quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Physicians for Human Rights-Israel Update 22.12.2008 [ A crua descrição do trágico genocídio palestino ]

PHR-Israel delegation to the Gaza Strip, 18-19 December, 2008-12-22
• Gaza siege results in 300% increase in burn cases in the burns department at Shifaa’ hospital in the Gaza Strip
• Denial of access to healthcare continues
• PHR-Israel and the Palestinian Medical Relief Society (PMRS) issue a joint protest following the
expulsion of UN Special Rapporteur Falk http://www.phr.org.il/phr/files/articlefile_1230045569593.doc
18-19 December, 2008-12-22
PHR-Israel delegation to the Gaza Strip, On the 18th of December, a PHR-Israel delegation entered Gaza for a two-day visit, the eighth since the start of 2008. The delegation followed a period of three months during which the Israeli security apparatus had denied PHR-Israel access to the Gaza Strip, for various reasons.
The visit was held in order to learn about the current condition of the health system, to provide medical services in Gaza hospitals, and to plan for future delegations on the basis of medical needs.
Medical assistance and meetings
The delegation brought with it medical equipment to a value of 25 thousand US dollars, including prosthetic limbs, and transferred them to the European Hospital in Khan Younis.
Dr. Mustafa Yassin, an expert orthopedic oncologist from Rabin Medical Center ( Hasharon Campus ) in Israel, examined 25 patients at the European Hospital. Several of these were recommended for a knee replacement, which will be carried out by Dr. Yassin on his next visit to Gaza.
The delegation met with representatives of the local Ministry of Health and heard an update on the current situation, as well as a review of 2008, whose main contents follow:
According to the Palestinian Ministry of Health (MoH) in Gaza, 155,478 patients were admitted to the 14 hospitals and medical centers operating within the Gaza Strip. Some 49,000 surgical procedures were held, and 35,276 hospital births were recorded. According to statistics prepared by the Institute for Palestinian Studies for 2008, birthrates increased by 2.6% in comparison to 2007. The total budget of the Ministry of Health allocated to medical treatments for 2008 was 21 million US dollars.
The most common conditions treated in medical centers of the MoH in Gaza in 2008 were oncology diseases,liver and kidney conditions, joint diseases and arteriosclerosis.
According to Gaza MoH statistics for 2008, the number of cancer cases diagnosed this year was 520, of whom 91 were children. Breast cancer and cancer of the brain and other nervous systems were the most common types of cancer. 620 cardiac cases were registered, of whom 99 were children. 342 kidney patients are currently treated by hemodialysis. 3,199 cases of Hepatitis A were recorded, 496 of Hepatitis B, and 196 of Hepatitis C.
A shortage of 105 types of medicines, or one quarter of the medications ordered by the MoH in Gaza has characterized the majority of 2008. 30 of these are for lifesaving treatments, 21 for cancer, kidney and liver conditions. In addition, a total of 220 parts and equipment items defined as necessary for surgical procedures and for maintenance of Intensive Care Units are lacking. Several milk sterilization instruments in pediatric departments have stopped functioning.
The Ministry of Health in Gaza operates 58 emergency vehicles for medical evacuation. Half of these were put out of service due to lack of spare parts ( engine oil, batteries, internal seats and upholstery, electrical and medical equipment ). As a result the MoH purchased 64 substandard alternative vehicles, which were used for patient transfer. Many ambulances are currently still out of service and some patients are transferred in private vehicles.
In emergencies, the evacuation services suffer from substandard communications due to the collapse of the two cellular systems in Gaza: Jawwal and Mirs. As a result, ambulance drivers meet difficulties in communicating with headquarters, with hospitals, with each other and with the patients’ families. This can lead to severe delays and even to loss of lives. The proposed solution is an internal communications system for the evacuation system in Gaza, estimated costs of which are 170,000 US dollars, a sum currently unavailable to the Gaza MoH.
There is a severe shortage of several types of gases that are necessary for the functioning of the health system (e.g., Carbon Oxygen Type 2, Ethylene Oxide, dry and liquid Nitrogen, medical Nitrous and cooking gas).
There is also a chronic shortage of fuel for the hospitals in Gaza, leading to a depletion of stores in a manner that will not enable maintenance of full activities in case of further fuel cuts.
Gaza siege results in 300% increase in burn cases in the burns department at Shifaa hospital in the Gaza Strip
In December 2008, PHR-Israel recorded an increase in patients suffering from burns applying to the organization for assistance. Further investigation revealed that a sharp increase of 300% in burns cases admitted to the burns department at Shifaa hospital in Gaza has been recorded over the past month. This is a result of the ongoing shortages in electricity, cooking gas and heating gas. These, along with the arrival of the cold winter months, have led the population of Gaza to light wood fires, resulting in dangerous conditions. Many of the burns cases reported to us have been of children playing with fire while attempting to light fires for heating or cooking, or lighting candles for light at home.
According to Dr. Nafez Abu Sha’ban, director of the burns department in Shifaa hospital in Gaza, the department is overloaded and is treating 16 patients, the vast majority of whom are children. This is despite the fact that the department is actually capable of providing adequate treatment to only 5 patients at a time.
According to Dr. Abu Sha’ban, the Israeli siege on Gaza has caused not only a severe shortage of water, electricity and other basic goods, but also in gas and fuel for cooking, heating and baking. As a result, many are now using Primus stoves or open fires for cooking and heating.
Due to the case overload in the burns department, and the current lack of basic and advanced medical equipment (e.g., resuscitation equipment for children and spare parts for existing equipment), the department cannot give immediate and appropriate response to the large number of patients. As a result of this, as well as of the high degree of severity and complexity of the cases, Palestinian doctors are referring some of the children to advanced medical centers in Israel. However, many children, some of them in life-threatening conditions, remain in Gaza without proper care, despite these referrals, due to a shortage in beds in children’s ICU and in children’s burns departments in the four medical centers in Israel that are able to treat children’s burns:
Hadassah Ein Karem in Jerusalem, Sheba Medical Center in Tel Hashomer, Rambam in Haifa, and Soroka in Beer-Sheva.
A written appointment letter for hospitalization from a hospital is a precondition set by the Israeli security apparatus for Palestinians who need to be transferred to medical care that is unavailable in Gaza. Without it,
they cannot apply for a permit to exit Gaza. In urgent and lifesaving cases, the wait for an appointment and the permit application process impair the chances of recovery and can even endanger lives. Israeli children, who are admitted to hospital immediately, must also wait for a bed, but are not further delayed by bureaucratic hurdles once they have a place.
Physicians for Human Rights-Israel has received four applications from families whose children sustained medium to severe burns over the past week, and who are referred urgently to medical care in Israel, but have not managed to get appointments for hospitalization. All these patients already have financial undertakings from the Palestinian Ministry of Health in Ramallah, to cover the costs of the care, and the invitation letter from the hospital is the only obstacle to their exit. One of these cases ended in death, and it joins two other child deaths from the past week in Gaza.
Rahaf, three and a half, has third-degree burns on 55% of her body, and she is currently hospitalized in life threatening condition in the burns department at Shifaa hospital in Gaza. Her body heat has been 35 degrees Celsius for the past three days, and she is artificially ventilated. Rahaf was seriously injured on December 17 at 3pm after trying to light a stove in the kitchen of her home. On the same day she already had all the necessary medical documents and a financial undertaking from the Ministry of Health to cover all costs of care, but from then until this afternoon, the family could not find a hospital able to admit her. This afternoon (22 December), after numerous calls made by PHR-Israel to hospital departments in Israel, Rahaf finally received an appointment for Rambam medical center in Haifa, for tomorrow morning. We hope for her speedy recovery.
Physicians for Human Rights-Israel requests that the demand to present an appointment to a specific department before applying for a permit be waived in cases of children in need of urgent transfer of this type, in order to minimize delays as far as possible and ensure speedy transfer at the first opportunity.
Physicians for Human Rights-Israel vehemently opposes the collective measures imposed on the civilian population of Gaza, and points to these burns cases as one more example of the disastrous results of the siege policy.
Denial of access to healthcare continues
Since the renewal of Israeli military operations and Palestinian Qassam rockets on the south of Israel on November 3rd, declared restrictions on exit of patients from the Gaza Strip have increased. In the past two months, the Israeli authorities at Erez Crossing rejected 11 new appeals we sent to them, following rejection of their applications for medical exit permits. Four of these patients need orthopedic care, three have kidney disease, two are cancer patients, one is in need of neurosurgical intervention and the last needs ophthalmology care. All these patients have already had their requests rejected in the past and have been waiting for weeks or even months for medical care. The GSS rejected PHR-Israel’s appeals on their behalf, despite the submission of expert opinions by specialist doctors, which clarified that denial of care could cause irrevocable damage. Nine further recent requests by PHR-Israel have not yet received any response from the GSS, which is delaying its responses increasingly in recent weeks. The delayed cases include a haemophiliac, a cancer patient and a fiveyear-old girl with heart disease, whose mother has died but her father is not allowed to accompany her.
Rafah crossing into Egypt remains closed, and last time it was opened was on September 20.
At unpredictable intervals since November 3rd, the Israeli government has ordered the total closure of Erez
Crossing to all but the “most urgent, lifesaving, humanitarian” cases. In practice, such a closure makes the exit of even very serious and urgent cases close to impossible. In the opinion of PHR-Israel, the prioritization of exit according to medical severity/urgency is unethical, as the rest of th patients will stay behind without care. This constitutes an improper use of medical criteria for non-medical, political purposes.[1]
PHR-Israel and the Palestinian Medical Relief Society (PMRS) issue a joint protest following the
expulsion of UN Special Rapporteur Falk.
Physicians for Human Rights-Israel and the Palestinian Medical Relief Society (PMRS) vehemently protest the expulsion from Israel of UN Special Rapporteur Prof. Richard Falk, on December 17. PHR-Israel had been invited to participate in a meeting with the Rapporteur and to provide evidence regarding violations of the right to health in the OPT, access to healthcare and rights of prisoners and detainees. The expulsion of Prof. Falk is also injurious to the ongoing work of PHR-Israel.
PHR-Israel and PMRS have issued a letter of protest to Israeli government ministries on this issue. Please see this to read the letter http://www.phr.org.il/phr/files/articlefile_1230045569593.doc
For further details please contact Miri Weingarten, miri@phr.org.il , +972 546995199, or Ran Yaron, ranyaron@phr.org.il , +972 547577696.
For more on the ethical ramifications of such prioritisation, see PHR-Israel’s medical-ethical position paper,
August 2007.

Israel X Gaza: notícias e opiniões ( em inglês )

Protesters Worldwide Keep up Pressure Over Gaza
PARIS - Protesters denouncing Israel's deadly bombardment of the Gaza Strip returned to the streets in demonstrations around the world to keep up the pressure for an end to the violence.
Amy Goodman, Democracy Now!
Israel’s Warped Self-justification For Murder
Paul J. Balles exposes Israel’s warped definition of self-defence, which it uses as a cover for its murder of innocent Palestinians, including women and children, and its destruction of universities, mosques and other civilian infrastructure in the occupied Gaza Strip.
Letter to Mr. Mahmoud Abbas
Your Silence to the Massacres is Deafening
By
Rashid Abu-Ghazalah
As a leader, your inept attitude is demoralizing. Therefore, I ask you to resign from your post, dissolve the PA, and make demands from the occupiers to ensure the welfare of the occupied (as stipulated in the 3rd and 4th Geneva Conventions).
http://www.informationclearinghouse.info/article21581.htm
GAZA: STOP THE BLOODSHED, TIME FOR PEACE
With already 370 dead and continued shelling of civilians in southern Israel, now is the time to issue a demand to world leaders that the spiralling violence that has characterized the Israeli-Palestinian conflict must come to an end. Sign the petition below calling for an immediate ceasefire in Gaza - and for peace to be achieved between Israel and Palestine in 2009.
Petition to the UN Security Council, the European Union, the Arab League and the USA: We urge you to act immediately to ensure a comprehensive ceasefire in the Gaza Strip, to protect civilians on all sides, and to address the growing humanitarian crisis. Only through robust international action and oversight can the bloodshed be stopped, the Gaza crossings safely re-opened and real progress made toward a wider peace in 2009.
Sign the petition: AVAAZ

JVP statement on Gaza attacks
Jewish Voice for Peace
December 28, 2008
Jewish Voice for Peace joins millions around the world, including the 1,000 Israelis who protested in the streets of Tel Aviv this weekend, in condemning ongoing Israeli attacks on Gaza. We call for an immediate end to attacks on all civilians, whether Palestinian or Israeli.
Israel's slow strangulation of Gaza through blockade has caused widespread suffering to the 1.5 million people of Gaza due to lack of food, electricity, water treatment supplies and medical equipment. It is a violation of humanitarian law and has been widely condemned around the world.
In resisting this strangulation, Hamas resumed launching rockets and mortars from Gaza into southern Israel, directly targeting civilians, which is also a war crime. Over the years, these poorly made rockets have been responsible for the deaths of 15 Israelis since 2004.
Every country, Israel included, has the right and obligation to protect its citizens. The recent ceasefire between Israel and Hamas in Gaza shows that diplomatic agreements are the best protection for civilian life.
Moreover, massive Israeli air strikes have proven an indiscriminate and brutal weapon. In just two days, the known death toll is close to 300, and the attacks are continuing. By targeting the infrastructure of a poor and densely populated area, Israel has ensured widespread civilian casualties among this already suffering and vulnerable population.
This massive destruction of Palestinian life will not protect the citizens of Israel. It is illegal and immoral and should be condemned in the strongest possible terms. And it threatens to ignite the West Bank and add flames to the other fires burning in the Middle East and beyond for years to come.
The timing of this attack, during the waning days of a US administration that has undertaken a catastrophic policy toward the Middle East and during the run-up to an Israeli election, suggests an opportunistic agenda for short-term political gain at an immense cost in Palestinian lives. In the long run this policy will benefit no-one except those who always profit from war and exploitation. Only a just and lasting peace, achieved through a negotiated agreement, can provide both Palestinians and Israelis the security they want and deserve.

"Com a crise, como será 2009?", por Jasson de Oliveira Andrade

Antes de entrar no assunto deste artigo, um pouco de história. Em 1991, tivemos o fim da União Soviética, até então o país comunista mais potente, mais forte. O fato foi assim narrado por Jacob Gorender, escritor e historiador: “Na noite de 25 de dezembro de 1991, em pronunciamento transmitido pela televisão, Mikhail Gorbatchov tornou pública a renúncia à presidência da União Soviética, entidade já inexistente. A bandeira vermelha da foice e do martelo foi descida do mastro do Kremlin, onde tremulou durante dezenas de anos [74 anos, de 1917 a 1991] e, ao seu lugar, subiu a bandeira tricolor da Rússia”.
Com o fim da União Soviética e também da “Guerra Fria”, entre este país e os Estados Unidos, esperava-se que o capitalismo iria predominar soberanamente, uma vez que o outro país comunista, a China, tornou-se uma potência pacífica, adotando mesmo alguns modelos ocidentais ( capitalista ). Realmente isso aconteceu até pouco tempo. No entanto, neste ano de 2008, os Estados Unidos, graças ao desastrado governo Bush, após sete anos presidindo este país, estão passando por uma crise econômica, igual ou pior do que aquela que passaram em 1929. Para vencer a crise, Bush socorreu os bancos, depois a política habitacional (os adquirentes de casas, não tinham dinheiro para pagar as prestações) e agora, depois da eleição presidencial, as companhias automobilísticas. O jornalista Antonio Luiz M. C. Costa, na reportagem O FIM DE UMA ERA, publicada pela CartaCapital, revela o que está acontecendo no setor: “A crise da GM é também a do modelo de sociedade de consumo que a empresa ajudou a construir em seu país”. Faz ainda essa surpreendente constatação: “Mais de 50% dos carros vendidos nos EUA já são de empresas estrangeiras”. Isso era impensável até pouco tempo. Já Nouriel Roubini, economista e professor da Universidade de Nova York, é pessimista: “O que nos aguarda em 2009? O ano que vem será doloroso, com recessão global, mais desgaste financeiro, prejuízos e falências”.
Com o desastre do governo Bush, com um fim de administração tumultuada, como a sapatada de um iraquiano, que por pouco não lhe acertou ( o jornalista protestava contra a invasão do Iraque ), o resultado da eleição presidencial não poderia ser outro: vitória fácil de Obama, o primeiro negro a ser eleito presidente, confirmando a previsão de Monteiro Lobato, escritor brasileiro. Agora ele terá que enfrentar essa dificílima situação. Sairá bem? Joseph E. Stiglitz, Prêmio Nobel de Economia em 2001, observou: “Caso Obama siga seus instintos, preste mais atenção ao país do que a Wall Street e aja com ousadia, existe a perspectiva de que a economia comece a emergir de sua crise pelo final de 2009. Se não, as perspectivas de longo prazo para os EUA, e para o mundo, são sombrias”. Torcemos, então, para que Obama siga seus instintos e seja ousado!
E no Brasil como será a crise em 2009? A mídia noticia, diariamente, que a situação em nosso país é ruim e tende a piorar. O presidente Lula e o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, esperam que a situação não seja tão alarmante como apregoam a mídia e a oposição.
O mais otimista é o senador José Sarney, ex-presidente da República. Em artigo à Folha, sob o título QUE VENHA UM ANO BOM, faz essa previsão: “Acho que 2009 não vai ser nada disso que estão alardeando, pois é um ano ímpar, e este anos ímpares não costumam ser de catástrofes”. Como diria o jornalista Walter Abrucez: OREMOS!
JASSON DE OLIVEIRA ANDRADE é jornalista em Mogi Guaçu
30 de dezembro de 2008

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

"Jesus, um profeta do Islam" - PDF download - Uma boa oportunidade para conhecer um pouco desta religião

Jesus um Profeta do Islam
Descrição de artigo
Título: Jesus um Profeta do Islam
Língua: Português
Adicionado: Sep 09, 2006
Acessórios do artigo : 1
Descrição sucinta: O objetivo principal do livro Jesus um profeta do Islam, é o de apresentar a posição islâmica a respeito de Jesus, a paz esteja com ele, um dos mas favorecidos Profetas que Deus enviou como guia para as ovelhas perdidas de Casa de Israel.
:
عربي - বাংলা - اردو - Ўзбекча - ไทย - Bosanski - 日本語 - Español - English - ئۇيغۇرچە - Français - 中文 - മലയാളം - తెలుగు - Türkçe
Ligação : http://www.islamhouse.com/p/2211

Desde quando milhões de idiotas e seus carros invadindo estradas e litorais é notícia?

AS INVASÕES BÁRBARAS NO LITORAL BRASILEIRO
Há um ditado jornalístico bem manjado: "Se um cão morde um homem, não é notícia. Agora, se um homem morde um cão, isso sim é notícia."
Ou algo assim.
Pois bem: parafraseando meu amigo Vinícius Duarte, hoje mandei o trabalho às favas mas, em vez de ficar lendo blogs e sites, meu cardápio foi um pouco mais indigesto. Fiquei assistindo aos telejornais da Record e Band, a partir das 18:00.
Eu deveria ter ficado surpreso? A mesma cantilena de todo ano: choramingos e resmungos de quem tem - em tese e, de fato - a opção de ficar em casa. Mas não. O narrador descreve a c ena, como se o óbvio fosse absurdo: "O motorista tem que ter paciência." Com o quê? Com o outro motorista, que faz o mesmo que os outros milhões, naquele exato momento e lugar?
O que essa gente quer, afinal? Entopem as ruas da cidade de automóveis, mas "estranham" não haver espaço para todos.
Faltando poucas horas para a "Cerimônia anual da troca de calendário" ( ou os "shperrtos" do ano inteiro acreditam em mudanças radicais em sua vida vindo imediatamente no último dia do ano, bastando comer lentilhas e vestir calçinhas brancas? ), estas bestas transportam o mar de veículos da cidade para as estradas, e continuam "estranhando" a falta de espaço.
Oras, apenas crianças querem viver o melhor dos mundos e ter tudo ao mesmo tempo.
Tipo isso: às vezes eu pego para ler estes cadernos de imóveis dos jornais, para saber como a especulação anda destruíndo a cidade de São Paulo. Então, de repente, me deparo com textos assim: "Vila Caroço vive boom imobiliário: bairro mescla modernidade e sossego".
Continua o texto: "A Vila Caroço está na mira dos investidores. Com o lançamento de 34 torres de 15 andares, o bairro vive uma valorização sem precedentes. Jovens casais buscam a modernidade e o sossego que Vila Caroço oferece. De serviços, como bancos, tabacarias, academias, bares, lojas, padarias, supermercados e estacionamentos até o tradicional dominó, jogado por aposentados na praça da Matriz, há uma abundante variedade de opções. O sossego do bairro, formado no começo da década de 20 por imigrantes romenos e magiares é um atrativo a mais. A opinião dos novos moradores é quase unânime: "Aqui a gente tem qualidade de vida", resume o consultor de investimentos, Edilson Schwartzmann.
A secretária-executiva Maiara Prado tem opinião semelhante: "Aqui você pode sair com o carro para ir até a padaria, sem o stress dos outros bairros."
De fato, quem vive o corre-corre em bairros como Pinheiros ou Moema pode até estranhar a calma de Vila Caroço.
Juracy Toledo, diretor da Consultimóveis tenta explicar: "Quando viemos [ a empresa ] para cá, o bairro até poderia ser confundido com uma cidade interiorana, tal era a calma do lugar. Quando desenvolvemos e lançamos nossos primeiros projetos, poucos acreditaram que a procura fosse tanta. Em um ano, todas as unidades foram vendidas. De uma hora para outra, aquele bairro pacato foi se transformando num lugar totalmente diferente, mas mantendo ainda aquele 'espírito' de cidade do interior", diz, orgulhoso.
E as mudanças foram se dando em ritmo acelerado: surgiram bancos ( o bairro possuía apenas um, e hoje são seis agências ), academias de ginástica, supermercados, restaurantes. Para dar conta dos automóveis que foram tomando as ruas de Vila Caroço, apareceram 3 estacionamentos, todos funcionando 24 horas.
Mas alguns moradores do bairro não gostaram das mudanças. Franzesko Zuskas, um dos mais antigos, se mostra contrariado: "A associação do bairro tentou embargar várias dessas obras, mas não teve sucesso. Todo dia tem um atropelamento. Assaltos, antes quase não havia. À noite, com os bares que ficam abertos até de madrugada, não há mais sossego aqui. Brigas, até tiros, às vezes. Cada apartamento deste prédio [ aponta para o Condomínio Miami ] tem duas vagas de carro. Faça as contas. Essas ruas, quando surgiram, serviam de passagem para carroceiros, cavalos, charretes. Depois veio o bonde. Hoje, com toda essa gente que veio para cá, os idosos quase nem conseguem atravessar a rua direito. Esse pessoal vem para cá dizendo que aqui é sossegado, mas ninguém parece querer escutar quem já estava aqui antes." O senhor Franzesko acrescenta que gostaria de se mudar do bairro que viu nascer e crescer, mas não saberia viver longe daqui.
A despeito de queixas como essa, o bairro segue valorizando, e novos empreendimentos estão previstos para o ano de 2009. Silmara Reis, gerente comercial de uma multinacional tenta explicar o charme de Vila Caroço: 'Quem quer um bairro tranquilo para morar, aqui é o lugar. E quem quer baladas, agitos e serviços estará bem-servido também', resume."
Percebem? Isso aí que eu escrevi foi baseado em coisas que eu li, e desenha a seguinte situação: querem sossego e 'agito' AO MESMO TEMPO! Impossível, suas mulas.
Pois bem, todo ano é a mesma merda: 90% da população paulistana invade o Litoral, entope as estradas, as ruas dos municípios litorâneos, suja as praias, pega fila no mercado, na padaria, reclama da falta d'água e, depois, vem encher o saco de quem ficou na Capital. NÃO É NOVIDADE, PORRA! São uns porras duns debilóides. Fazem o óbvio, repetem sistematicamente a cagada, e vêm com chorumelas, como quem foi pego desprevenido, uma vítima do acaso.
Dane-se: continuem acreditando em propagandas de carros [ aquelas em que surge uma estrada vazia e exclusiva pro sujeito ], façam a mesma coisa de novo, de novo e de novo. Se cansem para descansar.
Mas fiquem quietos, seus lixos!

domingo, 28 de dezembro de 2008

Chile: Comunidad palestina protesta frente a la embajada de Israel ( espanhol ). Plus: A versão israelense. Plus II: The Shministim

Espero que vocês entendam inglês e espanhol, pois copiei notícias nesses idiomas:
SANTIAGO, Chile, Diciembre 27 La comunidad palestina residente en Chile, la más numerosa fuera del mundo árabe, protestó este domingo frente a la embajada de Israel en Santiago, para expresar su molestia por los ataque israelíes en la Franja de Gaza que han dejado cerca de 300 muertos. El presidente de la Federación Palestina, Mauricio Abu Ghosh, dijo que estas movilizaciones se multiplicarán "de forma cada vez más creativa", ya que en su pueblo "hay mucha efervescencia, porque lo que está pasando no se puede creer". En declaraciones a Radio Cooperativa, la comunidad palestina también informó que se reunirá con el canciller Alejandro Foxley para manifestar su preocupación por el conflicto en Medio Oriente. En tanto La Moneda condenó "enérgicamente" los ataques perpetrados en la Franja de Gaza y que provocaron más de 280 muertos y 700 heridos, y expresó "su más profunda preocupación por la escalada de violencia que se vive en la región".
latam: reporte Copyright 2008 por United Press International

Comunidad palestina protesta frente a la embajada de Israel en Santiago
EL MERCÚRIO
El presidente de la Federación Palestina en Chile, Mauricio Abu Ghosh, anunció que estas movilizaciones se multiplicarán "de forma cada vez más creativa".
SANTIAGO.- La comunidad palestina residente en Chile protestó frente a la embajada de Israel en Santiago, para expresar su molestia por la ofensiva militar israelí en la Franja de Gaza.
El presidente de la Federación Palestina, Mauricio Abu Ghosh, anunció que estas movilizaciones se multiplicarán "de forma cada vez más creativa", ya que en su pueblo "hay mucha efervescencia, porque lo que está pasando no se puede creer".
De acuerdo a lo informado por Radio Cooperativa, la comunidad árabe también informó que se reunirá con el canciller Alejandro Foxley para manifestar su preocupación por el conflicto en Medio Oriente.
Ayer, el Gobierno condenó "enérgicamente" los ataques perpetrados en la Franja de Gaza y que provocaron más de 280 muertos y 700 heridos, y expresó "su más profunda preocupación por la escalada de violencia que se vive en la región".
Protestas en el mundo
En esta jornada, las embajadas de Israel en varios países han sido objeto de protestas por parte de grupos que rechazan los ataques en Gaza.
En Londres, unas 700 personas se agruparon en las afueras de las instalaciones de la embajada israelí. La policía metropolitana dijo que hasta el momento se registran sólo tres detenidos.
En España, unas mil personas, entre ellas una importante representación de la colonia palestina en Madrid, se concentraron en la sede diplomática de Israel. Los manifestantes, convocados por la Asociación Hispano Palestina y Paz Ahora, y que portaban decenas de banderas palestinas y kurdas, corearon consignas en contra de la ocupación israelí y a favor de la lucha del pueblo palestino y la Intifada.
En un manifiesto, leído por la actriz española Alicia Hermida, se condenó duramente la pasividad de la comunidad internacional y la falta de apoyo al pueblo palestino.
Hana Cheikh Ali, de la Asociación Hispano Palestina, instó al Gobierno español, a la UE y al Consejo de Seguridad de la ONU que pida a Israel que detenga los ataques contra la población civil palestina y le "exija responsabilidades".
En Francia, en tanto, más de un millar de personas se manifestaron este domingo en sendas marchas en París para protestar por la ofensiva de la aviación israelí en Gaza. Según la policía, en la mayor de las manifestaciones participaron 1.300 personas, que ondearon banderas palestinas y banderolas con el lema "Stop a la masacre de inocentes".

POR OUTRO LADO, ESTE BLOG DESCOLOU A SEGUINTE MENSAGEM, PUBLICADA NO SITE DA EMBAIXADA ISRAELENSE NO BRASIL:

DECLARAÇÃO DA VICE-PRIMEIRA-MINISTRA E MINISTRA DAS RELAÇÕES EXTERIORES DE ISRAEL, SRA. TZIPI LIVNI SOBRE OS CONFLITOS ENTRE ISRAEL E O GRUPO TERRORISTA HAMAS
Embaixada de Israel
27 de dezembro de 2008
Os cidadãos israelenses estão sob ameaças de ataques partindo da Faixa de Gaza diariamente.
Somente esta semana, centenas de míssies e morteiros foram lançados contra alvos civis israelenses incluindo o lançamento de 80 mísseis em um único dia.
Até agora nós temos agido moderadamente. Mas hoje não há outra opção que não seja a operação militar. Nós precisamos proteger nossos cidadãos de ataques através de uma resposta militar contra o terror instaurado na Faixa de Gaza.
Esta é a resposta de nossos direitos básicos de auto-defesa.
Israel deixou Gaza em ordem para criar uma oportunidade de paz. Em retorno, o grupo terrorista Hamas tomou controle de Gaza e está usando seus cidadãos como cobertura, enquanto atacam deliberadamente comunidades israelenses e negam qualquer chance de paz.
Nós temos tentado de tudo para alcançar a calma sem usar a força. Concordamos com a trégua após a intervenção do Egito e ela foi violada pelo Hamas que continuou a atacar Israel, mantiveram preso o soldado israelense Gilad Shalit e continuaram construindo armamentos.
Israel continua a agir na prevenção de crises humanitárias e na diminuição dos danos causados aos civis Palestinos. Infelizmente o Hamas sinicamente abusa de sua população civil e os fazem sofrer com propósitos propagandistas. A responsabilidade dos danos causados aos civis é do Hamas.
O Hamas é uma organização terrorista, apoiada pelo Iran, que não representa os interesses
legítimos do povo Palestino, mas uma agenda Islamica radical que insiste a negar a paz para as pessoas daquela região.
Enquanto confronta o Hamas, Israel continua a acreditar na solução de dois Estados e mantém seu comprometimento às negociações com a legitimidade da Autoridade Palestina no contexto do processo de paz, alcançado em Annapolis.
Israel espera o apoio e o entendimento da comunidade internacional enquanto confronta o terror e avança no interesse de todos aqueles que acreditam nas força de paz e co-existência para derminar os interesses daquela região.

MAS:
Organisation of The Islamic Conference
Date: 27/12/2008
The Secretary General of the Organization of the Islamic Conference (OIC), Professor Ekmeleddin Ihsanoglu, condemned the horrendous massacre perpetrated by Israel against unarmed civilians in the Gaza Strip today, Saturday 27th December 2008. He pointed out that the recent Israeli massacre is a war crime that reflects Israel's disregard for international law and for the Fourth Geneva Convention Relative to the Protection of Civilian Persons in Time of War. The massacre of innocent civilians reaffirms the urgent need for a serious and urgent action by the international community to put an end to Israel's aggression against the Palestinian people and its disrespect for human values and for international laws and treaties that criminalize the targeting of civilians. He also called for the resumption and consolidation of the truce and for avoiding the targeting of civilians. Professor Ihsanoglu also urged the national Palestinian factions to engage immediately in a serious national dialogue in order to restore national cohesion, move out of their divisiveness, and face up to the difficult circumstances afflicting Palestinian cause. He emphasized that a call will be made to convene an urgent meeting of the OIC Executive Committee at the ministerial level to discuss the situation in the Gaza Strip. He also called on the UN Security Council to move promptly in order to induce Israel to put an end to its violations and take action to protect the Palestinian people from the oppression and aggression of Israel.

Ministério das Relações Exteriores
Assessoria de Imprensa do Gabinete
Palácio Itamaraty
Nota nº 724 - 27/12/2008
Distribuição 22 e 23
Situação na Faixa de Gaza
O Governo brasileiro acompanhou com apreensão a intensificação do lançamento de foguetes por milicianos do Hamas contra o sul de Israel e recebeu com grande preocupação a notícia do ataque aéreo israelense à faixa de Gaza na manhã deste sábado, que vitimou mais de 150 pessoas e causou ferimentos em outras 300.
A escalada da violência na região após o fim do cessar-fogo entre Israel e Hamas atinge especialmente a população civil e prejudica os esforços em favor de uma solução negociada e pacífica para o conflito israelo-palestino.
O Brasil deplora a reação desproporcional israelense, bem como o lançamento de foguetes contra o sul de Israel.
O Governo brasileiro conclama as partes a se absterem de novos atos de violência e estende sua solidariedade aos familiares das vítimas dos bombardeios desta manhã.
O Governo brasileiro reitera seu entendimento de que apenas a moderação e o diálogo construtivo poderão conferir ao processo de paz o impulso necessário para que avanços efetivos sejam alcançados, nos moldes do pactuado na Conferência de Annapolis.


By Ramzy Baroud
December 29 2008, "Information Clearinghouse" -- - It’s incomprehensible that a region such as the Gaza Strip, so rich with history, so saturated with defiance, can be reduced to a few blurbs, sound bites and reductionist assumptions, convenient but deceptive, vacant of any relevant meaning, or even true analytical value.
The fact is that there is more to the Gaza Strip than 1.5 million hungry Palestinians, who are supposedly paying the price for Hamas’s militancy, or Israel’s ‘collective punishment’ whichever way the media decide to brand the problem.
More importantly, Gaza’s existence since time immemorial must not be juxtaposed with its proximity to Israel, failure or success in ‘providing’ a tiny Israeli town - itself built on conquered land that was seen only 60 years ago as part of the Gaza province - with its need for security. It’s this very expectation that made the killing and wounding of thousands of Palestinians in Gaza a price worth paying, in the callous eyes of many.
These unrealistic expectations and disregard of important history will continue to be costly, and will only serve the purpose of those interested in swift generalizations.
Yes, Gaza might be economically dead, but its current struggles and tribulations are consistent with a legacy of conquerors, colonialism and foreign occupations, and more, its people’s collective triumph in rising above the tyranny of those invaders.
In relatively recent history, Gaza became a recurring story following the 1948 influx of refugees, who were driven from their homes by Zionist militias or fled for their families’ sake, hoping to return once Palestine was recovered. They settled in Gaza, subsisting in absolute poverty, a situation that continues, more or less, to this day.
The history of Gaza, and the place itself was largely irrelevant, if not revolting from the point of view of the refugees who poured into the Strip mostly from the south of Palestine, for it represented the pinnacle of their loss, humiliation and, at times, despair. It mattered little to the peasant refugees as they fled to Gaza that that they probably walked on the same ancient road that ran along the Palestinian coast when Gaza was once the last metropolis for travellers to Egypt, just before they embarked on an unforgiving desert journey through Sinai.
So what if Gaza was described as the city, as told in the Book of Judges, where Samson performed his famous deed and perished. Christianity was relevant to the refugees insofar as a few of Gaza’s ancient churches provided shelter to the tired bodies escaping snipers, bullets and massacres. Even the strong belief amongst Muslims that Prophet Muhammad’s - peace be upon him - great-grandfather Hashem died on one of his journeys from Makkah to the Levant and was buried in Gaza, was largely sentimental. His shrine in Gaza City was visited by numerous refugees, who kneeled and prayed to God that they, some day soon, would be sent back to their humble existence, and their ways of life from which they have been forcefully estranged.
But Gaza’s history became more relevant to the refugees when it appeared that their temporary journey to the Strip was likely to be extended. Only then the area’s many stories of conquerors, tragedies, triumphs but also sheer goodness, became of essence. A pilgrim to the Holy Land, who passed through Gaza in 570 AD, wrote in Latin, “Gaza is a splendid city, full of pleasant things; the men in it are most honest, distinguished by every generosity, and warm to friends and visitors.”
Gaza’s history became even more relevant when the refugees realized that their violent encounters with Israel were not yet over, and that they needed the moral tenacity to survive what would eventually be viewed as one of most severe humanitarian catastrophes in recent memory. And indeed, there was much history to marvel upon, and from which to extract strength and substantiation.
Conquerors came and went, and Gaza stood where it still stands today. This was the recurring lesson for generations, even millennia. Ancient Egyptians came and went, as did the Hyksos, the Assyrians, the Persians, the Greeks, the Romans, the Ottomans, the British, and now the Israelis. And through it all, Gaza stood strong and defiant. Neither Alexander the Great’s bloody conquest of 332 BC, nor Alexander Janneus’s brutal attack of 96 BC broke Gaza’s spirit or took away from its eternal grandeur. It always rose again to reach a degree of civilianisation unheard of, as it did in the 5th century AD.
It was in Gaza that the Crusaders surrendered their strategic control of the city to Saladin in 1170, only to open up yet another era of prosperity and growth, occasionally interrupted by conquerors and outsiders with colonial designs, but to no avail.
All the neglected ruins of past civilisations were only reminders that Gaza’s enemies would never prevail, and would, at best, merely register their presence by another neglected structure of concrete and rocks.
Now Gaza is undergoing another phase of hardship and defiance. Its modern conquerors are as unpitying as its ancient ones. True, Gaza is ailing, but standing, it people resourceful and durable as ever, defiant as they have always been, and hell-bent on surviving, for that’s what Gazans do best. And I should know, it’s my hometown.
- Excerpts from this article will appear in Ramzy Baroud’s new book, My Father Was a Freedom Fighter - Gaza: The Untold Story (Pluto Press, London).
-Ramzy Baroud ( http://www.ramzybaroud.net/ ) is an author and editor of PalestineChronicle.com. His work has been published in many newspapers, journals and anthologies around the world. His latest book is The Second Palestinian Intifada: A Chronicle of a People's Struggle (Pluto Press, London).

Hisham Abu Taha Arab News
An injured Palestinian prisoner reaches for help after being buried in the rubble of the Hamas security headquarters and prison in Gaza after it was hit in an Israeli missile strike on Sunday. (AP)

GAZA CITY: Israeli warplanes continued pounding the Gaza Strip yesterday as the casualty toll in the two-day offensive reached 296 killed and over 900 injured. At least 180 of the injured were in critical condition, Palestinian medical sources said.
The UN Security Council urged an immediate end to all military activities in the Gaza Strip, but Israel brushed it aside and lined up tanks on the border of the coastal strip in apparent preparation for a ground invasion. Tel Aviv also called up reservists.
Custodian of the Two Holy Mosques King Abdullah and Jordan’s King Abdallah discussed Israeli hostilities in Gaza and other matters of mutual concern over telephone yesterday.
The Saudi Shoura Council condemned Israel’s savage bombing in Gaza and called for immediate international intervention for the cessation of hostilities.
In one airstrike yesterday, three missiles fired from an American-supplied F-16 fighter jet hit the main security compound known as Al-Sarayya in the center of Gaza City, completely destroying it. The compound included the Gaza Strip’s main prison. Dozens of Palestinian prisoners were seen escaping unharmed while others were trapped under the rubble.
Shortly before targeting Al-Sarayya, the warplanes bombed a medical storage facility in Rafah city and a truck carrying fuel.
On Saturday night, Israeli warplanes carried out 23 airstrikes including one on a mosque located near Al-Shifa Hospital. The warplanes also targeted the Hamas-run Al-Aqsa Television station.
Israel’s Cabinet authorized a call-up of at least 6,500 reserve soldiers, suggesting plans to expand the offensive. Infantry and armored units were already headed to the Gaza border for a possible ground invasion.
Defiant Palestinians kept up the pressure on Israel, firing dozens of rockets and mortars at border communities. Two rockets struck close to the largest city in southern Israel, Ashdod, some 38 km from Gaza, reaching deeper into Israel than ever before.
Palestinian President Mahmoud Abbas, a fierce rival of Hamas, urged the group to renew a truce with Israel that collapsed last week. After meeting with Egyptian President Hosni Mubarak in Cairo, he told reporters: “We have warned of this grave danger and said that we should remove all pretexts used by Israel. We all hope to end the aggression and return to the calm. We want to protect Gaza.”
Egyptian Foreign Minister Ahmed Aboul Gheit said a renewal of the truce should be a priority. “There has been a calm and we should work to restore it,” said Aboul Gheit. Deputy Hamas leader Moussa Abu Marzouk dismissed such talk and blasted Egypt for what he said was its attempt to weigh the actions of both sides equally.
“Those who are calling for calm should tell the Zionist enemy to end the aggression,” Abu Marzouk told Hezbollah’s Al-Manar TV from the Syrian capital of Damascus.
Egyptian police fired in the air near the Gaza border town of Rafah yesterday to prevent Palestinians entering Egypt after Israel launched airstrikes to destroy tunnels along the tense frontier.
“Dozens of civilians tried to break through the Barahma crossing after Israel launched airstrikes along the Gaza-Egypt border. They were repelled by Egyptian police firing in the air,” the official said. Some Palestinians managed to climb over the border wall into Egypt.
Tensions on the border crossing, Gaza’s only one to bypass Israel, had risen during the day, with Egypt blaming Hamas for not letting wounded Palestinians through and Hamas asking for medical aid to be handed over.
Hamas said it was drawing up lists of the wounded but it was proving difficult to transport them to the border because of the seriousness of their injuries and ongoing Israeli strikes. Several truckloads of aid are also waiting to be allowed into the Gaza Strip, an Egyptian security official said.
— With input from agencies

SAIBA DISSO:
FREE THE SHMINISTIM – ISRAEL'S YOUNG CONSCIENTIOUS OBJECTORS. The Shministim are Israeli high school students who have been imprisoned for refusing to serve in an army that occupies the Palestinian Territories. December 18 marks the launch date of a global campaign to release them from jail. Join over 20,000 people including American conscientious objectors,Ronnie Gilbert, Adrienne Rich, Robert Meeropol, Adam Hochschild, Rabbi Lynn Gottleib, Howard Zinn, Rela Mazali, Debra Chasnoff, Ed Asner and Aurora Levins-Morales and show your support by contacting the Israeli Minister of Defense using the form below. 22,000 LETTERS AND COUNTING!

Sem olhos ( e braços, pernas, cabeça, tórax, vida ) em Gaza!!

O Conselho de Segurança das Nações Unidas exigiu o fim imediato da violência e das atividades militares por parte de Israel e palestinos. Após uma sessão de mais de quatro horas de duração, que ocorreu sem a participação do secretário-geral, Ban-ki Moon, o Conselho expressou neste domingo (28/12) sua preocupação com a escalada da violência na região e cobrou a abertura das fronteiras entre Israel e a Faixa de Gaza. A sessão de urgência havia sido solicitada pela Líbia em nome da Liga Árabe. (rr)
Peter Phillip
DW, 28.12.08
Se é possível mobilizar tropas contra terroristas e piratas, então o mundo deveria estar em condições de contribuir com muito mais que apenas palavras bonitas, comenta Peter Philipp.
Nenhum país do mundo admitiria ser constantemente atacado por mísseis sem reagir. É por isso que Israel apela para a compreensão internacional e usa os novos ataques com mísseis Kassam da Faixa de Gaza como justificativa para sua intensa operação militar contra o Hamas. Este – assim como outros grupos ativos na Faixa de Gaza – "vinga-se" novamente atirando mísseis no sul de Israel.
Se não acontecer um milagre, este será o cenário perfeito para mais uma escalada da violência, com conseqüências imprevisíveis. Também será a prova final, por mais que absolutamente desnecessária, de que a promessa de negociar uma solução de paz até o fim de 2008, feita em Annapolis em novembro de 2007, era uma promessa vazia.
Caso este fim de ano traga uma nova guerra declarada, isso certamente terá a ver com muito mais que apenas com mísseis recentes. Israel e Hamas retornam aos tempos em que ambos apelavam à violência devido à falta de conceitos sensatos, apesar de já estar comprovado há tempos que a violência só gera mais violência e que o círculo vicioso é praticamente impossível de se quebrar.
Agora, Israel comete o erro capital de achar que pode eliminar o Hamas com uma operação militar. Extamente como há dois anos e meio, quando achou que podia fazer o mesmo com o Hisbolá. Pelo contrário, os ataques maciços no Líbano deram ao Hisbolá responsabilidade de governo, e algo semelhante deverá acontecer com o Hamas na Palestina. O Hamas já governa desde que venceu as eleições de janeiro de 2006 e um grande ataque israelense jogará de vez os palestinos nos braços da organização.
No entanto, o grande erro do Hamas e dos frustrados e, em todos os sentidos, sofridos palestinos é acreditar que a postura irredutível do Hamas traga solução ou redenção. A rejeição veemente ao direito de existência de Israel não pode ser base para a paz. Até o antigo líder da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Iasser Arafat, teve que reconhecê-lo após décadas de luta armada contra Israel.
O Acordo de Oslo e a autonomia palestina foram conseqüências disso. Israel perdeu essa chance ao diluir a implementação do acordo. Ou, por exemplo, ao construir cada vez mais colônias em territórios ocupados, destruindo a esperança que os palestinos haviam depositado no acordo.
Nem mesmo a decisão unilateral de Israel de se retirar da Faixa de Gaza pôde mudar isso: esta passou de um território "ocupado" a um território "sitiado" sob bloqueio estrito. Especialmente depois que o Hamas assumiu o controle de Gaza em 2006.
Como sempre, sofre quem não merece. Não os ideólogos, nem os que atiram mísseis, mas em primeiro lugar a população civil, mulheres, crianças e idosos. Mais uma vez, serão eles os que mais sofrerão. Pois bombas não podem discernir.
O mundo não deveria continuar apenas olhando sem agir. Se é possível mobilizar tropas contra terroristas e piratas, então o mundo deveria estar em condições de contribuir com mais que apenas palavras bonitas.
Peter Philipp
é chefe da equipe de correspondentes da Deutsche Welle e especialista em Oriente Médio.

"Vamos "Enxugar a máquina"?", por Vinicius Duarte

DO BLOG COM FEL E LIMÃO
27.12.08
Taí uma expressão bastante usada, e dela variam muitas, tais como "inchaço do Estado", "trem da alegria", "desestatização", "aprimoramento da máquina"...
Funcionário público é um ser odiado no mundo todo, e sempre tem a mesma imagem: folgado, não trabalha, "mama nas tetas do governo" (ops, outra expressão), faz tudo pra atrapalhar o "povo que paga o seu salário" (outra!), e por aí vai. Veja o grifo acima, ora repetido: no mundo inteiro. Isso, senhores: aqui, em Botswana, Burkina Faso, Estados Unidos da América, Inglaterra, Rússia, China... Eles, os servidores estatais, também me irritam. A diferença é que eu não vejo um só país funcionando sem eles, e não imagino como um Estado Nacional pode ser organizado prescindindo da sua existência.
Por aqui, desde o advento Collor (é, aquele lá em quem você votou em 1989, mas tem vergonha de admitir!), é voz corrente dos postulantes a cargos eletivos o tal do "enxugamento", a "gestão eficiente", "corte de gastos". Mas isso é uma quimera, porque, em verdade, não é o governante que controla a máquina do estado, mas o inverso. Ele pode colocar um milhão de aspones dele em cargos de confiança transitórios, mas quem mete a mão na massa é o funcionário concursado, que sempre estará lá, seja qual for o governo. E ele é estável, só sai da cadeira aposentado ou morto. Escolado, não vai comprar o discurso bonito do aspone que sairá de lá na próxima eleição. Isso é bom ou ruim?
Pra mim, é muito bom. Porque é, em última análise, a única instituição verdadeiramente sólida e politicamente independente de um Estado, e reflete de maneira cristalina o caráter do povo que o habita. Em suma, uma estrutura estatal eficiente revela que o povo daquele país é eficiente, também. Afinal, não foram os funcionários públicos gerados "do nada", eles são tão brasileiros quanto nós, e, por isso, fazem exatamente o que você ou eu faríamos se estivéssemos no lugar deles. O "patrão" do funcionário público não é o prefeito, ou o presidente: somos todos nós. Se somos complacentes com o empregado, talvez esteja aí uma culpa embutida, uma vez que é difícil cobrar alguém por uma coisa que nós mesmos não seríamos capazes de executar. O velho e bom provérbio Vampetiano do "eu finjo que te cobro, você finge que me atende". Com o adendo "e eu finjo que fico insatisfeito".
Deixar o Estado "mais eficiente" tem muito menos a ver com corte de gastos, e muito mais com uma consciência de todos sobre a sua postura como cidadão. O gasto inútil é a febre, não a infecção. E "fazer a sua parte" passa muito longe de pagar os impostos e ficar sentado esperando as coisas acontecerem. Vai trabalhar, vagabundo! Já tô indo! Feliz 2009.

sábado, 27 de dezembro de 2008

Sindicato da Habitação mantém otimismo para 2009

O blogueiro não gosta muito da idéia do desenvolvimento econômico atrelado à especulação imobiliária, ao crescimento desordenado e aos automóveis invadindo cada vez mais mas, se alguém quiser ler uma análise otimista de um setor considerado importante para a economia, com perspectivas positivas para o 2009, aí está ( serve como contraponto aos aprendizes de Nostradamus do PIG, já que o imprensalão seca prá caramba ):
.
"É claro que a crise chegou aqui, mas chegou muito mais pelos meios de comunicação e a Internet, fazendo com que o pessoal daqui colocasse o pé no freio."
João Crestana, presidente do SECOVI
Publicado no Banco de Imóveis, ed. 695, 20.12.08
Mensagem do presidente
2008 trouxe amadurecimento para o setor imobiliário
Antes de apresentar o balanço do mercado imobiliário da cidade de São Paulo no ano de 2008, é preciso fazer uma breve retrospectiva.
Nos anos 90, as empresas do setor atravessaram um dos piores períodos de sua história. Até o advento do Plano Real, tinham de lançar seus empreendimentos em um cenário econômico desfavorável, com altos índices inflacionários e sem crédito imobiliário disponível pelos bancos para produzir e comercializar imóveis. Naquele período, a média de lançamento anual na cidade de São Paulo era de 25 mil unidades, com índice de velocidade de vendas sobre a oferta de 8,4%. No Brasil, a média girava em torno de 45 mil unidades.
A partir de 2004 [ grifos do blog ], o mercado imobiliário na capital iniciou seu processo de retomada, passando de 7,6% de VSO médio, para 8,8% de VSO em 2005; e 12,1% de VSO em 2006. No entanto, a média anual de lançamentos manteve-se estável em relação aos anos anteriores - em torno de 25 mil unidades.
O crescimento mostrava-se sustentável por diversos fatores, tais como, maior volume de crédito imobiliário disponível no mercado, pois os bancos privados foram obrigados, por lei, a devolver volume de recursos represados no Fundo de Compensação da Variação Salarial (FCVS); acirrada concorrência entre os agentes financeiros, que levou à criação de novas linhas de financiamento à produção e aquisição de imóveis, com redução das taxas de juros; marcos regulatórios favoráveis, como a Lei 10.931/04; inflação controlada; economia crescente; e aumento da renda e do emprego.Esse movimento interno positivo fez com que os investidores internacionais elegessem o Brasil como fonte de novos investimentos. A liquidez mundial e a possibilidade de ampliação de negócios levaram algumas empresas do mercado imobiliário a abrirem capital na Bolsa de Valores (IPOs) e a oferta de ações gerou forte entrada de capital estrangeiro no segmento.
2007, um ano incomparável
O ano de 2007 foi excepcional para o mercado imobiliário nacional. Somente na cidade de São Paulo, foram lançadas 39 mil unidades, com índice de velocidade de vendas de 16,2%.
Crescimento que foi acompanhado pelo restante do País, que fechou o balanço do ano com 196 mil imóveis financiados pelo Sistema Financeiro da Habitação (SFH), com um total de R$ 18 bilhões investidos do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo). Se comparado com os números de 2006, houve um crescimento de 86,3% em volume de unidades e 92,6% em valores.Essa destacada curva de crescimento deveu-se basicamente aos seguintes fatores: o crédito imobiliário voltou a fazer parte do portfólio dos bancos privados; os consumidores otimistas com os índices de crescimento econômico e com a estabilidade financeira do País; forte investimento estrangeiro no mercado imobiliário nacional; e, o mais importante, o mercado tem grande déficit e passou por uma década sem investimentos.
2008, início do crescimento sustentado
Até agosto de 2008, os bancos bateram sucessivos recordes de investimentos na produção e aquisição de novos imóveis. Nos primeiros oito meses do ano, foram aplicados R$ 20 bilhões da caderneta de poupança.
Entretanto, setembro registrou retração no número de unidades financiadas, em virtude da insegurança dos agentes financeiros diante da turbulência financeira mundial. De acordo com dados da Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança) foram 29.404 financiamentos contra 34.749 do mês anterior.A apreensão dos bancos e o excesso de cautela levaram alguns agentes financeiros a aumentarem suas taxas de juros e retraírem a concessão de crédito à produção.
Como conseqüência para os empresários, houve recuo no volume de novos empreendimentos lançados já no mês de setembro. Na cidade de São Paulo, conforme dados da Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos do Patrimônio), nos primeiros oito primeiros meses, os lançamentos registraram crescimento em relação ao mesmo período de 2007. Já em setembro, essa tendência se reverteu.
Empreendimentos foram adiados e consumidores diminuíram a compra diante das dúvidas com os rumos da economia.Essa redução pode ser justificada pelo fenômeno classificado como “parada técnica”, ou seja, impulsionadas pelos acontecimentos econômicos internacionais, as empresas “travaram” as vendas de novos imóveis, em razão da falta de certeza quanto aos custos e preços e, por sua vez, os consumidores adiaram as compras por conta das dúvidas quanto a liberação de crédito.
Confiança no setor
O mercado imobiliário da capital encerra o ano de 2008 com otimismo realista.
De janeiro a outubro foram lançados no município de São Paulo um total de 29 mil unidades. O indicador VSO também apresentou bons resultados no período, com a média mensal de 14,9% de comercialização. A previsão é de encerrar o ano com 35 mil unidades lançadas, 33 mil unidades comercializadas, e VSO estimado de 13,6%.
Comparativamente a 2007, haverá uma redução em torno de 10% nos lançamentos e nas vendas – causada pela “parada técnica”. Mas se os mesmos indicadores forem comparados com os números de 2006, nota-se um aumento de 36% nos lançamentos e 17% no volume de comercialização. Se fizermos o mesmo com o ano de 2005 teremos crescimento de 40% (lançamentos) e 39% (comercialização).
Nacionalmente, somente o SBPE financiará 300 mil unidades este ano. Note-se que no início da década de 80, período de forte atuação do mercado imobiliário, o Sistema financiava, em média, 260 mil unidades para um país com aproximadamente 115 milhões de habitantes.
Conclui-se que ainda há muito a ser feito no segmento habitacional, pois hoje o Brasil conta com mais de 190 milhões de cidadãos, dos quais a maioria de jovens em fase produtiva e capazes de adquirir a casa própria.
Fica claro também que o setor imobiliário vai se desenvolver muito nos próximos anos, principalmente se considerarmos que o crédito imobiliário brasileiro representa menos de 2% do PIB (Produto Interno Bruto), quando no vizinho Chile esse índice é de 13%; nos Estados Unidos é de 65%; e na Espanha, 46%.Voltamos a enfatizar: após 30 anos da extinção do BNH (Banco Nacional da Habitação), financiam-se no Brasil 300 mil unidades. Considerando o déficit habitacional de oito milhões de moradias, explica-se o apetite do mercado por financiamento à produção.
Superados os efeitos e as dificuldades da turbulência financeira internacional, o mercado imobiliário terá enorme campo de atuação e crescimento.
Como será 2009?
Em 2009, o mercado imobiliário continuará crescendo, ainda que em ritmo menor; manterá o movimento de readequação de metas, pelo menos até o primeiro semestre; e trabalhará de forma seletiva, com projetos adequados à demanda.
Quanto aos recursos necessários para irrigar o setor, o governo deu um voto de confiança já no final de 2008. A Resolução BACEN 3.629 inseriu no direcionamento de recursos da poupança (com taxa tabelada) mecanismo que permite irrigar o mercado dando-lhe maior liquidez. Com ela, os volumes poderão chegar, até 31 de março de 2009, a R$ 10 bilhões, incluindo Caixa e bancos privados. Somente a Caixa operará R$ 3 bilhões.
Acreditamos no fortalecimento do SFH (Sistema Financeiro da Habitação), com incentivos do governo, bem como do SFI (Sistema Financeiro Imobiliário). Uma mostra disso é a possibilidade de a Caixa, já a partir de janeiro, adquirir CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários), FIDCs (Fundos de Investimento em Direitos Creditórios), FII (Fundos de Investimentos Imobiliários) e debêntures de empresas que utilizarão esses recursos para a produção de empreendimentos.
As taxas de juros para essas operações serão de 7% ao ano + TR para empreendimentos com valores de unidades populares – por exemplo, imóveis de R$130 mil nas regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro e no Distrito Federal –, e 9% ao ano + TR para imóveis acima de R$ 130 mil, porém enquadráveis no Sistema Financeiro da Habitação (SFH).
Tal movimento permitirá que as empresas mantenham o foco no atendimento da classe C e de mais baixa renda, com a produção de empreendimentos econômicos, segmento que mais precisa de financiamento à produção.
Com relação a recursos do FGTS, o orçamento aprovado no dia 30 de outubro de 2008 pelo Conselho Curador do FGTS prevê para habitação popular quase R$ 12 bilhões. Isso nos faz crer que não faltará financiamento para os consumidores finais, com taxas de juros variáveis de 4,5% ao ano para cotistas do Fundo a 8,6% ao ano para o Programa Pró-Cotista, o que permite financiar o primeiro imóvel sem as amarras de valor máximo do imóvel ou de renda familiar bruta.
O Secovi-SP vai manter os trabalhos para que haja crédito imobiliário suficiente à produção e aquisição e defenderá, sempre, a maior aplicação dos bancos privados. Com mais recursos e demanda aquecida, não pode, em hipótese alguma, faltar a produção de imóveis no mercado.
É certo que existe preocupação com uma eventual desaceleração na economia e geração de empregos, principalmente das famílias de mais baixa renda, mas prevalecerá o otimismo realista do setor que, após duas décadas, saiu da estagnação e volta a operar em bases sólidas. Apesar de pontual redução no crescimento, o mercado imobiliário continuará a crescer.
João Crestana, presidente do Secovi-SP, da Comissão Nacional da Indústria Imobiliária da CBIC e reitor da Universidade Secovi

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

O dia seguinte ( 26 de dezembro )

( Por descuido, publiquei este post ainda incompleto. Hoje, 28/12 eu consertei. Não sei qual ficou pior. )
Saio de casa, às 13 hs ( + ou - ). Três casas adiante, vejo o verdadeiro significado do Natal, encostado no muro de uma casa: mal acabara a festa, já expulsaram para o destino-lixão uma árvore de Natal, ainda em bom estado, num saco preto de lixo. Dava a impressão de ter sido jogada fora com vaso e tudo. Trata-se, repito, de uma árvore. E, para muita gente, as árvores não têm muita utilidade, a não ser "enfeitar" as casas e só. As natalinas nem isso, já que você pode enfeitar a dita-cuja no dia 23, passa o 24, vem o 25 e, no 26, você já a descarta, pois já "perdeu" a serventia.
Caminho uns 500 m, e vejo um colchão deixado do lado de fora de uma casa. Pelo estado, não estaria ali para que algum necessitado pegasse. Ou seja: estava abandonado pelo antigo dono para que desaparecesse por um passe de mágica. É uma época de muita crença, muita espiritualidade. Se São Pedro mandasse uma chuva como as últimas, aquele colchão ia virar uma jangada, dirigindo-se ao Tamanduateí.
Antes de chegar a este trecho de rua, vejo que um cidadão de bem manobra e entra pela contra mão, segue uns metros, pára, faz umas outras manobras, e coloca o carro na direção correta. Cheguei a pensar que ele tivesse entrado por engano naquela rua, percebido o erro e tentado consertar. Não. Ele pôs o carro na direção que seria a , mas estacionou em frente à uma casa. Desceu e entrou nesta casa. Ou seja, entrou na contramão e, depois, manobrou para que ficasse mais fácil quando fosse sair de lá.
Entro no busão. Sento num banco e olho para o assento a meu lado: vazio, e alguém havia deixado um celular ali, perdido, dando sopa!! Perguntei a um cidadão no banco atrás do meu, se pertencia-lhe aquele aparelho. Diante da negativa, eu tinha duas opções: pegar para vender no mercado negro ( a mais popular ) ou fazer uma vontade pessoal ( tacar a porra do aparelho de Satã num bueiro ). Mas entreguei à cobradora do busão. Por ser um ônibus de cooperativa, acho que, em breve, esse celular vai estar em algum presídio, nas mãos de alguém do PCC.
Mas, por quê eu entreguei o telefone à cobradora e não ao bueiro? Simples. Observando diariamente o comportamento de quem possui esta bosta vejo que, para a grande maioria, trata-se da versão moderna do bezerro de ouro. Ou como se fosse um objeto milagroso, uma pedra filosofal. Uma lâmpada igual a de Aladim. Um falo-gigantêitor ( devo essa ao Casseta ). Ou a "pílula de energia do Vira-Lata", capaz de garantir a seu possuidor poderes e qualidades especiais. O homem em sua plenitude.
Meu cão, o Tibúrcio, quando perde seu brinquedo, corre por toda a casa, completamente desesperado, ganindo, gemendo, o coitadinho. É como o Linus ( do Charlie Brown, seus apedeutas ), quando perde o cobertor de proteção. Ou eu mesmo, quando estou na rua e percebo que esqueci minha bombinha de asma em casa.
Sendo assim, se uma pessoa consegue perder o celular em algum lugar, é porque esta pessoa trata o aparelho como aquilo que este realmente é: um telefone. Não há nenhum, sei lá, "fetichismo", relação umbilical, afetiva ou mística entre dono e objeto.
Então, merece ter de volta seu telefone. Vai ver, nem se deu conta de que perdeu-o.
Da minha parte, eu sei que essa pessoa é uma avis rara, e o 2009 será de muito celular para todos: na sala de aula, ouvindo música alto dentro do ônibus ou na sala de espera de hospital ( já presenciei ), e os ( maus ) modos permanecerão e prevalecerão.
Pois não é uma data comemorada de forma distorcida que vai mudar nossa vida, magicamente e sem esforço.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Protógenes mantém-se firme: existem mesmo jornalistas comprometidos com Daniel Dantas. E mais: "vEJA fabricou o tal 'grampo' ", disse

Comunique-se, 23.12.08
Em entrevista concedida na noite de terça-feira (22/12) ao programa Roda Viva, da TV Cultura, o delegado Protógenes Queiroz, afastado do comando da Operação Satiagraha,
voltou a afirmar que durante a investigação policial surgiram indícios de comprometimento de jornalistas com o “banqueiro e bandido Daniel Dantas”.
Queiroz se recusou, mais uma vez, a divulgar os nomes dos jornalistas suspeitos por questão de sigilo. Entretanto, confirmou que existem provas contra ao menos um profissional da imprensa que estaria “comprometido com o crime”.
“Eu não vou ser leviano de dizer quais os jornalistas, mas eu posso lhe afirmar que tem um jornalista que tem identificado o recebimento de vantagem. (...) Eu não posso dizer que o jornal Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo, estejam comprometidos com o crime, mas eu posso lhe afirmar que alguns profissionais, sim. Mas é minoria. (...) Imagine o senhor saber que algumas informações são manipuladas para alguns interesses escusos. Imagine o senhor saber o que é alguém preparar um editorial de um jornal e perguntar se está bom. Isso é muito grave”, afirmou.
Delegado defende pedido de prisão de jornalista
Questionado sobre o pedido de prisão da jornalista Andréa Michael, da Folha de S. Paulo, o delegado defendeu a sua decisão, afirmando que “existem fatos que levaram ao pedido extremado”.
“Eu não chamo de jornalista. Porque o jornalista não pratica o que aquela moça praticou. Saiu daquele plano da ética e ultrapassou aqueles limites da conduta de um jornalista”, disse, sem explicar quais seriam estas “práticas”. Queiroz afirmou apenas que, contra a repórter da Folha, “existe um conjunto de indícios e provas além dos diálogos” transcritos no inquérito vazado para a imprensa.
Veja fabricou o grampo, diz Queiroz
O delegado também acusou a revista Veja de ter “fabricado” o suposto grampo de uma conversa entre o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, e o senador Demóstenes Torres. Ele sustenta que o escândalo foi criado para tirar o foco das ações do banqueiro Daniel Dantas.
Para explicar a publicação da conversa transcrita, afirmou que o repórter da Veja, a quem apelidou de “jornalista Pitombo”, teria reconstituído as falas publicadas, dizendo ainda que existem dados que não pode revelar, mas que confirmam a presença do jornalista “em ambientes suspeitos, falando desse fato com outras pessoas”.
“Eu acredito que a fabricação de mais um escândalo pra desfocar o banqueiro bandido Daniel Dantas, porque a partir desse momento, a partir de vários outros momentos anteriores, deixou-se de falar da conduta do banqueiro, que na verdade não é banqueiro, é um criminoso. Está condenado”, disse.
O vazamento de informações privilegiadas para alguns veículos de imprensa também foi debatido. Queiroz defendeu a exposição das operações da Polícia Federal, inclusive da imagem dos presos. Ele lembrou que muitas outras operações tiveram o acompanhamento da imprensa, mas apenas na Satiagraha o fato se tornou tema de investigação.
“A população tem que conhecer quem está sendo preso. Essa imagem não choca a população. A imagem do bandido poderoso não choca a população. (...) O que choca e que ninguém comenta é uma criança de doze anos algemada para trás. Essa cena me choca”.
O Comunique-se não conseguiu um posicionamento oficial da revista Veja sobre a suposta “fabricação” do grampo.

Em encontro com moradores de rua, Lula recebe elogios de movimentos sociais, que também relatam a continuação da política higienista paulistana

Lula vai cobrar BB e CEF por planos de moradia
Presidente esteve na Quadra dos Bancários nesta terça para encontro com população de rua
São Paulo - A Quadra dos Bancários foi palco de uma animada e concorrida festa de Natal antecipada nesta terça-feira, dia 23, durante encontro anual do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com moradores de rua e catadores de materiais recicláveis.
Ao lado do ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, e do ministro dos Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, o presidente ouviu dos líderes dos movimentos sociais queixas com relação a projetos de moradia popular já aprovados em Brasília mas que ainda não saíram do papel. "As políticas para o povo de rua não podem ser para amanhã, tem que ser para hoje. A gente vê que o presidente cria condições para melhorar nossa vida mas as prefeituras emperram o processo", denunciou o presidente do MNCR ( Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis ), Anderson Miranda.
Lula fez então duras críticas à burocracia, disse que fará em janeiro uma reunião com os Ananias e Vannuchi para avaliar os projetos nas áreas sociais e cobrou os bancos públicos. "Quero estar presente com agentes do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal e do BNDES, e também com o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, para saber porque os planos de moradia com os terrenos da União não aconteceram", afirmou Lula.
Política higienista - O presidente do MNCR também fez graves denúncias do que chamou de "política higienista" da administração municipal paulistana. Segundo ele, a prefeitura manda apagar as luzes de algumas das regiões do centro e jatos de água gelada são jogados contra o povo de rua. Ainda segundo as denúncias, o terror continua com a violência da guarda civil metropolitana que, além de agredir, toma os documentos dos moradores de rua e quebra suas carroças, seu instrumento de trabalho. "A gente chora muito, senhor presidente. Estamos vendo em muitos casos, como recentemente em Belo Horizonte, inclusive a matança de pessoas que estavam na rua", disse.
Para o presidente do Sindicato, Luiz Cláudio Marcolino, é um orgulho ceder o espaço dos bancários para o encontro. "O presidente se encontra já há seis anos nesta época com os moradores de rua e catadores de recicláveis, e sempre acompanhamos a festa. Este ano tivemos a honra de proporcionar que este encontro, recheado de alegria e belas apresentações artísticas, acontecesse na Quadra dos Bancários".
Danilo Pretti Di Giorgi - 24/12/2008

Mafioso colombiano - e, supostamente, "aliado" das FARCS - envolvido com o 11 de Setembro? Seria um factóide?

BOGOTÁ, Colombia, Diciembre 22
Un testigo y antiguo narcotraficante, vinculó al extraditado capo a Estados Unidos, Fabio Ochoa Vásquez con los ataques terroristas del 11 de septiembre del 2001. La defensa de Ochoa quiere declarar nulo el juicio contra su cliente porque dicho testigo, presuntamente padece problemas mentales y su declaración contra su ex amigo y socio al parecer, tiene varias inconsistencias, dijo Caracol al reproducir una reportaje del Nuevo Herald, contactó a abogados de parte y parte. Alejandro Bernal fue considerado un testigo estrella del gobierno de Estados Unidos en el juicio que culminó en el 2003 con la condena de Fabio Ochoa Vásquez, jefe y fundador del cartel de las drogas de Medellín. Animado por la idea de reducir una condena de 30 años, Bernal se declaró culpable e hizo confesiones. Además de acusar a Ochoa, denunció a capos de la droga de Colombia y México, advirtió de la corrupción en la DEA y relató una historia difícil de creer: Ochoa, se alió con guerrilleros de las FARC y aportó $2 millones para los atentados del 11 de septiembre a las Torres Gemelas de Nueva York, aunque no le creyeron.
LATAM: Reporte Copyright 2008 por United Press International

Estou disposto a acabar com o Natal de vocês ( 2008 )

Em 2006 eu postara, no esquecido O Cata-Milho ( meu antigo blog, seus desmemoriados! ), uns lances que encontrei, sobre um ainda controverso massacre de chineses, cometido pelo Japão, o tristemente chamado "O Massacre de Nanjing". Botei fotos e tudo. Se você ficar curioso, eis o link para a postagem: http://ohomemfebril.blogspot.com/2006/12/estou-disposto-acabar-com-o-natal-de_14.html#links
Pois bem. Retomando a tradição de postar , antes do Natal, bizarrices que embrulham o estômago, vejam esta: um cirurgião fez uma operação para a retirada de um tumor no cérebro de uma criança recém-nascida, no estado do Colorado ( EUA ).
Só que não era, no fim das contas, um simples tumor, mas sim, um pé minúsculo formado, além de um outro pé e uma mão parcialmente formados. Pelo menos, foi o que entendi, já que meu inglês é um tanto tôsco!
OBS: Parece que a criança submetida à operação tem 2 anos de idade, não é recém-nascida.

Veja a notícia da ABCNews:
Foot Grows in Baby's Brain
Doctors Find Foot Growing in Infant's Brain, but Can't Explain Why Yet
By LAUREN COXABC News Medical Unit
Dec. 18, 2008
A doctor in Colorado found a surprise when removing what he thought was a benign growth from a newborn's brain. Instead of a microscopic tumor, out popped a tiny foot, partially formed hand, a thigh and another partially formed foot.
"It would be a shock to even the most experienced pathologist cutting into a tumor to see this," Dr. Paul Grabb told the ABC affiliate KMGH.
Grabb said he could not tell whether the miniature limbs were from a benign stem cell tumor called a teratoma or the remnants of an identical twin that did not split off and survive, a condition called fetus in fetu. "It looked like the breach delivery of a baby, coming out of the brain," Grabb told The Associated Press. "To find a perfectly formed structure is extremely unique, unusual, borderline unheard of."


Assistam ao vídeo, seus bizarros: http://abcnews.go.com/Video/playerIndex?id=6488431
E o original, do Denver Channel: http://www.thedenverchannel.com/health/18297954/detail.html








terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Sâo Paulo vira Atlântida!! Glub, glub e TOP! TOP!

Que satisfação prazerosa saber que a prefeitura de São Paulo está em boas mãos e, mesmo com estas chuvas torrenciais dos últimos dois dias, não houve enchentes, alagamentos, perdas materiais, etc.E pensar que houve um tempo em que isso era muito comum na cidade de São Paulo, lembram? Mas, desde que o Serra venceu a eleição em 2004, depois assumiu Kassab a cadeira do Executivo Municipal e, finalmente, o POVO PAULISTANO, em massa, refendou a continuidade da vitoriosa administração demo-tucana.
Isso quer dizer que, graças a Deus, a ex-prefeita deve estar bem longe daqui, escorraçada que foi pela nossa população. Com isso, estando na França ou em Buenos Aires, ela deve estar assistindo - com muita inveja, claro - pela televisão a competência da atual chefia municipal. E bebericando um champã.
Os eleitores paulistanos estão de parabéns. Eu dou o braço a torcer. Jamais imaginei que, com a Marta fora da prefeitura, as coisas seriam bem melhores. E vejo, assombrado, que não foram relatados casos de violência das águas na cidade, mesmo com o ímpeto e quantidade de água que as núvens nos mandaram.
Faço meu "mea culpa": certos estiveram, sempre, os eleitores residentes em locais como Higienópolis ou nos Jardins. Nesses locais, a porcentagem de votos conquistados pelos demo-tucanos está sempre na casa dos 80%. Nem Saddam conseguia isso. E nem mencionei o povo da Rebouças.
Certa estava aquela visionária dentista que bateu boca com Marta, em 2004, quando a então prefeita visitava os locais devastados pela enchente do córrego Pirajussara. Lembram? Deu primeira página e fotos! A imprensa fez a festa! E com razão, já que, 4 anos após os eventos, tudo está dentro da mais perfeita paz, e os moradores de São Paulo não mais temem ao olhar para o céu e notar que as nuvens se tornam carregada, prenúncio de chuvas fortíssimas.
Parabéns, São Paulo! Você merece!


Uma hora e meia de chuva deixa São Paulo submersa
Hora do Povo
, 24 e 25.12.08
44 pontos de alagamento e toda a cidade em estado de alerta por causa do transbordamento dos rios Pinheiros, Tietê e do córrego Pirajussara
A última segunda-feira (22) foi de caos para os paulistanos. A cidade ficou literalmente boiando com a chuva que, segundo o próprio Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da prefeitura, durou uma hora e meia e deixou 44 pontos de alagamento, mais de 20 deles intransitáveis, e 166 quilômetros de congestionamento. Diversos bairros ficaram sem luz, e os moradores – motoristas e pedestres - ilhados.
“Levei mais de três horas para chegar ao trabalho, num percurso que demora uns quarenta minutos. É um absurdo você passar tanto tempo dentro de um ônibus que simplesmente não sai do lugar. E o pior é que nem chovia tanto assim”, afirmou, indignado, Leandro Santana, morador da Zona Oeste da capital.
O CGE decretou estado de atenção em toda a cidade às 15h30, mas a zona Sul foi uma das mais afetadas. O rio Pinheiros transbordou e um grande alagamento interrompeu o tráfego na pista local da Marginal, no sentido Rodovia Castelo Branco. Mesmo com o fim da chuva, a marginal Pinheiros ainda ficou intransitável na altura da Ponte do Morumbi até às 19h18. Os carros ficaram 1 metro e meio debaixo d’água num estacionamento próximo ao Shopping Morumbi.
Na zona Oeste, o córrego Pirajussara também subiu de nível e, a partir das 15h15 as regiões de Santana, a Rodoviária do Tietê, Pirajussara e as regiões do Jóquei Clube e do estádio do Canindé entraram em estado de atenção.
A marginal do rio Tietê entrou em estado de atenção às 15 horas e só foi liberada depois das 18h. A Avenida Dr. Ricardo Jafet, no Ipiranga, foi liberada somente às 19h32.
Outros pontos, que ficam longe dos rios que cortam a cidade, também ficaram submersos.
A praça Campo de Bagatelle, onde repousa a réplica paulistana do 14 Bis, ficou paralisada até às 17h58. Foram registrados pontos de alagamento na avenida Giovanni Gronchi (Oeste), na Mooca (Leste), em Santana (Norte) e em Santo Amaro (Sul).
“Por aproximadamente 1h30 choveu forte principalmente nas Zonas Norte, Leste, Oeste, Centro e Sul da Capital. A chuva forte veio acompanhada de muita queda de granizo e ventos de rajada”, informou, à noite, o CGE.
Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o congestionamento na cidade chegou a 166 quilômetros, por volta das 18h15. De acordo com o Corpo de Bombeiros, foram 45 - e não 44 - pontos de alagamento na cidade, que incluíram as principais avenidas do município como a 23 de maio, a Ibirapuera e a Cruzeiro do Sul. O último ponto de alagamento foi liberado só depois das 20 h.

MEMÓRIA

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Golpe