurair Foods é importado da Holanda e da Bélgica. Além dos ovos, a empresa produz macarrão instantâneo, óleo de soja, farinha de trigo, ração animal, entre outros. A matéria-prima é importada de diversos países, como Argentina, Estados Unidos, Canadá e Brasil.
Com mais de 100 anos no mercado, o grupo está presente em mais de 50 países e emprega cerca de 20 mil funcionários. Com um giro de caixa anual de mais de US$ 1 bilhão, o grupo atua em diversas áreas como banco, seguro, embarques marítimos, elétrico-mecânica, educação, trading, construção, cimento, alumínio, energia, mármore, entre outros.
Mais negócios na feira
No segundo dia da Gulfood, mais empresas brasileiras fecharam negócios. A Docile, fabricante de doces, fechou a venda de um contêiner de 25 toneladas de balas, pastilhas, chicletes e refrescos em pó para um distribuidor da Síria. “Essa vai ser a nossa primeira exportação para Síria”, afirmou o diretor comercial da empresa, Alexandre Heineck.
Segundo ele, a empresa já exportou para Marrocos, Argélia, Egito, Palestina, Jordânia, Líbano e Iraque, entre os países árabes. Cerca de 20% do faturamento da companhia, com sede no Rio Grande do Sul, vem das exportações. Nos dois primeiros dias de feira, a Docile já fez mais de 60 contatos. O principal objetivo no evento é conseguir um distribuidor no mercado árabe.
Outra empresa que fechou pedidos nesta terça-feira (24) foi a Serlac, trading da Itambé, fabricante de leite. Segundo o gerente comercial da trading, André Campos, foram fechados três pedidos para o Iêmen, Líbia e Sudão. Os três juntos somam 15 contêineres de leite em pó e evaporado. “Estamos esperando mais clientes, que com certeza devem fechar novos pedidos”, disse Campos.
Os ovos do Aviário Santo Antonio também fizeram sucesso na feira. A empresa fechou a exportação de um contêiner com 1.248 caixas para o Iêmen. De acordo com o diretor financeiro, Aulus Assumpção, a empresa já tem três clientes no país árabe, mas esse foi um novo contato. “Ele tem interesse de importar um contêiner por semana”, afirmou o diretor. Para ele, a parceria da Câmara de Comércio Árabe Brasileira com o Ministério da Agricultura para organização do estande foi muito boa para o aviário.
Além dessas empresas, estão no estande da Câmara Árabe mais nove empresas. A feira que começou segunda-feira em Dubai segue até quinta-feira (26).
Marina Sarruf/ANBA
.
Oportunidades de negócios
Banco árabe quer financiar exportador brasileiro
20.02.09
A Arab Bank, um dos maiores da região, oferece crédito para operações de comércio exterior entre Brasil, Oriente Médio e Norte da África. Executivo diz que a instituição tem liquidez mesmo na crise.
São Paulo – O Arab Bank, sediado em Amã, na Jordânia, e com filiais em 30 países, quer oferecer financiamentos para o comércio entre o Brasil e o mundo árabe. Executivos do Europe Arab Bank (EAB), braço europeu da instituição, com sede em Londres, estiveram em São Paulo esta semana para divulgar esse interesse e fizeram uma visita à Câmara de Comércio Árabe Brasileira.“Temos interesse em encorajar o comércio do Brasil com os países árabes, ajudar a complementar as trocas por toda a cadeia de fornecimento”, disse à ANBA o chefe do departamento de commodities e financiamento de comércio exterior do EAB, Rowan Austin, que esteve na Câmara acompanhado do diretor de financiamento de operações estruturadas de comércio, Stephen Kemp, e do consultor Robert Paterson, da Lafco International, de São Paulo.
De acordo com Austin, o banco não tem estrutura física no Brasil, mas atua em parceria com instituições que podem oferecer acesso às suas linhas de crédito. Ele acrescentou que os empresários brasileiros podem se utilizar do know-how que o Arab Bank tem sobre o Oriente Médio e o Norte da África, e as companhias árabes podem usar a expertise de seus parceiros no mercado brasileiro.
Austin disse também que, apesar da crise internacional, o banco, um dos maiores do mundo árabe, tem liquidez e está disposto a emprestar. Ele ressaltou, no entanto, que a instituição atua de forma conservadora e tem como política a mitigação de riscos nos negócios realizados para seus clientes.
O executivo informou que a prospecção do mercado brasileiro está sendo realizada pela filial européia pelo fato de Londres ser um dos principais centros financeiros e de comércio do mundo. Austin acrescentou que a empresa busca fazer contatos com câmaras de comércio para divulgar seus serviços aos operadores de comércio exterior.
Performance
No ano passado, segundo informações divulgadas este mês pelo grupo, o Arab Bank teve um lucro líquido de US$ 840 milhões, um crescimento de 8,4% sobre 2007. O lucro antes dos impostos ficou em mais de US$ 1 bilhão, um aumento de 10%.
O volume de depósitos na instituição chegou a US$ 31,4 bilhões no final de 2008, um crescimento de 27%. O valor equivale a 69% dos ativos do grupo, que terminaram o ano em US$ 45,6 bilhões, um acréscimo de 19%. A carteira de crédito ficou em US$ 22,5 bilhões e o retorno sobre o patrimônio líquido (rentabilidade) em 11,2%.
Austin acrescentou que os principais negócios do banco são os financiamentos para projetos de infraestrutura no mundo árabe e para o comércio da região. O grupo tem 78 anos e, além do Oriente Médio, África e Europa, está presente na Ásia, Oceania e América do Norte.
Mais informações
Robert Paterson
Lafco InternationalTel: +55 11 3818-0969
Rowan Austin
Europe Arab Bank
Tel: +44 20 7315-8500
Sites: www.eabplc.com e www.arabbank.com
Alexandre Rocha/ANBA

EUA: 2000 crianças condenadas à prisão, por juízes que recebiam suborno de empresas construtoras e proprietárias de CADEIAS privadas!! ( Em espanhol )

Encarcelar a los niños por dinero
Escuche
DEMOCRACY NOW! Em Espanhol, 18.02.09
Por Amy Goodman
Casi 5.000 niños en Pensilvania fueron hallados culpables, y 2.000 de ellos fueron encarcelados por dos jueces corruptos que recibieron sobornos de empresas constructoras y propietarias de cárceles privadas que se beneficiaron de los encarcelamientos. Ambos jueces se declararon culpables, en un sorprendente caso de avaricia y corrupción que apenas comienza a revelarse. Los jueces Mark A. Ciavarella Jr. y Michael T. Conahan recibieron 2,6 millones de dólares en sobornos por enviar a prisión a niños que, en la mayoría de los casos, no tenían acceso a un abogado. El caso ofrece una mirada extraordinaria a la vergonzosa industria de las cárceles privadas que está floreciendo en Estados Unidos.
Vean por ejemplo la historia de Jamie Quinn. Cuando tenía 14 años de edad, estuvo presa durante casi un año. Jamie, que ahora tiene 18, describió el incidente que causó su encarcelamiento:
“Me puse a discutir con una de mis amigas. Y todo lo que sucedió fue una simple pelea. Ella me dio una bofetada y yo se la devolví. No hubo marcas, ni testigos, nada. Fue solo su palabra contra la mía.”
Jamie fue llevada a una de las dos cárceles polémicas, PA Child Care y luego la pasearon por otros centros carcelarios. Estar en prisión durante 11 meses tuvo un impacto devastador en ella. Me dijo: “La gente me miraba diferente cuando salí, pensaban que era una mala persona, porque había estado en prisión por tanto tiempo. Mi familia comenzó a separarse … porque estaba fuera de casa y me encerraron, y estaba, pensé, ya sabes, que estaba siendo castigada por lo que había hecho, y creo que no debería haber sido así. Aún tengo dificultades en el colegio, porque el sistema escolar en este tipo de centros de detención es espantoso”.
Comenzó a hacerse cortes, y dijo que era resultado de la medicación que le obligaban a tomar: “Nunca estuve deprimida, nunca antes me habían dado medicación. Fui allí, y comenzaron a darme medicación y ni siquiera sabía lo que era. Dijeron que si no la tomaba, no estaba siguiendo mi programa”. Fue hospitalizada tres veces.
Jamie Quinn es tan solo una de miles de niños y niñas que fueron encerrados por los dos jueces corruptos. El Centro de Derecho de Menores (Juvenile Law Center) con sede en Filadelfia, se involucró en el caso cuando Hillary Transue fue enviada a prisión por tres meses por crear un sitio web que parodiaba al subdirector de su escuela. Hillary claramente indicó que la página era una broma. Aparentemente, el subdirector no lo halló divertido y Hillary tuvo que enfrentarse al juez Ciavarella, conocido por su severidad.
Como me dijo Bob Schwartz, del Centro de Derecho de Menores: “Hillary, sin saberlo, había firmado un documento, y su madre había firmado un documento, renunciando a su derecho a un abogado. Esto provocó que la audiencia de 90 segundos que tuvo ante el juez Ciavarella fuera una farsa”. El Centro de Derecho de Menores (JLC, por sus siglas en inglés), descubrió que en la mitad de los casos de menores en el Condado de Luzerne, los acusados habían renunciado a su derecho a un abogado. El Juez Ciavarella desconoció, en reiteradas ocasiones, las recomendaciones de indulgencia tanto de los fiscales como de los oficiales de libertad condicional. La Corte Suprema de Pensilvania oyó el caso de JLC y el FBI comenzó una investigación, que terminó la semana pasada con la firma de ambos jueces, de acuerdos para declararse culpables de evasión fiscal y fraude electrónico.
Está previsto que cumplan una condena de siete años en una cárcel federal. Se presentaron dos demandas colectivas independientes en representación de los niños y niñas encarcelados.
El escándalo involucra a tan solo un condado de Estados Unidos y a una cárcel privada relativamente pequeña. Según The Sentencing Project, “Estados Unidos es el líder mundial en encarcelamientos, actualemente hay 2,1 millones de personas en las prisiones o cárceles del país, lo que representa un aumento del 500% en los últimos treinta años”. El Wall Street Journal informa que “las empresas que gestionan cárceles privadas se están preparando para una ola de nuevos negocios, ya que la recesión económica dificulta cada vez más que los funcionarios del gobierno, tanto a nivel federal como estatal, construyan y administren sus propias cárceles”. Las empresas que gestionan cárceles con fines de lucro como Corrections Corporation of America y GEO Group (anteriormente conocida como Wackenhut) están posicionadas para obtener más ganancias. Aún no está claro qué impacto tendrá la ley de estímulo que se acaba de aprobar en la industria de las cárceles privadas (por ejemplo, la ley dispone 800 millones de dólares para la construcción de cárceles, pero recortó millones de dólares para la construcción de escuelas).
El Congreso aún está evaluando proyectos de ley para mejorar las políticas de la justicia de menores. La legislación propuesta, según la Unión Estadounidense por las Libertades Civiles, está “construida en base a pruebas claras de que los programas comunitarios pueden ser mucho más exitosos en la prevención de la delincuencia juvenil que las ya desacreditadas políticas de encarcelamiento excesivo”.
Nuestros niños necesitan educación y oportunidades, no encarcelamiento. Dejemos que los niños del Condado de Luzerne, que fueron encarcelados por jueces corruptos para obtener ganancias, nos den una lección. Como dijo la joven Jamie Quinn sobre [el juez corrupto y] los 11 meses que estuvo en prisión, “Me hace cuestionar realmente otras figuras del poder y a la gente a quien supuestamente deberíamos admirar y en quienes deberíamos confiar”.
_____
Denis Moynihan colaboró en la producción periodística de esta columna.
Amy Goodman es presentadora de “Democracy Now!”, un noticiero internacional diario de una hora de duración que se emite en más de 550 emisoras de radio y televisión en inglés y en 200 emisoras en español. En 2008 fue distinguida con el “Right Livelihood Award”, también conocido como el “Premio Nobel Alternativo”, otorgado en el Parlamento Sueco en diciembre.
© 2009 Amy Goodman
Texto en inglés traducido por Mercedes Camps y Democracy Now! en español, spanish@democracynow.org

ESPOSA DE ARNALDO JABOR PRESTA ASSESSORIA A JOSÉ SERRA!!!

Karen Kupfer, da revista de fofocas Quem, da Rede Globo, publicou há poucos dias uma notinha reveladora sobre a relação promíscua entre jornalistas e políticos: “Para comemorar o sucesso do programa Saia Justa, Suzana Villas Boas abriu sua casa no Alto de Pinheiros para uma festança daquelas. A turma de convidados, que também era recebida por Arnaldo Jabor, marido de Suzana, reuniu políticos, artistas e jornalistas. O candidato José Serra, para quem Suzana presta assessoria, foi prestigiá-la. Ficou um pouco e trocou idéias com alguns jornalistas”. Luís Frias, presidente do Grupo Folha [ Nota do BFI: daquele jornal que não ousa dizer "ditadura" ] , também participou da festança, “que ferveu na pista até o sol raiar”.
No mesmo período, a colunista Hildegard Angel escreveu no Jornal do Brasil outra nota curiosa: “Elmar Moreira, irmão de Edmar Moreira [o deputado dos demos que ficou famoso pelo castelo construído no interior mineiro], é casado com Ana Leitão, irmã de Miriam Leitão” – a jornalista da TV Globo famosa por seus palpites furados sobre economia, pela adoração ao deus-mercado e pela oposição doentia ao governo Lula. O interessante neste caso é que a colunista global, metida a sabe-tudo, nunca descreveu aos seus telespectadores os detalhes do luxuoso castelo demo.
Artista global com Kassab
Para encerrar a série sobre as relações indecentes entre jornalistas e políticos da direita, a sempre atenta Mônica Bergamo, uma das raras exceções do jornal Folha de S.Paulo, revelou no início de fevereiro: “O marido de Ana Maria Braga [estrela da TV Globo e do finado movimento golpista ‘Cansei’] é o mais novo colaborador da administração Gilberto Kassab (DEM-SP). Candidato derrotado à Câmara Municipal, Marcelo Frisoni vai assumir um cargo de ‘coordenação’ na Secretaria de Modernização, Gestão e Desburocratização” da prefeitura paulistana.
Dias antes, Bergamo foi ameaçada pelo marido brigão da artista global, que o irônico José Simão batizou de “Ana Ameba Brega”. Frisoni se irritou com a pergunta sobre o pagamento da pensão alimentícia para os dois filhos do seu casamento anterior: “Publica o que quiser. No dia seguinte, vou à redação dessa bosta de jornal e encho essa Mônica Bergamo de porrada na frente de todo mundo... A única pessoa que tentou ferrar comigo foi o Madrulha [ex-marido da apresentadora da TV Globo] e eu acabei com ele. Hoje ele é secretário de cachorro e não consegue mais nada”.
Cadê o “tribunal macartista” de Mainardi?
Deixando de lado as baixarias dos “famosos”, o que chama a atenção nestas notinhas é a relação obscena entre figurões da TV Globo e políticos da direita demo-tucana do país. Outra estrela da poderosa emissora, o filhinho de papai Diogo Mainardi, criou no início do mandato de Lula o seu “tribunal macartista mainardiano”, no qual promoveu abjeta cruzada contra alguns profissionais da imprensa. “A minha maior diversão é tentar adivinhar a que corrente do lulismo pertence cada jornalista”, explicou o troglodita na sua coluna de estréia na revista Veja, em dezembro de 2005.
Aos poucos, Mainardi dedurou alguns colunistas mais independentes. “Tereza Cruvinel é lulista. Dessas que fazem campanha de rua. Paulo Henrique Amorim pertence à outra raça de lulistas. É da raça dos aloprados, dos lulistas bolivarianos. Acha que a primeira tarefa do lulismo é quebrar a Globo e a Veja”, atacou. O caso mais famoso desta cruzada fascista foi o do jornalista Franklin Martins, acusado levianamente de possuir uma “cota de nomeações pessoais no serviço público”. Após longo bate-boca, a TV Globo preferiu apoiar o delator direitista e demitiu Franklin Martins.
Perguntar não ofende: será que Mainardi, “difamador travestido de jornalista”, fará barulho agora contra seus amiguinhos da TV Globo que gozam das intimidades demo-tucanas? Pedirá a cabeça de Arnaldo Jabor, cuja esposa é assessora do presidenciável tucano José Serra, freqüentador de sua mansão? Criticará a “cota de nomeações pessoais no serviço público” da cansada Ana Maria Braga? Pedirá detalhes picantes do castelo dos demos à “ortodoxa” Miriam Porcão – ou melhor, Leitão? Ou todos juntos – Jabor, Leitão, Ana Maria Braga e o macartista Mainardi – fazem parte do esquemão montado pela TV Globo para viabilizar a vitória do tucano José Serra em 2010?

"O repúdio à ditadura da Folha", por Altamiro Borges

O repúdio à ditadura da Folha
Blog do Miro, 24.02.09
Circula pela internet um manifesto, aberto à adesão dos interessados, de repúdio ao editorial da Folha de S.Paulo publicado na semana passada. Na ocasião, para desqualificar a vitória de Hugo Chávez num referendo democrático sobre a possibilidade da reeleição, o jornal da Famíglia Frias escancarou toda a sua postura autoritária, de viés fascista, ao insinuar que o governo bolivariano seria pior do que a ditadura militar brasileira que prendeu, matou e torturou milhares de patriotas entre 1964-1984. O asqueroso editorial chega a qualificar a ditadura brasileira de “ditabranda”.
Além do repúdio, a petição também presta solidariedade à professora Maria Victoria Benevides e ao jurista Fabio Konder Comparato, os primeiros a condenarem o editorial na sessão de cartas do jornal, e que foram duramente insultados pela abjeta direção da Folha. “Que infâmia é essa de chamar os anos terríveis da repressão de ‘ditabranda’?”, questionou Benevides. “O autor do vergonhoso editorial e o diretor que o aprovou deveriam ser condenados a ficar de joelhos em praça púbica e pedir perdão ao povo brasileiro, cuja dignidade foi descaradamente enxovalhada”, afirmou Comparato.
A resposta do jornal lembrou a reação de Bush, Cheney e Rumsfeld aos críticos de suas políticas terroristas. “A Folha respeita a opinião dos leitores que discordam da qualificação aplicada em editorial ao regime militar brasileiro e publica algumas delas. Quanto aos professores Comparato e Benevides, figuras públicas que até hoje não expressaram repúdio às ditaduras de esquerda, como aquela ainda vigente em Cuba, sua ‘indignação’ é obviamente cínica e mentirosa”. Juntos, o editorial fascista e a resposta arrogante indicam a urgência da coleta de adesões ao manifesto.
A íntegra do manifesto
“Ante a viva lembrança da dura e permanente violência desencadeada pelo regime militar de 64, os abaixo-assinados manifestam o seu mais firme e veemente repúdio a arbitrária e inverídica revisão histórica contida no editorial da Folha de S. Paulo de 17 de fevereiro. Ao denominar de ditabranda o regime político vigente no Brasil de 1964 a 1985, a direção do jornal insulta e avilta a memória dos muitos brasileiros e brasileiras que lutaram pela redemocratização do país”.
“Perseguições, prisões iníquas, torturas, assassinatos, suicídios forjados e execuções sumárias foram crimes corriqueiramente praticados pela ditadura militar no período mais longo e sombrio da história política brasileira. O estelionato semântico manifesto pelo neologismo ditabranda é, a rigor, uma fraudulenta revisão histórica forjada por uma minoria que se beneficiou da suspensão das liberdades e direitos democráticos no pós-1964”.
“Repudiamos, de forma igualmente firme e contundente, a nota de redação, publicada pelo jornal em 20 de fevereiro em resposta as cartas enviadas pelos professores Maria Victória de Mesquita Benevides e Fabio Konder Comparato. Sem razões ou argumentos, a Folha de S.Paulo perpetrou ataques ignominiosos, arbitrários e irresponsáveis a atuação desses dois combativos acadêmicos e intelectuais brasileiros. Assim, vimos manifestar-lhes nosso irrestrito apoio e solidariedade ante as insólitas críticas pessoais e políticas contidas na infamante nota da direção editorial do jornal. Pela luta pertinaz e conseqüente em defesa dos direitos humanos, Maria Victoria Benevides e Fabio Konder Comparato merecem o reconhecimento e o respeito de todo o povo brasileiro”.
A história suja da famíglia Frias
O manifesto já teve a adesão de mais de mil pessoas - entre outras, do professor Antonio Candido, do jurista Goffredo da Silva Telles Jr., dos sociólogos Emir Sader e Caio Toledo e dos historiadores Augusto Buonicore e Antonio Mazzeo. Como afirma o jornalista e ex-preso político Alípio Freire, é preciso reagir às bravatas de Otavio Frias Filho, diretor editorial da Folha. “Elas não podem ser atribuídas apenas aos ‘maus bofes’ de um jovem (?) herdeiro rico, mimado, que se supõe gênio ( o que diariamente lhe repete a sua corte), que não conhece limites e, portanto, é afeito a chiliques. Embora seja também isso, é muito mais, e só pode ser entendido a partir da história daquele jornal”.
Como se sabe, o Grupo Folhas sempre esteve ligado aos setores mais reacionários da sociedade. Clamou pelo golpe militar de 64 para “combater o comunismo e a república sindical de Jango”; apoiou a setor “linha dura” dos generais golpistas; cedeu suas peruas para transportar os presos políticos à tortura; e foi o jornal de “maior tiragem do país”, segundo repete Mauro Santayana, não pela quantidade de exemplares, mas sim pelo número de tiras (policiais) na redação. Neste período sombrio, Grupo Folhas também esteve envolvido em casos obscuros de corrupção, como o da antiga Rodoviária Júlio Prestes. A empresa prosperou nas masmorras da ditadura militar.
“O menino idiota chamado Otavinho”
Alípio Freire, no artigo para o jornal Brasil de Fato, cita alguns episódios marcantes da história do Grupo Folhas. Lembra o caso da jornalista Rose Nogueira, presa pelos órgãos de repressão da ditadura. “Vinte e sete anos depois [1997], descubro que fui punida não apenas pela polícia toda-poderosa... Ao buscar, agora, nos arquivos da Folha a minha ficha funcional, descubro que, em 9 de dezembro de 1969, quando estava presa no Dops, incomunicável, ‘abandonei’ meu emprego de repórter do jornal”, relata a jornalista, que estava de licença-maternidade quando da sua prisão ilegal e que foi demitida sem qualquer direito trabalhista da Folha.
Alípio também retoma uma pérola do renomado Mino Carta: “A Folha não só nunca foi censurada, como emprestava as suas C-14 [peruas usadas no transporte do jornal] para recolher torturados ou pessoas que iriam ser torturadas na Oban. Isso está mais do que provado. É uma das obras-primas da Folha... Hoje você vê esses anúncios do jornal – desse menino idiota chamado Otavinho – que contam de um jeito que parece que a Folha, nos anos de chumbo, sofreu muito. Ela não sofreu nada. Quando houve mínima pressão, o Sr. Frias afastou o Cláudio Abramo da direção do jornal. Digo que foi a ‘mínima pressão’ porque o Sr. Frias estava envolvido na pior das candidaturas, apoiava o Frota [general Sílvio Frota, ministro do Exército de Geisel].

Represálias ( curtinhas )

- A bancada do PMDB na ALESP deve ter ficado magoada com as declarações do impoluto Jarbas Vasconcellos, para quem o partido se assemelha mais a uma quadrilha. Isso não pode ficar assim, gente! Provem a ele seu equívoco e batalhem pela instalação de algumas CPIs ( sérias ) na Assembléia, dentre as dezenas de pedidos feitos nos últimos 13 anos e que já nem cabem mais na gaveta. Assim vocês mostrarão disposição de não compactuar contra a corrupção e a bandalheira.
- Alguns patriotas brasileiros pensaram seriamente em retirar suas economias guardadas em bancos suíços, em represália ao tratamento policial dado à conterrânea que teria sido atacada por neonazistas. Graças a Deus, tudo não passou de uma farsa, e os dólares brazucas continuam repousando na paz dos cofres da Suíça.
- Moradores da região da Avenida Aricanduva, duramente atingida pela chuva e enchentes no dia de ontem, protestaram fechando a avenida e queimando imóveis inutilizados pelas chuvas. Isso não funciona, gente. Selecionem um morador e façam com que ele surja em algum lugar onde esteja presente o prefeito Kassab. Aí, é só torcer para que haja alguns jornalistas presentes, iniciar um bate-boca com o prefeito e apontar o dedo na cara da autoridade, quase furando seu olho. Isso sempre dá certo e já causou a queda de reinos e impérios. Quem desconhece a história...
Outra coisa que se pode fazer, com o objetivo de obter a atenção e a presença física de autoridades acima do prefeito paulistano é divulgar, rapidamente, no calor ( OPS!! ) dos acontecimentos, que um templo da Igreja Renascer ruiu devido às fortes chuvas.
- Isso não pode ficar assim, gente. Merenda podre em escolas municipais ( e, até, nas estaduais ), denúncias gravíssimas contra ex-figurões da Secretaria de Segurança de São Paulo, enchentes horrendas em todas as regiões da Capital ( e até em locais que nunca haviam sido atingidos antes), prédios em Higienópolis sofrendo arrastões... e o Lula não foi vaiado na Sapucaí?!?!! Diante desse quadro atordoantemente incrível, jornais e revistas deverão redobrar seus esforços e explorar ao máximo os efeitos ( concretos, imaginários ou, apenas, possíveis e supostos ) da crise mundial. Se um homem morder um cachorro isso será [ como sempre seria ], obviamente, notícia. E, no caso - comum - de um cachorro morder um homem, os jornalistas, redatores e editores serão obrigados a usar o máximo de sua capacidade criativa, para vincular o episódio à 'crise econômica mundial, que o Lula chamou de 'marolinha' ".

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

CSN: especulação, bônus bilionários a acionistas e diretores, e aço frio e cortante no pescoço dos funcionários da empresa

A GRANDE VERDADE: ESPECULAÇÃO FINANCEIRA E DEMISSÕES
A CSN também participou ativamente, juntamente com milhares de outras empresas brasileiras e internacionais, da especulação financeira ocorrida nos últimos cinco anos. O resultado dessa especulação proporcionou um festival de distribuição de bilhões de reais em dividendos pagos aos acionistas da CSN.
Com o fracasso dos derivativos ( contrato envolvendo operação financeira apostando em alta de suas próprias ações ou American Depositary Receipts ( ADRs ) negociadas nas Bolsas de Valores de São Paulo e de Nova Iorque, respectivamente ) realiza-se o contrato com base na fixação dos preços das ações ou ADRs, na data do vencimento do contrato ganha-se dinheiro se as cotações das ações ou ADRs naquelas bolsas estiverem na alta e perde-se dinheiro, caso contrário ( CSN participou ativamente desse jogo: quanto ganhou e quanto perdeu? ) ; com a enorme queda na cotação das ações da siderúrgica nas bolsas de valores (ocorreu uma hiper valorização das ações da CSN, sem lastro patrimonial justificável e sem motivos técnicos plausíveis, de mais de 310%, de janeiro de 2007 a maio de 2008 - notável especulação) ; com o freio nas especulações financeiras e no preço do aço ( este preço subiu mais de 200% nos últimos anos – muitíssimas vezes acima da inflação, e hoje continua superior ao mercado internacional) , etc., agora, os trabalhadores da CSN, desde dezembro do ano passado, estão recebendo os seus dividendos: mensalmente, centenas de demissões! Pânico! Perda de conquistas trabalhistas! etc.
Nos últimos meses, de dezembro de 2008 a 13 de fevereiro de 2009, a CSN já demitiu mais de mil trabalhadores, e segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense, outros mil estariam com os dias contados. O desemprego em massa poderá levar a cidade de Volta Redonda ao caos. Segundo o presidente do sindicato, Renato Soares, considerando que cada trabalhador ganha em média R$ 1 mil, a economia da cidade já vem perdendo R$ 1 milhão por mês. “Isso vai trazer um problema social muito grave, com a diminuição da renda e o aumento da violência. Nós não concordamos que uma empresa que toma recurso do governo federal faça demissões em massa”, disse. Contatada, a CSN, através de sua assessoria de imprensa, não se pronunciou.Quantos bilhões de reais receberam como dividendos e outros pagamentos, nos últimos cinco anos, os principais acionistas da CSN: Benjamin Steinbruch, seus familiares e seus diretores? Quanto lucrou a CSN, nos últimos cinco anos, com a especulação financeira e com a compra e venda das suas próprias ações ( recompra ), comprando na baixa e vendendo na alta? Qual é a verdadeira dívida total da CSN registrada no balanço encerrado em dezembro de 2008? Quais as movimentações financeiras da CSN, das suas coligadas, dos seus principais acionistas, diretores e conselheiros, nos paraísos fiscais? A CSN empobreceu, mas os seus principais acionistas ficaram bilionários! Quanto ganha, mensalmente, diretor e conselheiro da CSN?
Os demitidos da CSN, aqueles mais de mil trabalhadores que suaram a camisa durante anos para fazer a CSN lucrar com a produção e venda de aço, ganhando em média R$ 1 mil por mês, agora, em pânico, assistem a tudo isso, humildemente, podendo somente chorar ao lado das suas modestas, porém honradas famílias.
O povo sofrido da Cidade do Aço ( que convive, dia e noite, com diversos tipos de poluições geradas pela siderúrgica) e as autoridades municipal, estadual e federal sabem, porque foi divulgado nos principais jornais do país, que: A CSN SERVIU DE ÂNCORA, NOS ÚLTIMOS ANOS, PARA O SENHOR BENJAMIN STEINBRUCH, SEUS FAMILIARES E DIRETORES GANHAREM BILHÕES DE REAIS COM A ESPECULAÇÃO FINANCEIRA. AGORA, AS DEMISSÕES DOS TRABALHADORES DA CSN SÃO, DE FATO, UMA PERVERSIDADE INOMINÁVEL! O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) não deve continuar emprestando bilhões de reais para a CSN, como fez nos anos anteriores, a juros subsidiados, para facilitar, agora, para a siderúrgica demitir milhares de trabalhadores. Por tudo que aconteceu na controvertida privatização da CSN e após, pergunta-se: pode-se confiar no conselho de administração dessa siderúrgica e no seu presidente?
Quem vem comprando e quem vem vendendo, diariamente, grandes quantidades de ações da CSN nos últimos seis meses? Quem ganhou e quem perdeu, conscientemente, com essas transações nas bolsas de valores de São Paulo e de Nova Iorque nos últimos seis meses? São transações combinadas? Esse jornalista, que a presente subscreve, está pesquisando juntamente com uma equipe especializada e informará, dentro de pouco tempo, ao sofrido povo de Volta Redonda e desse enorme Brasil!
INCRÍVEL! Mesmo com dívidas de bilhões de reais, a CSN distribuiu aos seus acionistas, nos últimos anos, alguns outros bilhões de reais. Os lucros da CSN eram astronômicos, entretanto, parte considerável desses lucros foi gerada pela especulação financeira, para serem distribuídos aos seus acionistas e não para amortização de dívidas e muito menos para modernização do parque industrial da siderúrgica.
JOÃO PANÇARDES
MTPS – 1134-RJ
Jornalista

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe