segunda-feira, 27 de julho de 2015

"A Indústria da Multa não Existe" em: Causa Impossível


O cidadão de bem chama a CET pela manhã, por causa de veículos em calçada. Cinco horas e pouco depois passa pelo local e constata que os mesmos ali permaneciam. Telefona à CET, dá o número do protocolo, e é informado que o fiscal tinha ido lá ( o que já é um milagre, daqueles de fazer ateu crer em Santo Expedito ) "removido" três automóveis. 

Apesar de soar forte e legal pacas, remoção é simplesmente quando o amarelinho leva um lero com os meliantes, tentando chamá-los à razão, argumentando que aquilo prejudicava o direito de ir e vir do - não riam - pedestre e que, além de tudo, não bastasse ser um comportamento feio e bobo, também é ilegal, passível de multa e perda de pontos na CNH. Diante da boa conversa com o agente da Lei, os meliantes demonstram arrependimento e tiram os veículos do local, desculpam-se, fazem juras de que aquilo não se repetirá. 

Tão logo o amarelinho vira as costas eles retornam os carros ao local, já que é difícil um raio cair duas vezes no mesmo ponto.
 
"Indústria da Multa" né?
 
.

domingo, 26 de julho de 2015

Pablo Villaça: "Quero parabenizar a revista Veja"


Quero parabenizar a revista Veja. Depois de ter um número colossal de suas "reportagens" desmentidas apenas alguns dias depois de publicadas, este esgoto em forma de madeira prensada e tinta conseguiu bater um novo recorde e já chegou às bancas com sua matéria de capa desmontada pelo personagem PRINCIPAL: um executivo da OAS que, segundo a revista, havia denunciado Lula através de delação premiada. Antes mesmo de a revista começar a ser vendida, porém, o tal executivo e seus advogados informaram que jamais conversaram com o Ministério Público sobre qualquer tipo de delação, envolvendo ou não Lula.

Como se não bastasse, a revista trouxe uma matéria sobre Romário que o ex-jogador e agora senador também se encarregou de desmentir em nota publicada aqui no FB:https://www.facebook.com/romariodesouzafaria/photos/a.118367314924915.24204.111949165566730/862426647185641/?type=1&permPage=1

Aliás, se quiserem ver mais vários exemplos de matérias desmentidas da Veja, é só clicar no link a seguir e conferir a compilação feita por leitores em um comentário desta página.https://www.facebook.com/pablovillac…/posts/697119083726654…

E ainda há quem defenda e leia VEJA. Não muitos, claro, pois senão ela não estaria cada vez mais dependente das assinaturas compradas pelo governo tucano de SP para sobreviver.

Mas que ainda tenha um único leitor VOLUNTÁRIO é um testamento inequívoco da magnitude da estupidez humana.


.

.

ISSO os Datenas, justiceiros e linchadores da TV não destacam



Esse é o tipo de informação (*) que programas como o DATENA deveriam apresentar, discutir, aprofundar e até discordar, em vez de se afundarem na lama do sensacionalismo. 
O problema seria, então: como apresentar um dado importantíssimo como esse a um público que esses mesmos programas acostumaram a receber sangue e sadismo e não aceitar outra coisa no lugar?
A exploração e a descrição minuciosa de um assassinato, isoladamente, acaba tendo um poder de persuasão sobre as pessoas muito mais forte que apresentar um dado estatístico que poderia sabotar a própria exploração sensacionalista deste assassinato. 
Noutras palavras, os Datenas levaram as pessoas a recusar - como uma criança que recusa uma colherada de um remédio de gosto ruim - notícias como essa da queda dos homicídios e a, em vez disso, preferir ver sangue e supostas conspirações de marginais.

SP tem menor índice de homicídios da história
Esta foi a menor taxa da história nos seis primeiros meses do ano; Alckmin fala sobre os assassinatos
Os casos de homicídios no estado de São Paulo tiveram uma redução de 18,38% em junho deste ano, em comparação ao mesmo período do ano passado. Com a menor taxa da história nos seis primeiros meses, a queda foi de 11,62% nas mortes intencionais, sendo 9,38 ocorrências por 100 mil habitantes.
“Pela primeira vez na série histórica temos um primeiro semestre do ano com menos de dois mil homicídios”, destacou o governador Geraldo Alckmin.
Os dados foram divulgados pelo governador Geraldo Alckmin em um evento realizado no 52º DP, no Parque São Jorge, na Zona Leste de São Paulo, na manhã desta sexta-feira (24).
Capital
A capital também apresentou mais uma vez um recorde na redução dos homicídios dolosos. Os casos passaram de 93 para 73, ou seja, houve uma redução de 21,51%.
Interior
Pela segunda vez o índice de homícidios dolosos caíram no interior de São Paulo, a queda foi de 10,65% no semestre, com 956 ocorrências registradas.
De acordo com o balanço, em todo o estado aconteceram 262 assassinatos no mês de junho, ante 321 no mesmo período de 2014. 
O balanço completo com os casos de latrocínios será divulgado na próxima segunda-feira (27).

(*) Nem quero entrar no mérito se as informações e dados são corretos ( quem lê este blog sabe que eu não perco meu tempo elogiando governos tucanos, sobretudo este de São Paulo; e nem seria necessário, afinal ele já tem a mídia e a imprensa inteiras no bolso; mas emprego estes dados do governo estadual por uma causa maior ), até porque, se os programas citados fizessem o que estou sugerindo, eles poderiam, como já falei, discutí-los, questioná-los, denunciá-los. 
Instruir o público, em suma. Mas eles querem é sangue.

.

Duas reportagens de 'Veja' deste fim de semana são desmentidas


Executivo da OAS nega existência de delação premiada para o Ministério Público em matéria que tenta atingir Lula; senador Romário também manifesta indignação com matéria que o acusa de ter conta na Suíça

São Paulo – A revista Veja deste fim de semana teve duas reportagens desmentidas, uma delas antes de a edição chegar aos leitores [ NOTA DO BLOG: a respeito disso, leia comentário ao final do texto ]. Na matéria de capa, mais uma vez a revista tenta atingir o ex-presidente Lula e afirma “que chegou a vez dele” a respeito de uma suposta delação premiada de José Adelmário Pinheiro, executivo da OAS, que foi preso na Lava Jato.

“Sobre a reportagem da Veja deste final de semana, José Adelmário Pinheiro e seus defensores têm a dizer, respeitosamente, que ela não corresponde à verdade. Não há nenhuma conversa com o MPF sobre delação premiada, tampouco intenção nesse sentido”, disse, em nota, a empresa nesta sexta-feira (24).

Internamente, a reportagem falava em "segredos devastadores" contra o ex-presidente Lula: (1) a lista dos políticos que receberam propina, (2) os negócios milionários do filho de Lula, (3) despesas pessoais do ex-presidente foram pagas pelas empreiteiras e (4) Lula sabia do esquema de corrupção na Petrobras.

A reportagem de Robson Bonin também aponta Lula como o político "operado" pelo "operador" Léo Pinheiro, como José Adelmário Pinheiro é chamado. Sem a delação, negada pela OAS, no entanto, a reportagem não se sustenta.

Romário com suposta conta

O senador Romário (PSB-RJ) também publicou em sua página no Facebook neste sábado um texto em que rebate, ponto a ponto, reportagem publicada contra ele na revista. "Na quinta-feira, fui informado por um repórter da Veja que eu tinha uma conta na Suíça com o saldo de alguns milhões. A matéria saiu na edição impressa da revista. Obviamente, fiquei muito feliz com a notícia", ironizou.

O parlamentar também rebateu a "notícia" de que desfila com uma Ferrari pelas ruas do Rio – "algo impossível já que o carro já não se encontra na cidade há alguns anos. A saber, o veículo foi comprado em 2004" –, chamou a publicação da Abril de "cretina" e anunciou que irá à Justiça contra os "repórteres que assinam mentiras".

Leia abaixo a íntegra:

Galera, bom dia

Na quinta-feira, fui informado por um repórter da Veja que eu tinha uma conta na Suíça com o saldo de alguns milhões. A matéria saiu na edição impressa da revista. Obviamente, fiquei muito feliz com a notícia, assim que possível, irei ao banco para confirmar a posse desta conta, resgatar o dinheiro e notificar à Receita Federal.

Espero que seja verdade, como trabalhei em muitos clubes fora do Brasil, é possível que tenha sobrado algum rendimento que chegou a esta quantia. Estou me sentindo um ganhador da Mega Sena, só que do meu próprio honesto e suado dinheiro. 

O que há de estranho nisso é a informação da revista de que a aplicação seria de 2013, certeza que eu não fiz nenhuma aplicação no período recente. Também não recebi nenhuma notificação do Ministério Público a respeito. Mas como se trata da revista Veja, se a informação estiver errada não será nenhuma surpresa. Essa mesma matéria diz, por exemplo, que eu desfilo de Ferrari pelas ruas do Rio, algo impossível já que o carro já não se encontra na cidade há alguns anos. A saber, o veículo foi comprado em 2004. O repórter diz ainda que eu teria negociado com meu partido, o PSB, o pagamento do aluguel da casa onde moro no Lago Sul, como uma forma de compensar minha refiliação a legenda. Essas e outras mentiras costuram o enredo de uma farsa. Coisa que a revista tem expertise em fazer.

Se vocês lerem a matéria, perceberão que não há uma fonte sequer identificada de acusações contra mim. Vale informar que durante as eleições do ano passado, esta mesma cretina revista tentou publicar esta matéria contra mim, com claras motivações políticas. A matéria não saiu, na época, por falta de consistência. Não é de suspeitar que uma semana depois de eu despontar com alto índice de intenções de votos para a prefeitura do Rio, a publicação tenha sido resgatada com este fato novo da conta na Suíça. Difícil é esperar credibilidade de uma revista como essa, que vende capa.

Espero que, pelo menos, a conta seja verdade. Porque dinheiro honesto, ganho com muito suor, não faz mal a ninguém. Bom lembrar que problemas financeiros todo mundo tem e os meus sempre foram com recursos privados, nunca nada com R$ 1 de dinheiro público.

Ademais, podem atacar, mas eu continuarei presidente da CPI do Futebol e imbuído de vontade moralizar o futebol brasileiro.

Sobre o meu futuro político, nada vai tirar meu foco!
Aos meus concorrentes, minhas pretensões se fortalecem com matérias como essas.

Aos repórteres que assinam mentiras, nos vemos na justiça.


COMENTÁRIO: Mesmo após a Veja ter sido humilhantemente desmascarada, tem bancas em Sampa que já venderam todo o reparte desta semana em 1 ou 2 dias ( como se sabe, várias delas recebem as revistas semanais - Veja, Carta Capital, Isto é, Época - no sábado, enquanto outras somente as receberão na segunda-feira ). E mesmo após sua Bíblia ter sido desmascarada ainda no forno, ainda tem gente repercutindo as notícias falsas. MESMO SABENDO DO DESMASCARAMENTO.
Assim, muitas bancas venderam neste fim de semana mais do que a sua média semanal e já estão deixando de vender. Ou seja, por exemplo, uma banca que vende em média 5 ou 6 exemplares, recebeu 9 e já vendeu as nove. Se tivesse recebido 15 teria vendido as 15; se tivesse 25 exemplares, venderia esses 25.
Tendo a Veja sido desmascarada ontem, mas ainda havendo leitor procurando a edição nas bancas e revistarias, fica demonstrado que a, por vezes celebrada, "força das redes sociais" ainda é passível de discussão. 
Ou melhor, enquanto a versão de que a Veja se lascou é disseminada pelas redes sociais, um movimento oposto a essa versão também é passada adiante. Seja qual for a versão que prevalecerá nas redes sociais, o fato é que esta edição da Veja, mesmo com a matéria principal desmascarada, "bombou" e fez a alegria de jornaleiros.
Portanto, não seria uma surpresa se saísse uma nova "fornada" desta edição, para suprir a clientela ávida, como ocorreu na ocasião com a famigerada edição da reta final eleitoral, que havia esgotado e saído uma reimpressão. 
É uma boa oportunidade para lembrar que, à época, aproveitando a falta de exemplares nas bancas de Sampa, um vagabundo - que, segundo notícias recentes, está sendo processado por isso - espalhou um boato totalmente canalha, acusando a a Prefeitura de São Paulo de mandar equipes de fiscais das Subprefeituras nas bancas para CONFISCAR OS ESTOQUES DA REVISTA VEJA.
É possível então que, se a prefeitura de Sampa não tivesse decidido processar o meliante que espalhou o boato do confisco na época eleitoral, era bem capaz que outro meliante da mesma estirpe fosse encorajado a repetir a bandidagem novamente agora. Digo, até este momento não ouvi falar nada a respeito.

.



Uma questão de dinheiro: a origem do ódio assassino da Abril pelo PT. Por Paulo Nogueira


Os franceses têm uma frase para a investigação de crimes: “Procure a mulher.”

Você pode adaptá-la para o Brasil de hoje.

“Procure o dinheiro.” É o que você deve fazer caso queira entender o ódio desumano da Veja pelo PT, expresso mais uma vez na capa desta semana.

Isso vale não apenas para a Veja, é bom acrescentar.

O jornalista Ricardo Kotscho, que fez parte da equipe de Lula em seus primeiros tempos, conta uma história reveladora.

Roberto Civita queria uma audiência com Lula, algum tempo depois de sua posse. E pediu a Kotscho que a arranjasse.

O objetivo não era discutir os rumos do Brasil e do mundo. Era pedir dinheiro para o governo, na forma de anúncios [ NOTA DO BLOG: A especialidade da Abril parece ser descolar, na base da boa e velha conversa amistosa, uns anúncios junto a governos. Confira aqui alguns casos ].

Ou mais dinheiro.

As coisas não correram como Roberto esperava. As consequências editoriais estão aí. Nem a morte de Roberto deteve a fúria assassina da Veja.

É um paradoxo. As mesmas empresas liberais que condenam o Estado são visceralmente dependentes do dinheiro público que ele canaliza para elas.

Sem esse dinheiro, elas simplesmente não sobreviveriam.

Não é errado dizer que o Estado brasileiro financia as grandes empresas jornalísticas. É, para elas, um Estado Babá.

Não é apenas dinheiro de anúncios, embora seja este o grosso. Ele vem de outras formas.

Poucos anos atrás, quando ainda tinha resultados contábeis expressivos, a Abril levou cerca de 25 milhões de reais do BNDES para uma obra que deveria ter sido bancada por ela mesma, e não pelo contribuinte: um arranjo em seu sistema de assinaturas.

É um dado público.

Parêntese: se na CPI do BNDES for aberto um capítulo para as relações da mídia com o banco, teremos informações sensacionais.

Em 2009, quando a Veja já abdicara de qualquer honestidade no ataque ao PT, a Abril levou 50 milhões de reais do governo de Lula apenas em anúncios.

Por que tamanha revolta, então?

Mais uma vez: procure o dinheiro. A Globo estava levando, e continua a levar, dez vezes mais, 500 milhões por ano.

Lula e Dilma, ironicamente, vem financiando a mídia que tenta exterminá-los.

Tamanha dependência leva a surtos de paranoia a cada eleição: e se a festa acabar? E se o governo decide reduzir ao mínimo os investimentos publicitários que vão dar nas corporações jornalísticas?

Seria uma calamidade para essas empresas. Elas cresceram graças ao dinheiro público posto nelas em proporções nababescas.

Note. Não é só o governo federal. Quantos recursos públicos não são encaminhados para as companhias de jornalismo pelo governo de São Paulo, o mais ricos do Brasil? De anúncios a compras de assinaturas, a mãozinha amiga está sempre presente.

No futuro, estudiosos tentarão decifrar por que nem Lula e nem Dilma mexeram adequadamente neste sistema que irriga recursos do contribuinte para mãos e bolsos particulares.

Minha hipótese é: medo, medo e ainda medo.

Quando os dados se tornaram públicos, e começou a surgir aqui e ali indignação, inventou-se uma coisa chamada “mídia técnica” para justificar o injustificável.

Com isso, teoricamente estava explicado por que anualmente o governo colocava 150 milhões de reais no SBT para terminar num jornalismo com Sheherazades.

Mas era e é uma falácia. Governo nenhum é obrigado a colocar dinheiro em empresa nenhuma, sobretudo quando há fundadas desconfianças sobre o caráter dela e seu comprometimento com o bem estar público.

No caso específico da Abril, e da Veja, a questão do dinheiro público se tornou especialmente dramática com a Era Digital e seu efeito destruidor sobre a mídia impressa.

Um governo amigo melhoraria extraordinariamente a situação financeira da Abril. O declínio não seria estancado, porque é impossível, mas seria mitigado.

A verba de anúncios federais cresceria instantaneamente. Lotes gigantescos de assinaturas de revistas seriam comprados. Financiamentos a juros maternais seriam obtidos.

É isso o que move a Abril — e, em medidas diferentes, as demais grandes empresas jornalísticas.

Procure o dinheiro, caso queira entender a sanha homicida delas, maldisfarçada num moralismo cínico, demagógico e canalha, para não dizer criminoso.


LEIA TAMBÉM:

Veja faz armação contra Lula com delação falsa

Revista Veja deste fim de semana fez mais uma armação contra o ex-presidente Lula, para inclui-la na coleção de dezenas de capas já produzidas contra o presidente que deixou o cargo com a maior popularidade da história do País; desta vez, Veja afirma que chegou "a vez dele", a respeito de uma suposta delação premiada de José Adelmário Pinheiro, executivo da OAS, que foi preso na Lava Jato; com a palavra, a defesa da OAS: “Sobre a reportagem da Veja deste final de semana, José Adelmário Pinheiro e seus defensores têm a dizer, respeitosamente, que ela não corresponde à verdade. Não há nenhuma conversa com o MPF sobre delação premiada, tampouco intenção nesse sentido”

A revista Veja deste fim de semana fez mais uma armação contra o ex-presidente Lula, para inclui-la na coleção de dezenas de capas [ DESTAQUE NOSSO ] já produzidas contra o presidente que deixou o cargo com a maior popularidade da história do País.

Desta vez, Veja afirma que chegou "a vez dele", a respeito de uma suposta delação premiada de José Adelmário Pinheiro, executivo da OAS, que foi preso na Lava Jato.

No entanto, antes mesmo de chegar às bancas e à casa dos assinantes, a reportagem foi desmentida pela OAS. “Sobre a reportagem da Veja deste final de semana, José Adelmário Pinheiro e seus defensores têm a dizer, respeitosamente, que ela não corresponde à verdade. Não há nenhuma conversa com o MPF sobre delação premiada, tampouco intenção nesse sentido”, disse, em nota, a empresa.

Internamente, a reportagem falava em "segredos devastadores" contra o ex-presidente Lula: (1) a lista dos políticos que receberam propina, (2) os negócios milionários do filho de Lula, (3) despesas pessoais do ex-presidente foram pagas pelas empreiteiras e (4) Lula sabia do esquema de corrupção na Petrobras.

A reportagem de Robson Bonin também aponta Lula como o político "operado" pelo "operador" Léo Pinheiro, como José Adelmário Pinheiro é chamado. Sem a delação, negada na noite de sexta-feira pela OAS, no entanto, a reportagem não se sustenta.


,



sábado, 25 de julho de 2015

Romário diz que @VEJA é revista cretina e ameaça ir à Justiça


Senador rebate ponto a ponto reportagem publicada contra ele na última edição da revista e ironiza: "fui informado por um repórter da Veja que eu tinha uma conta na Suíça com o saldo de alguns milhões (...). Obviamente, fiquei muito feliz com a notícia"; parlamentar anuncia que irá à Justiça contra os "repórteres que assinam mentira

Rio 247 - O senador Romário (PSB-RJ) publicou em sua página no Facebook neste sábado um texto em que rebate, ponto a ponto, reportagem publicada contra ele na última edição da revista Veja. "Na quinta-feira, fui informado por um repórter da Veja que eu tinha uma conta na Suíça com o saldo de alguns milhões. A matéria saiu na edição impressa da revista. Obviamente, fiquei muito feliz com a notícia", ironizou.

O parlamentar também rebateu a "notícia" de que desfila com uma Ferrari pelas ruas do Rio - "algo impossível já que o carro já não se encontra na cidade há alguns anos. A saber, o veículo foi comprado em 2004" -, chamou a publicação da Abril de "cretina" e anunciou que irá à Justiça contra os "repórteres que assinam mentiras".

Leia abaixo a íntegra:

Galera, bom dia

Na quinta-feira, fui informado por um repórter da Veja que eu tinha uma conta na Suíça com o saldo de alguns milhões. A matéria saiu na edição impressa da revista. Obviamente, fiquei muito feliz com a notícia, assim que possível, irei ao banco para confirmar a posse desta conta, resgatar o dinheiro e notificar à Receita Federal.

Espero que seja verdade, como trabalhei em muitos clubes fora do Brasil, é possível que tenha sobrado algum rendimento que chegou a esta quantia. Estou me sentindo um ganhador da Mega Sena, só que do meu próprio honesto e suado dinheiro.

O que há de estranho nisso é a informação da revista de que a aplicação seria de 2013, certeza que eu não fiz nenhuma aplicação no período recente. Também não recebi nenhuma notificação do Ministério Público a respeito. Mas como se trata da revista Veja, se a informação estiver errada não será nenhuma surpresa. Essa mesma matéria diz, por exemplo, que eu desfilo de Ferrari pelas ruas do Rio, algo impossível já que o carro já não se encontra na cidade há alguns anos. A saber, o veículo foi comprado em 2004. O repórter diz ainda que eu teria negociado com meu partido, o PSB, o pagamento do aluguel da casa onde moro no Lago Sul, como uma forma de compensar minha refiliação a legenda. Essas e outras mentiras costuram o enredo de uma farsa. Coisa que a revista tem expertise em fazer.

Se vocês lerem a matéria, perceberão que não há uma fonte sequer identificada de acusações contra mim. Vale informar que durante as eleições do ano passado, esta mesma cretina revista tentou publicar esta matéria contra mim, com claras motivações políticas. A matéria não saiu, na época, por falta de consistência. Não é de suspeitar que uma semana depois de eu despontar com alto índice de intenções de votos para a prefeitura do Rio, a publicação tenha sido resgatada com este fato novo da conta na Suíça. Difícil é esperar credibilidade de uma revista como essa, que vende capa.

Espero que, pelo menos, a conta seja verdade. Porque dinheiro honesto, ganho com muito suor, não faz mal a ninguém. Bom lembrar que problemas financeiros todo mundo tem e os meus sempre foram com recursos privados, nunca nada com R$ 1 de dinheiro público.

Ademais, podem atacar, mas eu continuarei presidente da CPI do Futebol e imbuído de vontade moralizar o futebol brasileiro.

Sobre o meu futuro político, nada vai tirar meu foco!

Aos meus concorrentes, minhas pretensões se fortalecem com matérias como essas.

Aos repórteres que assinam mentiras, nos vemos na justiça.

.

sexta-feira, 24 de julho de 2015

A crise se alastra ( cartum )




Método revolucionário para não tomar multa no trânsito


1 - Onde tem uma placa "Não Pare", você não para
2 - Onde tem uma placa dizendo "Velocidade máxima 50km/", você vai a 50km/h. Se a Prefeitura reduzir pra 30, você vai a 30.
3 - Não passe no vermelho.
4 - Não fale ao celular enquanto dirige.
5 - Não pare em fila dupla
6 - Não pare na guia rebaixada
7 - Dê seta ao entrar
8 - Você sabe disso tudo e muito mais
9 - São as únicas que consigo lembrar nesse momento, já que não dirijo, então essas instruções não fazem parte do meu dia a dia nem do meu cabedal de conhecimentos :)

Entenda as regras de trânsito como uma bula de remédio. Se o laboratório recomenda que você tome uma drágea de 8 em 8 horas e seu médico endossa essa dosagem, não a dobre ou triplique. Você é inteligente o suficiente para seguir esta recomendação. Então por quê não seria inteligente o suficiente para entender as regras do trânsito?
Já sei: a trolha por tomar doses mais altas de remédios costuma ser imediata mas, no caso de pisar na bola no trânsito, vamos e venhamos, vai mais na base da aleatoriedade, da conjunção dos planetas e do seu azar naquele dia, né?
Não é que você não consiga entender, é que você acha que regras e leis só são boas se vão de encontro aos teus interesses. Você é o tipo de cara que fica muito puto quando alguém estaciona o carro na frente da tua garagem. Tô ligado. Na tua garagem não pode, mas no "Proibido Estacionar" pode, quando se trata de você. Afinal, é só um minutinho. Um minutinho que se torna uma eternidade, quando se trata da tua garagem, né não?
De mais a mais, esse papo de arrecadação é maior caô, e você sabe muito bem que a produção de multas não acompanha nem de longe a produção de infrações que você e outros milhares de motoristas cometem. Uma vez que você não é honesto ao admitir isso, como será honesto atrás do volante?, eu me pergunto
Mas aí, siga aquelas regrinhas básicas que enumerei lá em cima, tome um copo de água de 3 em 3 horas e vamo que vamo. Não vai ter "Indústria da Multa" que te aporrinhe.

.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Lula, FHC, e demais: os fatos quando escancarados... E os surtos de amnésia


Procurador do Distrito Federal pede investigação contra Lula. Quer apurar se Lula, já ex-presidente, usou influência em favor da Odebrecht. 
.
Ótima oportunidade para debater limites e ações de ex-presidentes, candidatos futuros e... presidentes.
.
Lula tem um Instituto bancado por doações privadas. Inclusive, em algum momento, da Odebrecht. 
.
Doação declarada, como a do Instituto Fernando Henrique Cardoso. Que já recebeu doação da Sabesp.
.
Declaradas foram doações para o IDS, Instituto de Marina Silva. 
.
O Instituto FHC começou a nascer em 2002, quando ele ainda era presidente. Então, a revista Época relatou.
.
Palácio da Alvorada, novembro. Doze megaempresários, inclusive da empreiteira Camargo Correa, jantam com Fernando Henrique e combinam doar R$ 7 milhões para seu Instituto. 
.
Lula e Fernando Henrique fazem palestras pagas. Como Marina, que fez 72 palestras entre 2011 e 2014.
.
Sendo atividades privadas, não são revelados os clientes e quanto pagam... Evidente que, para candidatos, isso terá que mudar.
.
Se, por exemplo, Lula viesse a ser candidato em 2018 não teria como ocultar sua lista de clientes. Não há mais espaço para candidatos terem contratos confidenciais.
.
Não há motivo para se suspeita alguma sobre Marina. Mas nem ela, nem Lula, ninguém pode chegar à presidência com cliente oculto, e por oculto fator de crise. 
.
Já ex-presidentes, Lula e Fernando Henrique viajaram em aviões de empresários. Como Marina também viajou no polêmico, fatídico jatinho usado por Eduardo Campos.
.
O Brasil comprou 36 caças suecos por US$ 4,5 bilhões... Feroz a disputa entre fabricantes dos EUA, França e Suécia. 
.
Em favor das empresas e empregos, presidentes dos Estados Unidos e primeiros-ministros da França e Suécia fizeram papel de garoto-propaganda junto a presidentes do Brasil.
.
Para ajudar a Raytheon na venda de radares por US$ 1,4 bilhão, mesmo papel fez Bill Clinton junto a Fernando Henrique.
Vítima de escuta telefônica, feita por dois agentes da PF, tal negócio produziu o escândalo Sivam, em 1995. 
.
Estes são fatos. Uns são fatos escancarados. Outros, certamente por amnésia, são fatos esquecidos.


.




.

Notas atualizadas sobre a suposta "Indústria da Multa" (sic) e assuntos correlatos



Todas eu fui postando, ao longo do dia de hoje, no Facebook, e agora compilo-as aqui:

1 - Os assaltantes beneficiários


De acordo com um jornal, a OAB estaria alegando que a diminuição da velocidade nas Marginais acarretaria em falta de segurança pros motoristas, com aumento de arrastões e roubos. Nesse caso, o certo seria aumentar a velocidade em todas as ruas, não importam as dimensões, sob o mesmo argumento. E, pensando bem, até o pedestre deveria acelerar o passo, que é pro assaltante sem fôlego não ter pique pra robá a gente.

Outra opção seria, no caso das Marginais, exigir que o responsável pela segurança pública, O GOVERNO DO ESTADO, cumpra seu papel. Mas esse aí ninguém questiona. Estamos em São Paulo, nunca se pode esquecer disto.

É que estou com preguiça de pesquisar se a OAB fez alguma coisa a respeito da inutil obra de ampliação da Marginal cometida por Serra, que custou mais de 1 bilhão e encheu os cofres da Delta de Carlinhos Cachoeira e que, por fim, depois de três meses de sua inauguração, seus efeitos "benéficos" haviam evaporado.


2 - Argumento


Uma revista de automóveis tem um editorial descendo o sarrafo na redução da velocidade.
Embora o sujeito que a produziu tente apelar para argumentos "técnicos" ( não faço a menor idéia do que seja "frenagem" ) e até manobre pelo viés da física para rebater argumentos da Prefeitura, o estranho é que, no fim das contas, o maior argumento que ele apresenta é a suspeita ( sim, não passa de suspeita, é só isso que eles têm ) de que a medida visa apenas a arrecadação. Basta andar no limite permitido que não tem arrecadação.
De quebra, o editor recorre à boa e manjada pergunta ( retórica ) , que muitos destes detratores fazem mas cuja resposta - que deve existir e, se eles quiserem saber MESMO, bastaria pesquisar - eles não devem querer escutar: "Pra onde vai o dinheiro, se esse dinheiro das multas deve ser empregado na melhora do trânsito?"
Eu não faço idéia, e até já manifestei meu estranhamento pelo fato do dinheiro das multas ser remanejado em benefício dos próprios motoristas. Fica parecendo que o crime compensa. Por mim esse dinheiro ia pros busão e pra CET. É pra ser uma punição, não um investimento, ou seja, eu sou multado por estacionar na calçada e, em troca, recebo uma rua asfaltada com o dinheiro de multas semelhantes.?

( Quem reclama da velocidade da Marginal geralmente não reclama da velocidade da expansão do Metrô )

3 - Chama o ladrão

São 18:00 hs e já telefonei 4 vezes desde as 15:30 para a CET multar um vagabundo que está estacionado numa calçada paulistana. Ou seja, já faz 2 horas e meia que um cidadão de bem acima de qualquer suspeita - EU - testemunhou à CET a existência de um delito sendo praticado à luz do dia, em uma via de muito movimento. Isto é, não sou a única testemunha.

O curioso da história é que ontem eu fiz A MESMA COISA (*). É como se fosse o Dia da Marmota. Sabe quantos meses eu vejo esse mesmo ponto servindo de "ponto viciado" para a mesma prática? Bem, como é caminho de volta do meu trabalho e estou lá há 5 anos, calculem quantas vezes eu flagrei isto ao longo desse tempo. E não, não é a primeira nem a segunda vez que chamo a CET para esse lugar. Fora os outros espalhados pelo bairro. 
(*) Ontem, 22.07, o amarelinho foi no lugar depois de apenas uma hora que eu tinha pedido a fiscalização e informou que a queixa "não procedia". Mas hoje o carro tá lá novamente. Feliz Indústria da Multa para quem acredita nela.

Eu pensei que a Indústria da Multa - copyright "Voz do Povo" - não cochilasse diante das oportunidades. Das duas, uma: ou não existe Indústria da Multa nenhuma, ou ela só fica com o filé e dispensa a carne de segunda. Mas aí, se dispensa a carne de segunda, não pode ser uma Indústria da Multa. Não se recusa clientela. De todo modo, não existe Indústria da Multa nenhuma. Nem mesmo uma oficininha artesanal.

4 - "Eles inventam multa, Seu Nelson?"

Essa aconteceu uns 3 anos atrás. Tava lá "no lojinha" um sujeito, um freguês, e se conversava sobre a inauguração de um shopping-center que tinha ocorrido uns dias antes. 

A certa altura do papo, o sujeito - que, na semana passada, revelou que havia comprado a CNH, vejam como são as coisas - falou:
- Vocês viram os amarelinhos tudo lá, aproveitando que tava todo mundo indo lá ver o shopping?
E ele olhava pra mim com cara de amarelinho achacador, depois olhava pra palma da mão onde havia um talão de multas imaginário, e gesticulava, como se estivesse preenchendo uma multa imaginária, e depois repetia essa série de gestos, como querendo dizer "Ficaro lá só multando e multando e multando".
O tom dele, que vocês devem ter deduzido a partir da descrição que fiz da cena toda, era mais ou menos como "Foro lá só pra multar as pessoas e mais nada".
Como se estivessem fazendo algo errado. Pra estarem fazendo algo errado, eles só poderiam estar inventando multa. Pois multar quem merece não é errado. Na verdade, É OBRIGAÇÃO desses profissionais. Então, pra terem sido censurados pelo sujeito, ele certamente deve ter seus motivos. Deve ter flagrado um ilícito. Então eu lhe perguntei, bem em falso tom de ingenuidade e indignação:
- Eles estavam INVENTANDO MULTAS, SEU NELSON? Como é que pode?
Não esqueço até hoje a cara que ele fez quando foi obrigado a negar. Não, ninguém ali estava inventando multas.
E eu perdi a chance de perguntar do que ele estava reclamando, então. Agora já foi.

5 - Por fim, esta aqui que o Vinicius Duarte postou também no FACEBOOK  e acho que ele não vai se importar por eu ter surrupiado:


29/09/2010 (dois mil e DEZ): "Prefeitura reduz velocidade máxima em 10 avenidas, INCLUSIVE as Marginais"

Reação: n/d

16/05/2011 (dois mil e ONZE): "Prefeitura reduz velocidade máxima na Av. Roberto Marinho"

Reação: n/d

23/5/2011 (dois mil e ONZE): "Prefeitura reduz velocidade máxima na 23 de Maio/Rubem Berta"

Reação: n/d

24/03/2012 (dois mil e DOZE): "Estudo da CET mostra que redução de velocidade não piorou o trânsito e reduziu acidentes"

Reação: n/d

20/07/2015 (dois mil e quinze): "Prefeitura reduz velocidade máxima na pista local das marginais"

Reação: "OAB vai ingressar com ação contra novos limites de velocidade nas marginais. MP abrirá inquérito".
-------------------------------------------------

Conclusão: o paulistano passou a ser bastante aguerrido na defesa de seus direitos e contra a opressão governamental que lhe tira o "direito de ir e vir mais rápido", notadamente a partir de 01/01/2013.


.











O avô (Tancredo) e o neto (Aécio), por Jasson de Oliveira Andrade





O jornalista e escritor José Augusto Ribeiro escreveu uma biografia de Tancredo Neves, livro publicado em 2015. Nessa obra de 865 páginas, o autor relembra muitos fatos da carreira do avô de Aécio. Um deles sobre Getúlio Vargas, presidente eleito em 1950. Ele era muito criticado pela imprensa da época, principalmente pelo jornal “Tribuna da Imprensa”, de Carlos Lacerda (UDN). Os jornais e revista ( O Cruzeiro, com David Nasser, incentivado por Assis Chateaubriand, Chatô, dono dos Diários Associados, que incluía a revista ), malhavam Vargas. Em vista disto, Getúlio incentivou a criação de um jornal que o defendesse, criando o ULTIMA HORA. Aí foi pior. A mídia, que já o criticava, agora se tornou massacrante contra o seu governo. Criou-se então uma CPI ( Comissão Parlamentar de Inquérito ), que seria o início do fim de Vargas, concretizado com o seu suicídio em 24 de agosto de 1954.

Na página 93 de sua biografia, José Augusto Ribeiro revelou: “A CPI do Ultima Hora coincidiu com o início de uma primeira tentativa de impeachment de Getúlio [ requerida pela UDN ]. Não houve apenas um pedido de impeachment de Getúlio, mas dois, AMBOS ENFRENTADOS E DERROTADOS POR TANCREDO ( destaque meu ). O primeiro em junho de 1953, coincidente com a instalação da CPI. O segundo, já em 1954”. Deve-se lembrar que Tancredo era ministro da Justiça de Getúlio Vagas. O escritor, adiante, concluiu: “A derrota inevitável [ do impeachment ] demonstraria que a destituição de Getúlio não seria possível por meio constitucionais e só um golpe de Estado garantiria a derrota de seu governo. (...) O mesmo raciocínio explicitado no segundo pedido de impeachment, estava implícito no primeiro pedido, o de 1953: a derrota fortaleceria a opção pelo golpe”.

Uma incrível coincidência merece destaque. Na página 116, Ribeiro relata que o então deputado Aliomar Baleeiro (UDN), autor do pedido de impeachment de Getúlio em 1954, disse que se o pedido não fosse aceito restava para Vargas, entre outras situações, a renúncia ( O que o deputado udenista não sabia: ele renunciou à própria vida no mesmo ano! ). Agora, o jurista tucano ( Foi ministro da Justiça de FHC ), Miguel Reale Júnior, em artigo ao Estadão (4/7), sob o título “Mulher sapiens”, escreveu: “O exasperante quadro atual do nosso país leva a um clamor: Dilma, renuncie”. Já na Folha de 10/7, o jornalista direitista Reinaldo Azevedo, completou: “Renuncie, Mulher sapiens sapiens”. Ontem como hoje a palavra de ordem é a mesma: renúncia!

Em 2015, tenta-se derrubar Dilma. Ou com o impeachment ou por outros meios legais. A presidente, em entrevista à Folha, afirmou que não será tirada do cargo. Nem iria se suicidar. Nesta declaração, ela se lembrou de Getúlio. Aécio, neto de Tancredo, que evitou, por duas vezes, o impeachment de Vargas, está em dúvida se pede ou não essa medida extrema. Talvez pensando que também seria derrotado, embora no governo de Dilma não exista um Tancredo Neves. E na imprensa, maioria anti-governo petista ( Estadão, Veja e outros ), não temos a impetuosidade e o talento de um Carlos Lacerda...

Será que a História se repetirá? Ou teremos um novo Tancredo para impedir que o neto consiga derrubar a Dilma? Será que ao romper com o Planalto, após ser acusado de cobrar propina, Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados, facilitará o Impeachment? A conferir!

JASSON DE OLIVEIRA ANDRADE é jornalista em Mogi Guaçu
Publicado na GAZETA GUAÇUANA em 23/7/2015
.

.

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Imprensa está entre as instituições que o brasileiro menos confia


Pesquisa aponta que nenhuma instituição atingiu mais de 50% de confiança total da população.

Pesquisa da CNT/MDA divulgada na última terça-feira (21), aponta que a descrença dos brasileiros com as instituições nacionais é grande. Um exemplo disso é que 21,2% das pessoas disseram não confiar nunca na imprensa, enquanto somente 13,2% que disseram confiar sempre.

No ranking das instituições que os brasileiros mais confiam, os meios de comunicação ficaram em quinto lugar, com 4,8%, e só estão na frente de governo (1,1%), Congresso Nacional (0,8%) e Partidos Políticos (0,1%). No topo está a igreja, sem especificação de religião, com 53%. Bem mais atrás vêm as Forças Armadas, com 15%, a Justiça, com 10,1% e a polícia, com 5%.

Porém, quando a pergunta foi se o entrevistado confia sempre ou nunca em determinada instituição, nenhuma delas atingiu metade de confiança plena. As duas primeiras foram as igrejas, com 43% (11,7% disseram não confiar nunca); e as Forças Armadas com 19,2% contra 17,2%.

Aprovação da presidenta

Por conta das dificuldades econômicas e políticas, a aprovação da presidenta Dilma teve mais uma queda. Agora somente 7,7% dos entrevistados aprovam o governo - contra 70,9% de reprovação. A aprovação pessoal de Dilma atingiu 15,3% ante 79,9% de desaprovação.

A pesquisa foi realizada entre os dias 12 e 16 de julho, em 25 estados brasileiros e no Distrito Federal, e ouviu 2002 pessoas.


.


Haja ciclovia pra essas pedaladas: Conselheiro do TCE acusa Alckmin de dar calote na população por mudanças na Nota Fiscal Paulista


Conselheiro do TCE/SP critica mudança na nota paulista e diz que governo aplicou "calote"
 
O conselheiro Roque Citadini, do Tribunal de Contas do Estado (TCE) de São Paulo, afirmou nesta quarta-feira (22), que o governo estadual aplicou um calote no consumidor ao modificar as regras do programa da Nota Fiscal Paulista.
Citadini não dispensou críticas ao secretário da Fazenda do governador Geraldo Alckmin (PSDB), Renato Villela, economista, ex-secretário-adjunto do Tesouro e subsecretário de Fazenda da prefeitura do Rio de Janeiro. "A continha do secretário é continha de gente que tem a cabecinha ali, não consegue pensar, destruiu um programa importante que o Estado tinha", disse.
Anunciadas há duas semanas, as mudanças na Nota Fiscal Paulista visaram uma compensação na queda na arrecadação. Foram adiados créditos que seriam liberados para os consumidores em outubro. Os repasses caíram de 30% para 20-%.
Apesar de destacar o êxito do programa, Citadini manifestou-se contra a alteração: "da noite para o dia, o Governo anuncia que o prêmio que era de 30% cai para 20%, que o pagamento para outubro não mais será em outubro e arrasa a credibilidade do programa que ele criou, que ele fez, que foi tão exitoso".
Segundo ele, o programa da Nota Fiscal Paulista serviu de parâmetro para outros Estados e "foi atingido com o mais duro tiro que se pode dar num programa de Governo, a credibilidade".
Com a crise econômica que atinge o país, o conselheiro do TCE reconheceu a redução da atividade econômica. "Vivemos um período de atividade econômica cada vez menor e com receitas cada vez menor. Mas essa mudança é um tiro de canhão no casco do navio, retira toda a credibilidade do programa, compromete o presente, compromete o futuro".
Para Citadini, o programa teve um grande êxito, mas recebeu um "tiro": "Vi Estados onde foi adotada a nota fiscal e [o programa] caiu em completa desmoralização porque os Estados não pagaram adequadamente o que se prontificava a pagar. Aqui [São paulo] não, aqui havia não só uma adesão popular, adesão do pequeno, quem compra cafezinho no bar pede para botar a nota. E agora o programa recebe um tiro desse daí".
Ele definiu, portanto, a medida adotada pelo governo paulista como um calote e disse que o que seria pago em outubro, não será mais: "calote é o termo adequado".
 
A visão do conselheiro Sidney Beraldo
O conselheiro disse compreender que se trata de uma questão bastante relevante, uma mudança que impacta na vida de um conjunto bastante significativo da população que recebe tal benefício".
Segundo ele, não se pode desprezar o momento "gravíssimo" que vivemos e a tendência de piora da economia brasileira. "A necessidade de ajuste é real. O que precisa avaliar é quais são as oportunidades que se tem para fazer esse ajuste sem impacto maior na vida das pessoas".
 
A opinião do secretário da Fazenda do governo de SP, Renato Villela
De acordo com Villela, o programa Nota Fiscal Paulista não foi alterado, apenas sofreu ajustes para se adaptar à situação fiscal do Estado.
Ele ressaltou que o programa não perdeu a credibilidade e que o ritmo continua na mesma intensidade de antes das alterações.
Durante o mês de julho, até o dia 21, foram registrados 57.263 novos CPFs cadastrados. Junto a esse número somam-se 28.566 recadastramentos realizados no mesmo período.
Segundo ele, as mudanças realizadas forma "só mudanças de alguns parâmetros" e a credibilidade da Nota Fiscal Paulista não foi afetada. 

JOVEM PAN



.


"A Indústria da Multa não Existe" em: o planejamento da ampliação da Marginal


1 - 'Não vai ter mais engarrafamento aqui' ( Ex-governador José Serra - o "JS" do Odebrecht - ao anunciar, em 06 de maio de 2009, a ampliação da Marginal do Tietê http://g1.globo.com/…/0,,MUL1111338-5605,00-AMPLIACAO+DA+MA…

2 - "Lentidão volta a crescer na Marginal" ( Estadão em 27 de MAIO DE 2010!! )
Abertura de pistas na Tietê atraiu muitos motoristas que antes usavam rotas alternativas; para especialista, 'alívio foi momentâneo'
(...) O confronto dos dados aponta uma possível perda de praticamente todo o ganho em fluidez obtido com a inauguração das novas pistas (...) "Foi um alívio momentâneo. Mas esses espaços livres passaram a ser preenchidos pelos carros que antes cortavam por dentro da cidade e agora andam a Marginal inteira. E ainda há o risco de que pessoas do transporte público tenham voltado para os automóveis" (...)
http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,lentidao-volta-a-crescer-na-marginal-imp-,557317

3 - Até o Dimenstein: “Serra jogou dinheiro fora nas Marginais” ( ENCALHE, 28 de maio de 2010 ) https://humbertocapellari.wordpress.com/…/ate-o-dimenstein…/

4- "Lentidão na Marginal sobe 80% após 5 anos" ( Estadão, 28 de Março de 2015 ) http://www.estadao.com.br/…/geral,lentidao-na-marginal-sobe…

5 - "Nova Marginal: R$ 1,5 bilhões para mais congestionamentos" ( Blog Viatróleibus, 30 de Março de 2015 ) http://viatrolebus.com.br/…/nova-marginal-r-15-bilhoes-par…/

6 - "Contratos da Delta dispararam com Serra na prefeitura e Estado" ( Jornal Hora do Povo, 09 de maio de 2012 )

( ... ) Os contratos com o Estado também se multiplicaram, depois que Serra assumiu o governo em 2007. No mandato do tucano, a construtora recebeu R$ 664 milhões, o equivalente a 83% de todos os 27 convênios firmados pelo Estado com a empresa na última década. Segundo reportagem da revista ISTOÉ, o valor pago ao consórcio liderado pela Delta na obra de ampliação da Marginal Tietê sofreu um reajuste de 75%.
A obra era acompanhada no governo por Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, identificado como um dos arrecadadores das campanhas eleitorais de Serra. O responsável na empreiteira era Heraldo Puccini Neto, que está foragido, após ter a prisão preventiva decretada por suspeita de fraudes em licitações.
Até abril de 2010, Paulo Preto foi diretor da Dersa, responsável pelo contrato da obra da Marginal. Na campanha presidencial de Serra, Vieira foi acusado pelos próprios tucanos de sumir com R$ 4 milhões, que teria arrecadado junto a empreiteiras com as quais possuía relações estreitas ( ... )

.

.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

vEJA: A tenebrosa máquina de difamação do Doktor Civita

vEJA: A tenebrosa máquina de difamação do Doktor Civita
- - - - - - Idéia: Humberto - - - - - - - - - - - - Arte: ONIPRESENTE - - -

"No tolerancia, venimos a aniquilar"
Edificante frase motivacional grafitada por soldados israelenses em paredes de imóveis tomados como bases, durante a última guerra de Israel contra o Hamas, em janeiro, em Gaza, quando o Estado israelense cometeu inúmeros crimes de guerra. Saiu no El País.

"Você acha que os Estados Unidos foram um Estado fascista até 1945, quando tínhamos a mesma regra?"
Noam Chomsky
, em entrevista à Isto É, sobre as possibilidades de Hugo Chavez se reeleger infinitas vezes, o que alguns chamam de "caminho asfaltado para uma ditadura".


“Graças a Deus que nós conseguimos comprar aquele delegado babaca, que não sai do nosso pé.”
Verônica Dantas, irmã do banqueiro Daniel Dantas, traíndo o Segundo Mandamento

"Quero me pronunciar em termos práticos como cidadão, distintamente daqueles que se chamam antigovernistas: o que desejo imediatamente é um governo melhor, e não o fim do governo. Se cada homem expressar o tipo de governo capaz de ganhar o seu respeito, estaremos mais próximos de conseguir formá-lo."
Henry David Thoreau, A Desobediência Civil

"The torture never stops."
Frank Zappa, músico

"Além da nobre arte de fazer coisas, existe a nobre arte de deixar coisas sem fazer. A sabedoria da vida consiste na eliminação do que não é essencial."
Lin Yutang, filósofo chinês (1895-1976 )


" Nunca deve valer como argumento a autoridade de qualquer homem, por excelente e ilustre que seja...
É sumamente injusto submeter o próprio sentimento a uma reverência submetida a outros; é digno de mercenários ou escravos e contrário à dignidade humana sujeitar-se e submeter-se; é uma estupidez crer por costume inveterado; é coisa irracional conformar-se com uma opinião devido ao número dos que a têm...

É necessário procurar sempre, com compensação, uma razão verdadeira e necessária... e ouvir a voz da natureza"
Giordano Bruno


" (...) E depois, quando um astrônomo lhe disser que o que você viu não existe, lembre-lhe que cem anos atrás (1874) isso era o que os astrônomos diziam sobre meteoritos. (...)"
Ralph Blum e Judy Blum, em "Toda a verdade sobre os discos voadores" , Edibolso , 1974

Na rádio Agulha pop/rock você escuta:

The Doors, The Smiths, Link Wray, Nick Cave & The Bad Seeds, Nirvana, Blondie, Ramones, The Rolling Stones, The Beatles, David Bowie, Lobão, The Who, Roberto Carlos, Sex Pistols, The Pretenders, The Seeds, The Saints, The Cramps, Ozzy Osburne, Iggy Pop, DEVO, Johnny Cash, Guilherme Arantes, Patti Smith, MC5, The Chocolate Watchband, Iron Maiden, Dead Kennedys, The Sonics, Wilson Pickett, The Jimi Hendrix Experience, B-52's, Janis Joplin, Joy Division, Echo and The Bunnymen, Lou Reed, Velvet Underground, Bauhaus, Joan Jett, Titãs, Raul Seixas, Led Zeppelin, The Clash, The Cream, Elvis Presley, Syd Barrett, AC/DC, New Order, Hawkwind, Creedence Clearwater Revival, Talking Heads, Barão Vermelho, Green Day, The Who e por aí vai... [ CLIQUE AQUI ]